Atividade

121662 - Filologia e tradições discursivas: escravização e resistência negra

Período da turma: 29/11/2023 a 01/12/2023

Selecione um horário para exibir no calendário:
 
 
Descrição: Aula 01 (29/11): Filologia e suas intefaces no estudo de textos históricos dos séculos XVIII e XIX.
Aula 02 (30/11): Filologia e história da língua. Diplomática e o Modelo de Tradições Discursivas no estudo de fontes manuscritas da língua portuguesa.
Aula 03 (01/12): A Filologia e a documentação manuscrita relativa à escravização e à resistência negra na Bahia: construindo a prática.


Referências:
ACIOLI, V. L. C. A escrita no Brasil Colônia: um guia para a leitura de documentos manuscritos. Recife: Fundação Joaquim Nabuco; Editora Massangana, 2003.
ALENCASTRO, Luiz Felipe. O trato dos viventes: formação do Brasil no Atlântico Sul. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
BELLOTTO, Heloísa Liberalli. As espécies documentais. In: Como fazer análise diplomática e análise tipológica de documento de arquivo. São Paulo: Arquivo do Estado, Imprensa Oficial, 2002. p. 45-90. (Projeto Como Fazer, v. 8)
BERWANGER, Ana Regina; LEAL, João Eurípedes Franklin. Noções de Paleografia e Diplomática. Santa Maria: Centro de Ciências Sociais e Humanas-UFSM, 1991.
CAMBRAIA, César Nardelli. Introdução à crítica textual. São Paulo: Martins Fontes, 2005.
CASTILHO, Ataliba T. de; ANDRADE, Maria Lúcia C. V. O.; GOMES, Valéria Severina (Orgs.). História do português brasileiro: tradições discursivas do português brasileiro: constituição e mudança dos gêneros discursivos. São Paulo: Contexto, 2018. v. 7. 416p.
CASTRO, Ivo. O retorno à filologia. In: PEREIRA, Cilene da Cunha; PEREIRA, Paulo Roberto Dias. Miscelânea de estudos linguísticos, filológicos e literários ‘in memoriam’ Celso Cunha. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1995. p. 511- 520.
CHARTIER, Roger. A história ou a leitura do tempo. Trad. Cristina Antunes. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.
COSERIU, Eugenio. Sincronia, diacronia e história. Tradução Carlos Alberto da Fonseca e Mário Ferreira. São Paulo: EDUSP, 1979.
DIAS, Madalena Marques; BIVAR, Vanessa dos Santos Bodstein. Paleografia para o período colonial. In: SAMARA, Eni de Mesquita. (Org.) Paleografia e fontes do período colonial brasileiro. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP, 1986. p. 11 - 38. (Estudos CEDHAL/ Centro de Estudos de Demografia Histórica da América Latina, nova série, n. 11)
DURANTI, Luciana. Diplomática: novos usos para uma antiga ciência. Acervo. Rio de Janeiro, v.28, n.1, p. 196-215. jan./jun., 2015.
FACHIN, Phablo Roberto Marchis. Critérios de leitura de manuscritos: em busca de edições fidedignas. Filologia e Linguística Portuguesa. 2009; 10-11: 237-262.
GONÇALVES, Eliana Correia Brandão. Diálogos entre Crítica Filológica e Linguística Histórica: construindo trilhas para o estudo linguístico de textos históricos. In: ATAÍDE, Cleber et al. (Orgs.) Estudos linguísticos e literários [recurso eletrônico]: caminhos e tendências. São Paulo: Pá de Palavra, 2019, v. 1. p. 11-20.
GONÇALVES, Eliana Correia Brandão. Leitura crítico-filológica de Resolução de 1822: revoltas, vigilância, violência e punição na Bahia do século XIX. Revista Filologia e Linguística Portuguesa, São Paulo, v. 20, n. 2, p. 153-174, ago./dez. 2018. http://dx.doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v20i2p153-174.
Filologia e Linguística Portuguesa, v. 22, p. 75-92, 2020.
GONÇALVES, Eliana Correia Brandão. Léxico e história da escravatura: reflexões críticas a partir de documentos históricos. LaborHistórico, Rio de Janeiro, 6(3):224-244, set.|dez. 2020. https://doi.org/10.24206/lh.v6i3.35125
GONÇALVES, Eliana Correia Brandão. Tradição Discursiva, Filologia e Corpus Histórico-Diacrônico: análise de
Requerimentos do século XVIII. Revista da ABRALIN, p. 582–598, 2020. Disponível em: https://revista.abralin.org/index.php/abralin/article/view/1772. Acesso em: 28 out. 2022.
KABATEK, Johannes. Tradição discursiva e gênero. In: LOBO, Tania. et al. (Orgs.). Rosae: linguística histórica, história das línguas e outras histórias [online]. Salvador: EDUFBA, 2012, pp. 579-588. Disponível em: SciELO Books . Acesso em: 05 agosto 2020.
KABATEK, Johannes. Tradições Discursivas e Mudança Linguística. In: LOBO, Tânia et al. (Orgs.). Para a História do Português Brasileiro. v. 6: Novos dados, novas análises, tomo 2. Salvador, Bahia: EDUFBA, 2006, p. 505-527.
LARA, Silvia Hunold; FACHIN, Phablo Roberto Marchis, (org.). Guerra contra Palmares: o manuscrito de 1678. 1. ed. São Paulo: Chão Editora, 2021.
LE GOFF, Jacques. História e memória. Tradução Bernardo Leitão e Irene Ferreira. 4 ed. Campinas, São Paulo: Editora da UNICAMP, 1996.
MARQUILHAS, Rita. Filologia oitocentista e Crítica Textual. In: ALVES, Fernanda Mota et al. (Orgs.) Filologia, memória e esquecimento. Act. 20, Lisboa: Húmus, 2010. p. 355 - 367.
MIGNOLO, Walter. Desobediencia epistémica: retórica de la modernidad, lógica de la colonialidad e gramática de la descolonialidad. Buenos Aires: Ediciones del Signo, 2010.
MONTE, Vanessa Martins do. Correspondências paulistas: as formas de tratamento em cartas de circulação
pública (1765-1775). São Paulo: FAPESP/Humanitas, 2015.
PETRUCCI, Armando. La ciencia de la escritura: primera lección de Paleografía. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2003.
PINSKY, Carla Bassanezi. (Org.) Fontes históricas. São Paulo: Contexto, 2005.
REIS, João José. Quilombos e revoltas escravas no Brasil. Revista USP, 28, São Paulo, dezembo/fevereiro de 1995-1996; 28: 14-39.
REIS, João José; SILVA, Eduardo. Negociação e conflito: a resistência negra no Brasil escravista. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.
SÁEZ SÁNCHEZ, Carlos; CASTILLO GÓMEZ, Antonio. Paleografía e historia de la cultura escrita: del signo a lo escrito. Madrid: Síntesis, 1999, p. 21-31.
TAVARES, Luís Henrique Dias. História da Bahia. 10. ed. São Paulo: UNESP; Salvador: EDUFBA, 2001.
TOLEDO NETO, Sílvio de Almeida. Escavar a camada paleográfica do texto: as letras como vestígios materiais em uma tradição textual. LaborHistórico, v. 7, p. 296-310, 2021. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/lh/article/view/42496. Acesso em: 14 de maio de 2023.
TOLEDO NETO, Sílvio de Almeida. Filologia e curadoria textual: reflexões sobre uma aproximação possível. In: Antes e depois de editar: estudos filológicos. 1ed. Lisboa: Biblioteca Nacional de Portugal, 2023, v. 1, p. 141-161.
TOLEDO NETO, Sílvio de Almeida. Um caminho de retorno como base: Proposta de normas de transcrição para textos manuscritos do passado. Travessias Interativas. São Cristóvão, SE, n.20, v.10, p. 192-208, 2020.

Carga Horária:

6 horas
Tipo: Obrigatória
Vagas oferecidas: 62
 
Ministrantes: Eliana Correia Brandão Gonçalves
Sílvio de Almeida Toledo Neto


 
 voltar

Créditos
© 1999 - 2024 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP