Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 

Júpiter - Sistema de Gestão Acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação


Escola de Artes, Ciências e Humanidades
 
Artes, Ciências e Humanidades
 
Disciplina: ACH3057 - Estágio Curricular Integrado V: Gestão Gerontológica Integrada e Gestão de Casos II
Intership V: Integrated management in gerontology and case management II

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 4
Carga Horária Total: 180 h ( Estágio: 120 h )
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2011 Desativação:

Objetivos
Identificar, planejar, desenvolver e avaliar um plano de atenção Gerontológica Integrada direcionada aos idosos cujas demandas são de recuperação e reabilitação, tanto em termos de capacidade funcional, como vulnerabilidade social no Sistema Único de Saúde (SUS) e o Sistema Único da Assistência Social (SUAS). Identificar as demandas e as necessidades dos equipamentos de atenção secundária e terciária do SUS e SUAS e propor planos de gestão organizacional.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
574881 - Ana Paula Curi
161192 - Beatriz Aparecida Ozello Gutierrez
 
Programa Resumido
Refletir sobre o cuidado integral do idoso sob a ótica das demandas secundárias e terciárias das áreas da saúde e assistência social. Identificar as demandas assistenciais dos idosos no contexto da proteção social especial e da atenção terciária à saúde. Conhecer e executar as intervenções necessárias para atender as demandas físicas, psicológicas e socioculturais do idoso e familiares dentro do contexto dos equipamentos do SUS e SUAS. Desenvolver planos de gestão organizacional e de casos, de acordo com as necessidades e demandas dos equipamentos e dos idosos atendidos. Utilizar o plano de atenção gerontológica visando à integralidade do cuidado prestado ao idoso na assistência hospitalar, no pós-alta e na assistência ao idoso institucionalizado.
Ementa - Levantamento de necessidades, práticas profissionais e ações em saúde e proteção social em equipamentos de atenção secundária e terciária. Especificamente, os estudantes deverão desenvolver observações e levantamentos referentes aos aspectos de vulnerabilidade e de fragilidade de idosos em equipamentos de proteção social especial e equipamentos de atenção secundária e terciária à saúde. Ainda, serão habilitados para a utilização de ferramentas necessárias para a sistematização do processo de gestão organizacional.
 
 
 
Programa
- O SUS, o SUAS e a atenção aos idosos e seus familiares;
- Instituições de Longa Permanência: definição, tipos, características e indicações;
- Relacionar as políticas públicas para a atenção à pessoa idosa e as Instituições de Longa Permanência para Idosos;
- Conhecer as normas da ANVISA e as diretrizes da SBGG para as ILPIs
- Identificação e caracterização das demandas assistenciais dos idosos institucionalizados e dos idosos e de seus familiares nos diferentes contextos do ambiente hospitalar;
- Adequação das intervenções necessárias frente às demandas identificadas;
- Avaliação dos recursos comunitários e da rede de suporte social dos idosos institucionalizados e hospitalizados;
- Adequação das intervenções necessárias frente às demandas identificadas;
- Desenvolvimento de intervenções multiprofissionais;
- Avaliação do processo de atenção estabelecido
 
 
 
Avaliação
     
Método
Seminários, leituras, atividades práticas supervisionadas nos serviços de atenção secundária e terciária à saúde e proteção social especial.
Critério
- Participação individual e em grupo nas atividades teórico-práticas.
- Elaboração e apresentação de relatório final em grupo das atividades desenvolvidas no estágio
Norma de Recuperação
será realizada pelos estudantes com média final na disciplina igual ou superior a três (3,0) e inferior a cinco (5,0) e, no mínimo, 70% (setenta por cento) de freqüência às aulas- A recuperação será realizada através de relatório individual escrito.
 
Bibliografia
     
Bibliografia:
ABRAMS, W.B.; BERKOW, R. Manual Merk de geriatria, São Paulo, Roca, 1994.
ALCANTARA AO. Velhos institucionalizados e família: entre abafos e desabafos. Campinas: Alínea; 2004.149 p
ANVISA. Regulamento técnico para o funcionamento das Instituições Residenciais sob sistema participativo e de longa permanência para idosos. Consulta pública nº41. 2004
ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada – RDC 283, 2005 set 26.
ARAÚJO, N. P; BRITTO FILHO, D. C. C; SANTOS, F. L; COSTA, R. V; ZOCCOLI, T. L. V; NOVAES, M. R. C. G (2008); Aspectos sociodemográficos, de saúde e nível de satisfação de idosos institucionalizados no Distrito Federal. Rev. Ciênc. Méd, 17(3-6), 123-132
BERGER, L.; MAILLOUX-POIRIER, D. Pessoas idosas: uma abordagem global. Lisboa, Lusidacta, 1995
BORN T, BOECHAT NS. A qualidade dos cuidados ao idoso institucionalizado. In: Freitas EV, et al. Tratado de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2002. p.768-77
BRASIL. Portaria n. 810 Normas para Funcionamento de Casas de Repouso, Clínicas Geriátricas e Outras Instituições Destinadas ao Atendimento ao Idoso 1989 set 22. Pub DO [2003 set. 27]
BRASIL. Portaria n. 73. Normas de Funcionamento de Serviços de Atenção ao Idoso no Brasil 2001 maio 10.
BROCKLEHURST, JC; TALLIS, R; FILLIT, H Textbook of Geriatric Medicine and Gerontology, 5a,
ed. Churchil Liv. London, 1998.
CARAMELLI, P Neuropsiquiatria geriátrica. Artes Médicas, Rio Grande do Sul, 2002
CARVALHO FILHO, E.; PAPALÉO NETTO, M. Geriatria: fundamentos, clínica e terapêutica. São Paulo, Atheneu, 1994
CREUTZBERG, M.; et al. A comunicação entre a família e a Instituição para Idosos. Revista Brasileira Geriatria Gerontologia,v.10,n.2.Rio de Janeiro,2007
DEALEY, C. Cuidados de feridas. São Paulo, Atheneu, 1996.
EVANS,JG; et.al. Oxford textbook of Geriatric Medicine. Oxford Press. New York.2000
FARO, A.C.M. e Aspectos teóricos sobre a família em um contexto histórico e social. Nursing, n. 22, março, p. 26-8, 2000
KATZ,I et.al. Geriatria Prática. Revinter. Rio de Janeiro. 2002
KOZAK, G. P. et al. Tratamento do pé diabético. 2.ed. Rio de Janeiro, Interlivros, 1996
LLERA, F.G.; MARTIN, J.P.M. Síndromes y cuidados en el paciente geriátrico. Barcelona, Masson, 1994.
PIMENTA, CAM Dor oncológica: bases para avaliação e tratamento O Mundo da Saúde, v.27, n.1, p. 98-110, 2003
HERÉDIA V.B.M., et al. A realidade do idoso institucionalizado. Textos sobre Envelhecimento. UnATI/UERJ 2004 jul./dez; 7 (2): 9-31
GROSSI, S.A.A. Prevenção de úlceras em membros inferiores em pacientes com diabetes mellitus. Rev. Esc. Enf. USP., v. 32, n. 4, 377 – 85, 1998
GROISMAN, D. Asilos de velhos: passado e presente. Estudos interdisciplinares sobre o envelhecimento 1999; 2: 67-87
FRANCO, L. J. Epidemiologia do diabetes mellitus. In: LESSA, I O adulto brasileiro e as doenças da modernidade: epidemiologia das doenças crônicas não transmissíveis. São Paulo, Abrasco/Hucitec, 1998. cap.8, p.123-38
MOTA, D.D.C.F.; PIMENTA, C.A.M. Fadiga em pacientes recebendo cuidados paliativos O Mundo da Saúde, v.27, n.1, p111-7, 2003.
MORAES, T.M.; PIMENTA, C.A.M. Constipação intestinal em doentes com doença oncológica avançada O Mundo da Saúde, v.27, n.1, p118-123, 2003
MORENO, A., VERAS, R. O idoso e as instituições asilares no município do Rio de Janeiro. Gerontologia 1999; 7 (4): 167-77.
NITRINI, R Demência. São Paulo, 1999
Norma Operacional Básica – NOB/SUAS, aprovada pelo Conselho Nacional de Assistência Social por intermédio da Resolução nº 130, de 15/07/05
PAPALÉO NETTO, M. Gerontologia, São Paulo, Atheneu, 1996
PRAS,P.; BERTRAND, F. Urgências en el anciano. Barcelona, Masson, 1994
PRYOR JÁ, WEBBER BA. Fisioterapia para problemas respiratórios e cardíacos. 2 ed. Rio de Janeiro, Guanabara koogan, 2002
RANG, H.P.; DALE, M.M.; RITTER, J.M. Farmacologia. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 1997
RODRIGUES, R.A.P.; DIOGO, M.J.D. Como cuidar dos idosos. Campinas, Papirus, 1996. São Paulo, 1996
SILVA. M.J.P. Comunicação tem remédio - a comunicação nas relações interpessoais em saúde. São Paulo, Gente, 1996
SILVA, M.J.P.; GRAZIANO, K.U. A abordagem psico-social na assistência ao adulto hospitalizado. Rev.Esc.Enf.USP, v.30, n.2. p.291-6, 1996
WAGNER, EM Guia de assistência a idosos e familiares portadores de demência. Casa do psicólogo.
 

Clique para consultar os requisitos para ACH3057

Clique para consultar o oferecimento para ACH3057

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2023 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP