Atividade

104184 - RMS Atenção Integral - Atividades teóricas e teórico-práticas comuns para residentes multiprofissionais II

Período:
Terça 19:00 às 22:00
 
Descrição: Atividade teórica ou teórico-prática do eixo transversal do programa com carga horária de 31 horas no 3 e 4 semestre.

Teórico
Políticas de Saúde no Brasil e no mundo; Humanização e princípios éticos em saúde; Organização dos serviços de saúde e intersetorialidade; Fundamentos e práticas do trabalho multiprofissional; Ciclo vital e as relações sociais; Epidemiologia das doenças crônicas e seus agravos; Vulnerabilidade social e psicológica; Prevenção Primária, Secundária e Terciária de doenças e promoção de saúde; Comunicação de más notícias; Tratamento de informação em saúde; Delineamento, normas e Ética em pesquisa em saúde, Telessaúde.

Teórico - Prático
Diagnóstico das condições de saúde e necessidades da população e avaliação do território e equipamentos sociais existentes na área abrangida pelo serviço de saúde; Identificação das principais condições contagiosas e crônicas que acometem a população alvo do município através do SIAB, DATASUS e outros sistemas de informação; Planejamento das ações em saúde a partir do perfil epidemiológico da população e dos recursos humanos e estruturais existentes nos serviços de saúde; Realização de ações como a avaliação psicossocial, cuidado domiciliar, orientação breve, atendimento individual e grupal, com ênfase em doenças crônicas, e campanhas de saúde; Acolhimento, referência e contra-referência, seguimento da população; Participação em reuniões de equipe, administrativas e planejamento das ações em saúde (presencialmente, por vídeo conferência e por web conferência).

Referências

BEE, H. O ciclo vital. Porto Alegre: Artmed, 1997.
BRASIL. Lei no. 8.080, de 19 de Setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília, DF, 19 set. 1990; 169º da Independência e 102º da República.
BRASIL. Lei no. 8.142, de 28 de Dezembro de 1990. Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências. Brasília, DF, 28 dez. 1990; 169º da Independência e 102º da República.
BRASIL. Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011, Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasília, DF, 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.htmlAcesso em: 06 de dezembro de 2012.
BRASIL. Ministério da Saúde. Pactos pela vida, em defesa do SUS e de gestão: diretrizes operacionais. Brasília, 2006. (Série A, Normas e Manuais Técnicos, v.1).
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Política nacional de promoção da saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 60 p. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/pactovolume7.pdf Acesso em: 06 de dezembro de 2012.
BRASIL. Ministério da Saúde. Política nacional de atenção básica. Brasília, 2006. (Série A, Normas e Manuais Técnicos, v.4).
BRASIL, Decreto n. 6.286, de 5 de dezembro de 2007. Institui o Programa Saúde na Escola – PSE, e dá outras providências. Disponivel em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6286.htm Acessado em 30/11/2013.
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde na escola / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília : Ministério da Saúde, 2009. 96 p. : il. – (Série B. Textos Básicos de Saúde) (Cadernos de Atenção Básica ; n. 24). Disponivel em http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/cadernos_ab/abcad24.pdf acessado em 30/11/2013
BRASIL, Portaria n. 3.124, de 28 de dezembro de 2012. Redefine os parâmetros de vinculação dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) modalidades 1 e 2 às Equipes Saúde da Família e/ou Equipes de Atenção Básica para populações especificas, cria a Modalidade NASF3, e dá outras providências. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm../2012/prt3124_28_12_2012.html Acessado em 30/11/2013.
CAMPOS, G. W. S. et al. Tratado de saúde coletiva. São Paulo: Hucitec; Rio de Janeiro: Fiocruz, 2006.
CASTRO, A.; MIGUEL, M. SUS: ressignificando a promoção da saúde. São Paulo: Hucitec/OPAS, 2006.
CZERESNIA D, FREITAS CM. Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendência. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2003.
MENDES, Eugênio Vilaça. As redes de atenção à saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2011. 549 p.
MERHY, E. E. et al. O trabalho em saúde: olhando e experienciando o SUS no cotidiano. São Paulo: Hucitec, 2003.
MERHY, E. E. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. São Paulo: Hucitec, 2002.
PAIM, J. S. ALMEIDA FILHO, N. A crise da saúde pública: e a utopia da saúde coletiva. Bahia: Casa da Qualidade, 2000.
PINHEIRO, R.; MATTOS, R. A. (Org.) Os sentidos da integralidade e o cuidado à saúde. Rio de Janeiro: UERJ/IMS: ABRASCO, 2001.
ROUQUAYRROL, M. Z. Epidemiologia e saúde. 6ª ed. Rio de Janeiro: Medsi, 2003.
TEIXEIRA, C. F.; SOLLA, J. P. Modelo de atenção à saúde: promoção, vigilância e saúde da família. Salvador: Edufba, 2006.
VASCONCELOS, E. M. et.al. Educação popular e a atenção à saúde da família. 2ª ed. São Paulo: Hucitec, 2001.

Carga Horária:

62 horas
Tipo: Obrigatória
Vagas oferecidas: 14
 
Ministrantes: Elaine Cristina Minto
Julieta Mieko Ueta
Luana Pinho de Mesquita Lago
Patricia Leila dos Santos
Regina Yoneko Dakuzaku Carretta
Renata Tamiê Nakao
Tatiane Martins Jorge
Wilson Mestriner Junior


 
 voltar

Créditos
© 1999 - 2022 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP