Disciplina Discipline ARQ5102
Introdução prática à Ciberarqueologia: Modelagem 3D e Interatividade em tempo real

Introduction to Cyberarchaeology: 3D modelling and real time interactivity

Área de Concentração: 71131

Concentration area: 71131

Criação: 09/11/2017

Creation: 09/11/2017

Ativação: 09/11/2017

Activation: 09/11/2017

Nr. de Créditos: 4

Credits: 4

Carga Horária:

Workload:

Teórica

(por semana)

Theory

(weekly)

Prática

(por semana)

Practice

(weekly)

Estudos

(por semana)

Study

(weekly)

Duração Duration Total Total
2 3 1 10 semanas 10 weeks 60 horas 60 hours

Docentes Responsáveis:

Professors:

Vagner Carvalheiro Porto

Alex da Silva Martire

Objetivos:

Apresentar, na prática, as relações existentes entre Arqueologia e Realidade Virtual dentro do campo denominado Ciberarqueologia. Serão pormenorizados os aspectos teóricos que estão estritamente ligados à prática/metodologia ciberarqueológica, bem como, a partir de exercícios, desenvolver as habilidades referentes à modelagem tridimensional manual e a programação em ambientes virtuais interativos.

Justificativa:

A aplicação de modelos tridimensionais na Arqueologia não é novidade, sendo que seu uso acompanha a própria evolução gráfica computacional, surgindo nos anos 1980. Contudo, em 1990, o cientista da computação Paul Reilly publicou um artigo que, de fato, despertou parte da comunidade científica arqueológica para o tema da computação gráfica, propondo que o registro arqueológico vá além daquele feito em papel: utilizando computadores podemos reconstituir etapas de escavações com seus contextos originais, propiciando melhor entendimento sobre o trabalho realizado. Desde os anos 2000, no entanto, a visualização passiva de renderizações e animações de reconstruções arqueológicas cedeu lugar ao diálogo com a Cibernética (em grande parte, propiciado pelo avanço tecnológico computacional, reduzindo custos e aumentando a capacidade de processamento), surgindo a Ciberarqueologia (principalmente a partir dos trabalhos do arqueólogo Maurizio Forte). Tendo a Ciberarqueologia o prefixo “ciber”, isso aponta que existe, então, um ciclo de autorregulação e reflexividade. Desse modo, ao contrário da Arqueologia Virtual praticada nos anos 1990 – centrada em modelos 3D apenas –, a Ciberarqueologia está preocupada com a interação entre os modelos e o ambiente virtual tridimensional no qual estão inseridos. Este curso visa apresentar, em um primeiro momento, o desenvolvimento histórico da Cibernética e sua relação com a Arqueologia. Contudo, o enfoque do curso está na prática: partindo de exercícios propostos, serão desenvolvidas, utilizando o programa Autodesk Maya, habilidades básicas de modelagem, texturização, iluminação e renderização de objetos de interesse arqueológico. Após a finalização da modelagem, serão abordados aspectos básicos de programação em motores gráficos (nesse caso, o Unity) a fim de criar a interatividade em tempo real entre o objeto modelado e o usuário. Desse modo, todos os processos centrais da teoria e metodologia da Ciberarqueologia serão abordados neste curso.

Conteúdo:

Aula 1: O que é Ciberarqueologia? – o diálogo entre a Realidade Virtual e Arqueologia; Conceitos básicos de ambientes tridimensionais: apresentação da interface do Autodesk Maya. Aula 2: Modelagem Parte I – trabalhando com primitivas; Modelagem Parte II – trabalhando com extrude, edge loops e merge. Aula 3: Modelagem Parte III – usando imagens de fundo como referência para modelagem; Modelagem Parte IV – diferenças entre high poly e low poly. Aula 4: Texturização – preparação do UV mapping e colorização de modelos. Aula 5: Animação – uso básico de câmeras e animação simples de objetos. Aula 6: Iluminação e Renderização – aplicação de luzes nas cenas e renderização de imagens estáticas e vídeos; Exportação – limpeza da malha poligonal final e exportação de arquivos para motores gráficos. Aula 7: Interação em Tempo Real I – apresentação da interface do Unity; Interação em Tempo Real II – importação de arquivos e configuração básica de câmera/personagem. Aula 8: Interação em Tempo Real III – programação de interatividade simples com o objeto. Aula 9: Interação em Tempo Real IV – iluminação na cena, lightmapping, occlusion culling. Aula 10: Interação em Tempo Real V – finalização e exportação de produto interativo.

Forma de Avaliação:

Compartilhamento semanal de resultados de exercícios propostos em aula; Compartilhamento de produto final após o término do curso em data a ser confirmada.

Observação:

Devido ao caráter prático do curso, é necessário que os interessados levem seus notebooks (e mouses) para as aulas. Também é necessário que os seguintes softwares sejam previamente instalados nos notebooks: - Autodesk Maya 2018: versão gratuita para estudantes válida por 3 anos pode ser obtida aqui: https://www.autodesk.com/education/free-software/maya - Unity Personal: pode ser baixado gratuitamente aqui: https://unity3d.com/pt/get-unity/download - GIMP (gratuito) ou Photoshop: o GIMP pode ser baixado gratuitamente aqui: https://www.gimp.org/

Bibliografia:

CLARK, Jeffrey T. “The fallacy of reconstruction”. In: FORTE, Maurizio (ed.). Cyber-Archaeology. Oxford: Archaeopress, BAR, v. 2177, pp. 63-73, 2010. EVANS, T. & DALY, P. (eds.), Digital Archaeology. Bridging method and theory. London, New York: Routledge, 2006. FORTE, Maurizio. “Cyber-Archaeology: notes on the simulation of the past”. In: Virtual Archaeology Review (VAR), v. 2, nº 4, Sevilla, pp. 7-18, 2011. FORTE, Maurizio. “Introduction to Cyber-Archaeology”. In: FORTE, Maurizio (ed.), Cyber-Archaeology. Oxford: Archaeopress, BAR, v. 2177, pp. 9-13, 2010. GLEICK, James. A informação. Uma história, uma teoria, uma enxurrada. Tradução: Augusto Pacheco Calil. São Paulo: Companhia das Letras, 2013. HAYLES, N. Katherine. How we became posthuman. Virtual bodies in cybernetics, literature, and informatics. Chicago: The University of Chicago Press, 1999. HO KIM, Joon. “Cibernética, ciborgues e ciberespaço: notas sobre as origens da cibernética e sua reinvenção cultural”. In: Horizontes Antropológicos, ano 10, nº 21. Porto Alegre, pp. 199-219, 2004. LÉVY, Pierre. O que é o virtual? Tradução: Paulo Neves. São Paulo: Editora 34, 2007. MARTIRE, Alex da S. Ciberarqueologia em Vipasca: o uso de tecnologias para a reconstrução-simulação interativa arqueológica. (Tese de Doutorado) Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017. NETTO, Antonio V. et al.. “Realidade virtual. Definições, dispositivos e aplicações”. In: REIC – Revista Eletrônica de Iniciação Científica, ano 2, nº 1, 2002. REILLY, Paul. “Towards a virtual archaeology”. In: LOCKYEAR, K. e RAHTZ, S. (eds.), Computer Applications in Archaeology 1990. Oxford: British Archaeological Reports (Int. Series 565), pp. 133-139, 1990. SHERMAN, William R. & CRAIG, Alan B. Understanding virtual reality. Interface, application, and design. San Francisco: Morgan Kaufmann Publishers, 2003.