Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Instituto de Biociências
 
Botânica
 
Disciplina: BIB0506 - Anatomia da Madeira e da Casca e Princípios de Dendroecologia
Wood and bark anatomy and fundamentals of dendroecolgoy

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 1
Carga Horária Total: 90 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2017 Desativação:

Objetivos
Ensinar aos alunos os fundamentos teóricos e práticos da anatomia da madeira e da dendroecologia; capacitá-los a fazer a identificação taxonômica da madeira usando lupa de 10 aumentos e microscópio; compreender as principais tendências ecológicas de variação das características do lenho; apresentar os princípios da dendrocronologia, datação de árvores e da obtenção de informações ambientais estocadas na madeira.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
798626 - Gregório Cardoso Tápias Ceccantini
 
Programa Resumido
Métodos de coleta e preparação de material. Princípios de identificação de madeiras. Origem e organização do sistema axial e radial do lenho. Parede celular. Madeira das principais famílias de eudicotiledôneas. Caracteres anatômicos macroscópicos e microscópicos. Tendências ecológicas na organização do lenho. Leitura e interpretação de anéis de crescimento, datação de árvores e medidas de incremento. Fundamentos da dendrocronologia como “crossdating”.
 
 
 
Programa
1. Métodos de coleta em campo; 2. Preparação de amostras de madeira e casca em laboratório: macroscopia, maceração, microtomia; 3. Origem e organização dos sistemas axial e radial do lenho de Angiospermas e coníferas; 4. Estudo da parede celular, suas camadas e comunicações; 5. Organização e diversidade morfológica nos tecidos do lenho;. 6. Madeira das principais famílias de eudicotiledôneas. 7. Princípios e ferramentas de identificação macroscópica e microscópica de madeiras: iconografias, chaves, bancos de dados; 8. Fundamentos para coleta e organização de xilotecas. 9. Tendências ecológicas na organização do lenho; 10. Princípios de leitura e interpretação de anéis de crescimento de árvores. 11. Fundamentos de dendrocronologia e estudos sobre anéis de crescimento: “crossdating” ou interdatação, intercorrelação, anos marcadores;
 
 
 
Avaliação
     
Método
Atividades de campo, aulas expositivas dialogadas, aulas práticas em laboratório, elaboração de trabalho prático em laboratório.
Critério
A nota final será calculada através da média das notas de todas as atividades pontuadas em escala de 0 a 10. Pesos diferentes à cada atividade serão divulgados, se necessário, no início da disciplina. O aluno será aprovado quando a nota final for igual ou superior a 5,0 (cinco).
Norma de Recuperação
Não há recuperação, visto que a disciplina é dominantemente prática
 
Bibliografia
     
BURGER, L.M. & H.G. RICHTER, 1991. Anatomia da madeira. Nobel, São Paulo, 154p.
CARLQUIST, S., 1988. Comparative wood anatomy - systematic ecological and evolutionary aspects of Dicotiledonean wood. Springer Verlag, Berlin, 436p.
CARLQUIST, S., 1988. Ecological strategies of xylem evolution. University of California Press, Berkeley. 259p.
CECCANTINI, G. C. T., SCHONGART, J., SOLIZ-GAMBOA, C. Os anéis de crescimento das árvores: desvendando as mudanças climáticas. Biologia e Mudanças climáticas no Brasil, São Carlos, Brasil, RiMa, 2008, p. 57 – 75.
COOK, E.R. & A. KAIRIUKSTIS. (1994) Methods of dendrochronology: applications in the environmental sciences. Kluwer Academic Publishers, 394p.;
HOADLEY, R.B.1990. Identifyng wood: Accurate results with simple tools. The Tauton Press. 223.
IAWA COMMITTEE, 1989. IAWA list of microscopic features for hardwood identification. IAWA Bull. n.s. 10:(3): 219-332.
RAVEN, P.; EVERT, R.F. & EICHORN, S.E. 1996. Biologia vegetal. Guanabara-Koogan. Rio de Janeiro.
WORBES, M. (1995). How to measure growth dynamics in tropical trees. A review – IAWA Journal 16: 337-351.
ZIMMERMANN, M.H. & BROWN, C.L., 1971. Trees structure and function. Springer Verlag, New York, 336p.

Complementar
BAAS, P. & SCHWEINGRUBER, F.H. 1987. Ecological trends in the wood anatomy of trees, shrubs and climbers from Europe. IAWA Bull. N.s., 8(3): 245-274.
BAAS, P., WERKER, E. & FAHN, A. 1983. Some ecological trends in vessel characters. IAWA Bull. n.s. 4(2): 141-159.
BRUNNER, M.; L.J. KUCERA; E. ZÜRCHER, 1994. Major timber trees of Guyana. Tropenbos Series 10. Tropenbos Foundation, Wageningen. 182p.
DEAN, J.S., D.M. MEKO & T.W SWETNAM (Eds) 1996. Tree rings, environment and humanity. Proceedings of the International Conference, Tucson, Arizona, 17-21 de maio de 1994. Radiocarbon, Department of Geosciences, Tucson, 889p;
LOCOSSELLI, G.M.; M.S. BUCKERIDGE; M.Z. MOREIRA e CECCANTINI, G.C.T. A multi-proxy dendroecological analysis of two tropical species (Hymenaea spp., Leguminosae) growing in a vegetation mosaic. Trees 27, 25-36, 2013
SOLIZ-GAMBOA, C., ROZENDAAL, DANAË M. A., CECCANTINI, G., ANGYALOSSY, Veronica, BORG, K., ZUIDEMA, P. A. Evaluating the annual nature of juvenile rings in Bolivian tropical rainforest trees. Trees (Berlin. Print). , v.25, p.17 - 27, 2011.
SCHÖNGART, J.W.J. Junk, M.T.F. Piedade, A. Hüttermann & M. Worbes (2005) Teleconnection between forest growth inf the Amazonian floodplains and El Niño (Global Change Biology).
SWETNAM, T.W. (193) Fire history and climate change in Giant Sequoia groves. Science 262: 885-889;
WORBES, N. & W.J. Junk (1989) Dating tropical trees by means of 14C from bomb tests. Ecology 70(2): 503-507WORBES, M. & W.J. Junk (1999) How old are Tropical Trees? The persistence of a myth. IAWA Journal 20:3: 255-260.
 

Clique para consultar os requisitos para BIB0506

Clique para consultar o oferecimento para BIB0506

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2019 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP