Informa??es da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto
 
Música
 
Disciplina: 5971310 - Harmonia e Contraponto I
Harmony and Counterpoint I

Créditos Aula: 2
Créditos Trabalho: 1
Carga Horária Total: 60 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2019 Desativação:

Objetivos
Desenvolver noções de simultaneidade e sucessividade (Monteverdi) em linhas musicais, ao mesmo tempo em que se trata das disposições dos acordes tanto isolados (reconhecimento de acordes) como em suas funcionalidades (reconhecimento das funções tonais), assim como dos movimentos internos das vozes na polifonia, tanto na realização de análises funcionais como na confecção de encadeamentos (a quatro vozes e outros), abrangendo os fundamentos históricos do sistema tonal do período barroco ao clássico. Esta disciplina tem importância de reforçar a percepção do aluno. O aluno estará lidando com referências (obras musicais e tratados) do período colonial brasileiro. A Harmonia se encontra entre as matérias mais essenciais da música, enquanto disciplina universal, pois é matéria básica e serve de apoio para todas as demais, quer sejam de natureza poiética, prática ou teórica. O estudo da harmonia – conceito que remonta a Heráclito (“harmonia inaparente mais forte que a aparente”) e que se confunde não só com os primórdios da Música, mas também com os primórdios da Matemática e da Filosofia (harmonia como resolução dialética de um conflito, ou dialética primordial) - é básico e essencial ao aprendizado das amplas atividades da arte da música, quer seja para a formação do compositor, intérprete-executor ou musicólogo. Nesta disciplina pela FFCLRP-USP opta-se pela Harmonia Funcional (ou harmonia riemanniana), seguindo-se os padrões internacionais atualizados oriundos dos países alemães, bem como se mantendo a filosofia de trabalho do fundador do curso de música na USP, Prof. Dr. George Olivier Toni.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
1682511 - Rubens Russomanno Ricciardi
 
Programa Resumido
Fundamentos da Harmonia Funcional (a dialética da motilidade horizontal dos acordes verticalmente reconhecidos, cujo significado depende do contexto composicional) – análises e confecções de encadeamentos tonais desde os primórdios deste sistema até o final do século XVIII.
 
 
 
Programa
1. a) Introdução ao conceito de harmonia, b) tratados históricos. 2. a) Os intervalos diatônicos e cromáticos. b) A série harmônica e suas transposições. c) Fundamentos da harmonia funcional (de Riemann a Krämer). d) A nomenclatura padrão internacional de Wilhelm Maler. e) Conceitos do sistema tonal. 3. As cadências básicas (autêntica, plagal e completa) – exercícios em sala de aula. 4. a) Os acordes perfeitos, suas inversões e transposições. b) Regras para duplicação de notas. c) Regras de contraponto para o encadeamento tonal a quatro vozes (para o exercício acadêmico). d) Conceito de movimento das vozes (paralelo, oblíquo e contrário, por graus conjuntos ou afastados) – exercícios em sala de aula. 5. Realizações de encadeamentos acadêmicos – exercícios em sala de aula. 6. a) Os acordes de 6ª (3ª e 6ª), b) Os acordes de 4ª e 6ª, c) Funções em apojaturas de 4ª e 6ª para 3ª e 5ª, d) de 4ª e 5ª para 3ª e 5ª, entre outras apojaturas – exercícios em sala de aula. 7. As funções de T, S, D, t, s, d - modo maior (cantus durus) e o modo menor (cantus mollis) (segundo Glareanus) – exercícios em sala de aula. 8. As afinidades das 3ª (relativas e anti-relativas) – exercícios em sala de aula. 9. Notas estranhas à harmonia (passagem, bordadura, antecipação, indeterminada e retardo) – exercícios em sala de aula. 10. Os acordes de 7a e as funções de D7 e S7 e derivadas – exercícios em sala de aula. 11. a) As dominantes e subdominantes individuais. b) Acordes sem fundamental (acorde de 5ª diminuta, acorde de 7ª diminuta e acorde de 7ª de sensível) – exercícios em sala de aula. 12. Outras cadências e marchas harmônicas de uso freqüente: a) Cadência Frígia. b) Cadências de engano. c) Cadência Pré-Clássica (Ricciardi) – exercícios em sala de aula. 13. Acordes com 6ª da fundamental: a) 6ª acrescentada (sixte ajoutée de Rameau), b) 6ª napolitana, c) 6ª aumentada (germânica, francesa e italiana) – exercícios em sala de aula. 14. Acordes de 13ª – exercícios em sala de aula. 15. a) Funções sem fundamental e a terça. b) Nota pedal. c) Acordes de 9ª. d) Acordes de 5ª aumentada.
 
 
 
Avaliação
     
Método
O curso está baseado em aulas teóricas expositivas acompanhadas por ilustrações musicais, incluindo-se ainda a realização, no papel, em sala de aula ou tarefa para casa, de exercícios e análises, bem como em aulas práticas, com a execução ao piano, por parte de todos os alunos, de encadeamentos acadêmicos e obras musicais que estejam sendo analisadas, sempre com a supervisão do professor.
Critério
Exercícios em classe e entrega de trabalhos.
Norma de Recuperação
Alunos com avaliação final igual ou superior a 3,0 terão chance de uma prova de recuperação. Prova de recuperação abrange toda a matéria dada no semestre.
 
Bibliografia
     
ALAIN, Olivier (1969). L’harmonie. Paris, Presses Universitaires de France. (1a ed. 1965). BENEDICTIS, Savino de (1948). Tratado de harmonia – clássico e moderno. São Paulo, Ricordi Brasileira. BERTON, Henry Montan (1815). Traité d’harmonie. Paris. BRISOLLA, Cyro Monteiro (1979). Princípios de harmonia funcional. São Paulo, Novas Metas. DISTLER, Hugo [1940]. Funktionelle Harmonielehre. Kassel und Basel, Bärenreiter. DURAND, Émile (s.d. – século XIX). Tratado completo de harmonia – theorica e pratica. Traducção portugueza de Julio Neuparth [do original francês]. Volumes I e II. Paris, Alphonse Leduc. GALILEI, Vincentio (1581). Dialogo della musica antica, et della moderna. Fiorenza, Giorgio Marescotti. GRABNER, Hermann (1995). Handbuch der funktionellen Harmonielehre – I. Teil: Lehrbuch; II. Teil: Aufgabenbuch. 11. Auflage. Kassel, Gustav Bosse. (1a ed. 1967). HINDEMITH, Paul (1987). Armonia tradicional – libro 1º. Traducción del inglés de Emilio Argel. Buenos Aires, Ricordi. (Edição original 1943). HINDEMITH, Paul (1987). Armonia tradicional – parte (II). Traducción de Walter Liebling [do original inglês]. Buenos Aires, Ricordi. (Edição original 1949). JESUS, padre Caetano de Melo de (1985). Discurso apologético - polêmica musical. Edição do texto e introdução de José Augusto Alegria. [Lisboa], Fundação Calouste Gulbenkian. [Manuscritos originais da Bahia, 1734]. KENNAN, Kent Wheeler (1972). Counterpoint – based on eighteenth-century practice. 2a ed. New Jersey, Prentice-Hall. (1a ed. 1959). KOELLREUTTER, H[anns] [Joachim] (1986). Harmonia funcional – introdução à teoria das funções harmônicas. 2a ed. São Paulo, Ricordi. *KRÄMER, Thomas (1995). Harmonielehre im Selbststudium [2a ed. corrigida]. Wiesbaden, Breitkopf & Härtel. (1a ed. 1991). MACHADO, Raphael Coelho (4a edicção – s.d.). Breve tratado d’harmonia. Rio de Janeiro, Narciso & Arthur Napoleão. [1a ed. 1852]. *MALER, Wilhelm (2000). Beitrag zur Durmolltonalen Harmonielehre. München, F. E. C. Leuckart. [Volumes I e II]. 16ª ed. [1ª ed. 1931]. MICHELS, Ulrich (2001). dtv-Atlas - Musik. München, Deutscher Taschenbuch & Kassel, Bärenreiter. (1a ed. 1977). *MOTTE, Diether de la (1997). Harmonielehre. 10. Auflage. Kassel, Deutscher Taschenbuch & Bärenreiter. (1a ed. 1976). PAREJA, Bartolomé Ramos de (1983). Música práctica [versões integrais em latim e castelhano]. Estudio preliminar, edición y comentarios por Clemente Terni. Texto traducido al castellano por Gaetano Chiappini y revisado por Clemente Terni [do original latino]. Madrid, Joyas Bibliográficas. [1a ed. Itália, século XV]. PISTON, Walter (1978). Harmony. Revised and expanded by Mark DeVoto. London, Victor Gollancz. (Edição original 1941). RAMEAU, [Jean-Philippe] (1722). Traité de l’harmonie. Paris, Jean-Baptiste-Christophe Ballard - ver também a edição norte-americana: RAMEAU, Jean Philippe (1971). Treatise on harmony. Translated with an introduction and notes by Philip Gossett. New York, Dover. RIEMANN, Hugo (1893). Vereinfachte Harmonie oder die Lehre von der tonalen Funktionen der Akkorde. London und New York RIEMANN, Hugo (1918). Handbuch der Harmonie und Modulations-Lehre. Berlin, Max Hesses Verlag. RIMSKY–KORSAKOV, Nicolás (1959). Tratado practico de armonia. 6a edicion corregida de la nueva traducción efectuada por Jacobo Ficher y Miguel Ficher [1946], directamente de la 13ª edición rusa ampliada por Maximilian Steinberg [1924]. Buenos Aires, Ricordi. (Edição original russa 1886). SCHOENBERG, Arnold (1986). Harmonielehre. [Wien], Universal. (1a ed. 1911) - ver também a edição brasileira: SCHOENBERG, Arnold (2001). Harmonia. Prefácio, tradução e notas de Marden Maluf [do original alemão]. São Paulo, UNESP. ZARLINO DA CHIOGGIA, Gioseffo (1558). Le istitutioni harmoniche. Venetia. *=obras mais importantes e utilizadas no contexto do curso.
 

Clique para consultar os requisitos para 5971310

Clique para consultar o oferecimento para 5971310

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2019 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP