Atividade

86793 - História econômica: desafios atuais

Período:
Quarta 17:30 às 19:30
Sexta 17:30 às 19:30
 
Descrição: OBJETIVOS:
O CURSO TEM COMO PROPOSTA LEVAR O DEBATES ATUAIS PESQUISADOS NO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA ECONÔMICA AO PÚBLICO A COMUNIDADE AMPLA, DIVULGANDO E INFORMANDO A SOCIEDADE SOBRE A PRODUÇÃO DO PROGRAMA E DAS QUESTÕES ENFRENTADAS NA VANGUARDA DA HISTÓRIA ECONÔMICA.
CRITÉRIO DE AVALIAÇÃO:
A AVALIAÇÃO DOS ALUNOS SERÁ REALIZADA ATRAVÉS DE 2(DUAS) LISTAS DE EXERCÍCIOS, VALENDO PONTUAÇÃO DE 0(ZERO) A 10(DEZ). SENDO A MÉDIA TOTAL NECESSÁRIA PARA OBTENÇÃO DE CERTIFICADO 7(SETE) CALCULADA DA MÉDIA ARITMÉTICA:
CONTEÚDO:
AS AULAS SERÃO SERÃO DESENVOLVIDAS EM TORNO DAS LINHAS DE PESQUISA DO PROGRAMA:
AGRICULTURA, ESTRUTURA FUNDIÁRIA E MERCADOS
DEMOGRAFIA, ESCRAVIDÃO E TRABALHO.
ECONOMIA DA CULTURA.
INDÚSTRIA, TECNOLOGIA E URBANIZAÇÃO.
INSTITUIÇÕES E POLÍTICAS PÚBLICAS.
PATRIMÔNIO E HISTÓRIA DAS EMPRESAS.
TEORIA, HISTORIOGRAFIA E PENSAMENTO ECONÔMICO.
BIBLIOGRAFIA:
AGRICULTURA, ESTRUTURA FUNDIÁRIA E MERCADOS
AMIN, S.: Laccumulation à l’échelle mundiale. Paris: éditions anthropos, 1971.
ARRIGHI, G.: Adam smith in Beijing. London: Verso, 2007.
ASTON, T. H.; ASTON, T. H.; PHILPIN, Charles HE (Ed.). The Brenner debate: agrarian class structure and economic development in pre-industrial Europe. Cambridge University Press, 1987.
AVDAKOV, P. et al. Historia Economica de los paises capitalistas. México: Grijalbo, 1965. Tradução do original: Ekonomicheskaja Istorija Kapitalistcheskikh I Skaborazvitykh Stran;
BRAUDEL, F.: Civilização material, economia e capitalismo, séculos XV – XVIII. São Paulo: Martins Fontes, 2005.
DOBB, M.: A evolução do capitalismo. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1987.
GORENDER, J.: O escravismo colonial. Editora Ática, 1978.
EMMANUEL, A.: El Intercambio desigual. Ensayo sobre los antagonismos em las relaciones económicas internacionales. Ed Siglo ventiuno, Madrid: 1973
FURTADO, C.: Formação Econômica do Brasil, Fundo de São Paulo: 1964;
JÚNIOR, C. P.: Formação do Brasil contemporâneo. Editôra Brasiliense, 1948.
KULA, W.: Teoría económica del sistema feudal. 1979.
NOVAIS, F. A.: Estrutura e dinâmica do antigo sistema colonial:(séculos XVI-XVIII). CEBRAP, 1974.
NURKSE, R.: Problema da Formação de Capital em Países Subdesenvolvidos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1957.
NOYOLA, J. F.: La Economía Cubana en los Primeiros Años de la revolución y otros ensayos. Mexico: Siglo Veitiuno. 1978.
PREBISCH, R.: Dinâmica do Desenvolvimento Latino-Americano. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura Brasil, 1969;
POLANYI, K.: A Grande Transformação: as origens do nosso tempo. Rio de Janeiro: Campus, 1980.
SODRÉ, N. W.; ALMEIDA, B. M.: Formação histórica do Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.
SWEEZY, P. (et all).: A transição do feudalismo para o capitalismo. Um debate. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2004.
WALLERSTEIN, I.: The modern world-system I: Capitalist agriculture and the origins of the European world-economy in the sixteenth century. Univ of California Press, 2011.
DEMOGRAFIA, ESCRAVIDÃO E TRABALHO.
ABRAHÃO, F.A.: AS AÇÕES DE LIBERDADE DE ESCRAVOS DO TRIBUNAL DE CAMPINAS. CAMPINAS: UNICAMP/Centro de Memória, 1992.
ALGRANTI, L.M.: O FEITOR AUSENTE: ESTUDOS SOBRE A ESCRAVIDÃO URBANA NO RIO DE JANEIRO, 1808-1822. PETRÓPOLIS: VOZES, 1988.
ANDERSON, M.: FAMILY STRUCTURE IN NENETEENTH CENTURY, LACASHIRE. CAMBRIDGE: CAMBRIDGE UNIVERSITY PRESS, 1971.
BARBOSA, WILSON DO NASCIMENTO. TEORIA E EMPITIA. SÃO PAULO, DH-FFLCH-USP, 1988.
SOUZA, L. E. S. de.: OS MÉTODOS QUANTITATIVOS EM HISTÓRIA ECONÔMICA. SÃO PAULO: NEPHE-USP, 2005.
ECONOMIA DA CULTURA.
AZEVEDO, F.: A CULTURA BRASILEIRA. SÃO PAULO: MELHORAMENTOS, EDUSP, 1971.
BARATIN, M.; JACOB, C.: O PODER DAS BIBLIOTECAS. A MEMÓRIA DOS LIVROS NO OCIDENTE. RIO DE JANEIRO: UFRJ, 2000.
DEAECTO, M. M.: COMÉRCIO E VIDA URBANA NA CIDADE DE SÃO PAULO (1889-1930). SÃO PAULO: SENAC, 2002.
DIDEROT, D.: CARTA SOBRE O COMÉRCIO DO LIVRO. PREFÁCIO DE ROGER CHARTIER. RIO DE JANEIRO: CASA DA PALAVRA, 2002.
GARCEAU, O.: THE PUBLIC LIBRARY IN THE POLITICAL PROCESS. NEW YORK: COLUMBIA UNISERVITY PRESS, 1949.
INDUSTRIA, TECNOLOGIA E URBANIZAÇÃO.
FAORO, R.:OS DONOS DO PODER. A FORMAÇÃO DO PATRONATO BRASILEIRO. PORTO ALEGRE: GLOBO, 1958.
FERNANDES, F.: A REVOLUÇÃO BURGUESA NO BRASIL. ENSAIO DE INTERPRETAÇÃO SOCIOLÓGICA. SÃO PAULO: GLOBO, 2008.
FONSECA, P. C. D.: “SOBRE A INTENCIONALIDADE DA POLÍTICA ECONÔMICA INDUSTRIALIZANTE DO BRASIL NA DÉCADA DE 1930”. REVISTA DE ECONOMIA POLÍTICA. 23 (1), JANEIRO-MARÇO 2003, P. 133-48.
SINGER, P.: ECONOMIA POLÍTICA DA URBANIZAÇÃO. SÃO PAULO, EDITORA BRASILIENSE, 1973.
WELLS, J.; DROBNY, A.: “A DISTRIBUIÇÃO DE RENDA E O SALÁRIO MÍNIMO NO BRASIL: UMA REVISÃO CRÍTICA DA LITERATURA EXISTENTE”. PESQUISA & PLANEJAMENTO ECONÔMICO. 12 (3), DEZEMBRO 1982, P. 893-914.

INSTITUIÇÕES E POLÍTICAS PÚBLICAS
CHANG, H.: INSTITUTIONS AND ECONOMIC DEVELOPMENT: THEORY, POLICY, AND HISTORY. JOURNAL OF IINSTITUTIONAL ECONOMICS, 7 (4), P. 473-498, 2011
ENGERMAN, S. L.; KENNETH L. S.:, “DOTACIONES DE FACTORES, INSITUCIONES Y VIAS DE CRESCIMENTO DIFERENTES ENTRE LAS ECONOMIAS DEL NUEVO MUNDO. UNA VISIÓN DE HISTORIADORES DE ECONOMIA ESTADOUNIDENSE”. IN S. HABER (COMP.), CÓMO SE REZAGÓ LA AMÉRICA LATINA: ENSAYOS SOBRE LAS HISTORIAS ECONÓMICAS DE BRASIL Y MÉXICO, 1800-1914. TRAD. MÉXICO, FONDO DE CULTURA ECONÓMICA. 1999.
FONSECA, P. C. D.: “IINSTITUIÇÕES E POLÍTICA ECONÔMICA: CRISE E CRESCIMENTO DO BRASIL NA DÉCADA DE 1930”. IN P.P.Z. BASTOS e P.C.D. FONSECA (ORGS.), A ERA VARGAS : DESENVOLVIMENTISMO, ECONOMIA E SOCIEDADE. SÃO PAULO, ED. Unesp. 2012
NORTH, D. C.:INSTITUTIONS, INSTITUTIONAL CHANGE AND ECONOMIC PERFORMANCE. CAMBRIDGE, CAMBRIDGE UNIVERSITY PRESS, 2009.
RODRIK, DANI , INSTITUTIONS FOR HIGH-QUALITY GROWTH: WHAT THEY ARE AND HOW TO ACQUIRE THEM, STUDIES IN COMPARATIVE INTERNACIONAL DEVELOPMENT´, 35 (3), P. 3-31. 2000
PATRIMÔNIO E HISTÓRIA DAS EMPRESAS
ALDRIGHI, D. M.;POSTALI, F. A. S.: “BUSINESS GROUPS IN BRAZIL”. IN COLPLAN, A. M.; HIKINO, T.; LLINCOLN, J. R.: THE OXFORD HANDBOOK OF BUSINESS GROUPS. OXFORD, OXFORD UNIVERSITY PRESS, 2010, P.353-386.
BARBERO, M. I.: “HISTORIOGRAFIA Y PROBLEMAS DE LA HISTORIA EM EMPRESAS”. HISTÓRIA DE EMPRESAS. APROXIMACIONAS HISTORIOGRÁFICAS Y PROBLEMAS EN DEBATE. BA: CEAL,1993.
CARDOSO, F H.: O EMPRESÁRIO INDUSTRIAL E O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL. RIO DE JANEIRO: DIFEL, 1964.
SCHUMPETER, J. A.: TEORIA DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. SÃO PAULO: ABRIL CULTURAL, 1983.
MARCOVITCH, J. PIONEIROS E EMPREENDEDORES: A SAGA DO DESENVOLVIMENTO NO BRASIL.SÃO PAULO: EDUSP, VOLUME I 2003, VOLUME II 2005 e VOLUME III 2007.
TEORIA, HISTORIOGRAFIA E PENSAMENTO ECONÔMICO
BARBOSA, W. DO N.: A IMPORTÂNCIA DA ESTATÍSTICA PARA O HISTORIADOR. PODE SER ENCONTRADO EM: HTTPS://SITES.GOOGLE.COM/SITE/DNBWILSON/TEXTOSDETEORIAEMETODOLOGIA SÃO PAULO, 2016
___________________.:A HISTÓRIA ECONÔMICA COMO DISCIPLINA INDEPENDENTE. PODE SER ENCONTRADO EM: HTTPS://SITES.GOOGLE.COM/SITE/DNBWILSON/TEXTOSDETEORIAEMETODOLOGIA DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA, FFLCH-USP, USP, 1988
CARDOSO, C. F.;BRIGNOLI, H. P.: OS MÉTODOS DA HISTÓRIA: INTRODUÇÃO AOS PROBLEMAS, MÉTODOS E TÉCNICAS DA HISTÓRIA DEMOGRÁFICA, ECONÔMICA E SOCIAL. SÃO PAULO, GRAAL, 6ª ED. 2002.
CARDOSO, C. F.; VAINFAS, R.: NOVOS DOMÍNIOS DA HISTÓRIA. RIO DE JANEIRO, ELSEVIER, 2012.
FURTADO, C.: Introdução ao Desenvolvimento: enfoque histórico-estrutural. RJ:Paz e Terra 3ª ed. (revista pelo autor), 2000.
SCUMPETER, J. A.: HISTORY OF ECONOMIC ANALYSES. LONDON, ROUTLEDGE, 1994.

Carga Horária:

26 horas
Tipo: Obrigatória
Vagas oferecidas: 44
 
Ministrantes: Apoena Canuto Cosenza
Elissa Pereira dos Santos
Eujacio Roberto Silveira
Everaldo de Oliveira Andrade
Felipe Castilho de Lacerda
Felipe Freitas Gargiulo
Fernando Ribas de Martini
Guillaume Azevedo Marques de Saes
Vinícius de Oliveira Juberte
Vivian Nani Ayres


 
 voltar

Créditos
© 1999 - 2022 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP