Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Instituto de Relações Internacionais
 
Bacharelado em Relações Internacionais
 
Disciplina: BRI0051 - Política Climática
Climate Policy

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 60 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2015 Desativação:

Objetivos
O curso vai dar uma visão abrangente sobre a diplomacia internacional do clima. Os alunos, após o curso, deverão estar bem informados sobre os principais sistemas de regras em vigor (a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (UNFCCC) e do Protocolo de Quioto), serem capazes de identificar problemas de ação coletiva em governança climática e compreender as interações entre governança climática e outras áreas temáticas.
Objetivos de aprendizagem secundárias referem-se a aspectos técnicos do tema: conceitos básicos de ciência climática e as emissões de gases de efeito estufa provenientes de combustíveis fósseis e outras fontes (ou seja, desmatamento) e as grandes inovações tecnológicas estão atualmente em estágio de pesquisa ou de desenvolvimento para melhorar a mudança climática.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
2112930 - João Paulo Candia Veiga
 
Programa Resumido
O curso enfoca a dimensão internacional da governança climática. As questões-chave são as constelações de atores e interesses (em particular a distinção crucial entre os países industrializados e em desenvolvimento emissores), a estrutura institucional na área de emissão, as ligações entre as mudanças climáticas e outros campos, e as perspectivas para o processo atualmente em curso no sentido de um tratado climático internacional pós-2020. Em segundo lugar, uma série de questões técnicas será discutida: a base científica das mudanças climáticas antropogênicas, o papel dos sistemas de energia (especialmente combustíveis fósseis) e investigação em curso sobre soluções tecnológicas para as mudanças climáticas (geo-engenharia, a captura de carbono um armazenamento, reflorestamento etc.). O curso termina com uma sessão sobre a ética do clima.
 
 
 
Programa
1. Introdução: causas da mudança climática antropogênica e o papel do sistema global de energia
2. Respostas à mudança climática: adaptação e atenuação
3. A constelação internacional de atores e interesses
4. História das negociações climáticas sob a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (UNFCCC)
5. A Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (UNFCCC) e o regime do Protocolo de Quioto
6. Os mecanismos de flexibilidade de Quioto: comercialização de emissões, implementação conjunta e o mecanismo de desenvolvimento limpo
7. A relação entre governança climática e regimes outros regimes ambientais: desmatamento, ozônio, biodiversidade, acidificação dos oceanos
8. A relação entre governança climática e regimes não-ambientais: refugiados climáticos, segurança alimentar, energia e a securitização da mudança climática
9. Soluções tecnológicas: eficiência energética, renováveis, geo-engenharia, recolhimento e estocagem de carbono, redução de emissões por desmatamento e degradação florestal
10. Ceticismo e negação do clima
11. A Plataforma de Durban e as opções para um tratado internacional do clima pós-2020
12. Ética do clima
 
 
 
Avaliação
     
Método
Aulas expositivas e, eventualmente, outras atividades compatíveis com as exigidas dos alunos, conforme inciso 1º do artigo 65 do Regimento Geral da USP.
Critério
Conforme artigos 81 a 84 do Regimento Geral da USP, as notas variarão de zero a dez e para ser aprovado o aluno deverá obter nota final igual ou superior a cinco e ter, no mínimo, setenta por cento de frequência na disciplina.
Norma de Recuperação
Poderão participar da recuperação os alunos que alcançarem média final mínima 3,0 e frequência mínima de 70%, em conformidade com a Resolução CoG nº 3583.
 
Bibliografia
     
Aldy, J. E., & Stavins, R. N. (Eds.). (2009). Post-Kyoto international climate policy: implementing architectures for agreement. Cambridge University Press.

Andresen, S. (2014). The climate regime: A few achivements, but many challenges. Climate Law, 4(1-2), 21-29.

Biermann, F., & Boas, I. (2010). Preparing for a warmer world: Towards a global governance system to protect climate refugees. Global Environmental Politics, 10(1), 60-88.

Bodle, R., Oberthür, S., Donat, L., Homann, G., Sina, S., & Tedsen, E. (2013). Options and Proposals for the International Governance of Geoengineering. Environmental research of the Federal Ministry for the Environment, Nature Conservation and Nuclear Safety. Ecologic Institute: Berlin.

Bothe, M. (2014). Doha and Warsaw: Reflections on climate law and policy. Climate Law, 4(1-2), 5-20.

Dafoe, J., & Kysar, D. A. (2014). ‘Go Ahead Without Us’: Global Climate Change Policy in the Absence of Full Participation. Transnational Environmental Law, 3(01), 7-15.

Dimitrov, R. S. (2010). Inside Copenhagen: the state of climate governance. Global Environmental Politics, 10(2), 18-24.


Gardiner, S. M. (2006). A perfect moral storm: climate change, intergenerational ethics and the problem of moral corruption. Environmental Values, 397-413.

Hare, W., Stockwell, C., Flachsland, C., & Oberthür, S. (2010). The architecture of the global climate regime: a top-down perspective. Climate Policy, 10(6), 600-614.

Harris, P. G., Chow, A. S., & Karlsson, R. (2013). China and climate justice: moving beyond statism. International Environmental Agreements: Politics, Law and Economics, 13(3), 291-305.

Intergovernmental Panel on Climate Change (2013). AR 5 Synthesis Report. Geneva.

Jacques, P. J., Dunlap, R. E., & Freeman, M. (2008). The organisation of denial: Conservative think tanks and environmental scepticism. Environmental politics, 17(3), 349-385.

Keohane, R. O., & Victor, D. G. (2011). The regime complex for climate change. Perspectives on politics, 9(01), 7-23.

Kulovesi, K. (2012). Addressing Sectoral Emissions outside the United Nations Framework Convention on Climate Change: What Roles for Multilateralism, Minilateralism and Unilateralism?. Review of European Community & International Environmental Law, 21(3), 193-203.

Oberthür, S., & Roche Kelly, C. (2008). EU leadership in international climate policy: achievements and challenges. The International Spectator, 43(3), 35-50.

Richter, B. (2010). Beyond smoke and mirrors: Climate change and energy in the 21st century. Cambridge University Press.

United Nations Environment Program. (2013). Emissions gap report 2013. Nairobi.

Urpelainen, J. (2013). A model of dynamic climate governance: dream big, win small. International Environmental Agreements: Politics, Law and Economics, 13(2), 107-125.

Victor, D. G., Morgan, M. G., Apt, J., Steinbruner, J., & Ricke, K. (2009). The geoengineering option: a last resort against global warming?. Foreign Affairs, 64-76.
 

Clique para consultar os requisitos para BRI0051

Clique para consultar o oferecimento para BRI0051

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2017 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP