Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 

Júpiter - Sistema de Gestão Acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação


Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto
 
Interdepartamentais da EERP
 
Disciplina: 2200117 - Estágio Curricular: Enfermagem na Atenção Hospitalar II
Integrated Curricular Experience: Nursing Clinical Practice in Hospital Care II

Créditos Aula: 1
Créditos Trabalho: 7
Carga Horária Total: 225 h ( Estágio: 210 h )
Tipo: Semestral
Ativação: 15/07/2020 Desativação:

Objetivos
Disciplina oferecida somente aos alunos participantes do convênio de duplo diploma e oriundos da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra.


Que o aluno seja capaz de: 
- Desenvolver atributos procedimentais, cognitivos, atitudinais e afetivos na área de competência do cuidado individual, coletivo e da organização/gestão do cuidado integral, nos serviços de saúde da área hospitalar, por meio da inserção do estudante em diferentes contextos da prática profissional de saúde da criança e adolescente, saúde da mulher, saúde do adulto e idoso em situações clínicas e cirúrgicas, saúde mental e psiquiátrica.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
3144761 - Ana Carolina Guidorizzi Zanetti
2220382 - Fernanda Ludmilla Rossi Rocha
3273115 - Lucilene Cardoso
2014642 - Silvia Matumoto
1661469 - Silvia Rita Marin da Silva Canini
2027831 - Thais de Oliveira Gozzo
 
Programa Resumido
Esta disciplina proporciona ao estudante o desenvolvimento de atributos (conhecimentos, habilidades e atitudes) para a realização de ações voltadas ao cuidado integral às necessidades individuais, coletivas e de gestão do cuidado em saúde/enfermagem e de serviços de saúde no contexto da atenção hospitalar considerando as políticas de saúde e o cuidado integral ao indivíduo na área especifica. Os cenários de ensino-aprendizagem são os hospitais de níveis de atenção secundários e terciários.
 
 
 
Programa
SABERES COGNITIVOS:
CUIDADO INTEGRAL DE ENFERMAGEM À SAÚDE INDIVIDUAL E COLETIVA
- Identifica as necessidades de saúde (individual e coletiva) do indivíduo nas diferentes áreas de saúde (da criança e adolescente, da mulher, do adulto e idoso em situações clínicas, saúde mental e psiquiátrica).
- Formula,  elabora e prioriza de problemas de saúde (individual/coletivo).
- Desenvolve o planejamento, implementação e avaliação da assistência de enfermagem de forma sistematizada no contexto individual e coletivo de promoção, prevenção, proteção, diagnóstico, tratamento, reabilitação, redução de danos, cuidados paliativos e vigilância em saúde.
- Aplica o Processo de Enfermagem, segundo linguagens padronizadas em cada serviço.
-  identifica e desenvolve o trabalho interprofissional em saúde.
- Identifica de prioridades do serviço e ações da equipe considerando o perfil epidemiológico e indicadores de saúde dos serviços.
- Registro do cuidado implementado.

ORGANIZAÇÃO/GESTÃO DO CUIDADO INTEGRAL E DOS SERVIÇOS DE SAÚDE
- Acompanha do processo de trabalho em saúde.
- Participa da elaboração e execução do planejamento do cuidado integral.
- Avalia o cuidado integral em saúde.
- Conhece e maneja os instrumentos de gestão do cuidado, da equipe de enfermagem e da unidade (sistemas de informação/prontuários eletrônicos, indicadores de resultados/qualidade e seus relatórios, dimensionamento de pessoal, procedimentos operacionais padrão (POP), protocolos e normativas técnicas dos serviços.

SABERES PROCEDIMENTAIS
- Relacionar-se com os docentes, enfermeiro supervisor, equipes de enfermagem e demais profissionais da saúde, dentro dos princípios éticos, profissionais, humanísticos e sociais.
- Reconhecer e caracterizar a unidade de saúde e os fluxos para os demais níveis de assistência na rede de organização dos serviços de saúde no SUS.
- Identificar as características do processo de trabalho desenvolvido nas unidades de atenção hospitalar.
- Reconhecer as competências gerenciais do profissional responsável pelas unidades de saúde.
- Realizar o dimensionamento de pessoal de enfermagem, considerando as características epidemiológicas e clínicas e as necessidades de cuidado da clientela.
- Aprimorar a comunicação entre pares, equipe multiprofissional, cliente e família.
- Exercer liderança junto à equipe e nas unidades e serviços.
- Conhecer o perfil epidemiológico da população assistida e os indicadores de saúde obtidos com os dados registrados nos sistemas de informação disponíveis.
- Realizar, juntamente com o enfermeiro, o diagnóstico situacional de saúde da área de abrangência do cenário hospitalar.
- Reconhecer as prioridades do serviço e as ações desenvolvidas pela equipe de saúde que são oferecidas à população, tendo como referência o perfil epidemiológico e clínico do usuário.
- Propor, implementar e avaliar ações de enfermagem voltadas à prevenção, promoção, recuperação e reabilitação da saúde da população a partir do diagnóstico identificado.
- Participar ativamente com responsabilidade e envolvimento do processo administrativo da unidade de estágio, colaborando com o grupo na coleta, análise de dados e apresentação de indicadores de produtividade e qualidade da assistência.
- Contribuir com a unidade e serviço na regulação do usuário para a Rede de Atenção à Saúde na área Hospitalar.
- Realizar a notificação compulsória, contribuindo na busca ativa dos casos epidêmicos e endêmicos.
- Participar na solução dos problemas relevantes levantados juntamente com o supervisor de saúde.
- Refletir de forma crítica e contextualizada sobre as políticas de saúde, planejamento, programação e organização dos Serviços de Saúde e sua articulação com os equipamentos sociais.
- Participar da tomada de decisão nas Unidades de Saúde em conjunto com os enfermeiros supervisores e equipe de saúde.
- Planejar, executar e avaliar a assistência de enfermagem de forma sistematizada, no contexto individual e coletivo nos serviços da rede de atenção hospitalar de maneira articulada com a RAS (Rede de Atenção à Saúde).
- Propor, implementar e avaliar ações de enfermagem voltadas à prevenção, promoção, recuperação e reabilitação da saúde da população a partir do diagnóstico identificado.
- Interagir de forma efetiva com a clientela, utilizando a comunicação (verbal e não verbal).
- Atuar na enfermagem por meio de práticas seguras, utilizando evidências científicas integrando os aspectos biológicos, psicológicos e socioculturais do processo de cuidar.
- Refletir de forma crítica e contextualizada sobre as políticas de saúde, planejamento, programação e organização dos Serviços de Saúde e sua articulação com os equipamentos sociais (integralidade).
- Participar da tomada de decisão nas Unidades Hospitalares em conjunto com os enfermeiros supervisores.
- Diagnosticar as demandas de educação de indivíduos e família da rede de atenção hospitalar.
- Diagnosticar as necessidades de qualificação técnico-científica dos diferentes membros da equipe de enfermagem.
- Planejar, implementar e avaliar projetos educativos junto aos usuários e/ou equipe de enfermagem/saúde das unidades/serviços da rede de atenção hospitalar.
- Participar das discussões administrativas, educativas, assistenciais e de discussões de pesquisas.
- Planejar, implementar e avaliar ações educativas dirigidas à equipe de enfermagem e aos usuários dos serviços de saúde.

SABERES ATITUDINAIS
• Relacionar-se com docentes, enfermeiro supervisor, equipes de enfermagem e demais profissionais da saúde, usuários do serviço de saúde e familiares, dentro dos princípios éticos, profissionais, humanísticos e sociais.
- Apresentar postura de acordo com as regras sociais, pessoais e profissionais estabelecidas.
- Demonstrar por meio das atividades propostas pela disciplina e cenário de prática, os elementos essenciais para o processo de ensino e aprendizagem e êxito acadêmico: confiança, criatividade, interesse, flexibilidade, curiosidade, compreensão e perseverança.
- Aplicar conceitos adquiridos ao longo da formação acadêmica, demonstrando senso crítico e compromisso com as boas práticas de enfermagem, primando pela segurança e qualidade.
- Assumir postura de corresponsabilidade com o processo de ensino e aprendizagem, demonstrando envolvimento, assiduidade e pontualidade.
- Usar técnicas para estabelecer comunicação com a equipe de saúde, usuários do serviço de saúde e familiares.
- Apresentar-se com traje adequado para atuação profissional na AH: roupa, jaleco, tênis ou sapato fechado, crachá, cabelo preso quando necessário, conforme normas dos serviços e NR32.
- Demonstrar postura de cooperação técnico-científica com a equipe.
- Atuar de forma ética, responsável e cooperativa no aperfeiçoamento do processo de formação, avaliação e autoavaliação.
- Identificar os problemas da prática profissional do enfermeiro, no decorrer do estágio curricular, a partir de evidências científicas.
- Discutir os problemas identificados com a revisão da literatura e propor soluções nos serviços, com os docentes/ enfermeiros supervisores e equipe de saúde.
- Elaborar relatório, abordando as ações de cuidado de enfermagem e de gestão no contexto da atenção hospitalar, considerando as políticas de saúde.

MÉTODO DE ENSINO:
Estão planejadas aulas expositivas dialogadas e métodos ativos, nas diversas modalidades, como busca na literatura científica, desenvolvimento de uma atividade educativa, discussões em grupo, atividades no campo da prática.
 
 
 
Avaliação
     
Método
Método: A avaliação formativa, realizada de forma contínua e coparticipada. Terá como referência os desempenhos esperados para a disciplina, será feita de forma sistemática, com registro e ciência do estudante, levando-se em conta os aspectos de assiduidade, pontualidade e desempenho nas atividades previstas. Constarão da avaliação: a) Desempenho do aluno nas atividades teórico-práticas, com base no programa da disciplina, no contexto dos serviços da rede de atenção secundária e terciária, de acordo com o roteiro de avaliação (valor de 0 a 10) - Peso 6; b) Desempenho do aluno nas atividades educativas compostas de planejamento, implementação e apresentação (valor de 0 a 10) - Peso 3; c) Relatório de atividades construído pelo estudante (valor de 0 a 10) - Peso 1.
Critério
Será aprovado o estudante que obtiver média aritmética igual ou superior a 5,0 (cinco), obtida entre os itens e instrumentos de avaliação, e frequência mínima de 70% nas atividades previstas. O aluno será reprovado se obtiver nota inferior a 5,0 (cinco).
Norma de Recuperação
A disciplina não prevê recuperação, tendo em vista que a avaliação é constante durante o oferecimento.
 
Bibliografia
     
American Heart Association. Destaque das atualizações direcionadas nas Diretrizes de 2019 da American Heart Association para Ressuscitação Cardiopulmonar e Atendimento Cardiovascular de Emergência. Disponível em https://eccguidelines.heart.org/wp-content/uploads/2019/11/2019-Focused-Updates_Highlights_PTBR.pdf

BERNARDES A., CECÍLIO L.C.O., ÉVORA Y.D.M., GABRIEL C.S., CARVALHO M.B. Modelo de gestão colegiada e descentralizada em hospital público: a ótica da equipe de enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 2011; 19(4):1003-1010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Programa nacional de humanização da assistência hospitalar. Brasília: Ministério da Saúde, 2001. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnhah01.pdf

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de Vigilância em Saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. 3a.ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2019. 740 p. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_saude_3ed.pdf 

_______. Ministério da Saúde. Diretrizes para o cuidado das pessoas com doenças crônicas nas redes de atenção à saúde e nas linhas de cuidado prioritárias. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Brasília: 

Ministério da Saúde, 2013. 28p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes%20_cuidado_pessoas%20_doencas_cronicas.pdf

_______. Ministério da Saúde. HumanizaSUS: política nacional de humanização. Humanização como eixo norteador das práticas de atenção e gestão em todas as esferas do SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/humaniza_sus_marco_teorico.pdf

_______. Ministério da Saúde. Para entender o controle social na saúde. Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 178 p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/para_entender_controle_social_saude.pdf

______. Ministério da Saúde. Portaria MS/GM nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. 
Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas no âmbito do Sistema Único de Saúde. Brasília, 2011.

_______. Ministério da Saúde. Portaria nº 4279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da rede de atenção à saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde. Disponível em: https://conselho.saude.gov.br/ultimas_noticias/2011/img/07_jan_portaria4279_301210.pdf 

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao Pré-Natal de Baixo Risco / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. 318p. (Cadernos de Atenção Básica, n. 32) ISBN 978-85-334-1936-0. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_atencao_basica_32_prenatal.pdf 

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Agenda de compromisso para a saúde integral da criança e redução da mortalidade infantil. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização. Atenção Básica / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Política Nacional de Humanização. 1.ed., 2.reimpr. - Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 256 p.: il. - (Cadernos Humaniza SUS; v. 2). Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/caderno_humanizasus_atencao_basica_v2_1ed.pdf 

______. Presidência da República. Casa Civil. Decreto 7.508, de 28 de junho de 2011. Regulamenta a Lei nº 8080 de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do sistema Único de Saúde – SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e articulação interfederativa, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7508.htm

_____. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.194 de 28 de novembro de 2017. Dispões sobre o Programa para o fortalecimento das Práticas de Educação Permanente em Saúde no Sistema Único de Saúde- PRO EPS-SUS. Brasília, 2017.

CARVALHO, J.F.S.; CHAVES, L.D.P . Supervisão de Enfermagem no contexto hospitalar: uma revisão integrativa. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 13, p. 508-520, 2011.

CARVALHO M.C., ROCHA F.L.R., MARZIALE M.H.P., GABRIEL C.S., BERNARDES A. Valores e práticas de trabalho que caracterizam a cultura organizacional de um hospital público. Texto Contexto Enferm 2013; 22(3): 746-53. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v22n3/v22n3a22.pdf

CHAVES, L. D. P; LAUS, AM, CAMELO, SH.H. Ações gerenciais e assistenciais do enfermeiro em unidade de terapia intensiva. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2012 jul/sep;14(3):671-8. Available  from: http://www.fen.ufg.br/revista/v14/n3/v14n3a25.htm

CHIAVENATO, I. Gestão de Pessoas. 4ª Ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

GABRIEL, CS ; RAMOS, D ; BOLDRINI, A ; KEMPFER, SS; BERNARDES, A ; ROCHA, FLR . Usage of quality indicators in hospital nursing services in Brazil. Journal of Hospital Administration, v. 2, p. 91-99, 2013.

GOLDMAN, Lee, AUSIELLO, D. Cecil – Tratado de Medicina Interna – 2 Volumes - 25ª edição - Editora Elsevier, Rio de Janeiro, 2018.

GOODMAN LS, Goodamn & Gilman. As bases farmacológicas da terapêutica, 13. ed, Goodman e Gilman, 2018.

GUYTON, A. C.; HALL, J. E. Tratado de Fisiologia Médica. 13ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2017. 1176p.

JARVIS, C. Guia de Exame Físico para Enfermagem - 7ª Ed. Elsevier, 2016.

KURCGANT, P. Gerenciamento em enfermagem. 3 ed. Rio de Janeiro, Guanabara Saúde Profissional, 2016.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Segundo desafio global para a segurança do paciente: cirurgias seguras salvam vidas (orientações para cirurgia segura da OMS). Rio de Janeiro: Organização Pan-Americana da Saúde; Ministério da Saúde; Agência Nacional de Vigilância Sanitária, 2009. 211 p.

PORTO C. C. Semiologia Médica. 8ª ed.  Rio de Janeiro, Guanabara Koogan. 2019, 1440 p..

POTTER, P.A.; PERRY, A.G.; STOCKERT, P.A.; HALL, A.M. Fundamentos de Enfermagem: fatos essenciais. Rio de Janeiro: Elsevier, 9ª Ed, 2017.

SMELTZER S. C., BARE; B. G.; HINKLE, J. L.; CHEEVER, K. H. Brunner & Suddart. Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica.13ª ed. Guanabara Koogan, 2015. 2 volumes.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2017-2018 / Organização José Egídio Paulo de Oliveira, Renan Magalhães Montenegro Junior, Sérgio Vencio. -- São Paulo : Editora Clannad, 2017. Disponível em  https://www.diabetes.org.br/profissionais/images/2017/diretrizes/diretrizes-sbd-2017-2018.pdf

TOWNSEND, M. C. Enfermagem psiquiátrica: conceito de cuidados na prática baseada em evidências. 7ª edição, Rio de Janeiro: 2014.

Observação: Os docentes supervisores poderão indicar outras referências conforme a identificação das necessidades de cada campo de prática.
 

Clique para consultar os requisitos para 2200117

Clique para consultar o oferecimento para 2200117

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2022 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP