Disciplina Discipline ARQ5105
Reprodutibilidade em Arqueologia: Historia, Instrumentos e Teoria

Reproducibility in archaeology: History, instruments and theory

Área de Concentração: 71131

Concentration area: 71131

Criação: 29/06/2018

Creation: 29/06/2018

Ativação: 03/07/2018

Activation: 03/07/2018

Nr. de Créditos: 2

Credits: 2

Carga Horária:

Workload:

Teórica

(por semana)

Theory

(weekly)

Prática

(por semana)

Practice

(weekly)

Estudos

(por semana)

Study

(weekly)

Duração Duration Total Total
12 0 18 1 semanas 1 weeks 30 horas 30 hours

Docentes Responsáveis:

Professors:

Astolfo Gomes de Mello Araujo

Sébastien Plutniak

Objetivos:

Do ponto de vista da arqueologia, esta disciplina oferecerá uma introdução às várias dimensões da prática da pesquisa em uma estrutura reprodutível. Aspectos históricos, conceituais e práticos serão abordados, permitindo que os alunos efetivamente aumentem a reprodutibilidade de seu próprio trabalho diário.

Justificativa:

Desde o desenvolvimento das abordagens experimentais pelos cientistas do século XVII, a reprodutibilidade é uma preocupação crucial da investigação científica do mundo. No entanto, o crescimento das ciências sociais e humanas durante os séculos XIX e XX levantou (um ainda aberto) debate sobre a importância da reprodução das observações e das operações nessas ciências. Mais recentemente, uma renovação desse debate foi induzida pelo grande desenvolvimento de tecnologias baseadas em computador e baseadas em rede, destinadas a melhorar a reprodutibilidade de procedimentos e fatos científicos. Desenvolvidas principalmente nas ciências da computação, essas tecnologias foram primeiro infiltradas nas ciências experimentais e, depois, também nas ciências sociais e humanas.

Conteúdo:

Primeira aula (4 horas): História da preocupação com a reprodutibilidade em arqueologia: experiências do sudoeste europeu. As tentativas dos proponentes da "Nova Arqueologia" para melhorar o caráter científico da arqueologia são bem conhecidas. Menos conhecidas são algumas proposições coletivas contemporâneas que se espalham principalmente no sudoeste da Europa, entre a França, a Espanha e a Itália. Nesta primeira sessão, serão abordadas as características reprodutíveis da pesquisa dentro de uma abordagem histórica da arqueologia durante a segunda metade do século XX. Para fazer isso, vamos nos concentrar nos trabalhos de pesquisa coletiva liderados por Georges Laplace por um lado e Jean-Claude Gardin por outro lado. Suas proposições são de particular interesse, uma vez que: 1) elas eram uma alternativa à tendência da Nova Arqueologia (às vezes em debate com ela); 2) eles estavam na frente de pesquisa sobre o uso de matemática aplicada, cibernética e computação em arqueologia; 3) abordaram questões relacionadas à padronização, conservação, otimização e transmissão coletiva de informações arqueológicas, todas questões que se tornaram preocupações cruciais nos dias de hoje. Segunda aula (4 horas): Trabalhando dentro de uma estrutura reproduzível: ferramentas e conceitos contemporâneos. A segunda aula será dedicada aos aspectos práticos da pesquisa reprodutível em arqueologia. Em uma primeira seção, apresentaremos uma visão geral da literatura recente sobre o assunto. A segunda seção desta aula será dedicada aos recursos, instrumentos e boas práticas. Começaremos a partir de noções básicas - mas muitas vezes incompreendidas - sobre o uso diário de um sistema operacional de computador. Então, gradualmente introduziremos instrumentos e conceitos, incluindo linguagens de script, programação alfabetizada e dinâmica, sistemas de controle de versão, etc. Terceira aula (4 horas): Investigação Arqueológica, Ontologia e (não) reprodutibilidade: Incompletude e Fragmentação A última aula do curso tratará de questões mais teóricas: serão abordados o problema da replicação das observações e procedimentos em arqueologia através de uma análise da própria natureza dos fatos arqueológicos. Primeira parte: Ontologia de Fatos Arqueológicos A primeira seção apresentará os problemas relativos à (in) integralidade dos fatos arqueológicos, sua natureza fragmentária e os processos de fragmentação relacionados. Segunda parte: Análise de Fragmentação em Arqueologia Na segunda seção, apresentaremos uma pesquisa em andamento sobre a definição de uma medida de integridade da camada arqueológica baseada na topologia das relações entre os fragmentos. Este exemplo mostrará 1) como as questões teóricas apresentadas na seção 1 podem ser relacionadas ao problema operacional na análise arqueológica; 2) como a pesquisa pode ser realizada utilizando as ferramentas e conceitos apresentados na segunda sessão do curso.

Forma de Avaliação:

Os alunos deverão redigir um ensaio resumindo os principais tópicos do curso e sua possível aplicação em sua pesquisa individual ou em algum estudo de caso bem

Observação:

O curso será ministrado em inglês, com explanações e esclarecimentos de duvidas em português.

Bibliografia:

John C. Chapman and Bisserka Ivanovna Gaydarska [2006], Parts and Wholes. Fragmentation in Prehistoric Context, Oxford: Oxbow Books. Paola Villa [1982], “Conjoinable Pieces and Site Formation Processes,” American Antiquity, 47, 2, pp. 276-290 Costis Dallas [2015], “Jean-Claude Gardin on Archaeological Data, Representation and Knowledge: Implications for Digital Archaeology,” Journal of Archaeological Method and Theory, 23, 1, pp. 305-330, doi: 10.1007/s10816-015-9241-3. Jean-Claude Gardin [1955], “Problems of Documentation,” Diogenes, 11, pp. 85-101, doi:10.1177/039219215500301106 Gavin Lucas [2012], in Understanding the Archaeological Record, Cambridge (Mass.): Cambridge University Press, doi: 10.1017/CBO9780511845772.003 Ben Marwick [2016], “Computational Reproducibility in Archaeological Research: Basic Principles and a Case Study of Their Implementation,” Journal of Archaeological Method and Theory, pp. 1-27, doi: 10.1007/s10816-015-9272-9. Paola Moscati [2016], “Jean-Claude Gardin and the Evolution of Archaeological Computing,” Les Nouvelles de l’archéologie, 144: Jean-Claude Gardin (1925–2015), pp. 10-13, doi: 10.4000/nda.3457. Sébastien Plutniak [2017], “L’innovation méthodologique, entre bifurcation personnelle et formation des disciplines : les entrées en archéologie de Georges Laplace et de Jean-Claude Gardin,” Revue d’histoire des sciences humaines, 31, pp. 113-139, HDL: 10670/1.rw3o20 Alison Wylie [2002], “Bootstrapping in the Un-natural Sciences — Archaeology, for Example,” in Thinking from Things. Essays in the Philosophy of Archaeology, Berkeley: University of California Press, pp. 179-184.