Disciplina Discipline CAP5995
O monumento na história: um percurso até o Monumento às Bandeiras, de Victor Brecheret

Área de Concentração: 27160

Concentration area: 27160

Criação: 10/12/2019

Creation: 10/12/2019

Ativação: 10/12/2019

Activation: 10/12/2019

Nr. de Créditos: 7

Credits: 7

Carga Horária:

Workload:

Teórica

(por semana)

Theory

(weekly)

Prática

(por semana)

Practice

(weekly)

Estudos

(por semana)

Study

(weekly)

Duração Duration Total Total
3 2 2 15 semanas 15 weeks 105 horas 105 hours

Docentes Responsáveis:

Professors:

Domingos Tadeu Chiarelli

Thiago Gil de Oliveira Virava

Objetivos:

A partir de uma síntese sobre períodos-chave para a história dos monumentos, desde o período clássico até o início do século 20 e da discussão das principais teorias sobre escultura, desde o século 18 até a atualidade, o curso tem por objetivo estudar os diversos projetos para a construção de um monumento em homenagem aos bandeirantes paulistas, surgidos na passagem dos anos 1910 para os anos 1920. Tal introito visa criar uma base para os estudantes entrarem em contato com os debates políticos e estéticos que envolveram a concepção e construção do grupo escultórico Monumento às Bandeiras, de Victor Brecheret, cuja primeira maquete data de 1920. O curso pretende analisar o projeto inicial do artista, sua transformação no projeto definitivo, de 1936 até sua inauguração no Parque do Ibirapuera, na cidade de São Paulo, em 1953, integrando-se às comemorações do quarto centenário da cidade. O curso também pretende discutir alguns dos principais trabalhos de arte produzidos em São Paulo e que tiveram o Monumento às Bandeiras como elemento propulsor.

Justificativa:

No próximo ano a primeira maquete do Monumento às Bandeiras completará 100 anos, marcando, simbolicamente, o debate que, travado em São Paulo a partir de meados dos anos 1910, que culminaria na Semana de Arte Moderna, de 1922, evento que sintetizaria o período de introdução do modernismo na arte brasileira erudita e, por sua vez, uma nova fase dentro da expansão dessas ideias no país. Neste contexto, um estudo mais aprofundado sobre o debate a respeito da escultura em São Paulo e sobre a concepção/produção do grupo escultórico que mais marcou aquele período na cidade – o Monumento às Bandeiras, de Victor Brecheret – poderá propiciar novas abordagens para a compreensão sobre a penetração das ideias modernistas no Brasil, sobretudo aquelas concernentes ao fazer escultórico, suas premissas estético-ideológicas e sua aclimatação/desenvolvimento no país.

Conteúdo:

Aula 1. A escultura e a cidade na Antiguidade Clássica (Panorama sobre a escultura e o monumento na Grécia e em Roma); Aula 2. A escultura e a cidade barroca (uma análise das transformações urbanísticas do período ensejaram um novo posicionamento da escultura em espaços públicos, levando-se em conta certos patamares assumidos pela escultura no Renascimento); Aula 3. A escultura e a cidade moderna (a cidade moderna, a estatuomania europeia no final do século 19 e início do 20); Aula 4. Pensar a escultura: Gothold E. Lessing e Johan Joachin Winckelmann (chamar a atenção dos estudantes para a importância de Lessing e Winckelmann para o pensamento da arte e suas modalidades artísticas, com ênfase na escultura); Aula 5. Pensar a escultura: Auguste Rodin e Adolf von Hildebrandt (chamar a atenção dos estudantes para a importância de Rodin e Hildebrandt no contexto do debate artístico/estético da segunda metade do século 19 e início do século 20, demonstrando como Hildebrand se encontra na base da produção de alguns artistas brasileiros significativos, dentre eles, Victor Brecheret); Aula 6. - Pensar a escultura: Rosalind Krauss e Rudolf Wittkower (chamar a atenção dos estudantes para a importância do pensamento de Krauss para se discutir os encaminhamentos da escultura após as contribuições de Hildebrandt e Rodin. A autora discute pontos importante para se pensar o tridimensional durante o século passado, colocando questões que podem ser exploradas até os dias de hoje. Chamar a atenção, é claro, para o teor "nacionalista" do pensamento da autora e da necessidade de se manter atento à sua formulação comprometida com o desenvolvimento do tridimensional nos Estados Unidos. O britânico Rudolf Wittkower, escrevendo cerca de uma década antes, discute obras dos mesmos artistas analisados por Krauss, mas inserindo-os em uma narrativa histórica mais abrangente e panorâmica, que remonta à Antiguidade. Pretende-se com esse contraponto, ampliar o repertório metodológico dos alunos para a análise da escultura moderna); Aula 7. São Paulo: projetos e realizações urbanísticas (introduzir os estudantes à história urbanística da cidade, chamando a atenção não apenas para a concepção das construções dos grandes eixos de avenidas, os monumentos etc., mas também o tipo de ocupação do solo que caracterizou o urbanismo, desde o final do século XIX até o presente); Aula 8. - Os monumentos e a cidade de São Paulo: 1870/1920. (a partir de uma introdução sobre a história dos monumentos escultóricos no Brasil, chamar a atenção dos estudantes para o debate artístico que acabou por motivar a construções dos primeiros grandes monumentos de São Paulo, como o Monumento à Fundação da Cidade, a construção da nova Catedral, o Monumento à Independência etc); Aula 9. O bandeirismo em São Paulo (introduzir o estudante ao surgimento da figura do "bandeirante paulista" na historiografia e no debate cultural da cidade, como forma de instrumentalizá-lo para poder refletir sobre as questões que serão inerentes ao debate que se pretende levar adiante na disciplina); Aula 10. Os monumentos às bandeiras (introduzir os estudantes ao debate sobre os monumentos de São Paulo na passagem dos anos 1910 para os anos 1920, sobretudo a respeito da “necessidade” de São Paulo possuir o "seu" monumento aos bandeirantes, chamando a atenção para os projetos de monumentos levado adiante por E. Taunay (tendo a proposta escultórica de Nicola Rollo como protagonista), o projeto português e o projeto de de Victor Brecheret); Aula 11. O Monumento às Bandeiras, de Victor Brecheret, versão 1920/versão 1936 (análise sobre as questões formais inerentes às duas propostas de monumento. Examinar os vários esboços e maquetes entre uma e outra proposta, até sua versão final); Aula 12. - O Monumento às Bandeiras, versão 1936. A partir das mudanças ocorridas no projeto original, descrever e analisar o Monumento e seus elementos constitutivos, levando-se em conta as soluções dadas por Brecheret às demandas dos encomendantes. Também deverá ser dada atenção à integração do monumento ao projeto do Parque Ibirapuera e à narrativa sobre a história de São Paulo promovida pelos festejos do IV Centenário); Aula 13. O bandeirismo no Brasil (nesta aula seriam retomadas questões levantadas sobre o assunto na aula 9, demonstrando como esse constructo se disseminou para todo o Brasil. Aqui seria uma boa oportunidade, não apenas para discutir a contribuição de Cassiano Ricardo e outros intelectuais nesse processo, como também a produção de monumentos às bandeiras e aos bandeirantes produzidos em outras cidades brasileiras); Aula 14. - Monumentos em disputa: São Paulo anos 1930/anos 1960 (nesta aula seriam analisados o monumentos que foram construídos a partir do Monumento às Bandeiras, como o Obelisco (e o Memorial ao Soldado Constitucionalista), o Monumento a Caxias e outros, demonstrando que, durante o período, haveria uma "guerra" de narrativas sobre a história do Brasil e o papel de São Paulo, em alguns monumentos da cidade); Aula 15. O Monumento às Bandeiras e as leituras contemporâneas (nesta aula seria ministrada uma síntese sobre as obras que foram produzidas em São Paulo, sobre o Monumento às Bandeiras ou a partir dele); Aula16. O Monumento às Bandeiras e a revisão do mito bandeirista (Nesta última aula seriam discutidas as mudanças pelas quais passaram o fenômeno das bandeiras e a figura do bandeirante, especulando-se sobre o devir do Monumento às Bandeiras. Avaliação);

Forma de Avaliação:

A avaliação do discente será tomada a partir de sua participação nas aulas teóricas e da produção de um trabalho final escrito em forma de pequena dissertação.

Observação:

Bibliografia:

Metodologia Livros - BELTING, Hans. Antropología de la imagen. Buenos Aires/Madrid: Katz Editores, 2007. - BLOCH, Marc. Apología para la historia o el oficio de historiador. (Edición anotada por Étienne Bloch),2ª. México: FCE, 2001. - CERTEAU, Michel de. A Escrita da História. 2ª. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002. - GINZBURG, Carlo. Medo, reverência, terror,Quatro ensaios de iconografia política. São Paulo: Companhia das Letras, 2014. - KRAUSS, Rosalind E. Caminhos da escultura moderna. Tradução: Julio Fischer. São Paulo : Martins Fontes, 2010. - LE GOFF, Jacques. História e memória. 5ª. Campinas: Editora da Unicamp, 2003. - SALVINI, Roberto (org.). La critica d’arte della pura visibilità e del formalismo. Milano: Aldo Garzanti Editore, 1977. - WITTKOWER, Rudolf. Escultura. Tradução: Jefferson Luiz Camargo. São Paulo : Martins Fontes, 2001. HISTÓRIA DA ARTE/HISTÓRIA (Internacional) Livros - BENEVOLO, Leonardo. História da cidade. Tradução: Silvia Mazza. São Paulo: Perspectiva, 2011. - CURRAN, Brian A. et al. Obelisk: a history. Cambridge: MIT, 2009. - CURTIS, Penelope. Sculpture 1900-1945. New York: Oxford University Press, 1999. - DAVIES, Penelope J. E. Death and the emperor: Roman imperial funerary monuments from Augustus to Marcus Aurelius. Austin: University of Texas Press, 2004. - FRIEDLAND, Elise A.; SOBOCINSKI, Melanie G.; GAZDA, Elaine K. The Oxford Handbook of Roman Sculpture. New York: Oxford University Press, 2015. - FOSTER, Hal. O retorno do Real. São Paulo: Cosacnaify, 2014. - GUILBAUT, Serge. Los espejismos de la imagen em los lindes del siglo XXI. Madrid: Akal, 2009. - HILDEBRAND, Adolf von. Il problema della forma. Milano: TEA, 1996. - PACKER, James E. The Forum of Trajan in Rome: a study of the monuments in brief. Berkeley: University of California Press, 2001. - RIEGL, Alois. O culto moderno dos monumentos. A sua essência e a sua origem. São Paulo: Perspectiva, 2014. HISTÓRIA DA ARTE (Brasil) - AMARAL, Aracy. Artes plásticas na Semana de 22. São Paulo: Editora PerspectivaEdusp, 1972. - BATISTA, Marta Rossetti. Bandeiras de Brecheret: História de um Monumento (1920-1953). São Paulo: Departamento do Patrimônio Histórico, 1986. - BRITO, Mario da S. História do modernismo brasileiro. Antecedentes da Semana de 1922.5ª. Edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978, - CHIARELLI, Tadeu. Um modernismo que veio depois. Arte no Brasil – primeira metade do século XX. São Paulo: Alameda, 2012. - CHIARELLI, Tadeu. “Plano em repouso/plano em tensão: Hildebrand e a arte contemporânea brasileira”. In: Arte internacional brasileira. São Paulo: Lemos Editorial, 1999. - CHIARELLI, Tadeu. “A obra de Galileo Emendabili: síntese e superação de influências”. In: FABRIS, Annateresa (org.). Monumentos a Ramos de Azevedo: do concurso ao exílio. Campinas, SP; São Paulo: Mercado de Letras; FAPESP, 1997. - FABRIS, Annateresa. O futurismo paulista. São Paulo: EDUSP-Fapesp, 1994. - FABRIS, Annateresa (org.). Monumento a Ramos de Azevedo: do concurso ao exílio. Campinas: Mercado de Letras, São Paulo: FAPESP, 1997. - FREITAS, Arthur. Arte de Guerrilha. Vanguarda e conceitualismo no Brasil. São Paulo: Edusp, 2013. - KNAUSS, Paulo (org.). Cidade Vaidosa. Imagens urbanas do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Sette Letras, 1999. - MAMMÌ, Lorenzo. O que resta. Arte e Crítica de arte. São Paulo: Companhia das Letras, 2012. - PECCININI, Daisy. Brecheret e a Escola de Paris. São Paulo: Instituto Victor Brecheret/FM Editorial, 2011. - PICCHIA, Menotti del. O gedeão do modernismo. 1920-22. Introdução, seleção e organização: Yoshie Sakiyama Barreirinhas). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; São Paulo: Secretaria de Estado da Cultura, 1983. - PINTO, Adolpho A. Brecha. São Paulo: Off.Typ. Cardozo Filho & C., 1911. - TOLEDO, Benedito L. Prestes Maia e as origens do urbanismo moderno em São Paulo. São Paulo: Empresa das Artes, 1996. Dissertações e Teses - KUNIGK, Maria Cecília. Nicola Rollo (1889-1970): um escultor na modernidade Brasileira. São Paulo. Dissertação de Mestrado. ECA USP, 2001. - LIMA JR., Carlos Rogério. Um artista às margens do Ipiranga. Oscar Pereira da Silva, o Museu Paulista e a reelaboração do passado nacional. São Paulo. Dissertação de Mestrado. São Paulo: IEB USP, 2015. - MONTEIRO, Michelli Cristine S. São Paulo na disputa pelo passado: o Monumento à Independência de Ettore Ximenez. São Paulo. Tese de Doutoramento. FAUUSP, 2017. - PORTO, Marly T.C. Confrontos e paralelos: O Salão Internacional de Arte Fotográfica de São Paulo (1942-1959). Dissertação de Mestrado defendida junto ao PPG Interunidades em Estética e História da Arte, 2 vol, 2018. - WALDMAN, Thaís Chang. Entre batismos e degolas: (des)caminhos dos bandeirantes em São Paulo. Tese. Departamento de Antropologia FFLCH USP, 2018. - ZIMMERMANN, Silvana Brunelli. A obra escultórica de Galileo Emendabili: uma contribuição para o meio artístico paulistano. Dissertação de Mestrado defendida junto ao Departamento de Artes Plásticas da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo., 2000. Catálogos (Textos para Exposições) - CHIARELLI, Tadeu (Cur.). “Andar por São Paulo faz com que São Paulo também ande em nós”. Texto de apresentação da mostra: Metrópole: experiência paulistana. São Paulo: Pinacoteca de São Paulo, 2017. - CHIARELLI, Tadeu. “Brecheret, a escultura e a pedra rolada”. In: 'Victor Brecheret:1894-1955'. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 2018 - CHIARELLI, Tadeu. “Sobre a mostra Territórios: artistas afrodescendentes no acervo da Pinacoteca”. In CHIARELLI, Tadeu (org.). Territórios: artistas afrodescendentes no acervo da Pinacoteca. São Paulo: Pinacoteca de São Paulo, 2016. - NABOR JR. “Meu passado (não) me condena: memória, raça e identidade nas pinturas de Sidney Amaral”. in O Menelick Segundo Ato. São Paulo: ano 5, ed. 017, out/dez., 2015. Págs. 16/21. - SILVA, Claudinei Roberto da (Cur.). “Sidney Amaral. A sedução do incômodo”. Texto de apresentação do catálogo da mostra: O banzo, o amor e a cozinha de casa. São Paulo: IPISIS. Museu Afro Brasil, 2015. Artigos - CAMPOS, Chris. Revista Trip. Dez. 2000. Vol14, n.85. ISSN 1414-350X. S/ paginação. - CHIARELLI, Tadeu. “Em quadrinhos: o Monumento às Bandeiras como imagem e lugar”. Abril de 2018.(Inédito). - CHIARELLI, Tadeu. “Sidney Amaral: entre a afirmação e a imolação”. In: Arte!Brasileiros, São Paulo, 08 out. 2018. Disponível em: https://artebrasileiros.com.br/arte/artigo/sidney-amaral-entre-a-afirmacao-e-aimolacao/ - MARINS, Paulo César Garcez. “O Parque do Ibirapuera e a construção da identidade paulista”. In: Anais do Museu Paulista. São Paulo. N. Sér. v. 6/7. p. 9-36 (1998-1999). 2003. - NOVAES, Teresa. “Prefeitura não retira âncora de Brecheret”. Folha de S. Paulo. Ilustrada. São Paulo: 15 de dezembro de 2004. - VIRAVA, Thiago Gil de Oliveira. “Jaime Lauriano e Oswald de Andrade: visões sobre o Pau Brasil”. Comunicação apresentada no Encontro La creación artística de hoy, patrimônio de mañana: Museu y archivo, memoria e identidade. Barcelona, 2018. (Inédito). - VIRAVA, Thiago Gil de Oliveira. “Memória e história, presente e passado: a imagem do Monumento às Bandeiras nas obras de Jaime Lauriano e Maria Thereza Alves”, 2018. (Inédito). HISTÓRIA/SOCIOLOGIA (Brasil) Livros - ARRUDA, Maria Arminda do Nascimento. Metrópole e cultura: São Paulo no meio século XX. Bauru SP: Edusp, 2001. - CERRI, Luís Fernando. A ideologia da paulistanidade. São Paulo: Editora Cone Sul, 2003. - HOLANDA, Sergio Buarque de. Caminhos e fronteiras. 4ª. São Paulo: Companhia das Letras, 2017. - LOVE, Joseph. A locomotiva: São Paulo na federação brasileira, 1889-1937. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982. - MONTEIRO, John Manuel. Negros da Terra. Índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras, 1994. - PRADO, Paulo. Paulistica etc. 4. ed. rev. e ampl. por Carlos Augusto Calil. São Paulo: Companhia das Letras, 2004. - ROLNIK, Raquel. Territórios em Conflito. São Paulo: espaço, história e política. São Paulo: Três Estrelas, 2017 - SOUZA, Jessé. A tolice da Inteligência brasileira. Ou como o país se deixa manipular pela elite. São Paulo: LeYa, 2015. - TOLEDO, Roberto Pompeu de. A capital da vertigem. Uma história de São Paulo de 1900 a 1954.Rio de Janeiro: Objetiva, 2015.

Idiomas ministrados:

Português

Languages taught:

Portuguese