Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 

Júpiter - Sistema de Gestão Acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação


Escola de Artes, Ciências e Humanidades
 
Artes, Ciências e Humanidades
 
Disciplina: ACH3716 - Psicologia Política e Políticas Públicas
Political Psychology and Public Policies

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 60 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2011 Desativação:

Objetivos
Ok
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
5830822 - Alessandro Soares da Silva
 
Programa Resumido
A disciplina trabalhará a emergência da Psicologia Política e suas relações com as ciências sócias bem como suas contribuições em alguns dos principais temas a que têm se dedicado e que guardam relação estreita com o campo das políticas públicas.

 
 
 
Programa
Psicologia Social e Ciências Sociais. Noção e objeto da disciplina. Aspectos históricos. Investigações empíricas e teóricas: Personalidade Autoritária. Natureza do comportamento político. Socialização política. Poder. Autoridade e Autoritarismo. Violência política e resistência. Liderança política e carisma. Teorias sobre conflito. Preconceitos e estereótipos como elementos de dominância social. Atitudes dos grupos e utopias do comportamento coletivo. Relações internacionais e tomada e de decisão na política internacional. Discurso político. Consciência Política. Memória Política. Opinião pública. Crise da opinião pública. Manipulação da opinião pública. Movimentos sociais e ações coletivas. Participação política. Participação política e políticas públicas. Participação política e desenvolvimento social. Formulação de políticas públicas e necessidades populares. Reivindicações populares e reivindicação de políticas públicas.
 
 
 
Avaliação
     
Método
Os alunos serão avaliados de forma continuada, através de duas provas, trabalhos em grupo e participação das atividades em sala de aula.
Critério
provas e/ou trabalhos
Norma de Recuperação
provas e/ou trabalhos
 
Bibliografia
     
Ansara, S. (2008). Memória Política, Ditadura Militar e Repressão no Brasil. Curitiba: Juruá.
Ardila, R. (1996). Political Psychology: the latin american perspective. Political Psychology, vol. 17, nº2.
Crochik, L. (1995). A (im) possibilidade da Psicologia Política. Em Azevedo, M. A e Menin, M. S. Psicologia e Política: reflexões sobre possibilidades e dificuldades deste encontro. São Paulo: Cortez.
Dorna, A. (1998). Fondements de la Psychologie Politique. París: PUF
Elster, J. (1995). Psicología Política. Gedisa. Barcelona.
Kordón, D. & Edelman, L. (1986). Efectos psicológicos de la represión política. Sudamericana Buenos Aires: Planeta.
Le Bon, G. (2001). La Psychologie Politique et la Défense Sociale.
Long, S.L. (1981). The Handbook of Political Psychology. Nova Iorque: Plenum Press.
Marin, L. (1999). Una mirada psicopolitica de la corrupcion. Rev. Psicología Politica (Valencia).
Valencia, N. M. (2006). Psicología Política, Resistencia y Democrácia. Buenos Aires: Siglo XXI.
Moscovici, S. (1985). La Era de Las Multitudes, México: F.C.E.
Montero, M. (Org.)(1987): Psicología Política Latinoamericana. Caracas : Ed. Panapo,
Mota, G. e cols. (1999) Psicología Política del Nuevo Siglo: una ventana a la cuidadanía. Mexico: Somepso.
Oblitas, L. & Rodriguez Kauth, A. (1999). Psicologia Politica. Mexico: Ed. Plaza y Valdés, Mexico.
Penna, A. (1990). Introdução à Psicologia Política. Rio de Janeiro: Relume-Dumará.
Rodriguez Kauth, A. (1992). Psicología Social, Psicología Política y Derechos Humanos. San Luis/Buenos Aires: Ed. Universitaria y Ed. Topía,
_____. (1998). Temas y Lecturas de Psicología Política. Buenos Aires: Editores de América Latina.
Sabucedo, J. M. (1996). Psicología Política. Madri: Sntesis.
Seoane, J. (1990). Psicología Política de la Sociedad Contemporánea. Valencia: Promolibro.
_____. & RODRIGUEZ, A. (1998). Psicologia Política. Madri: Pirâmide.
Silva, A. S. (2001). Consciência e Participação Política: uma abordagem psicopolítica. Interações 6 (12).
_____. (2008). Luta, resistência e Cidadania: uma análise psicopolítica dos movimentos e paradas LGBT. Curitiba: Juruá.
Suárez-González, M. (2008). Psicología Política. San José: Editorial UCR.
Subirats, E. (1971). Psicología Política como Tarea de Nuestra Época. España: Barral Ed.
Torres, A. R. R.; Lima, M. E. & Costa, J. B. (Orgs.). (2005). A Psicologia Política na Perspectiva Psicossociológica: o Estudo das Atividades Políticas. Goiânia: Editora da UCG.


Bibliografia Complementar

Aiuzpura, R. I. (2003). Psicologia Política; principais contribuições norte americanas no seculo XX. Revista Psicologia Política. Vol. 2, N.3
Barros, V.A. De la representation au pouvoir: une étude sur les trajectoires politiques des dirigeants syndicaux au Brésil. Tese Doutoramento. Paris: Paris VIII.
Enriquez, E. (1992). Da horda ao Estado, psicanálise do vínculo social. Petrópolis: Vozes.
Falcon, M. (2005). Psicología Política y Psicoanálisis. Revista Electrónica de Psicología Política. Año 2 Nº8. http://www.psicopol.unsl.edu.ar
Freud, S. (1921) Psicologia de Grupo e Análise do Ego. Obras Completas. Edição Standard Brasileira. Vol. XVIII. Rio de Janeiro: Imago Editora.
La Boétie, E. Discours de la servitude volontaire (séc. XVI); Discurso da servidão voluntária, tradução. Caderno de textos de filosofia, PUC-MG, s/d.
Lassewell, A. (1993). El Islamismo o la ideología de la infecunda regresión. Revista Tesis 11 Internacional, Buenos Aires, N° 13.
Le Bon, G. (2000). Psicología de las masas. Madri: Editorial D. Jorro [1895]
Lhullier, A. L. (1998). Psicologia Política. In Jacques et al. Psicologia Social Contemporânea. Petrópolis, RJ: Vozes.
Martín-Baró, I.. (1998). Psicología de la Liberación. Madrid: Editorial Trotta.
_____. (1988). La Machine à Faire des Dieux, Paris: Fayard.
Prado, M. A. M. (2001) Psicologia Política e Ação coletiva. Psicologia Política, 1(1) jan./jun..
Reich, W.: (1973). La Psicologia de Masas del Fascismo. México: Ed. Rocau [1933].
Rocchini, P. (1993). La neurosis del Poder. Madrid: Alianza Editorial.
Rodriguez Kauth, A. (2001): Vida Cotidiana: psiquismo, sociedad y política (algo de psicología social y política). Santiago de Compostela: Tórculo Edicións.
Sandoval, S. (1997). O comportamento político como campo interdisciplinar de conhecimento: a reaproximação da sociologia e da psicologia social. Em Camino, Lhullier & Sandoval. Estudos sobre Comportamento Político-teoria e pesquisa. Florianópolis: Letras Contemporâneas.
_____. (2004). Falando sobre temas de Psicologia Política – entrevista realizada por Andrea Fernanda Silveira. Psicologia Argumento, Vol. 22 N. 39.
Stone, W.F. (1974). The Psychology of Politics, The Free Press.
Tarde, G. (1969). The Public and The Crown, Selected Papers, USA: University of Chicago Press.
Tomizaki, K. A., (2007). Ser metalúrgico no ABC: transmissão e herança da cultura operária entre duas gerações de trabalhadores. Campinas: Centro de Memória da Unicamp/ Arte Escrita Editora/ FAPESP.
Uribe, F. J. (1997). Los Referentes Ocultos de la Psicología Política, México: UAM
Viana, A. L. (1989). Abordagens metodológicas em políticas públicas. Cadernos de Pesquisa NEPP nº 5, (Campinas: Unicamp/NEPP, 43pp.

 

Clique para consultar os requisitos para ACH3716

Clique para consultar o oferecimento para ACH3716

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2022 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP