Atividade

107823 - Cursos de inverno FFLCH 2022 - Clube da Esquina 50 anos: o álbum e os itinerários de um grupo emblemático da MPB.

Período da turma: 03/08/2022 a 10/08/2022

Selecione um horário para exibir no calendário:
 
 
Descrição: Clube da Esquina 50 anos: o álbum e os itinerários de um grupo emblemático da MPB

Aula 1 (03/08) – Apresentação do curso
A aula tecerá um panorama histórico e sociocultural da formação e produções fonográficas do Clube da Esquina. Além de remontar ao contexto dos festivais de MPB dos anos de 1960 para situar Milton Nascimento e seus primeiros parceiros, abordará em discos e canções dos compositores nesse período ideias e ideários como mineiridade, romantismo, engajamento e nacional-popular.

Aula 2 (05/08) – Clube da Esquina, o álbum
A “metamorfose” de Milton Nascimento no LP Milton (EMI-Odeon, 1970) adiciona novos traços à linguagem e à musicalidade da turma de amigos e compositores posteriormente conhecida como Clube da Esquina. A apreciação do álbum homônimo de 1972, assinado por Milton e Lô Borges, porém com a participação efetiva de diversos outros artistas então vinculados ao “Clube”, permitirá apreender a obra tanto estética quanto social e historicamente. Transformações e impasses que caracterizaram o início dos anos de 1970 no Brasil serão discutidos a partir dos processos de gravação e montagem dos fonogramas, disposição e tratamento acústico das faixas, projeto gráfico, intertextualidades no conjunto do álbum, negociações com a censura, relações dos músicos com a EMI-Odeon e recepção do público, dos pares e da crítica.

Aula 3 (08/08) – Clube da Esquina, as canções
Dando prosseguimento à apreciação textual e contextual do álbum Clube da Esquina, a análise mais detida de algumas canções possibilitará enaltecer outros aspectos-chave como o experimentalismo, a coletividade na elaboração dos arranjos, os ritmos e métricas incomuns ao cancioneiro popular e a releitura de tradições culturais e musicais, bem como questões concernentes à contracultura, ao engajamento político, à crítica ao regime militar e o diálogo com certo ideário de integração latino-americana.

Aula 4 (10/08) – Itinerários
A aula apresentará de maneira geral outros álbuns de Milton Nascimento e parceiros lançados na década de 1970. A avaliação musical e histórico-social dessa produção fonográfica guiará a análise dos itinerários dos músicos e da gradativa dispersão de uma formação cultural cuja informalidade e antiburocracia das relações foram marcas características.

Bibliografia

ANOS 70: trajetórias (Vários autores). São Paulo: Iluminuras/Itaú Cultural, 2005.
ARRUDA, Maria Arminda do Nascimento. Mitologia da mineiridade: o imaginário mineiro na vida política e cultural do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1999.
AVELAR, Idelber. “De Milton ao metal: política e música em Minas”, ArtCultura, UFU, Uberlândia, n.º 9, p. 32-38, jul./dez. 2004.
BAHIANA, Ana Maria. Nada será como antes: MPB anos 70 – 30 anos depois. Rio de Janeiro: Senac/Rio, 2006.
BORÉM, Fausto; LOPES, Wilson. “‘Novena’ (1964) de Milton Nascimento e Márcio Borges: primórdios da síntese do Clube da Esquina”, Per Musi, UFMG, Belo Horizonte, n.º 30, p. 24-39, jul./dez. 2014.
BORGES, Márcio. “O Clube da Esquina”. In: DUARTE, Paulo Sérgio; NAVES, Santuza Cambraia (orgs.). Do Samba-canção à Tropicália. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003.
_______. Os sonhos não envelhecem: histórias do Clube da Esquina. 7.ª ed. São Paulo: Geração, 2011.
_______ (org.). Clube da Esquina 40 anos. Belo Horizonte: Associação dos Amigos do Museu Clube da Esquina, 2012.
BOURDIEU, Pierre. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.
BOZZETTI, Roberto. “Uma tipologia da canção no imediato pós-tropicalismo”, Letras, Santa Maria, n.º 34, p. 133-146, jan./jun. 2007.
BRANT, Fernando. Depoimento de Fernando Brant a Liana Fortes. Rio de Janeiro: Rio, 2005.
________. “Música e mineiridade”, Cadernos de História, Belo Horizonte, v. 9, n.º 11, p. 129-136, 1.º sem. 2007.
BRITTO, Paulo Henriques. “A temática noturna no rock pós-tropicalista”. In: NAVES, Santuza Cambraia e DUARTE, Paulo Sérgio (orgs.). Do samba-canção à tropicália. Rio de Janeiro: FAPERJ/Relume Dumará, 2003.
CAMPOS, Maria Tereza R. Arruda. Toninho Horta: harmonia compartilhada. São Paulo: Imprensa Oficial, 2010.
CANTON, Ciro Augusto Pereira. “Nuvem no céu e raiz”: romantismo revolucionário e mineiridade em Milton Nascimento e no Clube da Esquina (1970-1983). Dissertação de mestrado em História. São João Del Rey, UFSJ, 2010.
CHAUÍ, Marilena, et al. O nacional e o popular na cultura brasileira: seminários (Vários volumes). São Paulo: Brasiliense, 1982.
CORRÊA, Luiz Otávio. Clube da Esquina e Belo Horizonte: romantismo revolucionário numa cidade de formação ambígua. Dissertação de mestrado em Ciências Sociais. Belo Horizonte: PUC/MG, 2002.
DIAS, Márcia Tosta. Os donos da voz: indústria fonográfica brasileira e mundialização da cultura. São Paulo: Boitempo, 2000.
DINIZ, Sheyla Castro. De tudo que a gente sonhou: amigos e canções do Clube da Esquina. São Paulo: Intermeios/ Fapesp, 2017.
_______. “Milagre dos peixes em tempos de milagre econômico: o Clube da Esquina e a resistência político-cultural à ditadura militar brasileira”. In: SANTOS, Maria do Rosário; LESSA, Elisa Maria (orgs.). Música Discurso Poder. Vila Nova de Famalicão/Portugal: Húmus, 2012.
_______. “Clube da Esquina: mineiridade, romantismo e resistência cultural nos anos 1960”, Per Musi, UFMG, Belo Horizonte, p. 1-27, 2018.
_______. “Clube da Esquina versus Tropicalismo: conflitos simbólicos na MPB”, ArtCultura, Revista de História, Cultura e Arte, UFU, Uberlândia, v. 20 p.129 - 145, 2018.
________. “Da Bossa Nova ao Clube da Esquina: diálogos e relações estético-musicais na MPB”, OuvirOuVer, UFU, Uberlândia, v. 11, n.º 1, p. 166-179, jan./jun. 2015.
DUARTE, Maria Dolores Pires do Rio. Travessia: a vida de Milton Nascimento. Rio de Janeiro: Record, 2006.
DUNN, Christopher. Contracultura: alternative arts and social transformation in authoritarian Brazil. Chapel Hill: The University of North Carolina Press, 2016.
ESTANISLAU, Andréa (org.). Coração americano: 35 anos do Clube da Esquina. Belo Horizonte: Prax, 2008.
FAVARETTO, Celso Fernando. Tropicália, alegoria, alegria. 4.ª ed. Cotia: Ateliê, 2007.
_______. “Arte e cultura nos anos 70: o pós-tropicalismo”. In: Moderno, pós-moderno, contemporâneo: na educação e na arte. Tese de Livre-docência em Educação Comparada. São Paulo: USP, p. 242-251, 2004.
GARCIA, Luiz Henrique Assis. Coisas que ficaram muito tempo por dizer: o Clube da Esquina como formação cultural. Dissertação de mestrado em História. Belo Horizonte, UFMG, 2000.
GASPARI, Elio; HOLLANDA, Heloísa; VENTURA, Zuenir. Cultura em trânsito: da repressão à abertura. Rio de Janeiro: Aeroplano, p. 40-113, 2000.
GOUVÊA, Maurício. “A música que ultrapassa fronteiras estéticas e geográficas: Beto Guedes / Danilo Caymmi / Novelli / Toninho Horta”. In: ALBUQUERQUE, Célio (org.). 1973: o ano que reinventou a MPB. Rio de Janeiro: Sonora, p. 83-88, 2013.
GUERALDO, Vinicius. “Milton Nascimento entre o sertão e a cidade”. In: SIMIONI, Ana Paula Cavalcanti (org.). Cadernos do IEB: culturas e identidades brasileiras. São Paulo: IEB, 2016.
MAMMÌ, Lorenzo. “A era do disco”. In: A fugitiva: ensaios sobre música. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.
MARTINS, Bruno Viveiros. Som imaginário: a reinvenção da cidade nas canções do Clube da Esquina. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2009.
MELLO, Paulo Thiago de. Milton Nascimento e Lô Borges: Clube da Esquina (Coleção O livro do disco). Rio de Janeiro: Cobogó, 2018.
MELLO, Zuza Homem de. A era dos festivais: uma parábola. 3.ª ed. São Paulo: Ed. 34, 2003.
MOLINA, Sérgio. Música de montagem: a composição de música popular no pós-1967. São Paulo: É Realizações, 2017.
MOREIRA, Maria Beatriz Cyrino. Fusão de gêneros e estilos na produção musical da banda Som Imaginário. Dissertação de Mestrado em Música. Campinas: Unicamp, 2011.
MORELLI, Rita. Indústria fonográfica: um estudo antropológico. 2.ª ed. Campinas: Ed. Unicamp, 2009.
MUSEU CLUBE DA ESQUINA. Guia turístico de Belo Horizonte: roteiro Clube da Esquina. Belo Horizonte: s./ed., 2005.
NAPOLITANO, Marcos. “Seguindo a canção”: engajamento político e indústria cultural na MPB (1959-1969). São Paulo: Annablume/FAPESP, 2001.
_______. “A MPB sob suspeita: a censura musical vista pela ótica dos serviços de vigilância política (1968-1981)”, Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 24, n.º 47, p. 103-126, jul. 2004.
_______. “‘A primavera nos dentes’: a vida cultural sob o AI-5”. In: 1964: história do regime militar brasileiro. São Paulo: Contexto, 2014.
_______. Coração civil: a vida cultural brasileira sob ao regime militar (1964-1985) – ensaio histórico. São Paulo: Intermeios, 2017.
NAVES, Santuza Cambraia. Canção popular no Brasil: a canção crítica. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.
NUNES, Thais dos Guimarães Alvim. A sonoridade específica do Clube da Esquina. Dissertação de mestrado em Artes. Campinas: Unicamp, 2005.
OLIVEIRA, Rodrigo Francisco de. Mil tons de Minas: Milton Nascimento e o Clube da Esquina – cultura, resistência e mineiridade na música popular brasileira. Dissertação de mestrado em História. Uberlândia: UFU, 2006.
ORTIZ, Renato. Cultura brasileira e identidade nacional. 5.ª ed. São Paulo: Brasiliense, 2006.
_______. A moderna tradição brasileira: cultura brasileira e indústria cultural. 5.ª ed. São Paulo: Brasiliense, 2006.
RIDENTI, Marcelo. Em busca do povo brasileiro: artistas da revolução, do CPC à era da TV. Rio de Janeiro: Record, 2000.
RODRIGUES, Mauro. O modal na música de Milton Nascimento. Dissertação de mestrado em Musicologia. Rio de Janeiro, Conservatório Brasileiro de Música do Rio de Janeiro, 2000.
SBERNI JR., Cleber. O álbum na indústria fonográfica: contracultura e o Clube da Esquina em 1972. Dissertação de mestrado em História. Unesp/Franca, 2007.
SILVA, Beatriz Coelho. Wagner Tiso: som, imagem, ação. São Paulo: Imprensa Oficial, 2009.
STARLING, Heloísa. “Coração americano: panfletos e canções do Clube da Esquina”. In: REIS, Daniel Aarão; RIDENTI, Marcelo; MOTTA, Rodrigo Patto Sá (orgs). O golpe e a ditadura militar: 40 anos depois (1964-2004). São Paulo: EDUSC, 2004.
TATIT, Luiz. O século da canção. Cotia: Ateliê, 2004.
TEDESCO, Cybelle Angélique Ribeiro. De Minas, mundo: a imagem poético-musical do Clube da Esquina. Dissertação de mestrado em Multimeios. Campinas: Unicamp, 2000.
VARGAS, Herom. “Categorias de análise do experimentalismo pós-tropicalista na MPB”, Fronteiras: estudos midiáticos, v. 14, n.º 1, p. 13-22, jan.-abr. 2012.
VASCONCELLOS, Gilberto. Música popular: de olho na fresta. Rio de Janeiro: Graal, 1977.
VIEIRA, Francisco Carlos Soares Fernandes. Pelas esquinas dos anos 70: utopia e poesia no Clube da Esquina. Dissertação de mestrado em Poética. Rio de Janeiro: UFRJ, 1998.
VILARA, Paulo. Palavras musicais – letras, processos de criação, visão de mundo de 4 compositores brasileiros: Fernando Brant, Márcio Borges, Murilo Antunes, Chico Amaral. Belo Horizonte: S./Ed., 2006.
VILELA, Ivan. “Nada ficou como antes”, Revista USP, Dossiê Música Brasileira, n.º 87, São Paulo, USP, p. 14-27, set./nov. 2010.
________. “Breve ensaio sobre o Clube da Esquina”. In: BORGES, Márcio (org.). Clube da Esquina 40 anos. Belo Horizonte: Associação dos Amigos do Museu Clube da Esquina, 2012.
VITENTI, Ada Dias Pinto. Uma certa musicalidade nas esquinas de Minas (1968-1978). Dissertação de mestrado em História. Brasília: UnB, 2010.
WILLIAMS, Raymond. Cultura. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.
________. “A fração Bloomsbury” (Tradução: Rubens de Oliveira Martins e Marta Cavalcanti de Barros), Plural, Sociologia, USP, São Paulo, n.º 6, p. 139-168, 1.º sem. 1999.
WISNIK, José Miguel. O som e o sentido: uma outra história das músicas. 2.ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

Carga Horária:

12 horas
Tipo: Obrigatória
Vagas oferecidas: 65
 
Ministrantes: Sheyla Castro Diniz


 
 voltar

Créditos
© 1999 - 2022 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP