Disciplina Discipline CAP5939
Arte, Cinema e Guerrilha: Subversão de Custos, Governos e Instituições

Art, Cinema and Guerrilla: Subversion of Costs, Governments and Institutions

Área de Concentração: 27159

Concentration area: 27159

Criação: 13/11/2018

Creation: 13/11/2018

Ativação: 30/11/2018

Activation: 30/11/2018

Nr. de Créditos: 7

Credits: 7

Carga Horária:

Workload:

Teórica

(por semana)

Theory

(weekly)

Prática

(por semana)

Practice

(weekly)

Estudos

(por semana)

Study

(weekly)

Duração Duration Total Total
3 2 2 15 semanas 15 weeks 105 horas 105 hours

Docente Responsável:

Professor:

Dora Longo Bahia

Objetivos:

O curso pretende oferecer um reflexão sobre formas de cinema embrenhadas nas artes visuais que fogem aos formatos mais tradicionais da linguagem, seja por buscarem alternativas aos modos industriais de produção ou por explorarem tipos de montagem que desconstroem as narrativas audiovisuais estabelecidas. Através da leitura crítica de filmes que serão exibidos na íntegra, as aulas pretendem estabelecer relações entre arte, cinema e política, enfocando 3 eixos: filmes produzidos com poucos recursos (o chamado cinema de guerrilha); que contestam as estruturas sociais, econômicas e políticas dominantes (filmes sobre “guerrilhas”); e que apresentam narrativas alternativas às estabelecidas (filmes em guerrilha).

Justificativa:

Filmes como Plan 9 from Outer Space (Ed Wood) e Rocky Horror Picture Show (Jim Sharman) tornaram-se cultuados em função de enquadramentos mal feitos, temas bizarros, montagem tosca e atores esquisitos. Isto do ponto-de-vista de críticos incapazes de enxergar nestes filmes seu potencial de inventar um outro cinema, desligado dos modos industriais de produção ditados por um mercado geralmente normalizador. Mas há outras formas de entender este tipo de produção, seja pela releitura da própria história do cinema com critérios alternativos ao da crítica mais oficial e estabelecida – pensando o cinema em interface com a arte, em busca de um cinema engajado em questões de gênero, etc – seja pelo reconhecimento da força estética que as linguagens tidas como precárias adquirem, quando o entendimento de qualidade é colocado em xeque diante das ideologias que ele oculta.

Conteúdo:

Módulo 1 _O cinema de guerrilha (como subversão dos modos de produção audiovisual) Nas décadas de 1960 e 1970, Andy Warhol realizou paralelamente à ultraconhecida série de serigrafias e pinturas, uma profusão de filmes não tão conhecidos assim, que apresentam uma visão subversiva dos valores da sociedade da época. Módulo 2 _Um cinema sobre guerrilhas (como olhar para o político) O cinema clássico (aquele que Deleuze associa à filmagem de ações e acontecimentos) é um pouco como a história tradicional, em seu interesse pelos grandes fatos e pelas narrativas de herói. A partir dos anos 1960, multiplicam-se os filmes interessados no avesso deste imaginário. Módulo 3 _Um cinema em guerrilha (como apresentar o desmanche através do cinema) Entre os tantos significados de Maio de 68, encontra-se o engajamento nas formas cotidianas de desmonte dos poderes (que passam a ser vistos não só por sua presença institucional, mas também nas pequenas violências do dia a dia). O filmar da intimidade, do sexo, de modos pouco convencionais de viver surge como decorrência desta atitude, aliada ao progressivo barateamentos dos modos de produção (que vão permitir o surgimento da videoarte e do cinema independente, entre outros) Módulo 4 _Laboratório de Guerrilha Os alunos deverão criar obras originais a partir dos temas e procedimentos de linguagem apresentados, buscando uma dinâmica de experimentação com as possibilidades de captação de baixo custo de som e vídeo (celulares, GoPros, etc).

Forma de Avaliação:

A avaliação será feita a partir do trabalho prático desenvolvido durante o curso, da frequência e participação nas aulas.

Bibliografia:

BADIOU, Alain. Cinema. Translation: Susan Spitzer. Cambridge: Polity Pres, 2013. BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. Tradução: Francisco de Ambrosis Pinheiro Machado. Porto Alegre: Editora Zouk, 2012. ______. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Obras escolhidas. Vol. I. Tradução: Sérgio Paulo Rouanet. 10a reimpressão. São Paulo: Brasiliense, 1996. BERGALA, Alain. Jean-Luc Godard par Jean-Luc Godard. Paris: Cahiers du cinéma - Editions de l'Etoile, 1985. BRETON, André; TROTSKY, Leon. Por uma arte revolucionária independente. Tradução: Carmem Sylvia Guedes, Rosa Maria Boaventura. São Paulo: Paz e Terra, 1985. BROOKS, Rosetta; Rian, Jeff; SANTE, Luc. Richard Prince. London: Phaidon Press Limited, 2003. BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013. DEBORD, Guy (Ed.). Internationale Situationniste. Paris, 1958-1969. Disponível em: http://www.ubuweb.com/historical/si/index.html. Acesso em: 1 de outubro de 2013. ______; WOLMAN, Gil. “Um guia prático para o desvio”. (A User’s Guide to Détournement). Publicado originalmente em: Les lèvres nues. Número 8, Maio 1956. Tradução para o inglês: Ken Knabb http:// bopsecrets.org/SI/detourn.htm (levemente modificada pelo “Sindicato do Rock” www. sindicatodorock.cjb.net a partir da versão intitulada “Métodos de Desvio” na Antologia da Internacional Situacionista). Disponível em: http://www.reocities.com/projetoperiferia4/detour.htm. Acesso em: 28 de março de 2013. EISENSTEIN, Sergueï M. Notes pour une histoire générale du cinéma. Edition: Naoum Kleiman, Antonio Somaini. Traduction du russe: Catherine Perrel. Notes: F. Albera, N. Kleiman, C. Perrel, A. Somaini. Paris: Association Française de Recherche sur l’Histoire du Cinéma, 2013. JAPPE, Anselm. “Os situacionistas e a superação da arte: o que resta disso após cinquenta anos?” In: Baleia na rede: estudos em arte e sociedade. Volume I, no 8, Ano VIII, dezembro 2011. Comissão de Publicações/ FFC/UNESP/Marília, SP. Disponível em: http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/baleianarede/article/view/1767/1500. Acesso em: 14 de dezembro de 2014. ______. “Fin de la révolution et fin de la fin de l’art?” In: Desformas / Sessão Especial / A formação e a Espada, São Paulo. Trabalho não publicado, 2012. JEAN-LUC GODARD. Documents: catálogo. Paris: Éditions Centre Pompidou, 2006. Catálogo: Voyage(s) en utopie, Jean Luc-Godard, 1946-2006. KRAUSS, Rosalind. A voyage on the North Sea: art in the age of the post-medium condition. London: Thames and Hudson, 2000. ______. O fotográfico. Tradução: Anne Marie Davée. Barcelona: Editorial Gustavo Gili SA, 2002. MEDINA, Cuauhtémoc. “Contemp(t)orary: eleven theses”. In: E-flux journal, no 12, janeiro 2010. Disponível em: http://worker01.e-flux.com/pdf/article_8888103.pdf. Acesso em: 18 de dezembro de 2015. RANCIÈRE, Jacques. A fábula cinematográfica. Tradução: Christian Pierre Kasper. Campinas, SP: Papirus, 2013.

Tipo de oferecimento da disciplina:

Presencial

Class type:

Presencial