Atividade

84233 - História das drogas e modelos assistenciais

Período:
Sexta 8:00 às 18:00
 
Descrição: 1- Ementa: Visa estabelcer o debate em torno dos modelos de atenção à saúde problematizando a adequação das práticas e dos processos de trabalho à resolução dos problemas de saúde da população.Tem por base três dimensões contempladas nesse debate: a político-gerencial, a organizacional e a tecnológica.

2- Referências

Teixeira CF. A mudança do modelo de atenção à saúde no SUS: desatando nós, criando laços. In: Teixeira CF, Solla JP, organizadores. Modelo de atenção à saúde: promoção, vigilância e saúde da família. Salvador: Edufba; 2006. p. 19-58.

Teixeira CF, Solla JP. Modelo de atenção à saúde no SUS: trajetória do debate conceitual, situação atual, desafios e perspectivas. In: Teixeira CF, Solla JP, organizadores. Modelo de atenção à saúde: promoção, vigilância e saúde da família. Salvador: Edufba; 2006. p. 129-67.

Bauer M, Aarts B. A construção do corpus: um princípio para a coleta de dados qualitativos. In: Bauer MW, Gaskell G, organizadores. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 2a Ed. Petrópolis: Editora Vozes; 2003. p. 39-63.

Araújo MR, Moreira FG. Histórias das drogas. In: Silveira DX, Moreira FG, organizadores. Panorama atual de drogas e dependências. São Paulo: Editora Atheneu; 2006. p. 9-14.

Ribeiro MM. Aspectos legais. In: Silveira DX, Moreira FG, organizadores. Panorama atual de drogas e dependências. São Paulo: Editora Atheneu; 2006. p. 469-76.

Canty C, Sutton A, James S. Strategies for community-based drug law enforcement: from prohibition to harm reduction. In: Stockwell T, Gruenewald PJ, Toumbourou JM, Loxley W, editors. Preventing harmful substance use: the evidence base for policy and practice. Chichester: John Wiley & Sons; 2005. p. 225-36.

Tammi T, Hurme T. How the harm reduction movement contrasts itself against punitive prohibition. Int J Drug Policy 2007; 18:84-7.

Ritter AL, Cameron J. A systematic review of harm reduction. Fitzroy: Turning Point Alcohol and Drug Centre; 2005. (DPMP Monograph Series, 6).

Wodak A. Harm reduction is now the mainstream global drug policy. Addiction 2009; 104:343-5.

Weatherburn D. Dilemmas in harm minimization. Addiction 2009; 104: 335-9.

Ball AL. HIV, injecting drug use and harm reduction: a public health response. Addiction 2007; 102:684-90.

Perduca M. Vamos criminalizar a proibição! In: Acselrad G, organizador. Avessos do prazer: drogas, AIDS e direitos humanos. 2a Ed. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2005. p. 51-63.

MacMaster SA. Harm reduction: a new perspective on substance abuse services. Soc Work 2004; 49:356-63.

Ribeiro MM, Araújo MR. Política mundial de drogas ilícitas: uma reflexão histórica. In: Silveira DX, Moreira FG, organizadores. Panorama atual de drogas e dependências. São Paulo: Editora Atheneu; 2006. p. 457-68.

Morais PCC. Drogas e políticas públicas [Tese de Doutorado]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais; 2005.

Galduróz JCF, Noto AR, Nappo SA, Carlini EA. Uso de drogas psicotrópicas no Brasil: pesquisa domiciliar envolvendo as 107 maiores cidades do país - 2001. Rev Latinoam Enferm 2005, 13 N Esp: 888-95.

Carlini EA, Galduróz JC, Noto AR, Carlini CM, Oliveira LG, Nappo SA, et al. II levantamento domiciliar sobre o uso de drogas psicotrópicas no Brasil: estudo envolvendo as 108 maiores cidades do país - 2005. São Paulo: Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas, Universidade Federal de São Paulo; 2006.

Fonseca EM, Bastos FI. Políticas de redução de danos em perspectiva: comparando as experiências americana, britânica e brasileira. In: Acselrad G, organizador. Avessos do prazer: drogas, AIDS e direitos humanos. 2a Ed. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2005. p. 289-310.

Marlatt GA. Redução de danos: estratégias práticas para lidar com comportamentos de alto risco. Porto Alegre: Editora Artmed; 1999.

Reghelin EM. Redução de danos: prevenção ou estímulo ao uso indevido de drogas injetáveis. São Paulo: Revista dos Tribunais; 2002.

Gossop M. Maintenance treatments across countries. Addiction 2008; 103:1493-4.

Emmanuelli J, Desenclos J. Harm reduction interventions, behaviours and associated health outcomes in France, 1996-2003. Addiction 2005; 100:1690-700.

Kellogg SH. On "gradualism" and the building of the harm reduction-abstinence continuum. J Subst Abuse Treat 2003; 25:241-7.

Beek IV. Harm reduction: an ethical imperative. Addiction 2009; 104:342-3.

Fiore M. A medicalização da questão do uso de drogas no Brasil: reflexões acerca de debates institucionais e jurídicos. In: Venâncio RP, Carneiro H, organizadores. Álcool e drogas na história do Brasil. São Paulo: Editora Alameda/Belo Horizonte: PUCMinas; 2005. p. 257-90.

Karam ML. Legislação brasileira sobre drogas: história recente - a criminalização da diferença. In: Acselrad G, organizador. Avessos do prazer: drogas, AIDS e direitos humanos. 2a Ed. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2005. p. 155-64.

Secretaria Nacional Antidrogas. Política nacional antidroga. Brasília: Secretaria Nacional Antidrogas; 2002.

Secretaria de Atenção à Saúde, Ministério da Saúde. A política do Ministério da Saúde para atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. 2a Ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

Lei nº. 5.726 de 29 de outubro de 1971. Dispõe sobre medidas preventivas e repressivas ao tráfico e uso de substâncias entorpecentes ou que determinem dependência física ou psíquica e dá outras providências. Diário Oficial da União 1971; 1 nov.

Lei nº. 6.368 de 21 de outubro de 1976. Dispõe sobre medidas de prevenção e repressão ao tráfico ilícito e uso indevido de substâncias entorpecentes ou que determinem dependência física ou psíquica, e dá outras providências. Diário Oficial da União 1976; 22 out.

Machado AR. Uso prejudicial e dependência de álcool e outras drogas na agenda da saúde pública: um estudo sobre o processo de constituição da política pública de saúde do Brasil para usuários de álcool e outras drogas [Dissertação de Mestrado]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais; 2006.

Decreto nº. 85.110 de 2 de setembro de 1980. Institui o Sistema Nacional de Prevenção, Fiscalização e Repressão de Entorpecentes. Diário Oficial da União 1980; 3 set.

Carvalho DBB, coordenador. Mapeamento das instituições governamentais e não governamentais de atenção às questões relacionadas ao consumo de álcool e outras drogas no Brasil - 2006/2007: Relatório. Brasília: Secretaria Nacional Antidrogas; 2007.

Medida Provisória nº. 1.689-2 de 29 de julho de 1998. Altera a Lei nº. 9.649, de 27 de maio de 1998, que dispõe sobre a organização da Presidência da República e dos Ministérios, e dá outras providências. Diário Oficial da União 1998; 30 jul.

Decreto nº. 2.632 de 19 de junho de 1998. Dispõe sobre o Sistema Nacional Antidrogas, e dá outras providências. Diário Oficial da União 1998; 22 jun.

Decreto nº. 3.696 de 21 de dezembro de 2000. Dispõe sobre o Sistema Nacional Antidrogas, e dá outras providências. Diário Oficial da União 2000; 22 dez.

Lei nº. 10.409 de 11 de janeiro de 2002. Dispõe sobre a prevenção, o tratamento, a fiscalização, o controle e a repressão à produção, ao uso e ao tráfico ilícitos de produtos, substâncias ou drogas ilícitas que causem dependência física ou psíquica, assim elencados pelo Ministério da Saúde, e dá outras providências. Diário Oficial da União 2002; 14 jan.

Conselho Nacional Antidrogas. Política nacional sobre drogas. Brasília: Conselho Nacional Antidrogas; 2005.

Decreto nº. 5.912 de 27 de setembro de 2006. Regulamenta a Lei nº. 11.343 de 23 de agosto de 2006, que trata das políticas públicas sobre drogas e da instituição do Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas - SISNAD, e dá outras providências. Diário Oficial da União 2006; 28 set.

Lei nº. 11.754 de 23 de julho de 2008. Acresce, altera e revoga dispositivos da Lei nº. 10.683, de 28 de maio de 2003, cria a Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, cria cargos em comissão; revoga dispositivos das Leis nos. 10.869 de 13 de maio de 2004 e 11.204 de 5 de dezembro de 2005; e dá outras providências. Diário Oficial da União 2008; 24 jul.

Lei nº. 11.343 de 23 de agosto de 2006. Institui o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas - SISNAD; prescreve medidas para prevenção do uso indevido, atenção e reinserção social de usuários e dependentes de drogas; estabelece normas para repressão à produção não autorizada e ao tráfico ilícito de drogas; define crimes e dá outras providências. Diário Oficial da União 2006; 24 ago.

Carga Horária:

74 horas
Tipo: Obrigatória
Vagas oferecidas: 6
 
Ministrantes: Marcia Aparecida Ferreira de Oliveira


 
 voltar

Créditos
© 1999 - 2022 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP