Atividade

94799 - Tamoios, timbiras, palmarinos: épica e nação no romantismo brasileiro

Período:
Segunda 14:00 às 16:00
Terça 14:00 às 16:00
Quarta 14:00 às 16:00
 
Descrição: Programa do curso

Aula 1 – A figuração indígena em A Confederação dos Tamoios de Gonçalves de Magalhães (1856)

A Confederação dos Tamoios (1856) reconfigura um passado imemorial no qual a fundação do Rio de Janeiro ocorre a partir do sacrifício tamoio na resistência contra o invasor português. Comprometido com a construção de uma nacionalidade brasileira, o poema épico A Confederação dos Tamoios se filia diretamente ao projeto historiográfico de cunho literário do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB) financiado por d. Pedro II. Essa primeira aula do curso tratará da representação indígena no poema e da centralidade da obra de Magalhães enquanto referencial épico para as subsequentes narrativas.


Aula 2 – A crítica à escravidão em Meditação (1850) e a caraterização indígena no poema d’Os Timbiras (inacabado) de Gonçalves Dias

Na prosa poética inacabada Meditação (1850), Gonçalves Dias converge a dura crítica à escravidão enquanto fundamento econômico da sociedade oitocentista à defesa do trabalho livre, por meio da valorização de uma essência mítica indígena da cultura brasileira, encontrada incólume apenas no período prévio à violenta invasão portuguesa. Desdobramento épico de Meditação com o qual constitui um díptico de denúncia à política imperial luso-brasileira de extermínio indígena, os quatro cantos existentes d’Os Timbiras (inacabado) exibem um potencial descritivo que confere um tratamento enargético à natureza animada e ao elemento humano. Esta aula visa refletir sobre os procedimentos literários empregados na caracterização da figura do indígena, tendo em vista o período de composição da obra marcado por tensões políticas posteriores à aprovação do Aberdeen Act (1845) e à turbulência das revoltas regenciais.

Aula 3 – A representação negra em A Cachoeira de Paulo Afonso (1876) e A República de Palmares (inacabada) de Castro Alves

Esta aula objetiva apresentar e discutir aspectos da poética de Castro Alves referentes à figuração do herói negro por meio da análise dos poemas A Cachoeira de Paulo Afonso e A República de Palmares, que comporiam um projeto integral de uma obra abolicionista. As temáticas da denúncia dos horrores da escravidão, do republicanismo e da iminência das revoltas escravas e populares surgem nos poemas como resposta a questões históricas e políticas prementes das últimas décadas do Segundo Reinado, reverberando, ainda, ecos dos poemas do livro d’Os Escravos.

Bibliografia

ACKERMANN, Fritz. A obra poética de Antônio Gonçalves Dias. São Paulo: Conselho Estadual de Cultura, 1964.
ALENCAR, José de. Cartas sobre A confederação dos tamoyos. Rio de Janeiro: Empreza Typographica Nacional do Diario, 1856.
ALONSO, Angela. Flores, votos e balas. O movimento abolicionista brasileiro. (1868-88). São Paulo: Companhia das Letras, 2015.
ALVES, Castro. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar S. A., 1997.
ANDERSON, Benedict. Imagined communities. London: Verso, 2006.
ARAÚJO, Giovanna Gobbi Alves. A pintura das águas: um estudo da visualidade poética n’A Cachoeira de Paulo Afonso de Castro Alves. 2015. 195f. Dissertação (Mestrado em Literatura Brasileira). Universidade de São Paulo. São Paulo, 2015.
ASSIS, Machado de. “Instinto de nacionalidade”. Machado de Assis: crítica, notícia da atual literatura brasileira. São Paulo: Agir, 1959. pp. 28 – 34.
BARROS, Roque Spencer Maciel de. A significação educativa do romantismo brasileiro: Gonçalves de Magalhães. São Paulo: Grijalbo; Edusp, 1973.
BASTIDE, Roger. “A incorporação da poesia africana à poesia brasileira” In Poetas do Brasil. São Paulo: Edusp, 1997.
BOSI, Alfredo. Entre a literatura e a história. 1ª ed. São Paulo: Editora 34, 2013.
______. Dialética da colonização. São Paulo: Cia. das Letras, 1992.
CAMPATO JR., João Adalberto. “A Confederação de Magalhães: Epopeia e Necessidade Cultural”. In TEIXEIRA, Ivan (Org.). Épicos. São Paulo: Edusp/Imprensa Oficial, 2008.
______. A Confederação dos Tamoios: gênese, retórica e ideologia da epopeia do Segundo Reinado. Curitiba: CRV, 2014.
CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira: momentos decisivos. 6ª ed. Belo Horizonte: Editora Itatiaia, 2000.
CARVALHO, José Murilo de. A construção da ordem: a política imperial. Teatro de sombras: a política imperial. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.
______. “A vida política”. in CARVALHO, José Murilo de (Coord.) A construção nacional: 1830-1889. v. 2., Rio de Janeiro: Objetiva, 2012.
CASTELO, José Aderaldo. Gonçalves de Magalhães. Trechos escolhidos. Rio de Janeiro: Agir, 1961.
______. Gonçalves de Magalhães. São Paulo: Editora Assunção Limitada, 1946.
CUNHA, Cilaine Alves. “Introdução” In DIAS, Gonçalves. Cantos. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
CUNHA, Fausto. O Romantismo no Brasil: de Castro Alves a Sousândrade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, Brasília, DF, INL, 1971.
DIAS, Gonçalves. Os Timbiras. Leipzig: F. A. Brockhaus, 1857.
______. “Meditação”. In Obras póstumas de A. Goncalves Dias. Precedidas de uma notícia de sua vida e obras. Antonio Henriques Leal. v. III. São Luís do Maranhão, 1868.
______. Poesia e prosa completas. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1998.
DENIS, Ferdinand. “Resumo da história literária do Brasil”. in CÉSAR, Guilhermino. Historiadores e críticos do romantismo – 1: a contribuição europeia, crítica e história literária. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos; São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1978. pp. 35-82.
FAORO, Raymundo. Os donos do poder. Formação do patronato político brasileiro. 5. ed. São Paulo: Globo, 2012.
FRANCHETTI, Paulo. “O triunfo do romantismo: Indianismo e estilização épica em Gonçalves Dias” In TEIXEIRA, Ivan (Org.). Épicos. São Paulo: Edusp, 2008.
GOMES, Eugênio. “Castro Alves e o romantismo brasileiro”. In ALVES, Castro. Obra completa. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Nova Aguilar, 1997.
GUIMARÃES, Manoel Luís Salgado. Historiografia e Nação no Brasil. 1838 – 1857. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2011.
_______. Nação e civilização nos trópicos: O Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e o projeto de uma História Nacional. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, 1(1) 1988, p.5-27.
MAGALHÃES, D. J. Gonçalves de. Poesias de D. J. G. de Magalhaens. Rio de Janeiro: Typographia de R. Ogier, 1832.
______. Suspiros poéticos e saudades. 2. ed. Paris: Livreiro-editor Morizot, 1859.
______. A confederação dos tamoyos. Rio de Janeiro: Empresa Tipográfica Dois de Dezembro, 1857.
______. A confederação dos tamoyos: poema por D. J. G. de Magalhaens. 2. ed. revista, correta e acrescentada pelo autor. Rio de Janeiro: Livraria de B. L. Garnier, 1864.
______. A confederação dos tamoios. Organização Maria Eunice Moreira, Luís Bueno. Curitiba: UFPR, 2007.

MARQUES, Wilton José. Gonçalves Dias: o poeta na contramão. Literatura e escravidão no romantismo brasileiro. São Carlos: EDUFSCar, 2010.
MARTINS, Eduardo Vieira. A fonte subterrânea. Londrina: Eduel, 2005.
MERQUIOR, José Guilherme. De Anchieta a Euclides. Breve história da literatura brasileira. São Paulo: É Realizações Editora, 2011.
MOLINA, Diego A. A Meditação de Gonçalves Dias. A natureza dos males brasileiros. Estudos Avançados, São Paulo , v. 30, n. 86, p. 235-252, Apr. 2016. Disponível em:
MOREIRA, Vânia. “O ofício do historiador e os índios: sobre uma querela no Império”. Revista Brasileira de História, São Paulo. v. 30, n. 59, 2010. pp. 53-72.
PEREIRA, L.M. A vida de Gonçalves Dias. Rio de Janeiro: José Olympio, 1952.
REIS, João José; GOMES, Flávio dos Santos. (Orgs.) Liberdade por um fio – história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.
RICARDO, Cassiano. O indianismo de Gonçalves Dias. São Paulo: Conselho Estadual de Cultura, 1964.
TREECE, David. Exilados, aliados, rebeldes: o movimento indianista, a política indigenista e o estado-nação imperial. Tradução Fábio Fonseca de Melo. São Paulo: Edusp, 2008.

Carga Horária:

6 horas
Tipo: Obrigatória
Vagas oferecidas: 60
 
Ministrantes: Giovanna Gobbi Alves Araújo


 
 voltar

Créditos
© 1999 - 2020 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP