Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 

Júpiter - Sistema de Gestão Acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação


Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto
 
Interdepartamentais da EERP
 
Disciplina: 2200009 - Cuidado Integral em Saúde I
Comprehensive Health Care I

Créditos Aula: 10
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 150 h
Tipo: Anual
Ativação: 01/01/2020 Desativação:

Objetivos
Promover oportunidades de aprendizado significativo desde o primeiro ano do Curso, contribuindo com a formação do (a) enfermeiro (a) nas áreas de competência do cuidado integral às necessidades individuais, coletivas e organização/gestão do cuidado integral e serviços de saúde.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
5136369 - Angelina Lettiere Viana
5136421 - Kelly Graziani Giacchero Vedana
2967191 - Luciana Barizon Luchesi
2014642 - Silvia Matumoto
 
Programa Resumido
Essa disciplina introduz o estudante de enfermagem nos serviços de Atenção primária em Saúde no contexto do Sistema Único de Saúde. O Território sanitário é apresentado como espaço social onde vivem, trabalham e adoecem as pessoas; e onde os Serviços de Atenção Primária, através de suas equipes e das ações intersetoriais, desenvolvem ações de cuidado, de promoção da saúde e prevenção de doenças. Para tal, necessitam conhecer e se vincular às famílias, com vistas a compreender as necessidades sociais e a produção social do processo saúde e doença.
 
 
 
Programa
Saberes Cognitivos: - Cuidado Integral à Saúde individual e Coletiva: -- Identifica necessidades de saúde (indivíduo, família e comunidade); Coleta de dados: observação, interação, escuta. -- Inicia a formulação de problemas de saúde individual e coletiva, com indicações de algumas ações de cuidado. Organização/ Gestão do Cuidado integral e dos serviços de saúde. -- Inicia reconhecimento e acompanhamento do processo de trabalho em saúde. - Necessidades de Saúde na perspectiva da Integralidade da Saúde. - A Saúde, doença e cuidado no contexto do Sistema Único de Saúde: determinação social do processo saúde-doença; concepções do processo saúde doença, princípios, produção social da saúde e da doença. - Atenção primária à saúde (APS) - conceitos, interpretações e princípios. - O processo de Territorialização: Equipamentos sociais; Lideranças da comunidade; Perfil demográfico, sócio sanitário e epidemiológico da área de abrangência; Características ambientais do território; Dinâmica social do território. - Visita domiciliar: conceito; finalidade; planejamento e aspectos éticos. - SUS - princípios e diretrizes; Estratégia saúde da família; Estratégia agente comunitários de saúde; UBS e USF como espaço da APS constituinte do SUS. Conceitos de Família e a Estratégia de Saúde da Família (ESF). - Promoção da Saúde no contexto da Saúde da Família. - Avaliação e identificação das potencialidades e necessidades da Família: Genograma e ecomapa. Vínculo com as famílias. - Noções de biossegurança. - Comunicação em saúde; Relacionamento interpessoal; Entrevista em saúde; Observação; Escuta. - Processo de Trabalho em Saúde e Trabalho em equipe e equipe de enfermagem - conceito e composição da Estratégia de Saúde da Família. - Estilos de vida saudáveis. Saberes Procedimentais: introdutórios: - Identifica necessidades de saúde (individual e coletiva); coleta dados: com pessoas da família - realiza entrevista supondo o desenvolvimento de habilidades de comunicação, escuta, estabelecimento de relação respeitosa/ética, com construção de vínculo, desenvolvimento de habilidade de observação, construção de história de vida, a partir da elaboração de questões pertinentes relacionadas às dimensões bio-psicológicas e sócio-espirituais (compreensão ampliada do processo saúde-doença). - Utiliza medidas de biossegurança. - Identifica estilos de vida e realiza estratégias educativas para promoção da saúde. - Inicia a formulação de problemas de saúde individual e coletiva, com indicações de algumas ações de cuidado. - Inicia reconhecimento e acompanhamento do processo de trabalho em saúde. - Realiza visita domiciliar. - Realiza entrevista sistematizada. - Desenvolve habilidade de comunicação, escuta, estabelecimento de relação respeitosa/ética, habilidade de observação - fluxo de pessoas, relações estabelecidas entre grupos sociais, equipamentos sociais, acesso a sistemas de informação, conhecimentos sobre informação em saúde, território, família e diagnostico comunitário. - Observa, interage e comunica-se com os colegas da turma, professores, profissionais de saúde e usuários do serviço de saúde. - Observa a família, o território e a equipe de saúde de Atenção Primária em Saúde. - Inicia o desenvolvimento de vínculo com a família. - Reconhece o território como espaço do trabalho em saúde. - Participa em reuniões de equipe e de grupos na comunidade. - Coleta dados em prontuários e sistemas de informação. - Realiza lavagem das mãos com fundamentação teórica. - Realiza pesquisa bibliográfica em base de dados. - Inicia o desenvolvimento de habilidade de leitura e escrita (clareza, síntese, ortografia, concordância) e produção de textos com uso de linguagem científica, respeita aspectos legais e de organização do prontuário para o planejamento e continuidade do cuidado, respeita os aspectos éticos, considera o registro um ponto importante para a qualificação da assistência. Inicia anotações de enfermagem sobre as visitas nos prontuários de família. - Constrói portfólio reflexivo. - Inicia o processo de articulação e comunicação com membros da Equipe de saúde. - Inicia o reconhecimento do Processo de Trabalho em Saúde. Saberes Atitudinais: introdutórios: - Reflete sobre si mesmo e sobre sua prática profissional. - Age de forma a respeitar princípios éticos. - Age como sujeito ativo do processo ensino-aprendizagem. - Atua como construtor do conhecimento em grupo, sendo ativo, participativo no processo ensino-aprendizagem, responsabilizando-se pelas atividades propostas. - Desenvolve cooperação e responsabilidade entre os atores sociais: alunos, professores, usuários, membros da equipe e comunidade. Método de Ensino: O aprendizado tem como ponto de partida a prática profissional, na qual o estudante, inserido no mundo do trabalho, nos diversos cenários (domicílio e Núcleo Saúde da Família/Estratégia de Saúde da Família) problematiza a realidade, por meio da mobilização dos recursos (conhecimentos, habilidades e atitudes). Pretende-se com essa inserção construir significados para a sua prática profissional, dentre estes, o compromisso ético e social. Esta disciplina será desenvolvida por meio de ciclo pedagógico composto por cinco momentos: Inserção na realidade (I) - momento em que o aluno, a partir de suas experiências e conhecimentos adquiridos anteriormente, realiza a coleta de dados para conhecer a história de vida das pessoas, para identificar as necessidades de saúde, narrando a vivência individualmente em uma folha. Síntese provisória (SP) - em subgrupo, é realizada a leitura, discussão e síntese dos relatos, identificando os problemas relacionados à realização da tarefa, chegando às questões de aprendizagem. Registra individualmente a atividade. Busca de informações/conhecimentos (B) - o estudante realiza busca em fontes variadas, que subsidiem a compreensão das questões de aprendizagem, fazendo uma síntese escrita do material pesquisado (trabalho individual). Nova síntese (NS) - em subgrupo, é feita reflexão sobre informações/conhecimentos trazidos pelos alunos, com a intenção de compreender os problemas identificados e reconstruir a prática profissional. Avaliação (A) - ao final de cada atividade, é desejável realizar a autoavaliação, avaliação do grupo e avaliação do professor/facilitador.
 
 
 
Avaliação
     
Método
A avaliação formativa terá como referência os desempenhos esperados para a disciplina, será feita de forma sistemática, com registro e ciência do estudante. Constarão da avaliação o desempenho do estudante no pequeno grupo e no cenário de prática, avaliação cognitiva e o portfólio reflexivo construído pelo estudante. Como um dos principais instrumentos de avaliação formativa e somativa, o portfólio do estudante deverá ser estruturado de modo a evidenciar o seu caminho (processo) no desenvolvimento dos ciclos pedagógicos, por meio da síntese das experiências; reflexão sobre suas aprendizagens; delimitação das questões de aprendizagem; busca por recursos para fundamentar seus conhecimentos e ações; registros da aplicação das aprendizagens; autoavaliação das relações interpessoais vivenciadas; suas limitações, dificuldades e sucessos, bem como sua inter-relação com o grupo. Esse material será analisado pelo professor, ao longo do ano, com foco na reflexão do desenvolvimento do estudante no processo de aprendizagem, registrando suas considerações. O professor registrará as observações sobre os estudantes, apreendidas nos ciclos pedagógicos, no decorrer da disciplina.
Critério
- Atividade de avaliação cognitiva: refere-se à apreciação da capacidade cognitiva dos estudantes em analisar e sintetizar ideias aos questionamentos formulados a partir de situações problemas. As questões devem favorecer a reflexão e evidenciar o raciocínio do estudante. Esta atividade será realizada ao final de cada semestre. - Critério de aprovação na disciplina: Será realizada a média entre: 1- desempenho do estudante nos ciclos pedagógicos, avaliados através do portfólio, 2- Desempenho na imersão, 3- Atividade nos pequenos grupos, 4- Média das notas das avaliações cognitivas (realizada no final de cada semestre). Será aprovado, com direito aos créditos correspondentes, o aluno que obtiver nota final igual ou superior a cinco e tenha, no mínimo, setenta por cento de frequência na disciplina (art. 84, RG).
Norma de Recuperação
Esta disciplina não prevê recuperação.
 
Bibliografia
     
1. ALVARENGA, G. M. Portfólio: o que é e a que serve? Olho Mágico, Londrina, v. 8, n. 1, abr. 2001. Disponível em: http://www.uel.br/ccs/olhomagico/v8n1/portfol.htm 2. AMADOR, D. V.; SILVA, K. L. Promoção da Saúde: histórico, conceito e práticas no contexto da saúde coletiva. In: SOUZA, M. C. M. R.; HORTA, N. C. Enfermagem em Saúde Coletiva: teoria e prática. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017. p. 13-21 3. ANDRADE, S. M.; SOARES, D. A.; CORDONI J. L. (Org.). Bases da saúde coletiva. Londrina: UEL, 2001. 267 p. 4. BERTUSSI, D. C.; OLIVEIRA, M. S. M.; LIMA, J. V. C. A unidade básica no contexto do sistema de saúde. In: ANDRADE, S. M.; SOARES, D. A.; CORDONI J. L. (Org). Bases da saúde coletiva. Londrina: UEL, 2001. p.133-143. 5. BRASIL. Instituto Para o Desenvolvimento da Saúde. Universidade de São Paulo. Manual de Enfermagem/Instituto para o Desenvolvimento da Saúde. Brasília: Universidade de São Paulo. Ministério da Saúde, 2001. Disponível em: http://www.ee.usp.br/cartilhas/manual_de_enfermagem.pdf. Acesso em: 18/03/2019. 6. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2436 de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 22 set. 2017. Seção 1, p. 68. 7. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância à Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde: PNaPS: revisão da Portaria MS/GM nº 687, de 30 de março de 2006. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnps_revisao_portaria_687.pdf. Acesso em 15/03/2019. 8. CEGALLA, D. P. Novíssima gramática da língua portuguesa. 48ed. São Paulo: Companhia Ed. Nacional, 2010. 696p. 9. COTTA, R. M. M.; COSTA, G.D. Instrumento de avaliação e autoavaliação do portfólio reflexivo: uma construção teórico-conceitual. Interface comunicação saúde e educação, Botucatu-SP, v.20, n.56, p.171-183, 2016. 10. DUNCAN, B. B.; SCHIMDT, M. I.; GIUGLIANI, E. R. J. Medicina ambulatorial: condutas de Atenção Primária Baseadas em Evidências. 3ª.ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. 1600p. 11. FREIRE, P. Considerações em torno do ato de estudar. In: FREIRE, P. Ação cultural para a liberdade e outros escritos. 6ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982. p. 09-12. 12. FUREGATO, A. R. F. Relações interpessoais terapêuticas na enfermagem. Ribeirão Preto: Scala, 1999. 142p. 13. GARCIA, R. A. Guia de boas práticas de enfermagem na atenção básica: norteando a gestão e a assistência/Rosana Aparecida Garcia ... [et al.]. - São Paulo: Coren-SP, 2017. Disponível em: https://portal.coren-sp.gov.br/wp-content/uploads/2010/01/guia_de_boas_praticas_de_enfermagem_na_atencao_basica_norteando_gestao_a_assistencia.pdf Acesso em 18/03/2019. 14. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Disponível em: portalsaude.saude.gov.br. Acesso em: 02/10/2015. 15. ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE/ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Renovação da Atenção Primária em Saúde nas Américas. Washington (DC): Organização Pan-Americana da Saúde, 2008. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_docman&view=download&category_slug=atencao-primaria-em-saude-944&alias=737-renovacao-da-atencao-primaria-em-saude-nas-americas-7&Itemid=965. Acesso em: 18/03/2019. 16. ROGERS, C. R. A relação interpessoal: o núcleo da orientação. In: ROGERS, C. R.; STEVENS, B. (Org.). De pessoa para pessoa: o problema de ser humano: uma nova tendência na psicologia. 4ed. São Paulo: Pioneira, 1991. p.103-120. 17. SANTOS, A. L.; RIGOTTO, R. M. Território e territorialização: incorporando as relações produção, trabalho, ambiente e saúde na atenção básica à saúde. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v.8, n.3, p.387-406, nov. 2010 / fev. 2011. 18. SECRETARIA DA SAÚDE DE RIBEIRÃO PRETO. Disponível em http://www.saude.ribeiraopreto.sp.gov.br. Acesso em: 14 mai. 2014. 19.Soares, C.B.; Campos, C. M. S. Fundamentos de Saúde Coletiva e o Cuidado de Enfermagem. 1ª ed. São Paulo: Manole, 2013. 20. STARFIELD, B. Atenção Primária à Saúde. Equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde, 2002. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/ue000039.pdf Acesso em: 18/03/2019. Capítulos: 3, p. 7-11. 21. TRAVELBEE, J. Intervención en enfermería psiquiátrica: el proceso de la relación de persona a persona. Colômbia: Carvajal S.A, 1979, 257p. 22. WRIGHT, L.; LEAHEY, M. Enfermeiras e famílias: um guia para avaliação e intervenção. 5ª ed. São Paulo: Roca, 2012.
 

Clique para consultar os requisitos para 2200009

Clique para consultar o oferecimento para 2200009

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2022 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP