Informa??es da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto
 
Psicologia
 
Disciplina: 5940657 - Psicologia Organizacional e do Trabalho II
WORK AND ORGANIZATIONAL PSYCHOLOGY II

Créditos Aula: 3
Créditos Trabalho: 1
Carga Horária Total: 75 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2018 Desativação:

Objetivos
Até o final do semestre, esperamos que os alunos sejam capazes de: - Analisar o ambiente organizacional, bem como o comportamento dos trabalhadores, sob a luz das teorias e conceitos da Psicologia Organizacional e do Trabalho. - Construir instrumentos estratégicos de intervenção em gestão de Pessoas com base em competências. A presente disciplina é optativa. Tem como propósito preparar o aluno nos aspectos práticos relativos ao comportamento humano nas organizações e no trabalho. A orientação é a de formar os alunos do curso que pretendem estagiar ou atuar na subárea de Psicologia Organizacional e do Trabalho (POT). A ênfase é fornecer conhecimentos para a construção de instrumentos de intervenção nas organizações e no trabalho, com destaque ao subsistema de TD&E.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
6870169 - Marina Greghi Sticca
6313692 - Thaís Zerbini
 
Programa Resumido
A disciplina tem como propósito preparar o aluno nos aspectos práticos relativos ao comportamento humano nas organizações e no trabalho ao fornecer conhecimentos para a construção de instrumentos de intervenção com destaque ao subsistema de Treinamento, Desenvolvimento e Educação de pessoas (TD&E).
 
 
 
Programa
Para facilitar o alcance dos objetivos gerais, a disciplina está organizada em 3 unidades. Os objetivos específicos e conteúdos das unidades são descritos a seguir: Unidade 1 – Análise de Tarefas Objetivos – Ao final desta unidade, o aluno deverá ser capaz de: • Escolher um cargo a ser analisado. • Analisar documentos, como por exemplo, a Classificação Brasileira de Ocupações - CBO, e/ou outras fontes de informação fornecidas pelo entrevistado, se for o caso. • Realizar entrevista semi-estruturada e observação. • Descrever atividades: identificar tarefas (o que faz, como faz e para que faz); levantar informações referentes à ficha do cargo (documento formal sobre o cargo ou ocupação); identificar condições de trabalho; descrever o ambiente social; identificar requisitos psicológicos e requisitos físicos do cargo. • Analisar conteúdo e organizar os dados. • Elaborar relatório contendo a descrição formal dos trabalhos e atividades de um determinado papel ocupacional. Conteúdo Descrição de tarefas Procedimentos de coleta e análise de dados Elaboração de relatório Referências Texto 2: Spector, P. E. (2004). Análise do Trabalho. In P. E. Spector (Org.), Psicologia nas Organizações (pp.57-82). São Paulo, SP: Editora Saraiva. Leituras complementares para a realização do relatório: **Zanelli, J. C. & Bastos, A. V. B. (2004). Inserção Profissional do Psicólogo em Organizações e no Trabalho. In J. C. Zanelli, J. E. Borges-Andrade & A. V. B. Bastos (Orgs.), Psicologia, organizações e trabalho no Brasil (pp. 466-491). Porto Alegre, RS: Artmed. Classificação Brasileira de Ocupações - CBO Unidade 2 – Treinamento, Desenvolvimento e Educação Objetivos – Ao final desta unidade, o aluno deverá ser capaz de: • Diferenciar os conceitos em TD&E. • Analisar as transições que cercam a área de TD&E nas organizações modernas. • Discutir a competência técnica e política do profissional em TD&E. • Conceituar sistemas e tecnologias instrucionais, identificando suas fases. • Definir desempenho, identificando seus componentes. • Identificar causas e soluções para problemas de desempenho. • Definir necessidades de treinamento nos níveis da organização, de tarefas e do individuo. • Identificar os componentes de objetivos instrucionais. • Classificar objetivos instrucionais. • Escolher a modalidade de ensino: presencial, a distância ou semipresencial. • Ordenar objetivos e conteúdos instrucionais. • Selecionar alternativas instrucionais (estratégias e meios e materiais) para diferentes situações de aprendizagem, de acordo com a teoria e tecnologias instrucionais. • Estabelecer critérios de avaliação de aprendizagem. • Definir avaliação de treinamento, apontando seus principais objetivos e níveis de julgamento; • Identificar os componentes de avaliação do treinamento, com base no Modelo MAIS e no Modelo Impact. • Identificar medidas de avaliação de treinamento. • Discutir procedimentos de análise e coleta de dados. Conteúdo Conceitos em TD&E Práticas tradicionais de TD&E e práticas educacionais inovadoras Competência técnica e política do profissional em TD&E Sistemas instrucionais e subsistemas de TD&E Diagnóstico de necessidades: níveis de análise organizacional, de tarefas e individual Planejamento Instrucional e execução do treinamento Definição, Objetivos e Pressupostos da Avaliação de Treinamento Níveis de Avaliação: Reação, Aprendizagem, Comportamento no Cargo e Resultados Modelo MAIS e Modelo Impact Referências Livro base: Meneses, P. P. M., Zerbini, T. & Abbad, G. (2010). Manual de Treinamento Organizacional. Porto Alegre: Artmed. Texto 2: Capítulo 1 do livro base. Texto 3: Borges-Andrade, J. E. (2006). Competência técnica e política do profissional de TD&E. In J. E. Borges-Andrade, G. Abbad, L. Mourão (Orgs.), Treinamento, desenvolvimento e educação em organizações e trabalho: fundamentos para a gestão de pessoas (pp. 177 – 195). Porto Alegre, RS: Artmed. Texto 4: Capítulo 2 do livro base e exemplo. Texto 5 (complementar do texto 4): Borges-Andrade, J.E. & Lima, S. M. V. (1983). Avaliação de Necessidades de Treinamento: um Método de Análise do Papel Ocupacional. Tecnologia Educacional. Ano XII (54), 6-22. Texto 6 (complementar do texto 4): Magalhães, M. L. & Borges-Andrade, J.E. (2001). Auto e hetero-avaliação no diagnóstico de necessidades de treinamento. Estudos de Psicologia, 6(1), 33-50. Texto 7: Capítulo 3 do livro base e exemplo. Texto 8 (complementar do texto 7): Abbad, G., Zerbini, T., Carvalho, R. S. & Meneses, P. P. M. (2006). Planejamento instrucional em TD&E. In J. E. Borges-Andrade, G. Abbad, L. Mourão (Orgs.), Treinamento, desenvolvimento e educação em organizações e trabalho: fundamentos para a gestão de pessoas (pp. 289 – 321). Porto Alegre, RS: Artmed. Texto 9: Capítulo 4 do livro base e exemplo. Texto10 (complementar do texto 9): Borges-Andrade, J. E. (2006). Avaliação integrada e somativa em TD&E. In J. E. Borges-Andrade, G. Abbad, L. Mourão (Orgs.), Treinamento, desenvolvimento e educação em organizações e trabalho: fundamentos para a gestão de pessoas (pp. 343 - 358). Porto Alegre, RS: Artmed. Mais textos complementares: Borges-Andrade, J. E. (2006). Construção de medidas e delineamentos em avaliação de TD&E. In J. E. Borges-Andrade, G. Abbad, L. Mourão (Orgs.), Treinamento, desenvolvimento e educação em organizações e trabalho: fundamentos para a gestão de pessoas (pp. 359 - 384). Porto Alegre, RS: Artmed. Brauer, S., Abbad, G. & Zerbini, T. (2009). Características da Clientela e Barreiras à Conclusão de um Curso a Distância. Psico-USF, 14(3), 317-328. Carvalho, R. S., Zerbini, T. & Abbad, G. (2005). Competências empreendedoras de pequenos empresários: construção e validação de uma escala. In E. C. L. Souza & Guimarães, T. A. (Orgs.), Empreendedorismo além do Plano de Negócio (pp. 217-240). São Paulo: Atlas. Lima, S. M. V. & Borges-Andrade, J. E. (2006). Bases conceituais e teóricas de avaliação de necessidades em TD&E. In J. E. Borges-Andrade, G. Abbad, L. Mourão (Orgs.), Treinamento, desenvolvimento e educação em organizações e trabalho: fundamentos para a gestão de pessoas (pp. 199 – 215). Porto Alegre, RS: Artmed. Meneses, P. P. M. & Zerbini, T. (2009). Levantamento de Necessidades de Treinamento: Reflexões Atuais. Análise, 20, 50-64. **Pilati, R. (2006). História e Importância de TD&E. Em: Borges-Andrade, J. E.; Abbad, G. e Mourão, L. e cols Treinamento, desenvolvimento e educação em organizações e trabalho: fundamentos para a gestão de pessoas (pp. 159-176). São Paulo: Artmed Varanda, R. C., Zerbini, T. & Abbad, G. (2010). Construção e validação da escala de Reações à Interface Gráfica para cursos a distância. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(2), 97-106. **Vargas, M. R. M. e Abbad, G. (2006). Bases Conceituais em Treinamento, Desenvolvimento e Educação – TD&E. Em: Borges-Andrade, J. E.; Abbad, G. e Mourão, L. e cols Treinamento, desenvolvimento e educação em organizações e trabalho: fundamentos para a gestão de pessoas (pp. 137-158). São Paulo: Artmed. Zerbini, T. & Abbad, G. (2005). Impacto de treinamento no trabalho via internet. Revista de Administração de Empresas Eletrônica, 4 (2). Zerbini, T. & Abbad, G. (2008a). Estratégias de Aprendizagem em Curso a Distância: Validação de uma Escala. Psico-USF, 13(2), 177-187. Zerbini, T. & Abbad, G. (2008b). Qualificação profissional: Ambiente de estudo e Procedimentos de Interação – Validação de uma Escala. Análise, 19(1), 148-172. Zerbini, T. & Abbad, G. (2009a). Reação ao Desempenho do Tutor em um Curso a Distância: Validação de uma Escala. Revista Estudos e Pesquisa em Psicologia, 9, 447-463. Zerbini, T. & Abbad, G. (2009b). Reação aos Procedimentos Instrucionais de um Curso via Internet: Validação de uma Escala. Revista Estudos de Psicologia (Campinas), 26(3), 363-371. Zerbini, T. & Abbad, G. (2010). Reações em cursos a distância: revisão da literatura. Revista PSICO, 41, 192-200. Zerbini, T. & Abbad, G. (no prelo). Aprendizagem induzida pela instrução em contexto de organizações e trabalho: uma análise crítica da literatura. Cadernos de Psicologia Social e do Trabalho, 13(2). Zerbini, T. & Abbad, G. (no prelo). Construção e Validação de uma Escala de Transferência de Treinamento. Psicologia Ciência e Profissão. Zerbini, T, & Abbad, G. (no prelo). Qualificação Profissional a Distância: Avaliação da Transferência de Treinamento. Paidéia (Ribeirão Preto). Zerbini, T. & Abbad, G. (no prelo). Qualificação Profissional a Distância: Preditores da Elaboração de um Plano de Negócios. Psicologia em Revista. Zerbini, T. & Abbad, G. (no prelo). Impacto do treinamento no trabalho e Transferência de treinamento: análise crítica da literatura. rPOT. Unidade 3 – Construção de Instrumentos de Intervenção em Gestão de Pessoas Objetivos – Ao final desta unidade, o aluno deverá ser capaz de: • Descrever competências organizacionais, funcionais (grupos/equipes) e individuais. • Elaborar instrumentos utilizados em Gestão de Pessoas com base em competências (Simulação e apresentação em sala: seleção de pessoal, avaliação de desempenho, administração de carreiras, etc.) Conteúdo Gestão de Pessoas por Competência Competência e Desempenho Competência e Níveis de Análise Entrega, Complexidade e Espaço Ocupacional Referências Texto 11: Ruas, R. (2005). Gestão por competências: Uma contribuição à estratégia das organizações. In R. Ruas, C.S. Antonello, & L.H. Boff (Orgs.), Aprendizagem organizacional e competências: os novos horizontes da gestão. Porto Alegre, RS: Bookman. Textos complementares: Dutra, J. S., Fischer, A. L., Ruas, R. L., & Nakata, L. E. (2006). Absorção do conceito de competências em gestão de pessoas: a percepção dos profissionais e as orientações adotadas pelas empresas [CD-Rom]. In Anais do XXX ENANPAD. Salvador: ANPAD. Fernandes, B. H. R & Fleury, M. T. (2007). Modelos de Gestão por Competência: evolução e teste de um sistema [Versão eletrônica]. Análise, 18(2), 103-122. Retirado em 31 de julho 2008, de http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/face Ruas, R., Ghedine, T., Dutra, J. S., Becker, G. V., & Dias, G. B. (2005). O conceito de Competência de A à Z - Uma revisão nas principais publicações nacionais entre 2000 e 2004 [CD-Rom]. In Anais do XXIX ENANPAD. Brasília: ANPAD.
 
 
 
Avaliação
     
Método
- Aulas expositivas: serão desenvolvidas para apresentar as informações essenciais necessárias para aquisição da cada objetivo e para esboçar um quadro das referências que auxiliem os alunos a sistematizar estas informações. - Estudos dirigidos e discussões em sala: servirão para fixar essas informações por meio de respostas a questões previamente elaboradas. - Atividade prática de campo: descrição de características gerais de uma organização (análise organizacional) e de uma ocupação ou trabalho (análise de tarefas). - Atividades práticas em sala de aula: relacionadas à construção de instrumentos de intervenção em Gestão de Pessoas. Atividades discentes - Leitura dos textos inidicados - Estudos dirigidos - Discussões em sala dos textos indicados - Atividade prática de campo - Atividade prátca em sala de aula (simulação)
Critério
- Uma prova - Participação em Estudos Dirigidos - Relatórios 1 e 2 de Análise Organizacional e de Tarefas - Painel de Análise Organizacional e de Tarefas - Atividades práticas em sala de aula de construção de instrumentos de intervenção
Norma de Recuperação
Realização de uma prova escrita. Conteúdo: unidades 1 a 3 do programa.
 
Bibliografia
     
Borges-Andrade, J. E., Abbad, G., & Mourão, L. e cols (2006). Treinamento, desenvolvimento e educação em organizações e trabalho: fundamentos para a gestão de pessoas. São Paulo: Artmed. Brandão, H. P. & Guimarães, T. A. (2001). Gestão de competências e Gestão de desempenho: tecnologias distintas ou instrumentos de um mesmo construto? Revista de Administração de Empresas, 41 (1), Jan./Mar. Chiavenato, I. (1999). Gestão de Pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de janeiro: Editora Campus. Dutra, J. S. (2001). Gestão por Competências: Um Modelo Avançado para o Gerenciamento de Pessoas. São Paulo: Editora Gente. Dutra, J. S. (2002). Gestão de Pessoas: Modelo, Processos, Tendências e Perspectivas. São Paulo: Editora Atlas. Dutra, J. S. (2004). COMPETÊNCIAS: Conceitos e Instrumentos para a Gestão de Pessoas na empresa moderna. São Paulo: Atlas. Dutra, J. S. (2005). O conceito de Competência de A à Z - Uma revisão nas principais publicações nacionais entre 2000 e 2004. In: ENANPAD Brasília. v. 3. p. 1-15. Dutra, J. S., Fischer, A. L., Ruas, R. L., & Nakata, L. E. (2006). Absorção do conceito de competências em gestão de pessoas: a percepção dos profissionais e as orientações adotadas pelas empresas. In: ENANPAD, Salvador. Fleury, M. T. L., & Fisher, R. M. (Coords.) (1996). Cultura e poder nas organizações. São Paulo: Atlas, 1996. Fleury, M. T. L. (Org.). (2002). As pessoas na organização. 1. ed. São Paulo: Editora Gente. Fleury, M. T. L.; Fischer, R. M. (1989). Cultura e Poder nas Organizações. São Paulo: Atlas. Fleury, M. T. L., & Oliveira Junior (OrgS.). (2001). Gestão Estratégica do Conhecimento - integrando aprendizagem, conhecimento e competências. 1. ed. São Paulo: Atlas. Freitas; M. E. (1999). Cultura Organizacional. Rio de Janeiro: FGV. Ruas, R. L., Antonello, C. S., & Boff, L. H. (OrgS.). (2004). Os Novos Horizontes da Gestão - Aprendizagem Organizacional e Competências. 1. ed. Porto Alegre: Bookman. Schein, E. H. (2001). Guia de sobrevivência da cultura organizacional. Rio de Janeiro: José Olympio, 2001. Spector, P.E. (2002). Psicologia nas Organizações. São Paulo: Saraiva. Tamayo, A., Borges-Andrade, J. E., & Codo, W. (Orgs.) (1996). Trabalho, organizações e cultura. São Paulo: Capital Gráfica Editora. Zanelli; J. E. Borges-Andrade & A. V. B. Bastos (Eds.). (2004). Psicologia, organizações e trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed.
 

Clique para consultar os requisitos para 5940657

Clique para consultar o oferecimento para 5940657

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2019 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP