Disciplina Discipline GER5006
Habitação e Cidade para o Envelhecimento Digno

Housing and city for decent aging

Área de Concentração: 100141

Concentration area: 100141

Criação: 08/11/2018

Creation: 08/11/2018

Ativação: 27/02/2019

Activation: 27/02/2019

Nr. de Créditos: 6

Credits: 6

Carga Horária:

Workload:

Teórica

(por semana)

Theory

(weekly)

Prática

(por semana)

Practice

(weekly)

Estudos

(por semana)

Study

(weekly)

Duração Duration Total Total
4 0 2 15 semanas 15 weeks 90 horas 90 hours

Docentes Responsáveis:

Professors:

Maria Luisa Trindade Bestetti

Bibiana Graeff Chagas Pinto Fabre

Objetivos:

A disciplina tem como objetivo promover reflexão acerca dos aspectos do direito à habitação e à cidade para o envelhecimento digno, introduzindo conceitos do Direito, da Arquitetura e do Urbanismo que nutrem uma compreensão mais abrangente sobre promoção de saúde e devem estar a serviço da melhoria da qualidade de vida. Pretende desenvolver ferramentas de análise de espaço público e privado, compreendendo aspectos fundamentais da acessibilidade e os diferentes modos de morar em espaços domésticos. Intenta despertar uma tomada de consciência sobre a importância da habitabilidade no ciclo de vida dos sujeitos

Objectives:

The aim of the course is to promote reflection on the right to housing and the right to aging with dignity, introducing concepts of Law, Architecture and Urbanism that foster a broader understanding of health promotion and should serve the quality of life. It aims to develop tools for analyzing public and private space, including fundamental aspects of accessibility and different ways of living in domestic spaces. It attempts to raise awareness about the importance of habitability in the life course.

Justificativa:

Sendo Gerontologia um campo de formação interdisciplinar, alicerçado em uma visão biopsicossocial do envelhecimento e da velhice, é importante considerar desafios de gestão em equipes multiprofissionais voltadas ao atendimento de pessoas idosas, que podem apresentar demandas diferenciadas quanto à sua condição de habitar. Vale ressaltar que a habitação deve ser entendida de modo mais abrangente e sistêmico, no sentido de pertencimento, de usufruto e de direito à cidade, incluindo a oferta e o acesso por parte da população à rede de infraestrutura urbana e aos equipamentos públicos. Refere-se ao pertencimento ao território e à inclusão dentro de um amplo contexto urbano, em busca de plena qualidade de vida no ambiente construído. Debates, projetos e iniciativas que encarem e promovam a habitação nessa perspectiva são recentes e, muitas vezes, ainda incipientes. Contudo, programas tais como a Estratégia Cidade Amiga do Idoso, da OMS, demonstram o quanto o tema da habitação para um envelhecimento digno vem ultrapassando as barreiras locais e nacionais, e despertando o interesse de instâncias internacionais

Rationale:

Being Gerontology an interdisciplinary field, based on a biopsychosocial view of aging and old age, it is important to consider management challenges in multiprofessional teams geared to the care of elderly people, who may present different demands regarding their condition of living. It is worth mentioning that housing should be understood in a more comprehensive and systemic way, in the sense of belonging, usufruct and right to the city, including the supply and access by the population to the urban infrastructure network and public facilities. It refers to belonging to the territory and to inclusion within a broad urban context, in search of full quality of life in the built environment. Debates, projects and initiatives that look at and promote housing in this perspective are recent and often still incipient. However, programs such as the WHO Age-Friendly Cities' Strategy show how the issue of housing related to aging with dignity has been overcoming local and national barriers and attracting the attention of international bodies.

Conteúdo:

1. O direito à habitação digna, o direito à cidade e o direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado; 2. Guia Global Cidade Amiga do Idoso: aspectos relevantes pela perspectiva do cidadão idoso; 3. Ambiência e envelhecimento: componentes da acessibilidade, do conforto e da produção de subjetividades; 4. O espaço público e o idoso: condições de caminhabilidade e o estímulo às relações sociais no bairro; 5. Alienação urbana, processos de gentrificação e exclusão da pessoa idosa; 6. Aging in place, clusters e outras alternativas de inclusão do idoso na cidade; 7. Modos de morar em diferentes arranjos familiares. A institucionalização como alternativa e os preconceitos da sociedade; 8. O direito à moradia: a proteção jurídica da autonomia da pessoa idosa em situação de vulnerabilidade econômica; 9. Território formal e território de vida; 10. A Gerontologia Ambiental como ferramenta de gestão; 11. Catástrofes ambientais em meio urbano e o risco para a população idosa; 12. A gestão do envelhecimento a partir das políticas públicas municipais; 13. Avanços socioambientais da Convenção Interamericana de Direitos das Pessoas Idosas.

Content:

1. The right to housing in dignity, the right to the city and the right to an ecologically balanced environment; 2. Age-friendly cities guide: relevant aspects from the perspective of the elderly citizen; 3. Ambience and aging: components of accessibility, comfort and the production of subjectivities; 4. Public space and the elderly: conditions of walkability and the stimulus to social relations in the neighborhood; 5. Urban alienation, processes of gentrification and exclusion of the elderly person; 6. Aging in place, clusters and other alternatives of inclusion of the elderly in the city; 7. Ways of living in different family arrangements. Institutionalization as an alternative and the prejudices of society; 8. The right to housing: legal protection of the autonomy of the elderly in situations of economic vulnerability; 9. Formal territory and territory of life; 10. Environmental Gerontology as a management tool; 11. Urban environmental catastrophes and the risk to the elderly population; 12. The management of aging from municipal public policies; 13. Social and environmental progress of the Inter-American Convention on the Rights of the Elderly.

Forma de Avaliação:

Notas a exercícios, artigos e seminários, realizados dentro ou fora da sala de aula. A nota final será calculada pela média ponderada de cada resultado prévio

Type of Assessment:

Grades will be given based on exercises, articles and seminars, inside or outside the classroom. The final grade will be calculated by the weighted average of e

Bibliografia:

ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 9050:2015 - Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. São Paulo, ABNT, 2015. ALVES, S.M.; BESTETTI, M.L.T. Características Ambientais em Centros de Acolhida de São Paulo: usando Design Thinking para cocriar soluções inovadoras em ambiência. In: BESTETTI, M.L.T.; GRAEFF, B. Habitação e Cidade para o Envelhecimento Digno. São Paulo, Portal Edições, 2017. ANDRADE, G.M.; DOMENEGHINI, J; MORANDO, J.P.S.K.; ROMANINI, A. Princípios do Novo Urbanismo no desenvolvimento de bairros Sustentáveis brasileiros. Revista de Arquitetura da IMED, v. 2, n.1, 2013, p. 90-96. Disponível em https://www.researchgate.net/publication/284011657_Principios_do_Novo_Urbanismo_no_Desenvolvimento_de_Bairros_Sustentaveis_Brasileiros BATISTONI, S. S. T. Gerontologia Ambiental: panorama de suas contribuições para a atuação do gerontólogo. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., 17(3):647-657, Rio de Janeiro, 2014. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rbgg/v17n3/1809-9823-rbgg-17-03-00647.pdf BESTETTI, M.L.T.; GRAEFF, B.; ACCIOLY, M. O impacto da urbanidade no envelhecimento humano: o que podemos aprender com a estratégia Cidade Amiga do Idoso? Revista Kairós (Online), v. 15(6), p. 117, 2012. In: Scielo. BESTETTI, M.L.T. Ambiência: espaço físico e comportamento. Rev. Bras. Geriatr. Geront., v. 17, p. 601-610, Rio de Janeiro, Jul/Set. 2014 BODSTEIN, A.; LIMA, V.; BARROS, A. A vulnerabilidade do idoso em situações de desastres: necessidade de uma política de resiliência eficaz. São Paulo. Ambiente e Sociedade, vol. XII, n. 2, 2014. In: http://www.scielo.br/pdf/asoc/v17n2/a11v17n2.pdf. BRASIL. Ministério da Saúde. ANVISA. RDC 283, de 26 de setembro de 2005 – Regulamento Técnico para o Funcionamento de Instituições de Longa Permanência para Idosos. Brasília-DF, 2005. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Ambiência. 2ed. 5areimpr. Série B. Textos Básicos de Saúde. Brasília-DF, 2010. BRASIL. Ministério da Saúde. A experiência da diretriz de Ambiência da Política Nacional de Humanização – PNH. Brasília: Ministério da Saúde, 2017. CAMARANO, A.A.; KANSO, S. As instituições de longa permanência para idosos no Brasil. Rev. bras. estud. popul. [online]. 2010, vol.27, n.1, pp.232-235. CHAPON, P.M. [et. al.]. Analyse des territoires de vie et de la mobilité de personnes âgées au moyen de traceurs GPS, Annales de Géographie, n. 679, 2011/03, p. 320-333. CHIARELLI, T.M.; BESTETTI, M.L.T. Programa Vila Dignidade – conhecendo um novo modelo habitacional para idosos de baixa renda. A Terceira Idade, SESC, v. 25, p. 70-83, São Paulo, 2014. CHRISTOPHE, M.; CAMARANO, A.A. Dos Asilos às instituições de Longa Permanência: uma história de mitos e preconceitos. In: CAMARANO, A.A. (org.) Cuidados de Longa Duração para a População Idosa: um novo risco social a ser assumido? Disponível em http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=6586cuidados-de-longa-duracao-para-a-populacao-idosa-um-novo-risco-social-a-ser-assumido COHEN, S.C.; BODSTEIN, R.; KLIGERMAN, D.C.; MARCONDES, W.B. Habitação saudável e ambientes favoráveis à saúde como estratégia de promoção da saúde. Cien Saude Colet. 2007; 12(1): 191-198. COSTA, M.C.N.S.; MERCADANTE, E.F. O idoso residente em ILPI (Instituição de Longa Permanência do Idoso) e o que isso representa para o sujeito idoso. Revista Kairós Gerontologia, 16(2), 209-222, março de 2013. DUARTE, C.R.; COHEN, R.; SANTANA, E.P.; BRASILEIRO, A.; PAULA, K.; UGLIONE, P. Explorando as ambiências: Dimensões e Possibilidades Metodológicas na Pesquisa em Arquitetura. Colloque International Faire une Ambiance. Grenoble, 2008. In: Anais... Grenoble, 2008, cd-rom. Disponível em https://docs11.minhateca.com.br/1066740189,BR,0,0,Duarte%2C-Cristiane.-Explorando-as-ambiências_dimensões-e-possibilidades-metodológicas-na-pesnquisa-em-arquitetura.pdf ESTEVAM, N.A.M.; YAMAGUCHI, M.B. A ILPI como Espaço para Moradia. In: Bestetti, M.L.T.; Graeff, B. (org) Habitação e Cidade para o Envelhecimento Digno. São Paulo: Portal do Envelhecimento, 2017, pg. 113-217. GRAEFF, B.; PUDENZI, C. La protection du logement digne et adéquat des aînés au Brésil: bref aperçu et pistes de réflexion. In: GUÉRIN, D.; ROUX-DEMARE, F. Logement et vulnérabilité. Paris: LGDJ. Institut Universitaire Varenne. Collection Colloques & Essais, n. 23, 2016. pp. 231-256. GRAEFF, B.; ACCIOLY, M.; BESTETTI, M.L.T. Bairro Amigo do Idoso no Brás: percepções sobre os migrantes internacionais. Revista Kairós (Online), v. 16(6), p. 177, 2012. In: Scielo. GRAEFF, B. A pertinência da noção de ambiências urbanas para o tema dos direitos dos idosos: perspectivas brasileiras. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. vol. 17, no.3, Rio de Janeiro, Jul/Set. 2014. In: Scielo. GRAEFF, B. Avanços socioambientais da Convenção Interamericana de Direitos das Pessoas Idosas. In: BENJAMIN, A.H., LEITE, J.R.M. (ORG). 22o Congresso Brasileiro de Direito Ambiental. Direito e Sustentabilidade na Era do Antropoceno: Retrocesso Ambiental, Balanço e Perspectivas. São Paulo: Instituto O Direito por um Planeta Verde, 2017, v. 1 p. 63-85. In: http://www.planetaverde.org/biblioteca-virtual/anais. Acesso em 27/02/2018 GRAEFF, B. Mudanças Climáticas e Proteção da Pessoa Idosa. In: Solange Teles da Silva; Sandra Cureau; Marcia Leuzinger. (Org.). Mudança do Clima - Desafios jurídicos, econômicos e socioambientais. São Paulo: Fiuza, 2011. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas. Síntese de Indicadores Sociais, uma análise das condições de vida da população brasileira. Estudos e Pesquisas, IBGE, Informação Demográfica e Socioeconômica – nº 36, Rio de Janeiro, 2016. Disponível em https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv98965.pdf. LIMA, M.C.C.; PERRACINI, M.R. Caminhabilidade e Envelhecimento. In: BESTETTI, M.L.T.; GRAEFF, B. Habitação e Cidade para o Envelhecimento Digno. São Paulo, Portal Edições, 2017. LUBOCHINSKI, L.A. Co-Lares, uma Arquitetura para a Longevidade. In: BESTETTI, M.L.T.; GRAEFF, B. Habitação e Cidade para o Envelhecimento Digno. São Paulo, Portal Edições, 2017. MONTEIRO, L. C. A.; VAROTO, V. A. G.; SILVA, N. M. (Des) Uso Adequado da Propriedade Imóvel. E o Direito à Moradia para Pessoa Idosa de Baixa Renda? In: BESTETTI, M.L.T.; GRAEFF, B. Habitação e Cidade para o Envelhecimento Digno. São Paulo, Portal Edições, 2017. MONTEIRO, L.C.A. Políticas Públicas habitacionais para idosos: um estudo sobre os condomínios exclusivos. Tese de doutorado. Universidade de São Carlos, 2012. MORAND-DEVILLER, J. A cidade, a paisagem e o belo. In: Marques CL, Medauar O, Silva ST (coord.). O novo Direito Administrativo, Ambiental e Urbanístico: Estudos em homenagem à Jacqueline Morand-Deviller. 1a ed. São Paulo: RT. 2010, 384p. MOULAERT, T.; GARON, S. (org.). Age-Friendly Cities and Communities in Intarnational Comparison. New York: Springer 2016, 337 p. NASCIMENTO, M. A.; FALCÃO, D.V.S.; BESTETTI, M. L. T. O espaço urbano do bairro e o impacto nas relações sociais de idosos: uma revisão narrativa da literatura. Rev. Kairós Gerontologia, v. 20, p. 179-194, 2017. OMS – Organização Mundial da Saúde. Guia Global Cidade Amiga do Idoso. OMS, Genebra, 2008. Disponível em http://www.who.int/ageing/GuiaAFCPortuguese.pdf PFÜTZENREUTER, A.H. Viver a cidade, envelhecer na cidade: os espaços públicos como interface para o envelhecimento pessoal. Tese de doutorado. Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2014. Disponível em http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/481 PFÜTZENREUTER, A.H.; MORETTI, R.S. Políticas Públicas para a Habitação do Idoso Análise de Algumas Iniciativas do Município de São Paulo. A Terceira Idade, SESC, São Paulo, nº 39, Jun/2007. Disponível em https://www.sescsp.org.br/online/artigo/8727_POLITICAS+PUBLICAS+PARA+A+HABITACAO+DO+IDOSO+ANALISE+DE+ALGUMAS+INICIATIVAS+DO+MUNICIPIO+DE+SAO+PAULO PEDROSO, E.S.R. Intervalos do Apego – a relação afetiva entre o idoso e a moradia coletiva institucional no Brasil e em Portugal. Tese de doutorado, Rio de Janeiro, PROARQ FAU UFRJ, 2018. Política Nacional de Ação Social - PNAS (2004); Norma Básica Operacional – NOB/SUAS (2005). REQUENA, C.A.J. Habitar Híbrido: Interatividade e Experiência na Era da Cibercultura. Dissertação de mestrado, DAU EESC USP, São Carlos, 2007. http://www.gutorequena.com.br/site_mestrado/habitar%20hibrido.pdf SANTOS, C. O espaço da metrópole, o tempo dos velhos e a alienação urbana. Revista Mais 60: estudos sobre envelhecimento. São Paulo: SESC, v. 27, n. 64, abr. 2016. In: http://www.sescsp.org.br/files/artigo/7b08fd2f-6bd4-4db4-9501-92ba83fce6e5.pdf. SCHREMPP, L.; BESTETTI, M.L.T.; DOMINGUES, A.M.; GRAEFF, B. Percepções de Idosos sobre a Moradia no Bairro Brás (São Paulo), captadas pelo Método Cidade Amiga do Idoso. In: BESTETTI, M.L.T.; GRAEFF, B. Habitação e Cidade para o Envelhecimento Digno. São Paulo, Portal Edições, 2017. TIXIER, N. L’usage des ambiances. Culture et Recherches. 2007;113:10-11. WHO. Older people in emergencies: an active ageing perspective. WHO, Genebra, 2008. In: www.who.int/ageing/.../EmergenciesEnglish13August.pdf VIRIOT-DURANDAL, JP; PIHET, C; CHAPON, P. M. Les défis territoriaux face au vieillissement. Paris: La documentation française, 2012. VLADECK, F.; SEGEL, R.; OBERLINK, M.; GURSEN, M.D.; RUDIN, D. Health Indicators: A Proactive and Systematic Approach to Healthy Aging (September 1, 2010). Cityscape, Vol. 12, No. 2, p. 67, Set. 2010. Disponível em https://ssrn.com/abstract=1680903

Bibliography:

ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 9050:2015 - Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. São Paulo, ABNT, 2015. ALVES, S.M.; BESTETTI, M.L.T. Características Ambientais em Centros de Acolhida de São Paulo: usando Design Thinking para cocriar soluções inovadoras em ambiência. In: BESTETTI, M.L.T.; GRAEFF, B. Habitação e Cidade para o Envelhecimento Digno. São Paulo, Portal Edições, 2017. ANDRADE, G.M.; DOMENEGHINI, J; MORANDO, J.P.S.K.; ROMANINI, A. Princípios do Novo Urbanismo no desenvolvimento de bairros Sustentáveis brasileiros. Revista de Arquitetura da IMED, v. 2, n.1, 2013, p. 90-96. Disponível em https://www.researchgate.net/publication/284011657_Principios_do_Novo_Urbanismo_no_Desenvolvimento_de_Bairros_Sustentaveis_Brasileiros BATISTONI, S. S. T. Gerontologia Ambiental: panorama de suas contribuições para a atuação do gerontólogo. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., 17(3):647-657, Rio de Janeiro, 2014. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rbgg/v17n3/1809-9823-rbgg-17-03-00647.pdf BESTETTI, M.L.T.; GRAEFF, B.; ACCIOLY, M. O impacto da urbanidade no envelhecimento humano: o que podemos aprender com a estratégia Cidade Amiga do Idoso? Revista Kairós (Online), v. 15(6), p. 117, 2012. In: Scielo. BESTETTI, M.L.T. Ambiência: espaço físico e comportamento. Rev. Bras. Geriatr. Geront., v. 17, p. 601-610, Rio de Janeiro, Jul/Set. 2014 BODSTEIN, A.; LIMA, V.; BARROS, A. A vulnerabilidade do idoso em situações de desastres: necessidade de uma política de resiliência eficaz. São Paulo. Ambiente e Sociedade, vol. XII, n. 2, 2014. In: http://www.scielo.br/pdf/asoc/v17n2/a11v17n2.pdf. BRASIL. Ministério da Saúde. ANVISA. RDC 283, de 26 de setembro de 2005 – Regulamento Técnico para o Funcionamento de Instituições de Longa Permanência para Idosos. Brasília-DF, 2005. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Ambiência. 2ed. 5areimpr. Série B. Textos Básicos de Saúde. Brasília-DF, 2010. BRASIL. Ministério da Saúde. A experiência da diretriz de Ambiência da Política Nacional de Humanização – PNH. Brasília: Ministério da Saúde, 2017. CAMARANO, A.A.; KANSO, S. As instituições de longa permanência para idosos no Brasil. Rev. bras. estud. popul. [online]. 2010, vol.27, n.1, pp.232-235. CHAPON, P.M. [et. al.]. Analyse des territoires de vie et de la mobilité de personnes âgées au moyen de traceurs GPS, Annales de Géographie, n. 679, 2011/03, p. 320-333. CHIARELLI, T.M.; BESTETTI, M.L.T. Programa Vila Dignidade – conhecendo um novo modelo habitacional para idosos de baixa renda. A Terceira Idade, SESC, v. 25, p. 70-83, São Paulo, 2014. CHRISTOPHE, M.; CAMARANO, A.A. Dos Asilos às instituições de Longa Permanência: uma história de mitos e preconceitos. In: CAMARANO, A.A. (org.) Cuidados de Longa Duração para a População Idosa: um novo risco social a ser assumido? Disponível em http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=6586cuidados-de-longa-duracao-para-a-populacao-idosa-um-novo-risco-social-a-ser-assumido COHEN, S.C.; BODSTEIN, R.; KLIGERMAN, D.C.; MARCONDES, W.B. Habitação saudável e ambientes favoráveis à saúde como estratégia de promoção da saúde. Cien Saude Colet. 2007; 12(1): 191-198. COSTA, M.C.N.S.; MERCADANTE, E.F. O idoso residente em ILPI (Instituição de Longa Permanência do Idoso) e o que isso representa para o sujeito idoso. Revista Kairós Gerontologia, 16(2), 209-222, março de 2013. DUARTE, C.R.; COHEN, R.; SANTANA, E.P.; BRASILEIRO, A.; PAULA, K.; UGLIONE, P. Explorando as ambiências: Dimensões e Possibilidades Metodológicas na Pesquisa em Arquitetura. Colloque International Faire une Ambiance. Grenoble, 2008. In: Anais... Grenoble, 2008, cd-rom. Disponível em https://docs11.minhateca.com.br/1066740189,BR,0,0,Duarte%2C-Cristiane.-Explorando-as-ambiências_dimensões-e-possibilidades-metodológicas-na-pesnquisa-em-arquitetura.pdf ESTEVAM, N.A.M.; YAMAGUCHI, M.B. A ILPI como Espaço para Moradia. In: Bestetti, M.L.T.; Graeff, B. (org) Habitação e Cidade para o Envelhecimento Digno. São Paulo: Portal do Envelhecimento, 2017, pg. 113-217. GRAEFF, B.; PUDENZI, C. La protection du logement digne et adéquat des aînés au Brésil: bref aperçu et pistes de réflexion. In: GUÉRIN, D.; ROUX-DEMARE, F. Logement et vulnérabilité. Paris: LGDJ. Institut Universitaire Varenne. Collection Colloques & Essais, n. 23, 2016. pp. 231-256. GRAEFF, B.; ACCIOLY, M.; BESTETTI, M.L.T. Bairro Amigo do Idoso no Brás: percepções sobre os migrantes internacionais. Revista Kairós (Online), v. 16(6), p. 177, 2012. In: Scielo. GRAEFF, B. A pertinência da noção de ambiências urbanas para o tema dos direitos dos idosos: perspectivas brasileiras. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. vol. 17, no.3, Rio de Janeiro, Jul/Set. 2014. In: Scielo. GRAEFF, B. Avanços socioambientais da Convenção Interamericana de Direitos das Pessoas Idosas. In: BENJAMIN, A.H., LEITE, J.R.M. (ORG). 22o Congresso Brasileiro de Direito Ambiental. Direito e Sustentabilidade na Era do Antropoceno: Retrocesso Ambiental, Balanço e Perspectivas. São Paulo: Instituto O Direito por um Planeta Verde, 2017, v. 1 p. 63-85. In: http://www.planetaverde.org/biblioteca-virtual/anais. Acesso em 27/02/2018 GRAEFF, B. Mudanças Climáticas e Proteção da Pessoa Idosa. In: Solange Teles da Silva; Sandra Cureau; Marcia Leuzinger. (Org.). Mudança do Clima - Desafios jurídicos, econômicos e socioambientais. São Paulo: Fiuza, 2011. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas. Síntese de Indicadores Sociais, uma análise das condições de vida da população brasileira. Estudos e Pesquisas, IBGE, Informação Demográfica e Socioeconômica – nº 36, Rio de Janeiro, 2016. Disponível em https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv98965.pdf. LIMA, M.C.C.; PERRACINI, M.R. Caminhabilidade e Envelhecimento. In: BESTETTI, M.L.T.; GRAEFF, B. Habitação e Cidade para o Envelhecimento Digno. São Paulo, Portal Edições, 2017. LUBOCHINSKI, L.A. Co-Lares, uma Arquitetura para a Longevidade. In: BESTETTI, M.L.T.; GRAEFF, B. Habitação e Cidade para o Envelhecimento Digno. São Paulo, Portal Edições, 2017. MONTEIRO, L. C. A.; VAROTO, V. A. G.; SILVA, N. M. (Des) Uso Adequado da Propriedade Imóvel. E o Direito à Moradia para Pessoa Idosa de Baixa Renda? In: BESTETTI, M.L.T.; GRAEFF, B. Habitação e Cidade para o Envelhecimento Digno. São Paulo, Portal Edições, 2017. MONTEIRO, L.C.A. Políticas Públicas habitacionais para idosos: um estudo sobre os condomínios exclusivos. Tese de doutorado. Universidade de São Carlos, 2012. MORAND-DEVILLER, J. A cidade, a paisagem e o belo. In: Marques CL, Medauar O, Silva ST (coord.). O novo Direito Administrativo, Ambiental e Urbanístico: Estudos em homenagem à Jacqueline Morand-Deviller. 1a ed. São Paulo: RT. 2010, 384p. MOULAERT, T.; GARON, S. (org.). Age-Friendly Cities and Communities in Intarnational Comparison. New York: Springer 2016, 337 p. NASCIMENTO, M. A.; FALCÃO, D.V.S.; BESTETTI, M. L. T. O espaço urbano do bairro e o impacto nas relações sociais de idosos: uma revisão narrativa da literatura. Rev. Kairós Gerontologia, v. 20, p. 179-194, 2017. OMS – Organização Mundial da Saúde. Guia Global Cidade Amiga do Idoso. OMS, Genebra, 2008. Disponível em http://www.who.int/ageing/GuiaAFCPortuguese.pdf PFÜTZENREUTER, A.H. Viver a cidade, envelhecer na cidade: os espaços públicos como interface para o envelhecimento pessoal. Tese de doutorado. Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2014. Disponível em http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/481 PFÜTZENREUTER, A.H.; MORETTI, R.S. Políticas Públicas para a Habitação do Idoso Análise de Algumas Iniciativas do Município de São Paulo. A Terceira Idade, SESC, São Paulo, nº 39, Jun/2007. Disponível em https://www.sescsp.org.br/online/artigo/8727_POLITICAS+PUBLICAS+PARA+A+HABITACAO+DO+IDOSO+ANALISE+DE+ALGUMAS+INICIATIVAS+DO+MUNICIPIO+DE+SAO+PAULO PEDROSO, E.S.R. Intervalos do Apego – a relação afetiva entre o idoso e a moradia coletiva institucional no Brasil e em Portugal. Tese de doutorado, Rio de Janeiro, PROARQ FAU UFRJ, 2018. Política Nacional de Ação Social - PNAS (2004); Norma Básica Operacional – NOB/SUAS (2005). REQUENA, C.A.J. Habitar Híbrido: Interatividade e Experiência na Era da Cibercultura. Dissertação de mestrado, DAU EESC USP, São Carlos, 2007. http://www.gutorequena.com.br/site_mestrado/habitar%20hibrido.pdf SANTOS, C. O espaço da metrópole, o tempo dos velhos e a alienação urbana. Revista Mais 60: estudos sobre envelhecimento. São Paulo: SESC, v. 27, n. 64, abr. 2016. In: http://www.sescsp.org.br/files/artigo/7b08fd2f-6bd4-4db4-9501-92ba83fce6e5.pdf. SCHREMPP, L.; BESTETTI, M.L.T.; DOMINGUES, A.M.; GRAEFF, B. Percepções de Idosos sobre a Moradia no Bairro Brás (São Paulo), captadas pelo Método Cidade Amiga do Idoso. In: BESTETTI, M.L.T.; GRAEFF, B. Habitação e Cidade para o Envelhecimento Digno. São Paulo, Portal Edições, 2017. TIXIER, N. L’usage des ambiances. Culture et Recherches. 2007;113:10-11. WHO. Older people in emergencies: an active ageing perspective. WHO, Genebra, 2008. In: www.who.int/ageing/.../EmergenciesEnglish13August.pdf VIRIOT-DURANDAL, JP; PIHET, C; CHAPON, P. M. Les défis territoriaux face au vieillissement. Paris: La documentation française, 2012. VLADECK, F.; SEGEL, R.; OBERLINK, M.; GURSEN, M.D.; RUDIN, D. Health Indicators: A Proactive and Systematic Approach to Healthy Aging (September 1, 2010). Cityscape, Vol. 12, No. 2, p. 67, Set. 2010. Disponível em https://ssrn.com/abstract=1680903

Tipo de oferecimento da disciplina:

Presencial

Class type:

Presencial