Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 

Júpiter - Sistema de Gestão Acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação


Escola de Artes, Ciências e Humanidades
 
Artes, Ciências e Humanidades
 
Disciplina: ACH5015 - Assistência à Mulher na Família e na Comunidade
Women’s Health Care in the Family and Community Settings

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 1
Carga Horária Total: 90 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2022 Desativação: 14/07/2022

Objetivos
A disciplina deve instrumentalizar o aluno no âmbito da atenção básica para:
- Analisar e compreender os perfis epidemiológicos da mulher brasileira a partir da compreensão dos processos de produção e reprodução social à luz da Teoria da Determinação Social do Processo Saúde-Doença.
- Conhecer as transformações e adaptações das famílias brasileiras ao longo da história até a atualidade e as suas repercussões na assistência do cotidiano profissional.
- Conhecer as bases teóricas e metodológicas de instrumentos e ferramentas que permitam compreender a situação das famílias e como intervir efetivamente. 
- Conhecer programas e protocolos assistenciais voltados à promoção da saúde das mulheres, famílias e comunidades, desenvolvidos pelos profissionais de saúde na atenção básica no contexto do SUS.
- Desenvolver a capacidade de análise crítica, a criatividade e espontaneidade no planejamento de propostas de intervenção a curto, médio e longo prazo às mulheres e famílias no âmbito do SUS.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
5614629 - Christiane Borges do Nascimento Chofakian
5614661 - Nayara Girardi Baraldi
 
Programa Resumido
Resgatando a Historicidade da epidemiologia em saúde; as teorias interpretativas do Processo Saúde- Doença e a categoria gênero como categoria analítica. A Família hoje, as transformações e adaptações ao longo da história até a atualidade: desafios para a obstetrícia no contexto do SUS. Programas e protocolos da atenção básica na saúde das mulheres no contexto do SUS.
 
 
 
Programa
- Revisitando, discutindo e analisando o Processo saúde-doença à luz dos diferentes referenciais teóricos e a categoria gênero como categoria analítica.
- Diferencias conceituais Saúde Pública & Saúde Coletiva.
- Perfis epidemiológicos da mulher brasileira a partir da compreensão dos processos de produção e reprodução social à luz da Teoria da Determinação Social. 
- A família hoje: As transformações e adaptações que têm enfrentado ao longo da história até a atualidade. Tipos. Ciclos da Família. Processos e barreiras comunicacionais, sexualidade e projetos de vida. Separação e divórcio. Lutos. Instrumentos e ferramentas de intervenção. 
- Aproximação aos programas e as ações voltadas à mulher, família e comunidade desenvolvidos pelos profissionais de saúde na atenção básica no contexto do SUS: Instrumentos e Sistemas de Informação.
- A vigilância à Saúde: identificação de necessidades de saúde, ações educativas individuais e coletivas e articulação intersetorial. 
- Violência doméstica e intrafamiliar (Determinantes, notificação, condutas, estudo de casos). 
- Planejamento Reprodutivo e Sexualidade no âmbito da família.
- Protocolos da atenção básica na saúde das mulheres.
 
 
 
Avaliação
     
Método
Avaliação teórica individual ou em grupo; frequência e participação ativa nas aulas teóricas e nas atividades propostas na disciplina.
Critério
• Média ponderada dos itens de avaliação. • O aluno será aprovado se a média final for maior ou igual a 5 (cinco) e tiver frequência maior ou igual a 70%. Prova substitutiva • Apenas para alunos que certificarem ausência às avaliações.
Norma de Recuperação
Norma de recuperação • Prova de recuperação sobre o conteúdo de todo o semestre para os alunos que não obtiverem média final igual a 5 (cinco).
 
Bibliografia
     
Bibliografia básica
• FERNANDES, R.A.Q.; NARCHI, N.Z. (Org.) Enfermagem e saúde da mulher. São Paulo: Manole, 2007.
• CUBAS, M. R; NOBREGA, M. M. L Atenção Primária em Saúde: Diagnósticos, resultados e intervenções de Enfermagem. 1ed.São Paulo - SP: Elsevier Editora, 2015.
• HOFFMAN, B.L.; SCHORGE J.O.; SCHAFFER, J.; HALVORSON, L.M.; BRADSHAW, F.; CUNNINGHAM, G. Ginecologia de Williams. 2ª. ed. São Paulo: Artmed, 2011.
Bibliografia complementar
• BRASIL. Ministério da Saúde. Protocolos da atenção básica: saúde das mulheres. Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa. Brasília: Ministério da Saúde, 2016.
• BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde Sexual e Saúde Reprodutiva. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.
• BRASIL. Ministério da Saúde. Controle dos cânceres do colo do útero e da mama / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – 2. ed. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2013. • BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Cadernos de atenção domiciliar. Melhor em casa: a segurança do hospital dentro do seu lar. 2ªed: Brasília: Ministério da Saúde, 2013.
• BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Manual de Atenção à Mulher no Climatério / Menopausa. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2008.
• BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais / Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa, Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Brasília: 1. ed., 1. reimp. Ministério da Saúde, 2013.
• CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION (CDC). CDC's U.S. Medical Eligibility Criteria for Contraceptive Use. MMWR Recomm Rep. 2010; 59:1–86.
• FIGUEIREDO, R.; BORGES, A.L.V.; PAULA, S.H.B. (Org.). Panorama da contracepção de emergência no Brasil. São Paulo: Instituto de Saúde; 2016. p. 83-101.
• FONSECA, C. Concepções de família e práticas de intervenção: uma contribuição antropológica. Saúde e Sociedade. 2005; 14(2):50-59.
• INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER (INCA). Diretrizes brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero / Instituto Nacional de Câncer. Coordenação Geral de Ações Estratégicas. Divisão de Apoio à Rede de Atenção Oncológica. – Rio de Janeiro: INCA, 2011.
• INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER (INCA). Controle do câncer de mama. 2021.
• OBERG, L.P. O conceito de comunidade: problematizações a partir da psicologia comunitária. Estudos e Pesquisas em Psicologia. 2018; 18(2):709-728.
• ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS). Escola Bloomberg de Saúde Pública da Universidade Johns Hopkins. Projeto INFO. Planejamento familiar: um manual global para profissionais e serviços de saúde. Baltimore e Genebra: CPC e OMS, 2007.
• UNITED NATIONS (UN). Department of Economic and Social Affairs, Population Division. Contraceptive Use by Method 2019: Data Booklet (ST/ESA/SER.A/435); 2019.
• SILVERTHORN, D.U. Fisiologia humana: uma abordagem integrada. 5ªed: Artmed, 2011.
 

Clique para consultar os requisitos para ACH5015

Clique para consultar o oferecimento para ACH5015

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2024 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP