Informa??es da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Escola de Artes, Ciências e Humanidades
 
Artes, Ciências e Humanidades
 
Disciplina: ACH1006 - Conservação Biológica
Biological Conservation

Créditos Aula: 2
Créditos Trabalho: 1
Carga Horária Total: 60 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2009 Desativação:

Objetivos
Apresentar ao aluno a base conceitual, os valores centrais, os princípios científicos e os aspectos práticos que fundamentam a o campo científico e profissional da conservação biológica.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
138953 - Carla Morsello
 
Programa Resumido
O programa é dividido em duas partes. Na primeira parte, apresentam-se os fundamentos da Conservação Biológica no que se refere às origens das ameaças, bem como aspectos biológicos relativos à vulnerabilidade em termos populacionais e das diferenças entre espécies. Na segunda parte, apresentam-se as estratégias de conservação, incluindo aspectos do planejamento sistemático, da conservação in situ e ex situ, aspectos econômicos e, por fim, o monitoramento e avaliação dos resultados.
 
 
 
Programa
PARTE 1. FUNDAMENTOS DA CONSERVAÇÃO BIOLÓGICA
1.O que é conservação biológica e o campo de atuação
a.Exercício 1: conhecendo os meios de publicação nacionais e internacionais em Conservação Biológica e diferenciando-os das outras áreas ambientais
b.Exercício 2: conhecendo as ONGs conservacionistas e sua área de atuação
2.Por que conservar? Valores e ética da conservação:
a.Exercício: Identificando os valores de diferentes atores em projetos de conservação
3.O que conservar?
a.Biodiversidade e suas escalas (revisão); integridade dos ecossistemas
b.Alvos de conservação: espécies-bandeira, guarda-chuva, chave, focais
c.Exercício prático: cálculos de índices de diversidade; construindo e avaliando a representatividade da curva do coletor; definição de áreas a proteger a partir dos cálculos de diversidade
4.Ameaças à conservação
a.Super-exploração de espécies:
i.Introdução: O problema das populações pequenas (aleatoriedade ambiental e genética; depressão endogâmica e exogâmica; deriva genética)
ii.População mínima viável: definição, formas de calcular
iii.Vulnerabilidade das espécies à extinção
b.Espécies exóticas e invasoras
c.Perda de hábitat e fragmentação; efeito de borda; conectividade
PARTE 2 – A PRÁTICA DA CONSERVAÇÃO
5.Estratégias de conservação in situ: áreas protegidas e sua efetividade; o debate SLOSS
6.Planejamento sistemático de conservação in situ
a.Exercício: utilizando softwares de planejamento sistemático
7.Estratégias de conservação ex situ: jardins botânicos, zoológicos
a.Exercício: estudo de caso da ararinha Spix)
8.A Economia da conservação:
a.Mecanismos diretos: Projetos integrados de conservação e desenvolvimento
b.Mecanismos indiretos: Pagamento por serviços ambientais
9.Monitoramento e avaliação de projetos de conservação
 
 
 
Avaliação
     
Método
Aulas expositivas, aulas práticas no laboratório de informática, seminários e exercícios.
Critério
avaliação baseada em provas, trabalhos e exercícios.
Norma de Recuperação
avaliação baseada em provas, trabalhos e exercícios.
 
Bibliografia
     
Bibliografia Básica: (referências marcadas com * disponibilizadas na homepage do curso no Col)
*BARRY, D., OELSCHLAEGER, M. A science for survival: values and conservation biology. Conservation Biology, v.10, p. 905–911, 1996.
*FERRARO, P. J.; KISS, A. Direct payments to conserve biodiversity. Science, v. 298, p. 1718-1719, 2003.*
*RAMBALDI, D. M.; OLIVEIRA, D. A. S (Org.). Fragmentação de Ecossistemas: causas, efeitos sobre a biodiversidade e recomendação de políticas públicas. Brasília: Ministério do Meio Ambiente/Secretaria de Biodiversidade e Florestas, 2003. 581p. Disponível online: http://www.mma.gov.br/index.php?ido=conteudo.monta&idEstrutura=72&idConteudo=818
MORSELLO, C. Áreas protegidas públicas e privadas: seleção e manejo. São Paulo: Editora Annablume, 2001. 341p. (ou edição de 2006)
PRIMACK, R. B.; ROZZI, R.; FEISINGER, P.; DIRZO, R.; MASSARDO, F. Fundamentos de conservación biológica: perspectivas latinoamericanas. México: Fondo de Cultura Económica, 1998. 797p.
PRIMACK, R.B. & RODRIGUES, E. Biologia da conservação. Londrina: Edição dos autores, 2001. 327p.
*WWF. s-data. Planejamento sistemático de conservação. Disponível em: http://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/meio_ambiente_brasil/lep/textos/psc/index.cfm)
VAN-SCHAIK, C.; RIJKSEN, H. D. Projetos integrados de conservação e desenvolvimento: Problemas e Potenciais. In: Terborgh, J.; Van Schaik, C.; Davenport, L.; Rao, M. (eds.). Tornando os parques eficientes: estratégias para a conservação da natureza nos trópicos. Curitiba: Editora da UFPR/ FBPN, p. 37-52, 2002.
*SILLS, E. O. et al. Abordagens analíticas na avaliação de impactos reais de programas de conservação. Megadiversidade, v. 2 , n. 1-2, p. 39-49, 2006. Disponível em: http://www.conservation.org.br/publicacoes/megadiversidade02.php

Bibliografia complementar:
*FAHRIG, L. Effects of Habitat Fragmentation on Biodiversity. Annual Review of Ecological and Evolutionary Systems, v. 34, p.487–515, 2003.
*FISCHER, J.; LINDENMAYER, D. B. Landscape modification and habitat fragmentation: A synthesis. Global Ecology & Biogeography, v.16, p. 265-280, 2007.
*LOREAU, M.; NAEEM, S.; INCHAUSTI, P. et al. Biodiversity and ecosystem functioning: current knowledge and future challenges. Science, v. 294, n. 5543, p. 804-8. 2001.
*MARGOLUIS, R. A. SALAFSKY, N. Medidas de Éxito: Diseño, manejo y monitoreo de proyectos de conservación y desarrollo. Washington, D.C., Island Press, 1998. 378p.
Disponível em: http://www.fosonline.org/images/Documents/Medidas/titlepage.htm
*MARGULES, C. R.; PRESSEY, R. L. Systematic conservation planning. Nature, v. 405, p.243-253, 2000.
*MEINE, C. ; MEFFE, G.K. Conservation values, conservation science: a healthy tension. Conservation Biology, v. 10, p.916-917, 1996.
MEFFE, G. K.; CARROLL, C. R. Principles of Conservation Biology. Sunderland: Massachusetts: Sinauer, 2005. 729p.
MMA/SBF. Biodiversidade Brasileira: Avaliação e identificação de áreas e ações prioritárias para a conservação, utilização sustentável e repartição de benefícios da biodiversidade brasileira. Brasília: MMA, 2002. 404p. Disponível em: http://www.mma.gov.br/estruturas/chm/_arquivos/biodivbr.pdf (Acesso: 4/04/2008)
*O'GRADY, J. J.; REED, D. H.; BROOK, B. W.; FRANKHAM, R. What are the best correlates of predicted extinction risk?  Biological Conservation, v. 118, n. 4, p. 513-520, 2004.
*RIES, L.; FLETCHER, R. J; BATTIN, J.; SISK, T. Ecological responses to habitat edges: mechanisms, models, and variability explained. Annual Review in Ecology and Evolution, and Systematics, v. 35, p. 491-522, 2004.
*SOULÉ, M. E. What is conservation Biology? BioScience, v. 35, p. 727-734, 1985.
*FAZEY, I. et al. What do conservation biologists publish? Biological Conservation, v. 124, p.63-73, 2005.
 

Clique para consultar os requisitos para ACH1006

Clique para consultar o oferecimento para ACH1006

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2020 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP