Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 

Júpiter - Sistema de Gestão Acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação


Instituto de Biociências
 
Disciplinas Interdepartamentais do Instituto de Biociências
 
Disciplina: 0410517 - Estágio Supervisionado em Ensino de Biologia
Supervised Training in Biology Teaching

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 3
Carga Horária Total: 150 h ( Estágio: 50 h , Práticas como Componentes Curriculares = 50 h )
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2020 Desativação:

Objetivos
Subsidiar o aluno na reflexão sobre as necessidades e os desafios da realidade escolar, aproximando-o de referenciais teóricos sobre educação científica e promovendo sua formação a partir de discussões sobre as relações entre teorias pedagógicas e realidade escolar. Oportunizar experiências de estágio supervisionado em instituições públicas da educação básica em que há a possibilidade de planejamento, discussão, aplicação e avaliação de sequências didáticas investigativas (para isso, o licenciando precisa disponibilizar 4 horas presenciais por semana para as aulas da disciplina, mais 4 horas semanais para a realização de estágio em escola de educação básica ao longo do semestre, além de aproximadamente 2,5 horas semanais para a realização de leituras e atividades extraclasse).
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
501489 - Daniela Lopes Scarpa
2937176 - Maíra Batistoni e Silva
 
Programa Resumido
Subsídios teóricos sobre formação de professores e realidade escolar. Diagnóstico das características e demandas da escola. Elementos do Ensino por Investigação e possibilidades de sua aplicação em sala de aula. Elaboração e aplicação de sequências didáticas investigativas. Reflexão sobre o processo desenvolvido.
 
 
 
Programa
O estágio é entendido como a imersão no cotidiano escolar, acompanhando as atividades docentes, bem como planejando e executando intervenções educacionais que abordem conteúdos do escopo da Biologia, com o objetivo de aproximar a teoria relacionada com formação de professores e pesquisa em ensino de ciências com a prática docente em sala de aula. A aproximação teórica será realizada por meio da leitura e discussão de textos da área de pesquisa em ensino de ciências e biologia, aprofundando aspectos do Ensino por Investigação. Para o planejamento e execução das intervenções, serão estimuladas a produção de diferentes gêneros de textos e a utilização das Tecnologias da Comunicação e Informação, conduzidas em diálogo com a compreensão do contexto no qual as intervenções serão realizadas. O registro, a comunicação e a análise crítica das experiências vivenciadas no âmbito escolar serão o fio condutor dos processos avaliativos da disciplina. Para atingir esses objetivos, a disciplina abordará os seguintes temas e ações: - Subsídios teóricos sobre necessidades e desafios da realidade escolar. - Levantamento de demandas por parte da instituição escolar, integrando as ações a serem desenvolvidas pelo estagiário com a proposta pedagógica dessa instituição. - Ensino por Investigação e objetivos do ensino de ciências. - Análise das Diretrizes Curriculares, projetos de curso e de materiais didáticos. - Análise de diversas estratégias didáticas e sua adequação aos contextos de ensino. - Análise de processos de avaliação. - Elaboração de plano de intervenção (incluindo acompanhamento de atividades escolares, planejamento, execução e avaliação da intervenção). - Reflexão sobre o processo desenvolvido, evidenciando a importância do estágio na formação docente.
 
 
 
Avaliação
     
Método
Participação nas atividades ao longo do curso (presenciais e à distância). Leitura e discussão de textos em diferentes gêneros (artigos científicos, textos de divulgação, vídeos, etc.). Apresentação oral inicial do plano de trabalho. Apresentação oral final sobre o processo desenvolvido, ressaltando as estratégias e TICs produzidas e a avaliação da intervenção. Registro contínuo e comunicação de sua experiência docente no contexto do estágio. Registro escrito de diversas versões do Plano de Intervenção ao longo da disciplina em um processo de avaliação formativa. Relatório escrito final com análise crítica de todo o processo. Apresentação da Ficha de Estágio preenchida segundo os dispositivos legais que regem essa atividade.
Critério
Entrega de todas as atividades propostas, pontualidade, qualidade dos trabalhos apresentados (profundidade de reflexão, aproximação com referenciais teóricos, clareza nas formas de apresentação oral e escrita, apropriação da elaboração de diferentes gêneros textuais e TICs).
Norma de Recuperação
não há recuperação. As aulas teóricas e a realização do estágio são intimamente relacionadas na disciplina. As leituras e discussões teóricas servem para embasar o planejamento e a avaliação da intervenção de estágio realizada na escola. As avaliações previstas na disciplina pressupõem a relação entre os conteúdos teóricos e a realização e o desempenho no estágio. Assim, não é possível estratégias de recuperação para o aluno que não realizar as horas de estágio ou para o aluno que não obtiver desempenho satisfatório nas avaliações da disciplina.
 
Bibliografia
     
BANCHI, H.; BELL, R. The many levels of inquiry: inquiry comes in various forms. Science and Children, 46: 26-29, 2008. BRASIL, Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996. BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Proposta preliminar. Segunda versão revista. Brasília: MEC, 2016. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2017. BRASIL. Plano Nacional de Educação. LEI Nº 13.005, DE 25 DE JUNHO DE 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13005.htm BRASIL. MEC/SEB. Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). Disponível em: http://inep.gov.br/ideb SÃO PAULO. Plano Estadual de Educação. LEI Nº 16.279, DE 08 DE JULHO DE 2016. 2016. Disponível em: https://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei/2016/lei-16279- 08.07.2016.html SÃO PAULO. Currículo da Cidade de São Paulo. Ciências Naturais. Disponível em: http://portal.sme.prefeitura.sp.gov.br/Portals/1/Files/44128.pdf SÃO PAULO. SEE. Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo (Saresp). Disponível em: http://www.educacao.sp.gov.br/saresp SÃO PAULO. SEE. Índice de Desenvolvimento da Educação do Estado de São Paulo (Idesp). Disponível em: http://idesp.edunet.sp.gov.br/o_que_e.asp BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP 1, de 18 de fevereiro de 2002. BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP 2, de 19 de fevereiro de 2002. CACHAPUZ, A., et. al. (org), A Necessária Renovação do Ensino das Ciências. São Paulo: Cortez, 2005 CALDEIRA, A. M. A.; ARAUJO, E. S. N. N. (Orgs.). Introdução à Didática da Biologia. São Paulo: Escrituras, 2010. CARVALHO, A. M. P.; GIL-PÉREZ, D. Formação de professores de ciências. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2000. CARVALHO, A. M. P. Os estágios nos cursos de licenciatura. São Paulo: Cengage Learning, 2012. CARVALHO, A.M.P.de (org.). Ensino de ciências por investigação. São Paulo: Cengage Learning, 2013. DEWEY, J. Experiência e educação. São Paulo: Melhoramentos, 1971. KRASILCHIK, M. Prática de ensino de biologia. 4ª ed. São Paulo: Edusp, 2004. KOCHE, V. S.; BOFF, O. M. B.; MARINELLO, A. F. Leitura e Produção Textual: gêneros textuais do argumentar e expor. Petrópolis: Vozes, 2010. JULIA, D. A cultura escola como objeto histórico. Revista Brasileira de História e Educação, n. 1, p. 9-44, 2001. MARANDINO, M.; SELLES, S. E.; FERREIRA, M. S. Ensino de biologia: histórias e práticas em diferentes espaços educativos. São Paulo: Cortez, 2009. MORTIMER, E. F. Linguagem e formação de conceitos no ensino de ciências. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2000. PEDASTE, M. et al. Phases of inquiry-based learning: definitions and the inquiry cycle. Educational Research Review, 14: 47–61, 2015. PERRENOUD, P. 10 novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed, 2000. PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Maria Socorro Lucena. Estágio e Docência. 6ª ed. São Paulo: Cortez, 2011. POZO, J. I.; CRESPO, M. A. G. A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. 5ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. SACRITAN, J.G. Saberes e incertezas sobre o currículo. São Paulo: Penso Editora, 2013. SANMARTÍ, Neus. Avaliar para aprender. Porto Alegre: ArtMed, 2009. SCARPA, D.L. & SILVA, M.B.e. A biologia e o ensino de ciências por investigação: dificuldades e possibilidades. In: CARVALHO, A.M.P.de (org.). Ensino de ciências por investigação. São Paulo: Cengage Learning, p. 129-152, 2013. SCARPA, D.L.; CAMPOS, N.F. Potencialidades do ensino de Biologia por Investigação. Estudos Avançados, 32 (94): 25-40, 2018. SASSERON, L.H.; CARVALHO, A.M.P. Alfabetização científica: uma revisão bibliográfica. IENCI, 16 (01): 59-77, 2011. USP/PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. Programa de formação de professores. São Paulo, 2004. ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.
 

Clique para consultar os requisitos para 0410517

Clique para consultar o oferecimento para 0410517

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2021 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP