Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Escola de Artes, Ciências e Humanidades
 
Artes, Ciências e Humanidades
 
Disciplina: ACH3521 - Formação Econômica e Social do Brasil I
Brazilian Economic and Social Formation I

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 60 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2014 Desativação:

Objetivos
Refletir sobre as inter-relações entre economia, sociedade e poder com vistas a oferecer as bases de compreensão dos problemas contemporâneos do país, em particular, as suas desigualdades sociais e os desafios de seu desenvolvimento humano (econômico, social e cultural). Serão abordadas as transformações do Estado, da economia e da sociedade e mostradas, no período contemplado, as características essenciais das políticas públicas.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
479262 - Agnaldo Valentin
1030750 - Jose Renato de Campos Araujo
 
Programa Resumido
1. Brasil: de Colônia a Império
2. Expansão da economia cafeeira e transição do trabalho escravo para o trabalho livre
3. Política e economia cafeeira na Primeira República
4. A gênese da indústria no Brasil (1880-1930)
 
 
 
Programa
1. Brasil: de colônia a Império
1.1. O sentido da colonização
1.2. Antigo sistema colonial e acumulação originária
1.3. Formação do Estado português e a expansão marítima; o sistema colonial português
1.4. Elementos estruturais da formação econômica do Brasil
1.5. O açúcar e o complexo econômico nordestino
1.6. O ouro: expansão territorial e comportamento econômico no Setecentos
1.7. Portugal e as crises dos séculos XVII e XVIII
1.8. D. João no Brasil: os tratados com a Inglaterra e a crise do antigo sistema colonial
1.9. Gestação da economia cafeeira
1.10. Pródromos da abolição do trabalho escravo
2. Expansão da economia cafeeira e transição do trabalho escravo para o trabalho livre
2.1. Condições para a expansão cafeeira
2.2. A crise da mão-de-obra: imigração e abolição
2.3. O Estado Imperial e a proclamação da República
3. Política e economia cafeeira na Primeira República
3.1. O Estado na Primeira República: coronelismo, política dos governadores
3.2. De Rui Barbosa a Joaquim Murtinho: rumo à intervenção no mercado cafeeiro
3.3. O Convênio de Taubaté, a política de defesa do café e a crise de 1929
4. A gênese da indústria no Brasil (1880 – 1930)
4.1. A economia cafeeira e as condições sociais para a industrialização
4.2. Confronto das diferentes teses sobre o crescimento industrial até 1930
 
 
 
Avaliação
     
Método
Avaliações individuais; exercícios em grupo.
Critério
Duas (02) avaliações individuais de igual peso – (60%). Média dos exercícios (sete maiores notas) – (40%).
Norma de Recuperação
provas e/ou trabalhos
 
Bibliografia
     
BEIGUELMAN, P. A formação do povo no complexo cafeeiro: aspectos políticos. 3. ed. São Paulo: EDUSP, 2005,
Primeira parte (A economia escravista em transformação: encaminhamento político) p. 21-85.
CARDOSO, F. H. Livros que inventaram o Brasil. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 37, nov.1993, p. 21-43.
______. Capitalismo e escravidão no Brasil Meridional: o negro na sociedade escravocrata do Rio Grande do Sul. 5. ed.rev. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003, cap. IV (Estrutura econômica e política da sociedade escravocrata), p.199-237.
CARVALHO, J. M. de. A construção da ordem: a elite política imperial. Teatro de sombras: a política imperial. 4. ed.Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003, Parte II, cap. 2, p. 291-328.
COSTA, E. V. da. Introdução ao estudo da emancipação política do Brasil. In: MOTA, C. G. (Org.). Brasil em perspectiva.São Paulo: DIFEL, 1981, p. 75-139.
______. Da Monarquia à República: momentos decisivos. São Paulo: Brasiliense, 1987, “A proclamação da República”, p.321-361.
COSTA, I. del N da. Ocupação, povoamento e dinâmica populacional. In: LUNA, F. V.; COSTA, I. del. N. da Minas colonial: economia e sociedade. São Paulo: FIPE/Pioneira, 1982, p. 1-30.
______. Repensando o modelo interpretativo de Caio Prado Júnior. In: PIRES, J. M.; COSTA, I. del N. da C. (Org.). O capital escravista-mercantil e a escravidão nas Américas. São Paulo: EDUC-FAPESP, 2010, p. 77-114. (disponível em http://www.afoiceeomartelo.com.br/posfsa/Autores/Costa,%20Iraci/AR68-Repensando-modelo-CPJR.doc).
D’ARAÚJO, M. C. Estado, classe trabalhadora e políticas sociais. In: FERREIRA, J.; DELGADO, L. de A. N. (Org.). O tempo do nacional-estatismo: do início da década de 1930 ao apogeu do Estado Novo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003, p. 213-239 (O Brasil republicano; v. 2).
DEAN, W. A ferro e fogo: a história e a devastação da mata atlântica. São Paulo: Companhia das Letras, 1997, 10 (Especulação e conservação), p. 228-253.
DELFIM NETTO, A. O problema do café no Brasil. São Paulo: EDUNESP, 2009, cap. 2, p. 61-100
DOLHNIKOFF, M. O pacto imperial: origens do federalismo no Brasil. São Paulo: Globo, 2005, Introdução, p.11-22.
FAORO, R. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. 2v., 5. ed. Porto Alegre: Globo, 1979, cap. VI (Traços gerais da organização administrativa, social, econômica e financeira da Colônia) p. 168-240.
FAUSTO, B. A revolução de 1930. In: MOTA, C. G. (Org.). Brasil em perspectiva. São Paulo: DIFEL, 1987, p. 227-255.
FRAGOSO, J. L. R. Homens de grossa ventura: acumulação e hierarquia na praça mercantil do Rio de Janeiro, 1790-1830. 2. ed. rev. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1998. cap. 1 (Os modelos explicativos da economia colonial), p.. 57- 116.
FRAGOSO, J. L. R.; FLORENTINO, M. G. O arcaísmo como projeto: mercado atlântico, sociedade agrária e elite mercantil em uma economia colonial tardia – Rio de Janeiro, c. 1790 – c. 1840. 4. ed. rev. e ampl. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001, cap. IV e V.
FRANCO, G. H. B. A primeira década republicana. In: ABREU, M. de P. (Org.). A ordem do progresso: cem anos de política econômica republicana, 1889-1989. Rio de Janeiro: Campus, 1989, p. 11-30.
FRANCO, M. S. de C. Homens livres na ordem escravocrata. São Paulo: EDUNESP, 1997, cap. 3 (O Homem Comum, a Administração e o Estado), p. 115-166.
FRITSCH, W. Apogeu e crise na Primeira República: 1900-1930. In: ABREU, M. de P. (Org.). A ordem do progresso: cem anos de política econômica republicana, 1889-1989. Rio de Janeiro: Campus, 1989, p. 31-72.
FURTADO, C. Formação econômica do Brasil: edição comemorativa, 50 anos. Organização Rosa Freire d’Aguiar Furtado. São Paulo: Cia. das Letras, 2009.
GODINHO, V. M. Portugal, as frotas do açúcar e as frotas do ouro (1670 – 1770). Estudos Econômicos, v.13 (número especial), p. 719-732, 1983.
GOMES, F.S. Quilombos no Rio de Janeiro no século XIX. In.: REIS, J.J.; GOMES, F.S. (Org.). Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1996, p. 263-290.
GORENDER, J. O escravismo colonial. 4ª ed. São Paulo: Ática, 1985, cap. IV, p. 101-117.
HESPANHA, A. M. Antigo regime nos trópicos? Um debate sobre o modelo político do império colonial português. In FRAGOSO, J.; GOUVÊA, M.F. (Org.). Na trama das redes: política e negócios no império português, séculos XVI-XVIII. Rio de Janeiro: Civiliação Brasileira, 2010, p. 43-93.
LAPA, J. R. do A. Caio Prado Júnior: Formação do Brasil contemporâneo. In: MOTA, L. D. (Org.). Introdução ao Brasil: um banquete no trópico. São Paulo: Editora SENAC, 1999, p. 257-272.
LUNA, F. V. Estrutura da posse de escravos. In: LUNA, F. V.; COSTA, I. del. N. da Minas colonial: economia e sociedade. São Paulo: FIPE/Pioneira, 1982, p. 31-55.
LUNA, F. V.; KLEIN, H. S. Evolução da sociedade e economia escravista de São Paulo, de 1750 a 1850. São Paulo: EDUSP, 2005, cap. 3 (O Crescimento do Café no Século XIX), p. 81-106.
MACEDO, J. de. Portugal e a economia “pombalina”: temas e hipóteses. Revista de História, São Paulo, n.19, p. 81-99, 1954.
MATTOS, H. Racialização e cidadania no Império do Brasil. In.: CARVALHO, J.M.; PEREIRA, L.M.B. (Org.). Repensando o Brasil dos Oitocentos: cidadania, política e liberdade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009, p. 349-391.
MELLO E SOUZA, L. Desclassificados do ouro: a pobreza mineira no século XVIII. Rio de Janeiro: Ed. Graal, 1982. Cap. 2 – Da utilidade dos vadios (p. 45-90).
MONASTERIO, L. M. FHC errou? A economia da escravidão no Brasil meridional. História e Economia,São Paulo, v. 1, n.1, 2005, p. 13-28. Disponível em http://www.bbs.edu.br/geral/03-Leonardo%20Monasterio.pdf.
NOVAIS, F. A. As dimensões da Independência. In: MOTA, C. G. (Org.). 1822: Dimensões. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1986, p. 15-26.
______. O Brasil nos quadros do antigo sistema colonial. In: MOTA, C. G. (Org.). Brasil em perspectiva. São Paulo: DIFEL, 1981, p. 47-63. (Leitura complementar: ______. Estrutura e dinâmica do antigo sistema colonial. São Paulo: Brasiliense, 1993, p. 15-67).
OLIVEIRA, F. Celso Furtado: Formação econômica do Brasil. In: MOTA, L. D. (Org.). Introdução ao Brasil: um banquete no trópico. 2.ed. São Paulo: Editora SENAC, 1999, p. 315-333.
PANTALEÃO, O. A presença inglesa. In: HOLANDA, S. B. de (Org.). História Geral da Civilização Brasileira. 6. ed. São Paulo: DIFEL, 1985, vol. 3, p. 64-99.
PETRONE, M. T. S. Imigração assalariada. HOLANDA, S. B. de (Org.). História Geral da Civilização Brasileira. 5. ed. São Paulo: DIFEL, t. 2: O Brasil Monárquico, v. 3: Reações e transações, 1985, p. 274-296.
PIRES, J. M.; COSTA, I. del N. da. Causas imediatas da superação do capital escravista-mercantil. In: ______. (Org.). O capital escravista-mercantil e a escravidão nas Américas. São Paulo: EDUC:FAPESP, 2010, p. 35-56.
PIRES, J. M.; COSTA, I. del N. da. O capital escravista-mercantil. In: ______. (Org.). O capital escravista-mercantil e a escravidão nas Américas. São Paulo: EDUC:FAPESP, 2010a, p. 13-33.
PRADO JR., C. História econômica do Brasil. 20. ed. São Paulo: Brasiliense, 1977.
______. Formação do Brasil Contemporâneo (colônia). São Paulo: Brasiliense; Publifolha, 2000.
SAES, F. A. M. de. Crédito e bancos no desenvolvimento da economia paulista: 1850-1930. São Paulo: IPE/USP, 1986, cap. III (O crédito privado e a emergência do Sistema Bancário em São Paulo 1850-1889), p. 61-93.
SAES, F. A. M. de. Estradas de ferro e diversificação da atividade econômica na expansão cafeeira em São Paulo, 1870- 1900. In: SZMRECSÁNYI, T.; LAPA, J. R. do A. (Org.). História Econômica da Independência e do Império.2ª ed. rev. São Paulo: Hucitec/ABPHE/EDUSP/Imprensa Oficial, 2002, p. 177-196.
SCHWARTZ, S. B. Segredos internos: engenhos e escravos na sociedade colonial. São Paulo: Cia. das Letras, 1988, cap. 8, p. 177-206.
SILVA, S. Expansão cafeeira e origens da indústria no Brasil. São Paulo: Alfa-Omega, 1976, cap. IV, p. 77-115.
SOUZA, M. C. C. de. O processo político partidário na Primeira República. In: MOTA, C. G. (Org.). Brasil em perspectiva. 12. ed. São Paulo: DIFEL, 1981, p. 162-226.
SZMRECSÁNYI, T. Retomando a questão do início da historiografia econômica no Brasil. Nova Economia, Belo Horizonte, v. 14, n.1, jan./abr. 2004, p. 11-37. (Também disponível em http://www.face.ufmg.br/novaeconomia/
sumarios/v14n1/Szmrecsanyi.pdf)
TEIXEIRA, R. A. Capital e colonização: a constituição da periferia do sistema capitalista mundial. In: PIRES, J. M; COSTA, I. del N. da C. (Org.). O capital escravista-mercantil e a escravidão nas Américas. São Paulo: EDUC:FAPESP, 2010, p. 155-223. (também disponível em http://www.scielo.br/pdf/ee/v36n3/a05v36n3.pdf).
TOPIK, S. A presença do estado na economia política do Brasil de 1889 a 1930. Rio de Janeiro: Record, 1987.
VERSIANI, F. R.; VERSIANI, M. T. A industrialização no Brasil antes de 1930: uma contribuição. Estudos Econômicos, São Paulo, v.5 n.1, jan./abr. 1975, p. 37-63.
VILLELA, A. V.; SUZIGAN, W. Política do governo e crescimento da economia brasileira: 1889-1945. 3. ed. Brasília: IPEA, 2001, cap. 3, p. 93-131..
 

Clique para consultar os requisitos para ACH3521

Clique para consultar o oferecimento para ACH3521

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2017 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP