Atividade

94088 - III Escola de Inverno em Assistência Farmacêutica e Farmácia Clínica

Período:
Segunda 07:30 às 12:00
Segunda 13:30 às 17:30
Terça 08:00 às 12:00
Terça 13:30 às 17:00
Quarta 08:00 às 12:00
Quarta 13:30 às 17:00
Quinta 08:00 às 12:00
Quinta 13:30 às 17:00
Sexta 08:00 às 12:00
Sexta 13:30 às 17:00
Sábado 08:00 às 13:00
 
Descrição: Ementa

Serão abordados os seguintes temas:
• A Farmácia Clínica é uma realidade em países desenvolvidos e há uma demanda no Brasil que precisa ser atendida. A inserção do farmacêutico à equipe multidisciplinar e sua atuação como profissional da saúde, de fato, promove o uso racional de medicamentos e melhora a qualidade de vida das pessoas assistidas.
• A Saúde Baseada em Evidências pode ser considerada a ciência de avaliar e reduzir a incerteza na tomada de decisão em saúde. É uma abordagem que utiliza a Epidemiologia Clínica, Estatística, Metodologia Científica, Informática e os Sistemas de Informação como ferramenta para compor as evidências científicas de qualidade, que por sua vez irão subsidiar as tomadas de decisões na prática clínica, considerando a segurança nas intervenções e a ética das ações.
• Dadas as transformações na profissão farmacêutica nos últimos anos, principalmente devido ao resgate da atuação clínica do farmacêutico, é importante que sejam discutidos os desafios que surgirão, não somente na formação de futuros profissionais, mas também na capacitação dos profissionais já atuantes frente as exigências que o novo perfil profissional vem trazendo. Para tanto, as discussões serão norteadas a partis de tópicos sobre a trajetória da educação farmacêutica no Brasil, as novas Diretrizes Curriculares, e importância da educação continuada e da educação formal para prover serviços farmacêuticos em prol da saúde o do bem estar da população.
• Reconciliação de medicamentos: A atuação do farmacêutico em serviços de assistência direta ao paciente na Unidade de Emergência tem sido crescente, visto que nesse contexto há vários aspectos que colaboram para ampliar o número de erros, como uso de medicamentos potencialmente perigosos, entre outros. Assim, a reconciliação medicamentosa é uma estratégia de intervenção para prevenção de Problemas Relacionados à Farmacoterapia.
• O diabetes mellitus é um problema de saúde crônico e altamente prevalente. Para manter o controle glicêmico os pacientes fazem uso de um arsenal terapêutico variado. O cuidado farmacêutico pode ser uma ferramenta importante para assegurar o uso correto dos medicamentos.
• A Hipertensão Arterial Sistêmica é um problema de saúde pública altamente prevalente. A atuação do farmacêutico contribui para o uso correto dos fármacos nos diferentes níveis de atenção à saúde e para a adesão ao tratamento farmacológico em nível ambulatorial, o que é imprescindível para o controle da doença e redução da incidência de complicações.
• Atuação do farmacêutico clínico em unidade de terapia intensiva: conceitos e definições, instrumentos de prognóstico e gravidade das doenças, busca ativa de reações adversas a medicamentos, escore de risco para reações adversas em idosos, interações medicamentos na unidade de terapia intensiva. Apresentação de casos clínicos.
• Vigilância pós-comercialização para promover a segurança do paciente: a Farmacovigilância será discutida a mudança dos conceitos de eventos adversos para a agência regulatória, os novos desafios e os estudos desta área para promover a segurança do paciente.
• Hepatite C no Brasil: epidemiologia da doença, transmissão, diagnóstico, histórico do tratamento, opções terapêuticas disponíveis no Brasil, desafios para a erradicação da hepatite C e perspectivas para os próximos anos. Demonstração de como foi realizado um estudo de efetividade e segurança dos fármacos disponíveis, para avaliação da terapia.
• A dislipidemia está associada ao aumento de doença cardíaca coronária e mortalidade por eventos cerebrovasculares. Por esse motivo o tratamento das dislipidemias objetiva reduzir o risco de eventos cardiovasculares. As estatinas são a primeira opção para o tratamento de hipercolesterolemia, enquanto que os fibratos são os medicamentos de escolha para pacientes com hipertrigliceridemia.
• Estudos de Utilização de Antimicrobianos: Hoje a utilização de antimicrobianos está vivendo um paradoxo, pois apesar de ser essencial para a cura e prevenção de doenças infecciosas é um dos principais motivos do desenvolvimento de resistência bacteriana. Portanto, estudos que entendam sua utilização são fundamentais para a promoção do seu uso racional.
• O acompanhamento farmacoterapêutico de pacientes com asma é fundamental para o controle da doença, e consequentemente evolução na qualidade de vida do paciente. O entendimento da farmacoterapia para asma e da correta utilização dos dispositivos são trunfos que o farmacêutico possui para trabalhar com o paciente, e serão foco desta palestra.
• Farmacoeconomia: será abordado quatro principais tópicos: Economia da saúde e avaliação de tecnologias em saúde; Introdução à farmacoeconomia; estudos farmacoeconômicos; guidelines e avanços na área.
• A aderência ou adesão ao tratamento pode ser definida como o grau de semelhança entre o comportamento do paciente, no tocante à utilização da terapia, em relação às instruções prescritas por um profissional de saúde. Na literatura existem evidências de que a adesão à terapia em doenças agudas é maior quando comparada com doenças crônicas. Identificar a presença de fatores que interferem na adesão em um usuário de medicamentos é essencial para o sucesso na farmacoterapia do mesmo. Dessa maneira, serão abordados tópicos relevantes dentro desse tema bem como discussões acerca da robustez das medidas diretas e indiretas da adesão à farmacoterapia.
• A ciência possui estimada relevância para o contexto da sociedade e a aplicabilidade do conhecimento atende as necessidades humanas. No que se refere a farmácia clínica, destaca-se como uma ciência da saúde, cuja responsabilidade é assegurar, mediante o conhecimento e funções relacionados ao cuidado centrado na pessoa, na família e na comunidade, a promoção da saúde, do bem-estar, prevenindo doenças e/ou otimizando o tratamento farmacoterapêutico. Neste cenário, a farmacoepidemiologia mostra-se como uma ferramenta promissora, acessível e que obtêm resultados para o planejamento e melhoria da qualidade dos serviços de saúde, bem como no uso racional de medicamentos. Os estudos farmacoepidemiológicos possuem três vertentes: estudos de utilização de medicamentos (compreendem a comercialização, distribuição, prescrição, dispensação e uso dos medicamentos em uma sociedade); farmacovigilância (possui seus objetivos direcionados a questões de segurança no uso dos medicamentos); farmacoeconomia (avaliação dos custos e consequências da utilização de produtos, serviços e programas farmacêuticos).
• A atuação do farmacêutico em populações especiais configura-se como um desafio no contexto atual. A atual Política Nacional de Atenção Básica (PNAB) contempla em sua estrutura, programas voltados para o atendimento dessas populações. Dentre elas, enfatizaremos as populações privadas de liberdade. Serão abordados tópicos sobre a atuação do profissional farmacêutico no contexto do sistema prisional, desafios e possíveis impactos que podem ser gerados à partir da inserção do profissional neste contexto.

Referências Bibliográficas:
ABJAUDE, S. A. R. et al. Factors that Motivate Healthcare Professionals to Report Adverse Drug Events: A Systematic Review. Pharmaceutical Medicine, v. 30, p. 1-8, 2016.
ALBANESE, P. N.; ROUSE, M. J. Scope of contemporary pharmacy practice: Roles, responsibilities, and functions of pharmacists and pharmacy technicians. JAPhA, v. 50, n. 2, 2010.
ANDRÉS-LÁZARO, A.M.; ANDREU, O.M. Contribution of clinical pharmacists to patient’s care in the Emergency Department. Farmacia Hospitalaria, v.42, n. 6, p.217-218, 2018.
BRASIL. Conselho Federal de Farmácia. Resolução nº. 585, de 29 de agosto de 2013, que regulamenta as atribuições clínicas do farmacêutico e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 25 set. 2013. Seção 1, p. 186-188.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria das políticas de saúde. Política Nacional de Medicamentos. Brasília: MS, 2001.
BURZYNSKI, J. A. et al. Impact of a pharmacist in the outpatient allogeneic stem cell transplant clinic. Biol. Blood Marrow Transplant, n. 15, p. 33-34, 2009.
CAZARIM M.S. et al. Impact Assessment of Pharmaceutical Care in the Management of Hypertension and Coronary Risk Factors after Discharge. PLoS One, n. 11, v. 6, p.e0155204, 2016.
CHOLESTEROL TREATMENT TRIALISTS' (CTT) COLLABORATORS. The effects of lowering LDL cholesterol with statin therapy in people at low risk of vascular disease: meta-analysis of individual data from 27 randomised trials. Lancet, v. 380, n.9841, p. 581–590, 2012.
CORRER, C. J.; OTUKI, M. F. A prática farmacêutica na farmácia comunitária. Porto Alegre: Artmed, 2013. 440 p.
CORRER, C.J.; OTUKI, M.F. Método clínico de atenção farmacêutica. 2011. Disponível em: Acesso em 03 de outubro de 2019.
CRAMER JA. et al. Medication Compliance and Persistence: Terminology and Definitions. Value in Health, v. 11, n. 1, p. 44-47, 2008.
DIPIRO, J. T. et al. Pharmacotherapy: A Pathophysiologic Approach. 7. ed. Nova York: McGraw-Hill, 2008.2559 p. ISBN 0-0-164325-7.
ELISABETE A.P.S. Qualidade de vida na epilepsia infantil. Arq Neuropsiquiatr, v.57,n.1,p.34-39. 1999
FERNANDES, O; SHOJANIA, K.G. Medication reconciliation in the Hospital. What, Why, Where, When, Who and How? Healthcare Quarterly, v. 15, p. 42-49, 2012.
INSTITUTE FOR HEALTHCARE IMPROVEMENT (IHI). Trigger Tool for Measuring Adverse Drug Events, 2004. Disponível em: < www.IHI.org>. Acesso em: 08 jan. 2015.
KHALILI, H. et al. Role of clinical pharmacists’ interventions in detection and prevention of medication errors in a medical ward. Int J Clin Pharm, v.33, p. 281-84, 2011.
MARIN, N. et al. (Org). Assistência farmacêutica para gerentes municipais. Rio de Janeiro: Opas/OMS, 2003.
MARTÍN-CALERO, M.J. et al. Structural Process and Implementation Programs of Pharmaceutical Care in Different Countries. Curr Pharm Des, v. 10, p.3969-85, 2004.
MEDRONHO, R.A. et al. Epidemiologia. São Paulo: Editora Atheneu, 2006.
MERTEN, J. A. et al. Utilization of Collaborative Practice Agreements between Physiciansand Pharmacists as a Mechanism to Increase Capacity to Care for Hematopoietic Stem Cell Transplant Recipients. Biol. Blood Marrow Transplant, n.19, p. 509-18, 2013.
MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria GM/MS nº 529, de 1 de abril de 2013. Institui o Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP). Diário Oficial da União. 2 abr 2013;Seção1:43-4.
MORENO, R. P. et al. SAPS 3—From evaluation of the patient to evaluation of the intensive care unit. Part 2: Development of a prognostic model for hospital mortality at ICU admission. Intensive Care Med, v. 31, p. 1345-1355, 2005.
MORGAN, S.R.; ACQUISTO, N.M.; CORALIC, Z.; BASALYGA, V.; CAMPBELL, M.; KELLY, J.J.; LANGKIET, K.; PEARSON, C.; SOKN, E.; PHELAN, M. Clinical pharmacy services in the emergency department. The American Journal of Emergency Medicine, v.36, n.10, p.1727-1732, 2018.
NATIONAL HEALTH AND MEDICAL RESEARCH COUNCIL (NHMRC). A Guide to the development, implementation and evaluation of clinical practice guidelines. Camberra; 1998. Disponível em: Acessado em: 07/11/2017.
OBRELI-NETO, P. R. et al. Métodos de avaliação de adesão à farmacoterapia. Revista Brasileira de Farmácia, Rio de Janeiro, v.93, n.4,p. 403-410, 2012.
OLIVEIRA, A. M. Relação da satisfação no trabalho, depressão e síndrome de Burnout na cultura de segurança do paciente: estudo transversal com análise de modelagem por equações estruturais. 2018. 113 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas)-Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Araraquara, 2018.
PEREIRA, L. R. L.; FREITAS, O. A evolução da atenção farmacêutica e a perspectiva para o Brasil. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, v. 44, n. 4, p. 601-612. 2008.
PEREIRA, L.R.L.; RODRIGUES, J.P.V. Farmácia Clínica em Ambiente Hospitalar: Perspectivas e Estratégias para Implementação. JAPHAC, v. 3, n. S1, p. 7-10, 2016.
RASCATI, K.L. Essentials of Pharmacoeconomics. 2nd ed. Baltimore, MD: Lippincott Williams & Wilkins, 2014. 289p. ISBN 978-1- 4511-7593- 6.
SHORVON, S.D.; PERUCCA, E.; ENGE, J. (Ed.). Handbook of epilepsy treatment. 3ª Edição. United Kingdom: Wiley-Blackwell, 2010. ISBN 978-1-4051-9818-9.
SOARES, L. et al. (Org). Assistência farmacêutica no Brasil – Política, gestão e clínica: Atuação clínica do farmacêutico. Editora UFSC. v. 5, 2016.
SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA. 7º Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 107, n.3, p. 1-83, 2016.
SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes: 2015-2016/ Sociedade Brasileira de Diabetes. São Paulo: AC farmacêutica, 2016.
STIRBULOV, R.; BERND, L. A.; SOLE, D. IV Diretrizes Brasileiras para o Manejo da Asma. Revista Brasileira Alergia Imunopatologia, v. 29, n. 5, p. 224-242, 2006.
STORPIRTIS, S. et al. Farmácia clínica e Atenção Farmacêutica. Guanabara Koogan, 1 ed., 528 p., 2008.
STREINER, D. L.; NORMAN, G. R. Health measurement scales. A practical guide to their development and use. 4 ed. New York: Oxford University Press; 2008.
WORLD HEALTH ORGANIZATION. Antimicrobial Resistance – Global Report on Surveillance. Geneva: World Health Organization Press, 2014, p. -232, ISBN 978- 92-4- 156474-8.
WORLD HEALTH ORGANIZATION. Global Action Plan on Antimicrobial Resistance. Geneva: World Health Organization Press, 2015, p. 1-19, ISBN 978-92- 4- 150976-3.
WORLD HEALTH ORGANIZATION. World Alliance for Patient Safety: Forward Programme 2005. World Health Organization. 2004. 27p. Disponível em: http://www.who.int/patientsafety/en/brochure_final.pdf?ua=1. Acesso em: 01 dez 2015.
BALDONI, A. O. et al. Pharmacoepidemiological profile and polypharmacy indicators in elderly outpatients. Braz. J. Pharm. Sci., São Paulo, v. 49, n. 3, p. 443-452, Sept. 2013.
BALDONI, A. O.; GUIDONI, C. M.; PEREIRA, L. R. L. A farmacoepidemiologia no Brasil: estado da arte da produção científica. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, v. 9, n. 1, p. 78-88, 2011.

Programação detalhada:
Horário 20/07/2020 - segunda- feira Descrição Ministrantes
7:30 - 9:00 Abertura
9:00 - 10:00 Bloco – Ciência aplicada ao Cuidado Farmacêutico A farmácia clínica como ciência da saúde e sua aplicação no cuidado;
- Farmacoepidemiologia:
- Estudos de utilização de medicamentos;

- Farmacovigilância;
- Farmacoeconomia. Alan, Vinícius e Thalita
10:00 - 10:30 Coffee break
10:30-12:00 Bloco - Ciência aplicada ao Cuidado Farmacêutico

12:00 - 13:30 Almoço
13:30 - 15:30 Bloco - Ciência aplicada ao Cuidado Farmacêutico A farmácia clínica como ciência da saúde e sua aplicação no cuidado;
- Farmacoepidemiologia:
- Estudos de utilização de medicamentos;
- Farmacovigilância;
- Farmacoeconomia. Alan, Vinícius e Thalita

15:30 - 16:00 Coffee break
16:30 -17:30 Bloco - Ciência aplicada ao Cuidado Farmacêutico


Horário 21/07/2020 - terça- feira Descrição Responsável
8:00 - 10:00 Bloco de educação Farmacêutica Histórico; mudanças na profissão e no currículo; pós-graduação (lato-sensu, stricto-sensu, especialização); saúde baseada em evidências (ensinar a fazer busca/prática); educação farmacêutica na prevenção de erros de medicação Alan, Ana Maria, Carla e Júlia


10:00 - 10:30 Coffee break
10:30 - 12:00 Bloco de educação farmacêutica

12:00 - 13:30 Almoço
13:30 - 15:00 Bloco de educação farmacêutica Alan, Ana Maria, Carla e Júlia


15:00 - 15:30 Coffee break
15:30 -17:00 Visitas Técnicas


Horário 22/07/2020 - quarta-feira Descrição Ministrantes
8:00 - 10:00 Bloco de Cuidado farmacêutico integrado: da atenção básica a hospitalar Método clínico na atenção básica; acolhimento; semiologia e anamnese; prescrição farmacêutica; implantação do cuidado farmacêutico; cuidado em populações especiais; transição do cuidado; principais erros de medicação na atenção básica; farmacoterapia das doenças crônicas mais prevalentes; função renal e hepática; coagulação; uso de antimicrobianos e antibioticoprofilaxia cirúrgica; centro de terapia intensiva. Lucas, Vinícius, Júlia, João Paulo, Alan, Ana Maria, Carla, Thalita e Paula.

10:00 - 10:30 Coffee break
10:30 - 12:00 Bloco de Cuidado farmacêutico integrado: da atenção básica a hospitalar

12:00 - 13:30 Almoço
13:30 - 15:00 Bloco de Cuidado farmacêutico integrado: da atenção básica a hospitalar Método clínico na atenção básica; acolhimento; semiologia e anamnese; prescrição farmacêutica; implantação do cuidado farmacêutico; cuidado em populações especiais; transição do cuidado; principais erros de medicação na atenção básica; farmacoterapia das doenças crônicas mais prevalentes; função renal e hepática; coagulação; uso de antimicrobianos e antibioticoprofilaxia cirúrgica; centro de terapia intensiva. Lucas, Vinícius, Júlia, João Paulo, Alan, Ana Maria, Carla, Thalita e Paula.

15:00 - 15:30 Coffee break
15:30 -17:00 Bloco de Cuidado farmacêutico integrado: da atenção básica a hospitalar

Horário 23/07/2020 - quinta-feira Descrição Ministrantes
8:00 - 10:00 Bloco de Cuidado farmacêutico integrado: da atenção básica a hospitalar Método clínico na atenção básica; acolhimento; semiologia e anamnese; prescrição farmacêutica; implantação do cuidado farmacêutico; cuidado em populações especiais; transição do cuidado; principais erros de medicação na atenção básica; farmacoterapia das doenças crônicas mais prevalentes; função renal e hepática; coagulação; uso de antimicrobianos e antibioticoprofilaxia cirúrgica; centro de terapia intensiva. Lucas, Vinícius, Júlia, João Paulo, Alan, Ana Maria, Carla, Thalita e Paula.

10:00 - 10:30 Coffee break
10:30 - 12:00 Bloco de Cuidado farmacêutico integrado: da atenção básica a hospitalar

12:00 - 13:30 Almoço
13:30 - 15:00 Bloco de Cuidado farmacêutico integrado: da atenção básica a hospitalar Método clínico na atenção básica; acolhimento; semiologia e anamnese; prescrição farmacêutica; implantação do cuidado farmacêutico; cuidado em populações especiais; transição do cuidado; principais erros de medicação na atenção básica; farmacoterapia das doenças crônicas mais prevalentes; função renal e hepática; coagulação; uso de antimicrobianos e antibioticoprofilaxia cirúrgica; centro de terapia intensiva. Lucas, Vinícius, Júlia, João Paulo, Alan, Ana Maria, Carla, Thalita e Paula.

15:00 - 15:30 Coffee break
15:30 -17:00 Bloco de Cuidado farmacêutico integrado: da atenção básica a hospitalar


Horário 24/07/2020 - sexta-feira
8:00 - 10:00 Bloco de Cuidado farmacêutico integrado: da atenção básica a hospitalar Método clínico na atenção básica; acolhimento; semiologia e anamnese; prescrição farmacêutica; implantação do cuidado farmacêutico; cuidado em populações especiais; transição do cuidado; principais erros de medicação na atenção básica; farmacoterapia das doenças crônicas mais prevalentes; função renal e hepática; coagulação; uso de antimicrobianos e antibioticoprofilaxia cirúrgica; centro de terapia intensiva. Lucas, Vinícius, Júlia, João Paulo, Alan, Ana Maria, Carla, Thalita e Paula.
10:00 - 10:30 Coffee break
10:30 - 12:00 Bloco de Cuidado farmacêutico integrado: da atenção básica a hospitalar Método clínico na atenção básica; acolhimento; semiologia e anamnese; prescrição farmacêutica; implantação do cuidado farmacêutico; cuidado em populações especiais; transição do cuidado; principais erros de medicação na atenção básica; farmacoterapia das doenças crônicas mais prevalentes; função renal e hepática; coagulação; uso de antimicrobianos e antibioticoprofilaxia cirúrgica; centro de terapia intensiva. Lucas, Vinícius, Júlia, João Paulo, Alan, Ana Maria, Carla, Thalita e Paula.
12:00 - 13:30 Almoço
13:30 - 15:00 Visitas Técnicas
15:00 - 15:30 Coffee break
15:30 -17:00 Visitas Técnicas

Horário 25/07/2020 - sábado
8:00 - 10:00 Apresentação de trabalhos (pôster)

10:00 - 10:30 Coffee break
10:30 - 12:30 Palestra de Encerramento/ Premiação

12:30 - 13:00 Encerramento

Carga Horária:

43 horas
Tipo: Obrigatória
Vagas oferecidas: 24
 
Ministrantes: Alan Maicon de Oliveira
Ana Maria Rosa Freato Gonçalves
Carla Assad Lemos
Fabiana Rossi Varallo
Júlia Cozar Pacheco
Leonardo Régis Leira Pereira
Lucas Borges Pereira
Paula Sousa França Mencucini
Thalita Zago Oliveira
Vinícius Detoni Lopes


 
 voltar

Créditos
© 1999 - 2020 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP