Atividade

107730 - Cursos de inverno da FFLCH 2022 - Introdução aos estudos críticos da família

Período da turma: 01/08/2022 a 05/08/2022

Selecione um horário para exibir no calendário:
 
 
Descrição: PROGRAMA DAS AULAS E BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA:

01/08: A FAMÍLIA, DISPOSITIVO DO PARENTESCO
O que é “família”? - Quais as principais características dessa instituição? - Qual a sua relação com outros aspectos da estrutura e da organização social?
LEITURA DE TODOS OS SEGUINTES TEXTOS:
Engels, Friedrich (Ed.). A origem da família, da propriedade privada e do Estado. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2019. Capítulo 2 – A família.
Moschkovich, Marília. Entre marxismo, feminismo e antropologia: Posfácio à edição brasileira de "A origem da família, da propriedade privada e do Estado". In: Engels, F. (Org.). A origem da família, da propriedade privada e do Estado. 1. ed., São Paulo: Boitempo, 2019. p. 165–174.
Moschkovich, Marília. A crítica à família e os estudos antropológicos de Engels. In: Antunes, R.; Fontes, V.; Mascaro, A.; Moschkovich, M.; Netto, J. P. (Org.). Curso livre Engels: vida e obra, São Paulo: Boitempo, 2021, p.113–127.
LEITURA COMPLEMENTAR FORTEMENTE RECOMENDADA:
MORGAN, Lewis Henry. Ancient Society Or Researches in the Lines of Human Progress from Savagery through Barbarism to Civilization. Calcutta,Bharti Library, 1944.

02/08 – OS ESTUDOS DO “PÓS-PARENTESCO” NA ANTROPOLOGIA
O que são os estudos de parentesco? - Quais as principais ideias dos estudos clássicos de parentesco e sua contribuição para a antropologia? - O que são os estudos de “pós-parentesco” e de que maneira alteram a compreensão do parentesco? - Como a “família” aparece nos estudos do “pós-parentesco”?
ESCOLHER NO MÍNIMO UM DOS TEXTOS SEGUINTES:
Carsten, Janet. After Kinship. Cambridge: Cambridge Univ. Press, 2007. 216 p. (New departures in anthropology). Introdução.
FONSECA, C. De afinidades a coalizões: uma reflexão sobre a “transpolinização” entre gênero e parentesco em décadas recentes da antropologia. Ilha Revista de Antropologia, Florianópolis, v. 5, n. 2, p. 005-031, jan. 2003.
Schneider, David Murray. American kinship: A cultural account. 2. ed. Chicago: University of Chicago Press, 1980. Capítulo 1 (Introdução) e Parte Um (Capítulos 2 e 3) – p. 1 a 56
Strathern, Marilyn. After nature: English kinship in the late twentieth century. Cambridge, New York: Cambridge University Press, 1992. xviii, 240. (The Lewis Henry Morgan lectures, 1989). Introdução e capítulo 1.
YANAGISAKO, S & J Collier. Toward a unified theory of gender and kinship, in Collier & Yanagisako (ed.). Gender and Kinship, pp.14-50; 1987.

03/08 – FAMÍLIA COMO DISPOSITIVO COLONIAL
Qual a relação entre a família e o processo colonial? – Que papel desempenhou o Estado em casos como o brasileiro? – Quais as relações de poder estabelecidas ao longo do tempo nesse tipo de interação? – De que maneira as subjetividades se configuram nesse quadro?
LEITURA DE AMBOS OS TEXTOS:
Corrêa, Mariza. Repensando a família patriarcal brasileira. Cadernos de pesquisa: revista de estudos e pesquisa em educação, Mai/81, p. 5–16, 1981. Disponível em: <http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/1590>. Acesso em: 8 ago. 2018.
Potthast-Jutkeit, Barbara. The history of family and colonialism: Examples from Africa, Latin America, and the Caribbean. The History of the Family, v. 2, n. 2, p. 115–121, 1997. doi:10.1016/S1081-602X(97)90001-4.
LEITURA COMPLEMENTAR FORTEMENTE SUGERIDA:
Candido, Antonio. The Brazilian Family. In: Smith, T. L. (Org.). Brazil, portrait of half a continent New York: Dryden Press, 1951. viii, 466 (The Dryden press sociology publications, p. 291–311.
Freyre, G. [1933]. Casa-grande & senzala. São Paulo: Companhia das Letras, 1987 (Préfácio).

04/08 – FAMÍLIA, ESTADO E PRÁTICAS SOCIAIS NO BRASIL HOJE
Como podemos pensar o caso brasileiro a partir das ferramentas já trabalhadas no curso? – Que particularidades a contemporaneidade brasileira tem em relação ao papel institucional da família na política e vice-versa?
ESCOLHER NO MÍNIMO UMA DAS LEITURAS A SEGUIR:
Fonseca, Claudia. Família e parentesco na antropologia brasileira contemporânea. In: Martins, C. B. (Org.). Antropologia, São Paulo: ANPOCS; Discurso Editorial; Barcarolla, 2010. p. 457-487 (Horizontes das ciências sociais no Brasil. Machado, Lia Zanotta. Famílias e individualismo: tendências contemporâneas no Brasil. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 5, p. 11–26, 2001.
Moschkovich, Marilia. “Família” e a nova gramática dos direitos humanos no governo de Jair Bolsonaro (2019-2021). Mecila Working Paper Series, 2022. (No prelo)
Sarti, Cynthia Andersen. A família como ordem simbólica. Psicologia USP, v. 15, n. 3, p. 11–28, 2004. doi:10.1590/S0103-65642004000200002.
Pilão, Antonio Cerdeira. Normas em movimento: monogamia e poliamor no contexto jurídico brasileiro. Teoria e Cultura, Juiz de Fora, MG, v.16, n.3, p.103-115, 2021.

05/08 – A POLÍTICA ANTI-FAMÍLIA
De que modo contribuições recentes de pesquisadoras e autoras de diferentes áreas reposicionam a família tanto politicamente quanto como objetos de estudos e disputa? – Quais as relações entre a instituição Família e as categorias de pessoa, sujeito, cidadania etc.? – De que forma a Família incide sobre corpos e de que forma experiências de corpos e sujeitos podem desestabilizar a Família? – Como práticas sexuais, afetivas e reprodutivas tensionam a instituição Família?
ESCOLHER NO MÍNIMO UMA DAS TRÊS LEITURAS A SEGUIR:
Haraway, Donna. O Manifesto das Espécies Companheiras: Cachorros, Pessoas e Alteridade Significativa. Rio de Janeiro: Bazar Do Tempo, 2021. Parte I (Naturezas-culturas emergentes)
Lewis, Sophie. Full surrogacy now: Feminism against family. London: Verso, 2019. Introdução e capítulo 1.
Vasallo, Brigitte. Pensamiento monógamo, terror poliamoroso. Madrid: La Oveja Roja, 2018. (disponível em português com o título “O desafio poliamoroso” – editora Elefante, 2022). Introdução e capítulos 1 e 2 (no original, páginas 9 a 71)

Filmes recomendados para assistir antes do curso:
(As referências aos filmes serão mobilizadas em diferentes momentos das diferentes aulas, às vezes de maneira recursiva, por isso é necessário assistir todos antes do início do curso)
- Festa em Família (Festen / The Celebration / disponível via torrent e em alguns serviços de streaming), Dinamarca, Thomas Vinterberg, 1998
- A excêntrica família de Antonia (Antonia / Antonia’s Line / disponível no YouTube como “A excêntrica família de Antonieta, legendado em português), Holanda, Marleen Gorris, 1995
- Juno (Juno / disponível em diversos serviços de streaming), EUA, Jason Reitman, 2007
- Que horas ela volta? (The second mother / disponível no Youtube e Globoplay), Brasil, Anna Muylaert, 2015

Carga Horária:

15 horas
Tipo: Obrigatória
Vagas oferecidas: 120
 
Ministrantes: Antonio Cerdeira Pilão
Marília Barbara Fernandes Garcia Moschkovich


 
 voltar

Créditos
© 1999 - 2022 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP