Atividade

107821 - Cursos de inverno da FFLCH 2022 - Movimento negro brasileiro contemporâneo: pautas, desafios e perspectivas

Período da turma: 09/08/2022 a 19/08/2022

Selecione um horário para exibir no calendário:
 
 
Descrição: 09/08 - Terça Feira
Movimento Negro Brasileiro: da década de 1970 aos dias atuais
A primeira aula do curso tem como objetivo oferecer um panorama sobre o que se constitiu o
movimento negro contemporaneo, partindo dos anos 70 e percorrendo suas pautas, histórias,
atores, conquistas e reinvidicações até os dias atuais. Neste momento, procura-se
conceitualizar o que é o movimento negro brasileiro e suas relações com os partidos políticos,
movimentos sociais, instituições e sociedade.

12/08 - Sexta Feira
Processos de Racialização e o Enigma do Pardo
A segunda aula irá abordar a questão dos beneficiários das ações afirmativas com recorte
étnico-racial. Discutiremos a criação de comissões de heteroidentidicação para validar a
autodeclaração racial de candidatos(as) aprovados(as) nas seleções das universidades, o que
tem sido alvo de debates a respeito do sentido de raça e discriminação racial. Assim,
analisaremos os dissensos e consensos ao redor dos beneficiários "pardos" e a longa trajetória
que o movimento negro percorreu para construir um projeto racial de aglutinação de “pretos”
e “pardos” na categoria “negros”.

16/08 - Terça Feira
Ações afirmativas na Graduação e Pós-Graduação
A terceira aula tem como objetivo apresentar um panorama geral das ações afirmativas no
ensino superior (graduação e pós-graduação) e abordar a participação do movimento negro
em todo esse processo. A despeito de ser usualmente associada à reserva de vagas ou cotas, a ação afirmativa é conceituada de forma ampla pela literatura, podendo referir-se a uma série
de políticas e iniciativas que promovem benefícios do bem-estar social e de direitos aos mais
variados grupos sociais que são ou foram objeto de discriminação. Assim, abordaremos os
principais conceitos, as modalidades de ação afirmativa, os argumentos favoráveis e
contrários, bem como aspectos legais e constitucionais.

19/08 - Encarceramento e Violência Policial
A quarta e última aula do curso visa apresentar um panorama sobre o encarceramento e a
violência policial no Brasil, assim como a relação do movimento negro com ambas questões.
Para isso, iremos apresentar as duas problemáticas em aula, passando pelos principais pontos
de discussão no âmbito da Sociologia da Punição, como: seletividade penal, superlotação de
prisões, assassinatos de civis por policiais, filtragem racial etc. Em seguida seguiremos para
as discussões realizadas pelo movimento negro brasileiro a respeito do encarceramento e das
polícias brasileiras.
Objetivos Gerais:
A primeira parte do curso será uma conceitualização sobre o que é movimento negro,
apresentando um panorama histórico e sociológico sobre esse ator. Nessa parte, o foco está
em abordar as principais pautas e desafios que o movimento enfrentou desde final dos anos
70, passando pela redemocratização e chegando até os dias atuais. A segunda parte abordará a
temática de cotas e ações afirmativas no Brasil, discutindo a avaliação da lei que ocorrerá em
2022 e os benefícios e problemáticas de tal questão. Nesta parte, procura-se colocar como a
pauta da educação e das cotas é um dos temas centrais para o movimento negro. A terceira
parte do curso se debruçará sobre a temática da violência e do racismo no Brasil, tendo como
foco as movimentações do movimento negro em torno da questão e os principais pontos e
problemas da violência policial e encarceramento. Ao final, será feito um debate, procurando
unir os debates trazidos, focando em olhar para as perspectivas futuras desse ativismo e de
suas pautas.
Conteúdo:
Apresentação do Movimento Negro Brasileiro desde a década de 70 até a atualidade
Principais pautas do Movimento Negro historicamente
Discussão sobre ações afirmativas e acesso ao ensino superior
Cotas nas universidades e quem é contemplado por elas
Problemática do encarceramento no Brasil
Violência policial e racial no Brasil

Bibliografia:
● Movimento Negro
ALONSO, Angela. As teorias dos movimentos sociais: um balanço do debate. Lua Nova:
Revista de Cultura e Política [online]. 2009.
CARDOSO, Hamilton. Limites do confronto racial e aspectos da experiência negra no Brasil.
In: SADER, Emir (Org.). Movimentos sociais na transição democrática. São Paulo: Cortez,
1987.
DOMINGUES, Petrônio. Movimento negro brasileiro: alguns apontamentos históricos.
Tempo, v. 12, n. 23, p. 100-122, 2007.
GONZALEZ, Lélia. O movimento negro na última década. In: ______; HASENBALG,
Carlos (Orgs.). Lugar de negro. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1982.
negro contemporâneo no Brasil . Niterói: UFF, 2010.
PEREIRA, Amilcar Araújo. O mundo negro : relações raciais e a constituição do movimento
RIOS, Flávia M. Elite Negra no Brasil. 2014. Tese de Doutorado. Tese (Doutorado).
Departamento de Sociologia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas,
Universidade de São Paulo, São Paulo.
RIOS, Flávia Matheus. Movimento negro brasileiro nas Ciências Sociais (1950-2000).
Sociedade e Cultura, 12(2), 2009.
RIOS, Flavia. Elite política negra no Brasil: relação entre movimento social, partidos
políticos e Estado. São Paulo: FFLCH-USP, 2014. Tese de doutorado.
● Ações Afirmativas
DAFLON, Verônica Toste; CARVALHAES, Flávio; FERES JÚNIOR, João. Sentindo na
Pele: Percepções de Discriminação Cotidiana de Pretos e Pardos no Brasil. DADOS – Revista
de Ciências Sociais, v. 60, n. 2, p. 293–330, 2017.
FERES JUNIOR, João et al. Ação afirmativa: conceito, história e debates. Rio de Janeiro:
EdUERJ, 2018. Disponível em:
.
GUIMARÃES, Antônio Sérgio Alfredo. Políticas públicas para a ascensão dos negros no
Brasil: argumentando pela ação afirmativa. Afro-Ásia, v. 0, n. 18, p. 235–261, 24 jan. 1996.
Disponível em: .
LIMA, Márcia, Desigualdades raciais e políticas públicas: ações afirmativas no governo Lula.
Novos estudos CEBRAP, n. 87, pp. 77-95, 2010.
MOEHLECKE, Sabrina. Ação afirmativa: História e debates no Brasil. Cadernos de
Pesquisa, n. 117, p. 197–217, nov. 2002. Disponível em:
t&tlng=pt>
SILVA, Graziella Moraes D.; LEÃO, Luciana T. de Souza. O paradoxo da mistura:
identidades, desigualdades e percepção de discriminação entre brasileiros pardos. Revista
Brasileira de Ciências Sociais, v. 27, n. 80, p. 117–133, out. 2012.
VENTURINI, Anna Carolina. Políticas de inclusão na pós-graduação: os bastidores e o
histórico da edição da Portaria Normativa 13/2016. Novos Estudos - CEBRAP, v. 40, n. 02, p.
261–279, 2021
VENTURINI, Anna Carolina; FERES JÚNIOR, João. Política de ação afirmativa na
pós-graduação: o caso das universidades públicas. Cadernos de Pesquisa, 50(177), 882–909,
2020. Disponível em: https://doi.org/10.1590/198053147491
● Processos de racialização e o enigma do pardo
CAMPOS, Luiz Augusto. "O pardo como dilema político." Insight Inteligência 62 (2013):
80-91.
DAFLON, Verônica Toste. Tão longe, tão perto: pretos e pardos e o enigma racial brasileiro.
Tese de Doutorado. Instituto de Estudos Sociais e Políticos, Rio de Janeiro, 2014.
FRY, Peter. A persistência da raça: ensaios antropológicos sobre o Brasil e a África Austral.
Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005
GONZALEZ, Lélia; HASENBALG, Carlos Alfredo. Lugar de negro. Editora Marco Zero,
1982.
LIMA, Márcia e CAMPOS, Luiz Augusto. APRESENTAÇÃO: INCLUSÃO RACIAL NO
ENSINO SUPERIOR Impactos, consequências e desafios. Novos estudos CEBRAP [online].
2020, v. 39, n. 2, pp. 245-254.
LIMA, Márcia; PRATES, Ian. Desigualdades raciais no Brasil: um desafio persistente.
Trajetórias das desigualdades: como o Brasil mudou nos últimos cinquenta anos. São Paulo,
SP: Editora Unesp, p. 163-189, 2015.
MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus
identidade negra. Autêntica Editora, 2019.
NEVES, Paulo Sérgio da C. Luta anti-racista: entre reconhecimento e redistribuição; Ver.
Bras. Ci. Soc. [conectados]. 2005, v.20, n.59 pp.8-96. Disponível em:
//www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v20n59/a06v2059.pdf>. ISSN 0102-6909. Acesso em
21/10/2021.
Oliveira e Oliveira, Eduardo (1974) “Mulato, um obstáculo epistemológico”. Argumento,
vol.1, n.3, pp. 65-73.
SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no
Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, p. 99-133, 1993.
SILVA, ANA CLAUDIA CRUZ DA et al. AÇÕES AFIRMATIVAS E FORMAS DE
ACESSO NO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO: O caso das comissões de
heteroidentificação. Novos estudos CEBRAP, v. 39, p. 329-347, 2020.
SILVA, Graziella; LEÃO, Luciana. O Paradoxo da Mistura: Identidades,
Desigualdades e Percepção de Discriminação Entre Brasileiros Pardos. Revista
Brasileira de Ciências Sociais, v. 27, n. 80, p. p.117-133, 2012.
Silva, Marcelle Barreto Felix da (2021). “Classificação racial: entre o cotidiano e o oficial).
45º Encontro Anual da Anpocs 2021.
● Encarceramento e violência policial
ALEXANDER, Michelle. A nova segregação. Boitempo Editorial, 2018.
BORGES, Juliana. Encarceramento em massa. Pólen Produção Editorial LTDA, 2019.
BRASIL, Presidência da República. Mapa do encarceramento: os jovens do Brasil. Brasília,
Presidência da República, Secretaria-Geral da Presidência da República, Secretaria Nacional
de Juventude, Ministério da Justiça, 2015.
DAVIS, Angela. Estarão as prisões obsoletas?. Editora Bertrand Brasil, 2018.
EILBAUM, Lucia; SANTOS, Flavia Medeiros. Quando existe 'violência policial'? Direitos,
moralidades e ordem pública no Rio de Janeiro. Revista Dilemas IFCS-UFRJ, v. 8, p.
407-428, 2015.
FELTRAN, G. de S. Trabalhadores e bandidos: categorias de nomeação, significados
políticos. Tematicas, Campinas, SP, v. 15, n. 30, p. 11–50, 2007.
GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afro-latino-americano. Editora Schwarcz-Companhia
das Letras, 2020.
MATTOS, Geísa. Flagrantes de racismo: imagens da violência policial e as conexões entre o
ativismo no Brasil e nos Estados. Revista de Ciências Sociais: RCS, v. 48, n. 2, p. 185-217,
2017.
MOURA, Clóvis. O racismo como arma ideológica de dominação. Revista Princípios, São
Paulo, n. 34, pp. 28-43, 1994.
SINHORETTO, Jacqueline; SILVESTRE, Giane; MELO, Felipe Athayde Lins de. O
encarceramento em massa em São Paulo. Tempo social, v. 25, p. 83-106, 2013.
SINHORETTO, Jacqueline; et al. A filtragem racial na seleção policial de suspeitos:
segurança pública e relações raciais. In: LIMA, Cristiane S. L.; BAPTISTA, Gustavo C.;
FIGUEIREDO, Isabel S. de (org.). Segurança pública e direitos humanos: temas transversais.
Brasília: Ministério da Justiça, 2014.
TELLES, Vera da Silva et al. Combatendo o encarceramento em massa, lutando pela vida.
Caderno CRH, v. 33, 2020.

Carga Horária:

12 horas
Tipo: Obrigatória
Vagas oferecidas: 90
 
Ministrantes: Anna Carolina Venturini
Fernanda Reis Nunes Pereira
Huri Henrique Paz da Costa
Matheus Henrique Hilário dos Santos Fagundes


 
 voltar

Créditos
© 1999 - 2022 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP