Disciplina Discipline CJE5132
Tecnoimagética: Produção e Circulação da Imagem na Comunicação Contemporânea

Technoimagery: production and circulation of the image in contemporary communication

Área de Concentração: 27164

Concentration area: 27164

Criação: 25/07/2019

Creation: 25/07/2019

Ativação: 26/07/2019

Activation: 26/07/2019

Nr. de Créditos: 7

Credits: 7

Carga Horária:

Workload:

Teórica

(por semana)

Theory

(weekly)

Prática

(por semana)

Practice

(weekly)

Estudos

(por semana)

Study

(weekly)

Duração Duration Total Total
3 2 2 15 semanas 15 weeks 105 horas 105 hours

Docente Responsável:

Professor:

Wagner Souza e Silva

Objetivos:

O termo tecnoimagem, que tem a fotografia como âncora genealógica, caracteriza as imagens de um universo de produção visual fortemente mediado por tecnologias, complexas em termos de estrutura, mas cada vez mais acessíveis em sua instrumentalidade. Nesse sentido, entende-se a tecnoimagética como o universo de diálogo e confronto entre imagens originadas pelos dispositivos da fotografia, cinema, vídeo ou de síntese numérica. O objetivo da disciplina é apresentar um repertório teórico de investigação e interpretação do contexto contemporâneo de produção de imagens. Baseando-se na observação da evolução da realidade de produção e divulgação das tecnoimagens, a disciplina apresentará um mapeamento em duas frentes: a primeira, de ordem tecnológica, de modo a garantir os subsídios concretos para o entendimento das hibridações e transversalidades entre os dispositivos de produção e divulgação de imagens; a segunda, de ordem teórico-filosófica, para apresentar alguns dos modelos interpretativos do universo tecnoimagético, a fim de garantir um entendimento dos caracteres ontológicos e epistemológicos que envolvem o tema.

Justificativa:

Dada a proliferação recente de dispositivos (gadgets) tecnoimagéticos, onde a hibridação câmera-rede ganha concretude exemplar, a realidade de produção e circulação dessas imagens cada vez mais se baseia numa lógica de construção transmidiática. Tal estruturação vem sendo favorecida pelas telas, estas que passam a ser elementos de equalização das interfaces para o acesso às informações, as quais, agora preponderantemente visuais, estabelecem a relevância da tecnoimagem nos processos comunicacionais contemporâneos.

Conteúdo:

1. Ontologia da tecnoimagem. 2. Hibridações e contaminações: aproximações entre tecnologias de produção e suportes das tecnoimagens. 3. Interfaces contemporâneas de produção tecnoimagética. 4. Imagens portáteis e a questão da abundância. 5. A tela audiovisual e as formas equalizadas da informação. 6. Panorama dos modelos teóricos e interpretativos da tecnoimagética. 7. Sociedade telemática e a tecnoimaginação. 8. Superficialidade e processos criativos 9. A produção em rede e a vocação afetiva da imagem. 10. As idades do olhar e as idades da imagem. 11. Em busca da superação da sociedade caçadora-coletora de imagens. 12. O caráter pós-histórico das tecnoimagens. 13. Das cenas do mundo aos mundos encenados.

Forma de Avaliação:

Seminário individual e participação em sala de aula. Artigo sobre temática desenvolvida a partir do referencial teórico da disciplina.

Observação:

Cada estudante deverá apresentar um seminário, demonstrando, no âmbito de seu próprio projeto de pesquisa, a pertinência e a instrumentalização teórica de conceitos abordados no curso. Para o artigo final, exige-se o uso de referencial teórico discutido ao longo da disciplina.

Bibliografia:

BAUDRILLARD, Jean. Simulacros e Simulação. Lisboa: Relógio D`Água, 1991. BELLOUR, Raymond. Entre-imagens. São Paulo: Papirus,1997. COUCHOT, Edmond. A tecnologia na arte: da fotografia à realidade virtual. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2003. DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997. DEBRAY, Regis. Vida e Morte da imagem. Petrópolis: Vozes, 1994. DUBOIS, Philippe. Cinema, video, Godard. São Paulo: Cosac Naify, 2004. DUARTE, Rodrigo. Pós-história de Vilém Flusser: gênese, anatomia, desdobramentos. São Paulo: Annablume, 2012. FABRIS, Annateresa. Redefinindo o Conceito de Imagem. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 18, n. 35, 1998. Disponível em: http://www.scielo.br/. Acesso em: 19 Mar 2007. FLUSSER, Vilém. Filosofia da caixa preta. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002. _______. O universo das imagens técnicas: elogio da superficialidade. São Paulo: Annablume, 2008. _______. Língua e realidade. São Paulo: Annablume, 2007. FONTCUBERTA, Joan. A câmera de Pandora: a fotografi@ depois da fotografia. São Paulo: G.Gilli, 2012. FRANKLIN, S. The documentary impulse. Phaidon: Londres, 2016. GUSTAVSON, Todd. Camera: a history of photography from daguerreotype to digital. New York: Sterling, 2009. MACHADO, Arlindo. Arte e mídia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007. _______. Pré-cinemas e pós-cinemas. Campinas: Papirus, 2002. MANOVICH, Lev. Instagram e contemporary image. San Diego: Qualcomm Institute, 2017. Disponível em < http://manovich.net/index.php/projects/instagram-and-contemporary-image>. Acesso em 1 mar. 2017. MEYER, Pedro. Truths & fictions: from documentary to digital photography. New York: Aperture, 1995. PARENTE, André (org.). Imagem máquina: a era das tecnologias do virtual. São Paulo: Editora 34, 1993. PEREIRA, R. E.; SOUZA E SILVA, W. Pequena história da fotografia nas redes sociais. Estudos em Comunicação, Covilhã, n. 27, v. 1, p. 39-49, 2018. RITCHIN, Fred. After Photography. New York: W.W. Norton & Company, 2009. ZIELINSKI, S.; WEIBEL, P. Flusseriana: an intellectual toolbox. Minnesota: ZKM, 2015. SOUZA E SILVA, Wagner. Foto 0/Foto 1. São Paulo: Edusp, 2016. VATTIMO, Gianni. A sociedade transparente. Lisboa: Relógio d’Água, 1992.