Disciplina Discipline CCA5915
Alteridade em diálogo: Educomunicação, Relações de Gênero e Narrativas Midiáticas Não Ficcionais

Otherness in Dialogue: Educommunication, Gender and Non-Fictional Narratives

Área de Concentração: 27164

Concentration area: 27164

Criação: 09/06/2020

Creation: 09/06/2020

Ativação: 29/06/2020

Activation: 29/06/2020

Nr. de Créditos: 7

Credits: 7

Carga Horária:

Workload:

Teórica

(por semana)

Theory

(weekly)

Prática

(por semana)

Practice

(weekly)

Estudos

(por semana)

Study

(weekly)

Duração Duration Total Total
3 2 2 15 semanas 15 weeks 105 horas 105 hours

Docente Responsável:

Professor:

Claudia Lago

Objetivos:

1) Apresentar a Alteridade a partir de uma perspectiva multiconceitual. 2) Refletir sobre a representação da Alteridade, percebida enquanto a relação estabelecida com um “Outro” construído social e historicamente. 3) Indicar a relevância do tema para a Educomunicação. 4) Aprofundar a reflexão sobre a representação da Alteridade em Narrativas Midiáticas Não Ficcionais, especialmente quando relacionada às questões de Gênero.

Justificativa:

A discussão da Alteridade, tida como a relação com um “Outro” histórica e socialmente construído, tem sido central na contemporaneidade, a partir da constatação de que as representações sociais que apontam para uma humanidade unificada com base em parâmetros do Ocidente Cristão não dão conta da complexidade das relações sociais. No Brasil, a discussão da Alteridade é feita dentro de um contexto específico, em que “Outros” imigrantes, estrangeiros, dividem esta condição com amplas parcelas da população, tomadas também como “Outros”. Estes “Outros” estão dentro dos sistemas de ensino, não feitos para eles, e são representados em suas alteridades na Mídia, espaços ímpares da construção das representações coletivas. A centralidade da questão da Alteridade, notadamente nos espaços escolares, e sua relação intrínseca com a Mídia, portanto, demanda que esta seja pensada e refletida de forma mais intensa. A disciplina, ao se propor a operar um resgate de conceitos e questões ligadas ao problema da Alteridade, enfatizando a aproximação com o campo da Educomunicação, ao mesmo tempo em que também encaminha a discussão desta referida às relações de Gênero, busca auxiliar a preencher esta lacuna. E ao enfatizar as narrativas não ficcionais, não tão evidentes nos estudos sobre representações do “Outro”, apesar de fundamentais na construção destas representações, busca ampliar o escopo da discussão e lançar bases para trabalhos futuros que se detenham sobre a relação Alteridade e Não Ficção.

Conteúdo:

1. Alteridade: um conceito complexo. 2. Reflexões sobre a Alteridade: a matriz Antropológica. 3. Reflexões sobre a Alteridade: ampliações Sociológicas. 4. Reflexões sobre a Alteridade: a matriz Lingüística. 5. Alteridade e educomunicação: relações necessárias. 6. Alteridade e Relações de Gênero: a matriz feminista. 7. Relações de Gênero e Alteridade: a perspectiva latinoamericana. 8. Alteridade, relações de gênero e espaço escolar: apontamentos iniciais. 9. Representação da Alteridade e espaço escolar: a força das narrativas. 10. Reflexões sobre a conceituação de Narrativas Midiáticas Não Ficcionais. 11. Campos Não Ficcional Jornalístico e Cinema Documentário: especificidades. 12. A representação da Alteridade em Narrativas Midiáticas Não Ficcionais: alguns exemplos. 13. A representação da Alteridade em Narrativas Midiáticas Não Ficcionais: Jornalismo. 14. A representação da Alteridade em Narrativas Midiáticas Não Ficcionais: Cinema Documentário. 15. Alteridade e Não Ficção: a voz dos “Outros”.

Forma de Avaliação:

Monografia final individual e produção de Seminários e exercícios sobre temas do Programa.

Observação:

Bibliografia:

AIDAR, José Luiz e BAIRON, Sergio. A invenção do Outro na mídia semanal. In: LAGO, Cláudia e BENETTI, Marcia. Metodologia da Pesquisa em Jornalismo. Petrópolis: Vozes, 2010. p 251-278 ALVARES, Sonia E. et all.Encontrando os Feminismos Latino-Americanos e Caribenhos. Revista Estudos Feministas. Florianópolis, v. 11, n. 2, p. 541-574, julho-dezembro 2003. ALVARES, Sonia E. Para além da sociedade civil: reflexões sobre o campo feminista. Cadernos Pagu. Campinas, n. 43, p. 13-56 janeiro-junho 2014. BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo; fatos e mitos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000. Vol. I AUGE, Marc. O sentido dos outros. Petrópolis: Vozes, 1999. BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2000. BENETTI, Marcia. Análise do discurso em jornalismo: estudo de vozes e sentidos. In: LAGO, Cláudia e BENETTI, Marcia. Metodologia da Pesquisa em Jornalismo. Petrópolis: Vozes, 2010. p 107-122 BOURDIEU, Pierre. Questões de Sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983. _______________A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003. _______________Sobre a Televisão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997. BUITONI, D. H. S. Mulher de papel: a representação da mulher pela imprensa feminina brasileira. São Paulo: Loyola, 1981. BURKE, Martha e REIGADA, Alícia. Teoria Crítica Feminista y Comunicación. In: Redes.com. Brasília, UnB, no 3, s/p, 2006. CONNELL, Raewyn; PEARSE, Rebecca. Gênero: uma perspectiva global. São Paulo: nVersos, 2015. COSTA, Albertina de Oliveira: BRUSCHINI, Cristina. Uma questão de gênero. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos; São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 1992. FARIA, Nalu; NOBRE, Miriam; AUAD, Daniela; CARVALHO, Marília. Gênero e educação. São Paulo; Sempreviva Organização Feminista, 1999. FEMENÍAS, Maria Luisa. Esbozo de um feminismo latinoamericano. Revista Estudos Feministas.Florianópolis, n. 15, v. 1, p. 11-25, janeiro-abril 2006 FUNCK, Suzana Borneo e WIDHOLZEN, Nara. Gênero em Discursos na Mídia. Florianópolis: Editora Mulheres, 2005. LOURO, Guacira Lopes. Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Pro-Posições. Campinas, v. 19, n. 2 (56), p. 17-23, maio/ago. 2008. HERMANN, Nadja. A questão do outro e o diálogo. Revista Brasileira de Educação. Rio de janeiro, v. 19 n. 57, p. 477-493, abr/jun 2014. LAGO, Cláudia. Ensinamentos Antropológicos: a (im)possibilidade de apreensão do Outro no Jornalismo. Brazilian Journalism Research. Brasília, v. 11 n.2 p 172-187, Dezembro 2014. MOTTA, Luiz Gonzaga. Análise pragmática da narrativa jornalística. In: LAGO, Cláudia e BENETTI, Marcia. Metodologia da Pesquisa em Jornalismo. Petrópolis: Vozes, 2010. p. 143-167. RAMOS, Fernão Pessoa. Mas, afinal, o que é mesmo um documentário? São Paulo: Senac, 2008. RESENDE, Fernando. A narratividade do discurso jornalístico: a questão do outro. São Bernardo do Campo: Anais 6º Encontro Anual da SBPJor , 2008. ________________. O Jornalismo e suas Narrativas: as Brechas do discurso e as Possibilidades do Encontro. Revista Galáxia. São Paulo, n. 18 , p. 31- 43, Dezembro 2009. SILVA, Cristian Bereta e RIBEIRO, Paula Regina Costa. Dossiê Gênero e Sexualidade no Espaço Escolar. Revista Estudos Feministas. Florianópolis, v.19 no. 2, maio-agosto – 2011. SCOTT, Joan W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, n. 20, v.2, p. 71-100, jul./dez. 1995. SOUZA, Gustavo. Fronteiras (in)definidas: aproximações e divergências entre documentário e jornalismo. Doc On-line, Campinas, n.6, p. 158-172, Agosto 2009. TODOROV, Tzvetan. As Estruturas Narrativas. São Paulo, 2003. ________________. A descoberta da América: a questão do Outro. São Paulo: Martins Fontes, 2010. VEIGA, M. Masculino, o gênero do jornalismo: modos de produção das notícias. Florianópolis: Insular, 2014. Bibliografia Complementar ALVAREZ, S. E 2000. A “globalização” dos feminismos latino-americanos: tendências dos anos 90 e desafios para o novo milênio. In: ALVAREZ, S. E.; DAGNINO, E. & ESCOBAR, A. (orgs.). Cultura e política nos movimentos sociais latino-americanos: novas leituras. Belo Horizonte: UFMG, 2009. BALLARIN, Josep Manel; MARIN, Francesc-Xavier e NAVARRO, Angel-Jesús.Knowledge and Acknowledgement.The concept of Alterity as a tool for social interaction. RAMO 136 N LLULL JOURNAL OF APPLIED ETHICS. Issue 3. p.135-154, January 30, 2015 BARTHES, Roland (org). Análise Estrutural da Narrativa. Petrópolis: Vozes, 2009. BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu, no. 26, p.329-365, 2006. BOURDIEU, Pierre. A Economia das Trocas Simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1987. _____________. O Poder Simbólico. Lisboa: Difel, 1989. CARDOSO, Ruth (org.) A Aventura antropológica. São Paulo: Paz e Terra, 1997. CARVALHO, Marilia Pinto de, O fracasso escolar de meninos e meninas: articulações entre gênero e cor/raça. Cadernos Pagu. Campinas, n.22, p.247-290, 2004. CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero.Estudos Feministas. Florianópolis, v.10, n.1, p.171-189, 2002. EID, Mahmoud e KARIM, H Karim (ed). Re-imagining the other. New York: Palgrave MacMillian, 2014. ESCOSTEGUY, Ana Carolina et all. A temática das relações de gênero nos estudos de comunicação. Logos. Porto Alegre, v. 10, n.2 , p. 162-185, 2003. KUPPERS, Gabriele. De la protesta a la propuesta… a la protesta? Engendrando nuevas perspectivas solidarias e internacionales desde el feminismo. In: HELFRICH, Silke. Género, feminismo y masculinidad en América Latina. El Salvador: Edições Böll, 2001. LAGO, Cláudia. Pierre Bourdieu e algumas lições para o Campo da Comunicação. Revista Intexto. Porto Alegre, n. 34, p. 728-744, set/dez 2015. LIMA, H.; MARTINEZ, M.; SILVA, M. C. C. Angela Merkel e Dilma Roussef: fluxos migratórios e processos de framing nos jornais Público e Folha de S. Paulo. In: GUAZINA, L.; PRIOR, H.; ARAÚJO, B. (Eds.). Diálogos lusófonos em comunicação e política. 1. ed. Florianópolis: Insular, [s.d.]. p. 22–45. MARTIN-BARBERO, Jesús. A comunicação na educação. São Paulo: Contexto, 2014. NICHOLS, Bill. Introdução ao Documentário. Campinas: Papirus, 2005. VELHO, Gilberto. Individualismo e Cultura. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994. WOLFF, Virgínia. Um teto todo seu. São Paulo: Alaúde, 2014.

Idiomas ministrados:

Português

Languages taught:

Portuguese