Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 

Júpiter - Sistema de Gestão Acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação


Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto
 
Interdepartamentais da EERP
 
Disciplina: 2200096 - Estágio Curricular em Educação Profissional em Enfermagem
Integrated Curricular Experience: in Professional Nursing Education

Créditos Aula: 2
Créditos Trabalho: 7
Carga Horária Total: 240 h ( Estágio: 210 h )
Tipo: Semestral
Ativação: 15/07/2020 Desativação:

Objetivos
A disciplina promove oportunidades de aprendizado significativo contribuindo com a formação do (a) enfermeiro (a) na área de competência da educação, voltada para docência na educação profissional em enfermagem - formação de auxiliares/técnicos de enfermagem, bem como da gestão de ensino. Busca aperfeiçoar competência para a docência na Educação Profissional (o que já foi iniciado em disciplina de Educação Profissional em Enfermagem I), atuando em sala de aula. Analisar processo de gestão de curso/escola. Esta disciplina se articula à 2200095 - Metodologia do Ensino de Enfermagem II.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
99971 - Adriana Katia Corrêa
3163731 - Fernanda dos Santos Nogueira de Goes
1928087 - Rosangela Andrade Aukar de Camargo
 
Programa Resumido
Desenvolvimento de atributos (conhecimentos, habilidades e atitudes) para a docência e para a gestão do ensino, no cenário da escola de educação profissional em enfermagem; desenvolvimento - iniciado nas disciplinas anteriores voltadas à educação profissional; dimensões políticas, gerenciais, pedagógicas e relacionais para compreensão e atuação neste contexto.
 
 
 
Programa
Os saberes cognitivos, procedimentais e atitudinais se articulam para que o estudante inicie o desenvolvimento das seguintes ações profissionais para a construção da competência docente na escola técnica: Ação profissional 1. Participa da formulação, revisão e/ou reconhecimento do projeto político-pedagógico (PPP) da escola de educação profissional em enfermagem. Reconhece o contexto da escola de educação profissional, sua estrutura física e organizacional, o modelo de gestão da escola/ensino, os sujeitos envolvidos no processo ensino-aprendizagem, considerando principalmente os perfis de professores, estudantes e coordenadores, as relações sociais e interpessoais que são construídas pelos distintos sujeitos atuantes na escola, a comunidade na qual ela se insere, as determinações políticas e legais que a orientam; Reconhece o PPP da escola, analisando o prescrito e o efetivamente realizado, tendo em vista seus pressupostos filosóficos, pedagógicos, políticos e legal; Acompanha o processo de estruturação, desenvolvimento e reformulação do PPP, identificando os distintos sujeitos envolvidos; Ação profissional 2. Participa da execução do PPP da escola, no que se refere aos cursos de auxiliares/técnicos de enfermagem Propõe atividades educativas voltadas à formação de técnicos de enfermagem, tendo em vista os princípios e diretrizes do SUS, principalmente no que se refere à perspectiva integral de cuidado, bem como à formação crítico-reflexiva, privilegiando metodologia ativa e problematizadora de ensino-aprendizagem, centradas nos estudantes, a partir de seu contexto vivido e do mundo cotidiano de trabalho, bem como práticas avaliativas formativas e emancipadoras. Ação profissional 3. Avalia PPP da escola - no que se refere aos cursos de auxiliares/técnicos de enfermagem Avalia o desenvolvimento das atividades educativas propostas, tendo em vista o envolvimento/desempenho do estudante, do professor e institucional, de modo participativo. Saberes Cognitivos: - Educação Profissional em Enfermagem no Brasil - questões político-legais (década de 40 até os dias atuais); - Projeto Político Pedagógico e Modelos Curriculares em Saúde, com foco na educação profissional em enfermagem; - Processo ensino-aprendizagem e Teorias da Aprendizagem na educação profissional em enfermagem; - Sujeitos do Processo ensino aprendizagem na educação profissional em enfermagem (docente/ aluno (perfil/relações com o mundo do trabalho); - Relações professor-aluno na educação profissional em enfermagem; - Planejamento do Processo ensino-aprendizagem (objetivos, conteúdos, métodos, estratégias, avaliação) na educação profissional em enfermagem. Saberes Procedimentais: - Desenvolve busca ativa de documentos e informações em diferentes fontes; - Realiza entrevista com diretor, coordenador de curso, professor e alunos da educação profissional; - Analisa as informações de modo crítico e contextualizado; - Elabora planos de aulas na educação profissional; - Executa estratégias de ensino aprendizagem na educação profissional; - Desenvolve relatos críticos e reflexivos a partir da realidade vivenciada e articula com a base teórica; - Constrói o portfólio reflexivo; - Constrói critérios de avaliação do ensino-aprendizagem coletivamente. - Exercita a habilidade de comunicação e observação nos grupos de discussão e nos cenários de prática. Saberes Atitudinais: - Age de forma ética (compromisso profissional, respeito, linguagem clara gerando entendimento para o interlocutor, apresentação pessoal adequada); - Assume atitude crítico-reflexiva no processo ensino-aprendizagem; - Desenvolve a autonomia responsável no processo de ensino-aprendizagem; - Exercita o trabalho em grupo (tomada de decisões; negociar conflitos; lidar com as diferenças, escuta, comunicação). - Desenvolve compromisso social com atores da Escola de educação profissional. Método de Ensino: A disciplina corresponde aos momentos de imersões na realidade da escola de educação profissional. Os alunos, individualmente ou em duplas, serão inseridos nas escolas parceiras, conforme descrito anteriormente. Nesses cenários, os alunos desenvolverão atividades relacionadas à docência na sala de aula, acompanhamento da gestão (foco nos elementos que interferem diretamente na docência) e nas práticas educativas junto aos professores, conforme Quadro de Atributos apresentados. Os alunos serão supervisionados diretamente pelos professores e coordenadores de cursos das escolas técnicas e, em alguns momentos (total de 30 horas), pelo professor da EERP, responsável pela disciplina, sendo previstos encontros individuais entre professor da EERP com os alunos; coletivos, entre professor da EERP e um grupo de alunos, contando, em alguns momentos, com a participação dos professores e coordenadores das escolas técnicas. Faz parte também do desenvolvimento dos estágios, encontros a serem realizados entre alunos e professores supervisores da EERP, para orientação, planejamento e supervisão de atividades educativas a serem desenvolvidas nas escolas técnicas. Durante o desenvolvimento do estágio, o aluno deverá construir o seu portfólio reflexivo.
 
 
 
Avaliação
     
Método
A avaliação formativa e articulada à disciplina 2200095 - Metodologia do Ensino de Enfermagem II terá como referência os desempenhos esperados, sendo feita de forma sistemática, com registro e ciência do estudante. Constarão da avaliação: o desempenho do estudante no cenário de prática - escola de educação profissional de enfermagem, no pequeno grupo nos momentos de síntese provisória e no grande grupo nos momentos de nova síntese, produtos desenvolvidos na disciplina e o portfólio reflexivo construído pelo estudante, sendo considerados aspectos cognitivos, afetivos e procedimentais.
Critério
A nota final da disciplina varia de zero a dez e, em um processo de construção coletiva em sala de aula, coordenado pelos professores responsáveis, são determinados os critérios de avaliação referentes ao desempenho do aluno no pequeno grupo – Síntese provisória, no trabalho de busca coletiva em pequeno grupo, na nova síntese, no cenário de prática profissional e no portfólio reflexivo. Os valores entre as cinco dimensões que compõem o processo de avaliação da disciplina serão distribuídos equitativamente de modo que a soma entre eles totalize 10, ou seja, 2 pontos por dimensão. A entrega do portfólio posterior à data previamente combinada somente será aceita em situações devidamente justificadas. Se não houver entrega de nenhum portfólio, o aluno será reprovado. Será aprovado o aluno que obtiver nota igual ou superior a 5,0 (cinco) e frequência mínima de 70%.
Norma de Recuperação
O acompanhamento ocorrerá ao longo do processo ensino-aprendizagem. Não está prevista recuperação.
 
Bibliografia
     
ALMEIDA, C. S. Uma análise da gestão da educação profissional no CEFET/PA a partir de seus gestores. Centro Federal de Educação Tecnológica-CEFET/PA. ttps://edisciplinas.usp.br/mod/url/view.php?id=2597167 ) BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução nº 6, 20/09 de 2012. Define diretrizes curriculares nacionais para a educação profissional técnica de nível médio. Brasília, 2012a. Disponível em: . _______. Ministério da Saúde. Formação Pedagógica em Educação Profissional na Área de Saúde: enfermagem: núcleo estrutural: proposta pedagógica: avaliando a ação. 2. ed. rev. e ampliada. – Brasília: Ministério da Saúde, 2002. P. 13-28. _______. Ministério da Educação. Catalogo Nacional de Cursos Técnicos. Brasília/DF. 3ª Edição. _______. Ministério da Saúde. Processo de avaliação nas práticas de gestão da Escola Técnica do SUS: núcleo temático IV./ Ministério da Saúde e Escola de Enfermagem da UFMG. -- Belo Horizonte: CAED/UFMG, 2013. ______. Ministério da Saúde. Fundamentos pedagógicos que dão sustentabilidade para as ações educacionais da ETSUS: núcleo temático II./ Ministério da Saúde e Escola de Enfermagem da UFMG. -- Belo Horizonte: CAED/UFMG, 2013. ______. Ministério da Saúde. B823p Processos de gestão escolar e pedagógica que sustentam a formação para o trabalho coletivo em saúde: núcleo temático III./ Ministério da Saúde e Escola de Enfermagem da UFMG. -- Belo Horizonte: CAED/UFMG, 2013. BOMFIM, M. I.; RUMMERT, S.M. Educação Profissional em Saúde: O sentido da escola pública e democrática. Revista COCAR, Belém, Edição Especial N.3, p. 322 a 343 – Jan./Jul. 2017. BURNIER, S; GARIGLIO, J. A. A Experiência docente como ponto de partida para uma reflexão sobre a formação de professores para a educação profissional. B. Téc. Senac, Rio de Janeiro, v. 40, n. 2, p. 74-99, maio/ago. 2014. CORRÊA, A.K.; MELLO E SOUZA, M.C.B.; CLAPIS, M.J. A licenciatura em Enfermagem: interfaces com a formação docente para educação profissional técnica de nível médio. Formação de professores para educação profissional. In: MASSABNI, V.G.; PIPITONE, M.A.P. Formação de professores para a educação profissional. Curitiba, CRV. p.65-78. COLÉGIO PROJEÇÃO. Plano de curso: Técnico de enfermagem. Escola de ensino médio e profissional Projeção, 2017. DAMASCENA, E. A; DO NASCIMENTO, A.C.V.; MOURA, D. H. Formação de professores para a educação profissional: o que apontam os dispositivos legais mais recentes (2015-2017). IV Colóquio Nacional e I Colóquio Internacional: A produção do conhecimento em Educação Profissional. Natal-RN, 2017. LOPES, A. R. C. Proposta pedagógica: o plano da ação, Brasília: Ministério da Saúde; Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública, 2002. P. 23 – 30. LÜCK, H. Gestão educacional: uma questão paradigmática. Petrópolis: Vozes, 2011. P. 65-98. (Série Cadernos de Gestão). LUCKESI, C.C. O que é mesmo o ato de avaliar a aprendizagem? Porto alegre: Artmed. Ano 3, n. 12 fev./abr. 2000. MERCADO, L.P.L. A questão dos conteúdos numa metodologia Histórico-crítica. Revista do Centro de educação da UFAL. 1995, p. 1 a 9. NETO, F.J.S. Ser professor: Necessidade de Formação Profissional Específica. Formação. Nº 14, 2017. PEREIRA, A. L. F. As tendências pedagógicas e a prática educativa nas ciências da saúde. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 19(5), 1527 – 1534, 2003. PRONKO, M. STAUFFER, A.; CORBO, A.; LIMA, J.C.; REIS, R. A formação de trabalhadores técnicos em saúde no Brasil e no Mercosul. - Rio de Janeiro: EPSJV, 2011. PROVENZANO, M.E.; MOULIN, N.M. Proposta Pedagógica: avaliando a ação. Brasília: Ministério da Saúde, Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública, 2000. 90 p. Formação pedagógica em educação profissional na área de saúde: enfermagem; módulo 8. SACRISTÁN, J. G. (Org.). Saberes e incertezas sobre o currículo. Porto Alegre: Penso, 2013. p. 16-35. SACRISTÁN, J.G.; PÉREZ-GOMEZ, A.J. Compreender e transformar o ensino. 4.ed. Porto Alegre: Artmed. 1998. Cap. 8, p.197-231. SAVIANI, D. A pedagogia Histórico-Crítica. Revista RBBA. Vol. 3, N. 2, p. 12-34, 2014. SENAC. Plano de curso: Habilitação Profissional Técnica de nível médio em Enfermagem. Conselho Regional do Senac São Paulo, 2017. SOUZA, A.R. Explorando e construindo um conceito de gestão escolar democrática. Educação em Revista, Belo Horizonte v.25 n.03 p.123-140, dez. 2009 OLIVEIRA, M. R. N. S. Formação e profissionalização dos professores do ensino técnico. Educação & Tecnologia, [S.l.], v. 11, n. 2, maio 2012. ISSN 2317-7756. Disponível em: VASCONCELLOS C. S. Avaliação Concepção dialética- libertadora do processo de avaliação escolar. 18° edição. São Paulo: Libertad Editora, 2008. p. 55-62 VEIGA, I. P. A. Inovações e projeto político-pedagógico: Uma relação regulatória ou emancipatória? Cad. Cedes, Campinas, v. 23, n. 61, p. 267-281, dezembro 2003. ZOCCHE, D. A. A. Educação profissional em saúde: reflexões sobre a avaliação. Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro , v. 5, n. 2, p. 311-326, July 2007 . Available from
 

Clique para consultar os requisitos para 2200096

Clique para consultar o oferecimento para 2200096

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2022 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP