Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 

Júpiter - Sistema de Gestão Acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação


Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto
 
Interdepartamentais da EERP
 
Disciplina: 2200083 - Estágio Curricular: Enfermagem na Atenção Básica
Integrated Curricular Experience: Nursing Clinical Practice in Primary Care

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 12
Carga Horária Total: 420 h ( Estágio: 360 h )
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2021 Desativação:

Objetivos
Que o aluno seja capaz de: - Desenvolver conhecimentos, habilidades e atitudes na área de competência do cuidado individual, coletivo e da organização/gestão do cuidado integral com ênfase nos serviços de saúde, no contexto da atenção básica, considerando as políticas de saúde e o cuidado integral aos indivíduos e família. - Integrar conhecimentos às práticas de gerenciamento e assistência de enfermagem, considerando a diversidade de ações nos serviços de saúde que compõem a rede de atenção básica. - Desenvolver capacidade crítica, reflexiva e de habilidades técnico-científicas diante de problemas vivenciados na prática, relacionados à equipe de saúde, à estrutura organizacional e às relações intersetoriais dos serviços de saúde.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
3144761 - Ana Carolina Guidorizzi Zanetti
2220382 - Fernanda Ludmilla Rossi Rocha
3273115 - Lucilene Cardoso
2014642 - Silvia Matumoto
1661469 - Silvia Rita Marin da Silva Canini
2027831 - Thais de Oliveira Gozzo
 
Programa Resumido
Esta disciplina proporciona ao estudante o desenvolvimento de atributos (conhecimentos, habilidades e atitudes) para a realização de ações voltadas ao cuidado integral às necessidades individuais, coletivas e gestão do cuidado em saúde/enfermagem e de serviços de saúde no contexto da atenção básica considerando as políticas de saúde e o cuidado integral ao indivíduo e família nos diferentes cenários de prática.
 
 
 
Programa
SABERES COGNITIVOS - Identifica as necessidades de saúde (individual e coletiva) do indivíduo nas diferentes áreas de saúde (da criança e adolescente, da mulher, do adulto e idoso em situações clínicas, saúde mental e psiquiátrica). - Formula, elabora e prioriza os problemas de saúde (individual/familiar/coletivo). - Planeja, implementa e avalia a assistência de enfermagem de forma sistematizada no contexto individual e coletivo de promoção, prevenção, proteção, diagnóstico, tratamento, reabilitação, redução de danos, cuidados paliativos e vigilância em saúde. - Processo de Enfermagem - Trabalho em equipe. - Identifica prioridades do serviço e ações da equipe, considerando o perfil epidemiológico e indicadores de saúde do território/unidade/região/município - Conhece e maneja de instrumentos de gestão do cuidado, da equipe de enfermagem e da unidade (sistemas de informação e seus relatórios, dimensionamento de pessoal, procedimentos operacionais padrão (POP) protocolos e normativas técnicas do serviço, plano municipal de saúde e outros). - Reconhece os serviços que compõe a rede de atenção à saúde. - Atribuições do enfermeiro na atenção básica. - Liderança do enfermeiro junto à equipe de enfermagem e da unidade. - Políticas e programas de saúde aplicados ao contexto da atenção básica. - Registra o cuidado implementado. - Organização/Gestão do cuidado integral e dos serviços de saúde. SABERES PROCEDIMENTAIS - Reconhecer e caracterizar o tipo de unidade de saúde e sua relação hierárquica dentro do Sistema Único de Saúde. - Identificar as características do processo de trabalho das equipes nos serviços de saúde da atenção básica. - Identificar as competências gerenciais da chefia nos serviços de saúde da atenção básica. - Aprimorar a comunicação entre pares, equipe multiprofissional, família e cliente. - Realizar o dimensionamento de pessoal, considerando as características epidemiológicas e as complexidades clínicas e sociais da clientela. - Identificar o perfil epidemiológico da população assistida e os indicadores de saúde possíveis de serem obtidos com os dados do Sistema de Informações em Saúde disponíveis na Unidade de Saúde. - Realizar juntamente com o enfermeiro e equipe de saúde, o diagnóstico de saúde de indivíduos, famílias e comunidade. - Reconhecer as prioridades do serviço e as ações desenvolvidas pela equipe de saúde, na perspectiva do planejamento e organização da atenção à saúde. - Propor e implementar atividades de enfermagem voltadas à promoção da saúde, prevenção de doenças, e recuperação da saúde da população a partir do diagnóstico realizado. - Participar ativamente, com responsabilidade e envolvimento, do processo administrativo da unidade de estágio colaborando com o grupo na coleta, análise de dados e apresentação de indicadores de qualidade da assistência. - Conhecer os formulários utilizados para os registros das atividades intra e extra institucionais realizadas pela equipe de saúde. - Participar na comunicação da unidade com o sistema de referência e contra-referência e com a coordenadoria de saúde da área de abrangência. - Realizar notificação e investigação dos agravos de notificação compulsória e cobertura de foco epidêmico. - Participar na solução dos problemas relevantes levantados juntamente com a equipe de saúde do serviço. - Desenvolver o pensamento crítico-reflexivo sobre as atividades assistenciais das políticas de saúde e sociais vigentes. - Planejar, executar e avaliar a assistência de enfermagem de forma sistematizada, no contexto individual e coletivo. - Desenvolver o cuidado em saúde, com ações de promoção da saúde, prevenção de agravos, medidas terapêuticas e de reabilitação da saúde. - Compreender a saúde dos indivíduos e famílias, contextualizando aspectos biológicos, afetivos, sociais, econômicos e éticos da assistência a saúde. - Interagir de forma efetiva com a clientela, utilizando a comunicação empática como instrumento para a criação de vínculo. - Desenvolver o cuidado em saúde a partir de saberes teóricos (biológicos, psicológicos, culturais e éticos) considerando a integralidade da atenção. - Diagnosticar as demandas de educação de indivíduos, de grupos específicos ou da comunidade. - Diagnosticar as demandas de capacitação técnico-científica dos diferentes membros da equipe de enfermagem. - Planejar, executar e avaliar projetos educativos junto a população ou equipe de enfermagem/saúde. - Aplicar metodologia científica, com o sentido de buscar soluções para os problemas da prática assistencial, educacional e gerencial do enfermeiro. - Reconhecer a necessidade de atualizar os seus conhecimentos por meio de buscas sistemáticas nas bases de dados científicas. SABERES ATITUDINAIS - Relacionar-se com docentes, enfermeiro supervisor, equipes de enfermagem e demais profissionais da saúde, usuários do serviço de saúde e familiares, dentro dos princípios éticos, profissionais, humanísticos e sociais. - Apresentar postura de acordo com as regras sociais, pessoais e profissionais estabelecidas. - Demonstrar por meio das atividades propostas pela disciplina e cenário de prática, os elementos essenciais para o processo de ensino e aprendizagem e êxito acadêmico: confiança, criatividade, interesse, flexibilidade, curiosidade, compreensão e perseverança. - Aplicar conceitos adquiridos ao longo da formação acadêmica, demonstrando senso crítico e compromisso com as boas práticas de enfermagem, primando pela segurança e qualidade. - Assumir postura de corresponsabilidade com o processo de ensino e aprendizagem, demonstrando envolvimento, assiduidade e pontualidade. - Usar técnicas para estabelecer comunicação com a equipe de saúde, usuários do serviço de saúde e familiares. - Apresentar-se com traje adequado para atuação profissional na Atenção Básica (roupa, jaleco, tênis ou sapato fechado, crachá, cabelo preso), conforme normas do serviço e NR32. - Demonstrar postura de cooperação técnico-científica com a equipe. - Atuar de forma ética, responsável e cooperativa no aperfeiçoamento do processo de avaliação e autoavaliação. - Identificar os problemas da prática profissional do enfermeiro, no decorrer do estágio curricular, a partir de evidências científicas. - Discutir os problemas identificados com a revisão da literatura e propor soluções nos serviços, com os docentes/ enfermeiros supervisores e equipe de saúde. - Elaborar relatório, abordando as ações de cuidado de enfermagem e de gestão no contexto da atenção hospitalar, considerando as políticas de saúde. MÉTODO DE ENSINO: - Inserção no cenário de prática desenvolvendo o cuidado individual, coletivo e gerencial, sob a supervisão do enfermeiro do serviço. - Participação em grupos de discussão/estudo de situações com a equipe de saúde e supervisores (enfermeiro e docente). - Participação ativa nas atividades previstas e definidas entre enfermeiro, estudante e docente. - Desenvolvimento de atividade educativa voltada para aspectos críticos da gestão do cuidado conforme demanda do contexto da prática. - Relatório de atividades.
 
 
 
Avaliação
     
Método
A avaliação formativa, realizada de forma contínua e coparticipada. Terá como referência os desempenhos esperados para a disciplina, será feita de forma sistemática, com registro e ciência do estudante, levando-se em conta os aspectos de assiduidade, pontualidade e desempenho nas atividades previstas. Constarão da avaliação: a) Desempenho do estudante nas atividades teórico-práticas, com base no programa da disciplina, no contexto dos serviços de saúde, de acordo com o roteiro de avaliação (valor de 0 a 10) - peso 6,0; b) Desempenho nas atividades educativas compostas de planejamento, implementação e apresentação (valor de 0 a 10) - peso 3,0; c) Relatório de atividades construído pelo estudante (valor de 0 a 10) - peso 1,0.
Critério
Será aprovado o estudante que obtiver média aritmética igual ou superior a 5,0 (cinco). obtida entre os itens e instrumentos de avaliação , e frequência mínima de 70% nas atividades previstas. O aluno será reprovado se obtiver nota inferior a 5,0 (cinco).
Norma de Recuperação
A disciplina não prevê recuperação, tendo em vista que a avaliação é constante durante o oferecimento.
 
Bibliografia
     
Amaral IT, Abrahão AL. Consulta em enfermagem na Estratégia Saúde da Família, ampliando o reconhecimento das distintas formas de ação: uma revisão integrativa. Rev Fun Care Online. 2017 out/dez; 9(4): 899-906. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de Vigilância em Saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. 3a.ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2019. 740 p. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_saude_3ed.pdf _______. Conselho Nacional de Saúde. Relatório Nacional Consolidado. 16a. Conferência Nacional de Saúde. Democracia e Saúde. Brasília-DP: CNS, 2019. Disponível em: https://conselho.saude.gov.br/16cns/assets/files/relatorios/Relatorio_Nacional_Consolidado.pdf BRASIL. Ministério da Saúde. Para entender o controle social na saúde. Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 178 p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/para_entender_controle_social_saude.pdf _______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde mental/Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. 176 p. (Cadernos de Atenção Básica, n. 34) ISBN 978-85-334-2019-9 1. _______. Ministério da Saúde. Diretrizes para o cuidado das pessoas com doenças crônicas nas redes de atenção à saúde e nas linhas de cuidado prioritárias. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. 28p. _______. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017 que aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html. _______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao Pré-Natal de Baixo Risco / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. 318p. (Cadernos de Atenção Básica, n. 32). _______. Ministério da Saúde. Portaria MS/GM nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas no âmbito do Sistema Único de Saúde. Brasília, 2011. _______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Nota Técnica nº 11/2019. Esclarecimentos sobre as mudanças na Política Nacional de Saúde Mental e nas Diretrizes da Política Nacional sobre Drogas. Brasília: Ministério da Saúde, 2019. Disponível em: http://pbpd.org.br/wp-content/uploads/2019/02/0656ad6e.pdf. Acesso em: 01 mar. 2019. [ Links ] _______. Presidência da República. Casa Civil. Decreto 7.508, de 28 de junho de 2011. Regulamenta a Lei nº 8080 de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do sistema Único de Saúde – SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e articulação interfederativa, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7508.htm _______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização. Atenção Básica / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Política Nacional de Humanização. - Brasília: Ministério da Saúde, 2010. 256 p.: il. - (Série B. Textos Básicos de Saúde) (Cadernos HumanizaSUS; v. 2) _______. Ministério da Saúde. Portaria nº 4279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da rede de atenção à saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde. _______. Ministério da Saúde. Portaria nº 399, de 22 de fevereiro de 2006. Divulga o Pacto pela Saúde 2006 - Consolidação do SUS e aprova as Diretrizes Operacionais do Referido Pacto. Brasília, 2006. _______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Agenda de compromisso para a saúde integral da criança e redução da mortalidade infantil. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. _____/OMS. MI-mhGAP: Manual de Intervenções para transtornos mentais, neurológicos e por uso de álcool e outras drogas na rede de atenção básica à saúde. Versão 2.0. Disponível em: http://iris.paho.org/xmlui/handle/123456789/49096?locale-attribute=pt. Acesso em: 28 de abril de 2020. GARUZI M, ACHITTI MCO, SATO CA, ROCHA SA, SPAGNUOLO RS. Acolhimento na Estratégia Saúde da Família: revisão integrativa. Rev Panam Salud Publica. 2014; 35(2): 144–9. COUTINHO, L. R. P.; BARBIERI, A. R.; SANTOS, M. L. M. Acolhimento na Atenção Primária à Saúde: revisão integrativa. Saúde debate, Rio de Janeiro, v. 39, n. 105, p. 514-524, June 2015. FONSECA, L. M. M.; RODRIGUES, R. A. P.; MISHIMA, S. M. (orgs). Aprender para cuidar em enfermagem: situações específicas de aprendizagem. Ribeirão Preto: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/USP, 2015. 60p. ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Transformando Nosso Mundo: A agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável. 2015. 49p. ORGANIZAÇÃO PANAMERICANA DA SAÚDE. Renovação da Atenção Primária em Saúde nas Américas: documento de posicionamento da Organização Pan-Americana da Saúde. Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS). Washington, D.C: OPAS, 2007. _______. Ampliação do papel dos enfermeiros na atenção primária à Saúde. Washington, D.C.: OPS, 2018. Disponível em: https://iris.paho.org/bitstream/handle/10665.2/34960/9789275720035_por.pdf?sequence=6&isAllowed=y PEDUZZI, M. et al. Trabalho em equipe: uma revisita ao conceito e a seus desdobramentos no trabalho interprofissional. Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro, v. 18, supl. 1, e0024678, 2020. POTTER P.A., PERRY A.G. O raciocínio crítico e o julgamento de enfermagem. In: POTTER P.A., PERRY A.G. Fundamentos de Enfermagem. 5ª Ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan SA. Cap 13. p.232-245. RIBEIRÃO PRETO. Secretaria Municipal da Saúde. Plano Municipal de Saúde 2018-2021. Disponível em: https://www.ribeiraopreto.sp.gov.br/ssaude/pdf/pms-rp-2018-2021.pdf __________. Secretaria Municipal da Saúde. Programa de Atenção às Pessoas com Doenças Crônicas Não Transmissíveis. Protocolo e Diretrizes de Atendimento. Linha de Cuidado: Hipertensão e Diabetes. Revisão 2018. Ribeirão Preto: SMS-RP. Disponível em: https://www.ribeiraopreto.sp.gov.br/ssaude/pdf/prot-hip-diab-atendimento-1.pdf SANTOS, D. S; MISHIMA, S. M.; MERHY, E. E. Processo de trabalho na Estratégia de Saúde da Família: potencialidades da subjetividade do cuidado para reconfiguração do modelo de atenção. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 23, n. 3, p. 861-870, mar. 2018. SAÚDE EM DEBATE. v. 43, n. Especial 6. Atenção Básica e a micropolítica da gestão. Rio de Janeiro. Saúde em Debate, Dez, 2019. STARFIELD, B. Atenção primária à saúde: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO / Ministério da Saúde, 2002. TOWNSEND, M. C. Enfermagem psiquiátrica: conceito de cuidados na prática baseada em evidências. 7ª edição, Rio de Janeiro: 2014.
 

Clique para consultar os requisitos para 2200083

Clique para consultar o oferecimento para 2200083

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2022 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP