Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 

Júpiter - Sistema de Gestão Acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação


Faculdade de Arquitetura e Urbanismo
 
Projetos
 
Disciplina: AUP2301 - Design de Alcance Sociocultural
Design Range Sociocultural

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 60 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2012 Desativação:

Objetivos
1. Conceituar e desenvolver projeto e modelo em design que atenda a uma demanda sociocultural, presente ou pressentida dentro da área de interesse profissional do design brasileiro na presente época.
2. A disciplina propõe que tal demanda não esteja obrigatoriamente circunscrita aos reclames mercadológicos.
3. Segundo expressão do pensador Jürgen Habermas para esse tipo de período histórico atual, vive-se uma passagem cultural (Turn), que neste caso, a disciplina propõe ser da Era Digital para a Era Biológica.
4. O teórico do design Bernhard Bürdek denominou tal processo histórico como passagem (Virada) em design, condição que a disciplina abordará como Virada Bioinformática em Design.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
2095550 - Daniela Kutschat Hanns
 
Programa Resumido
• Aulas Conceituais
• Seminários
• Exposição e debate dos projetos discentes
 
 
 
Programa
1. Aulas Conceituais
• Viradas Culturais e Viradas em Design. A Virada Bioinformática em Design
• Estudo de casos atuais
• Análise da problemática projetual proposta pela disciplina
2. Seminários
• De Textos
• De Análise crítica das propostas discentes

3. Exposição e debate dos projetos discentes
• Apresentação dos trabalhos pelas equipes
• Análise e discussão das propostas
• Avaliação geral da disciplina
 
 
 
Avaliação
     
Método
• Avaliação de participação individual em todas as etapas de trabalho.
• No caso de trabalho em grupo, além da avaliação individual, se acrescenta o da qualidade e inovação das propostas apresentadas, em vista das demandas propostas pela disciplina.
Critério
• Dedicação pessoal
• Criatividade e inovação
• Qualidade das peças gráficas e dos modelos
• Sustentabilidade e ética profissional
• Qualidade técnica face as demandas propostas
Norma de Recuperação
• Mediante novo trabalho individual, proposto pela disciplina
Obs – somente para alunos não reprovados por falta e com média superior a 3,0 (três)
 
Bibliografia
     
BAECKER, R., BUXTON, W., GREENBERG, S., and GRUDIN, J. Readings in Human-Computer Interaction: Toward the Year 2000. Morgan Kaufmann Publishers, Inc. (San Francisco, CA, 1995), pp. 142-146.
CARSON, David; BLACKWELL, Lewis. The end of print: the grafik design of David Carson. Italia: Chronicle, 2000.
CONRAM, T.; FRASER, M. Designers on design. New York: Conran Octopus, 2004. p. 74-75.
COSTA, Carlos Zibel. Da prancheta ao hiperespaço: pós-estruturalismo e viradas em design. In: Revista Desígnio, número 7.
São Paulo: Editora Anna Blume, 2008.
DRATE, S., ROBBINS, D. e SALAVELTZ, J. Motion by Design. England: Laurence King, 2006.
FIELL, Peter. Graphic Design for the 21st century: 100 of the world’s best graphic designers. Köln: Taschen, 2003.
JOHNSON, Steven. Emergência: a vida integrada de formigas, cérebros, cidades e softwares. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.
________________ Cultura da interface: como o computador transforma nossa maneira de criar e comunicar. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 2001.
MANZINI, Ezio; VEZZOLI, Carlo. O desenvolvimento de produtos sustentáveis: os requisitos ambientais dos produtos industriais. São Paulo: Edusp, 2002.
MAU, Bruce. Massive Change. London: Phaidon Press, 2004.
MELO, Chico Homem de. Os desafios do designer: e outros textos sobre design gráfico. São Paulo: Edições Rosari, 2003.
MOGGRIDGE, Bill. Designing interactions. Cambridge: MIT Press, 2007.
PRADO, Gilbertto. Arte telemática: dos intercâmbios pontuais aos ambientes virtuais multiusuário. São Paulo: Itaú Cultural, 2003.
SANTAELLA, Lucia. Culturas e artes do pós-humano: da cultura das mídias à cibercultura. São Paulo: Paulus, 2003.
SHERMAN, W.; CRAIG, A. Understanding Virtual Reality: Interface, Application and Design. New York: Morgan Kaufmann, 2003.
TEICHRIEB, V. (Org.) ; FATIMA L S N Marques (Org.) ; MACHADO, L. (Org.) ; TORI, R. (Org.) . Realidade Virtual e Aumentada na Prática. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2008. v. 1.
VASSÃO, Caio. Arquitetura livre. São Paulo: FAUUSP, 2008. (Tese de Doutorado).
VOLPATO, Neri. Prototipagem Rápida: Tecnologias e Aplicações. São Paulo: Edgard Blücher, 2007.

Bibliografia Geral:

ARGAN, Giulio Carlo. História da arte como história da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 2005.
BOURRIAUD, Nicholas. Relational Aesthetics. França: Les Presses du Réel, 2002.
BÜRDEK, Bernhard E. História, teoria e prática do design de produtos. São Paulo: Edgard Blücher, 2006.
CANCLINI, Néstor G. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: EDUSP, 2006.
CARDOSO, Rafael. Uma introdução à história do design. 2. ed. São Paulo: Edgard Blücher, 2004.
COSTA, Carlos Zibel. Além das Formas: uma introdução ao pensamento contemporâneo nas artes, no design e na arquitetura. São Paulo: FAU-USP, 2008. Tese de Livre Docência.
FARIAS, Priscila e QUEIROZ, João (orgs.) Advanced Issues on Cognitive Science and Semiotics. Aachen: Shaker Verlag, 2006.
FLUSSER, Vilém. O mundo codificado: por uma filosofia do design e da comunicação. Organização Rafael Cardoso. São Paulo: Cosac Naify, 2007.
FOSTER, Hal. Design and crime (and other diatribes). New York: Verso, 2002.
GUATTARI, Félix. Da produção de subjetividade. Tradução Suely Rolnik. In: PARENTE, André. Imagem-máquina: a era das tecnologias do virtual. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993, p. 171-191.
GORMAN, Carman (Ed.). The industrial designer reader. New York: Allworth Press, 2003.
HABERMAS, Jürgen. Discurso filosófico da modernidade. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 2002.
HOFFMAN, Donald D. Inteligência visual: como criamos o que vemos. Rio de Janeiro: Campus, 2000.
KASTRUP, Virgínia. A rede: uma figura empírica da ontologia do presente In PARENTE, André (Org.).Tramas da rede: novas dimensões filosóficas, estéticas e políticas da comunicação. Porto Alegre: Sulina, 2004, p. 80-90.
LEWIN, Roger. Complexidade: a vida no limite do caos. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.
LIPOVETSKY, Gilles. Os tempos hipermodernos. São Paulo: Barcarolla, 2004. MACIEL, Kátia; PARENTE, André (orgs.). Redes sensoriais: arte, ciência, tecnologia. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2003
MAEDA, John. Maeda@Media. New York; Rizolli, 2000.
¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬MELO, Chico Homem de. Signofobia. São Paulo: Edições Rosari, 2005.
MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 2007.
NEGROPONTE, Nicholas. Vida digital. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.
SPUYBROEK, Lars. The architecture of continuity: essays and conversations. Rotterdam: V2 Publishing, 2008.
SPYER, Juliano. Conectado: o que a internet fez com você e o que você pode fazer com ela. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.
TASSINARI, Alberto. O espaço moderno. São Paulo : Cosac & Naify, 2001.
WHITELEY, Nigel. O designer valorizado In: Revista Arcos, volume l, número único de 1998. Rio de Janeiro: ESDI, p. 63-75.
WU, Chin-Tao. Privatização da cultura: a intervenção corporativa nas artes desde os anos 1980. São Paulo: Boitempo, 2006.
 

Clique para consultar os requisitos para AUP2301

Clique para consultar o oferecimento para AUP2301

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2021 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP