Atividade

100281 - Leitura e escrita sob a clivagem da história: cenários e perspectivas

Período:
Quarta 18:00 às 20:00
 
Descrição: OBJETIVOS: Este é um curso coletivo, ministrado pelos integrantes do Grupo de Estudos de
Filosofia e História das Ideias Pedagógicas. Tem por objetivo geral a identificação de alguns aspectos da trajetória histórica da leitura e da escrita, dos modos de ler e de escrever no mundo ocidental, bem como suas repercussões pedagógicas. Para tanto, no que toca aos objetivos específicos, os inscritos deverão:
a) reconhecer o tema da leitura e da escrita como objeto de estudo; b) identificar os modelos
de leitura e da escrita da Grécia e de Roma; c) distinguir as referências da leitura monástica dos procedimentos da leitura escolástica; d) reconhecer as inovações acarretadas pelo texto impresso;
e) identificar o papel da Reforma e da Contrarreforma nas práticas e leitura; f) discernir o papel político da leitura Iluminista;
g) identificar o lugar social ocupado pela escola nas práticas de leitura dos séculos
XIX e XX; h) reconhecer os textos voltados para a formação de professores, bem como os textos de gramáticas, literatura e alfabetização como manuais escolares;
i) identificar o papel da imprensa pedagógica na construção do discurso sobre a educação;
j) reconhecer o impacto e a organização de um novo formato de leitura e de escrita, provocado pela internet;
k) reconhecer as relações entre o movimento da leitura e a prática da escrita

JUSTIFICATIVA: O presente curso de extensão inscreve-se no debate sobre a temática da cultura letrada em sua dimensão histórica e em suas perspectivas futuras. Buscar-se-á discutir o lugar social e público do aprendizado da leitura e da escrita, bem como as práticas de leitura e da escrita no mundo ocidental da Antiguidade até os nossos dias. Tal discussão parece-nos fundamental para alicerçar a reflexão sobre a dinâmica histórica do fenômeno educativo. Nesse sentido, as diferentes aulas do curso percorrerão o debate sobre o ler e o escrever na Grécia e em Roma do período clássico, na Idade Média, até chegar ao momento de inflexão da Renascença, com a entrada no cenário letrado da tipografia. A seguir será identificado o papel da Reforma protestante, bem como da Contrarreforma católica e o movimento que originou as leituras e leitores populares do período clássico. Depois serão abordados os séculos XVIII e XIX, primeiramente com a circunscrição da leitura como ato político para, em seguida, situar o fenômeno letrado como iniciativa fundamentalmente escolar. Nesse sentido serão trabalhados os manuais didáticos de formação de professores, a produção de livros de gramática e
literatura, as práticas de alfabetização e a imprensa pedagógica. Por fim, serão discutidos os impactos, os desafios e os impasses do tempo presente, no tocante à leitura on line e à cosmovisão da internet.

2

CONTEÚDO/EMENTA:

1. 4/8: A leitura e a escrita como problema intelectual; - Carlota e Shirley
2. 11/8: A escrita na Grécia e em Roma como revolução conceitual; - Carlota e Bruna Costa
3. 18/8: A Idade Média: leitura monástica e leitura escolástica; - Carlota e Marina
4. 25/8: A Renascença, a Reforma protestante e as práticas de leitura; - Tiziana e Carlota
5. 1/9: Leituras e leitores populares: da Renascença ao período clássico; - Alexandre e Marina
6. 15/9: O século XVIII e a leitura como ato político; - Rodison e Sophia
7. 22/9: Alguns aspectos do pensamento sobre a educação de textos dos iluministas; - Rodison e
Sophia
8. 29/9: Leituras e escritas para a formação de professores, séculos XIX e XX – Carolina e Bruna
Costa
9. 6/10: A imprensa pedagógica e a leitura – Carolina e Alexandre
10. 13/10: Leitura e/ou escrita na gramática escolar e no ensino de literatura – Bruna Polacchini e
Julia
11. 20/10: Do século XIX ao XX: a leitura da escola; - Shirley e Tiziana
12. 27/10: Leitura e/ou escrita no contexto [do ensino] religioso; - Maria Alzira e Miriam
13. 3/11:A leitura do manual didático e a alfabetização; - Bruna Polachini e Nathália
14. 10/11: A leitura on line e a cosmovisão da internet; - Maria Alzira e Miriam
15. 17/11: Leitura e/ou escrita para crianças. – Tiago e Nathalia
16. 24/11: Leitura e escrita como problema filosófico – Tiago e Julia

BIBLIOGRAFIA:
ABREU, Márcia (org.). Leitura, história e história da leitura. Campinas/São Paulo: Mercado das Letras/ALB/FAPESP,
1999.
BARBIER, Frédéric. A Europa de Gutenberg: o livro e a invenção da Modernidade ocidental (séculos XIII-XVI). São
Paulo: EDUSP, 2018.
BARTHES, Roland. O prazer do texto. Lisboa: Edições 70, 1988.
BARTHES, Roland (2000). O grau zero da escrita. São Paulo: Martins Fontes (desde o início até p. 76).
BLANCHOT, Maurice (1984). O livro por vir. Lisboa: Relógio D’Água (pp. 11 a 49 e 117 a 160).
BLANCHOT, Maurice (2011). O espaço literário. Rio de Janeiro: Rocco. (pp. 9 a 26; 29 a 43; 229 a 271)
BOTO, Carlota. A escola primária como rito de passagem: ler, escrever, contar e se comportar. Coimbra: Imprensa da
Universidade de Coimbra, 2012.
BOTTÉRO, Jean; MORRSON, Ken (orgs.). Cultura, pensamento e escrita. São Paulo: Ática, 1995.
BRASLAVSKY, Berta. Problemas e métodos no ensino da leitura. São Paulo: Melhoramentos/Editora da USP, 1971.
CARR, Nicholas. O que a internet está fazendo com os nossos cérebros: a geração superficial. Rio de Janeiro: Agir, 2011.
CASTELLS, Manuel. A galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Zahar,
2003.

3

CAVALLO, Guglielmo; CHARTIER, Roger (orgs.). História da leitura no mundo ocidental. volume I. São Paulo: Ática,
1998.
CAVALLO, Guglielmo; CHARTIER, Roger (orgs.). História da leitura no mundo ocidental. volume II. São Paulo: Ática,
1999.
CHARTIER, Anne-Marie; HÉBRARD, Jean. Discursos sobre a leitura (1880-1980). São Paulo: Ática, 1995.
CHARTIER, Roger. A história ou a leitura do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.
CHARTIER, Roger. A ordem dos livros. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1994.
CHARTIER, Roger. Os desafios da escrita. São Paulo: UNESP, 2002.
CHARTIER, Roger (org.) Práticas da leitura. São Paulo: Estação Liberdade, 1996.
COOK-GUMPERZ, Jenny, A construção social da alfabetização. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.
DARNTON, Robert. O Iluminismo como negócio: história da publicação da Enciclopédia (1775-1800). São Paulo:
Companhia das Letras, 1996.
DELEUZE, Gilles (1999). O ato de criação. Folha de São Paulo de 27/06/1999.
DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire (2004). Dialógos. Lisboa: Relógio d’Água (pp. 11 a 47).
DELEUZE, Gilles (2003). Conversações 1972-1990. Lisboa: Fim de Século (todo o livro). 
DESBORDES, Françoise. Concepções sobre a escrita na Roma antiga. São Paulo: Ática, 1995.
EISENSTEIN, Elizabeth L. A revolução da cultura impressa: os primórdios da Europa Moderna. São Paulo: Ática, 1998.
FOUCAULT, Michel (1997). A ordem do discurso. Lisboa: Relógio de Água. 
HAVELOCK, Eric A. A musa aprende a escrever: reflexões sobre a oralidade e a literacia da Antiguidade ao presente.
Lisboa: Gradiva, 1996.
LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Rio de Janeiro: Editora 34,
2004.
MANGUEL, Alberto. Uma história da leitura. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.
OLSON, David R. O mundo no papel: as implicações conceituais e cognitivas da leitura e da escrita. São Paulo: Ática,
1997.
OLSON, David R; TORRANCE, Nancy. Cultura escrita e oralidade. São Paulo: Editora Ática, 1995.
ONG, Walter. Oralidade e cultura escrita. Campinas: Papirus, 1998.
SILVA, Vivian Batista. Saberes em viagem nos manuais pedagógicos: construções da escola em Portugal e no Brasil (1870-
1970). São Paulo: Editora UNESP, 2018.
SOARES, Magda. Alfabetização e letramento. São Paulo: Contexto, 2018.
TERROU, F; ALBERT, P. História da imprensa. São Paulo: Martins Fontes, 1990.
THOMAS, Rosalind. Letramento e oralidade na Grécia antiga. São Paulo: Odysseus, 2005
VIDAL, Diana Gonçalves. O exercício disciplinado do olhar: livros, leituras e práticas de formação docente no Instituto de
Educação do Distrito Federal (1932-1937). Bragança Paulista: Editora da Universidade São Francisco, 2001.
VIEIRA, Carlos Eduardo; BONTEMPI JR, Bruno; OSINSKI, Dulce Regina Baggio (orgs.). História intelectual e
educação: imprensa e esfera pública. Jundiaí: Paco, 2019.

Carga Horária:

60 horas
Tipo: Obrigatória
Vagas oferecidas: 250
 
Ministrantes: Alexandre Ribeiro e Silva
Bruna Costa de Oliveira
Bruna Soares Polachini
Carlota Josefina Malta Cardozo dos Reis Boto
Carolina Mostaro Neves da Silva
Julia Souza Santos Giardino
Maria Alzira da Cruz Colombo
Marina Ribeiro de Gois
Miriam Fernandes Muramoto
Nathália Campelo Ferraz Guirao
Rodison Roberto Santos
Shirley dos Santos
Sophia Calil Breymaier
Tiago Alexandre Fernandes Almeida
Tiziana Ferrero


 
 voltar

Créditos
© 1999 - 2021 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP