Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Instituto de Relações Internacionais
 
Bacharelado em Relações Internacionais
 
Disciplina: BRI0054 - Política Comparada
Comparative Politics

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 60 h
Tipo: Semestral
Ativação: 15/07/2015 Desativação:

Objetivos
O curso tem como objetivo central apresentar uma introdução aos conceitos fundamentais da política comparada e o método comparado, introduzindo os estudantes a alguns dos principais enfoques teóricos e debates contemporâneos na política comparada em duas dimensões: a doméstica e a internacional. Dentro do escopo do método comparado, a ciência política investiga temas como: as causas da democratização e sobrevivência do regime democrático, desenvolvimento econômico, revoluções sociais, instituições políticas e o Estado, Instituições Internacionais, Blocos Regionais, Conflitos Internacionais, Cooperação Internacional, Políticas Públicas, entre outros. Assim, a disciplina busca oferecer ao mesmo tempo treinamento metodológico e conhecimento substantivo de uma importante área da ciência política e relações internacionais. A comparação de processos políticos em distintos países, regiões ou mesmo dentro de um próprio país auxilia o estabelecimento de relações causais e o desenvolvimento de teorias e hipóteses a serem testadas empiricamente. Para tanto, a política comparada faz o uso de métodos qualitativos e quantitativos, contribuindo para uma formação plural dos estudantes do curso.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
3495374 - Pedro Feliú Ribeiro
 
Programa Resumido
A disciplina está dividida em três unidades. A primeira unidade será dedicada à compreensão dos elementos fundamentais da política comparada e o método comparado. Mais especificamente, serão abordados temas como o motivo de se comparar e suas vantagens, o desenho de pesquisa comparado, a escolha dos casos, métodos quantitativos mais utilizados na política comparada e os métodos qualitativos mais utilizados na política comparada. A segunda unidade, focada no método comparado em temas substantivos dentro da dimensão doméstica, visa abordar temas tradicionais da política comparada. A abordagem dos processos de democratização tanto como variável dependente quanto variável independente e a influência das instituições no comportamento político são exemplos da temática substantiva da disciplina. A terceira unidade, focada na dimensão internacional, visa abordar a perspectiva comparada de importantes áreas de estudo das relações internacionais como o processo decisório em temas de política externa, a comparação entre blocos regionais, os estudos comparados pertencentes ao programa de pesquisa calcado na paz democrática e finalmente a compreensão dos conflitos internacionais e guerras civis a partir dos estudos comparados. Assim,
 
 
 
Programa
I. Unidade I – Conceitos e Método Comparado
1. Porque comparar?
2. Seleção de casos
3. Comparação de N grande
4. Comparação de N pequeno
II. Unidade II – A dimensão Doméstica
1. Estabilidade do Regime Democrático
2. Relações Executivo - Legislativo
3. Sistemas Eleitorais e Partidários na América Latina
4. Democracia e Desenvolvimento Econômico
5. Reforma do Estado
III. Unidade III – A dimensão Internacional
1. Política Externa Comparada
2. Integração Regional
3. Teoria da Paz Democrática
4. Conflitos Internacionais e Civis
 
 
 
Avaliação
     
Método
Aulas expositivas, seminários, exercícios práticos no laboratório de informática, leituras orientadas e um ensaio a ser entregue no final do curso .
Critério
Conforme artigos 81 a 84 do Regimento Geral da USP, as notas variarão de zero a dez e para ser aprovado o aluno deverá obter nota final igual ou superior a cinco e ter, no mínimo, setenta por cento de frequência na disciplina.
Norma de Recuperação
Poderão participar da recuperação os alunos que alcançarem média final mínima 3,0 (três) e frequência mínima de 70% (setenta), em conformidade com a Resolução CoG nº 3583.
 
Bibliografia
     
Acharya, A and Johnston, A. (2007). Crafting Cooperation: Regional International Institutions in Comparative Perspective. Cambridge: Cambridge University Press.
Alcántara, M. y Rivas, C. (2007), “Las dimensiones de la polarización partidista en América Latina”. Política y Gobierno, vol. XIV, No. 2, pp. 349-390.
Ava, P. e Merke, F. (2011), “Opinión Pública y Política Exterior: La Argentina en Perspectiva Comparada”. Diálogo Político, vol. XXVIII, No. 3, pp. 203-227.
Baer, W. and Maloney, W. (1997), “Neoliberalismo e Distribuição de Renda na América Latina”. Revista de Economia Política, vol. 17, No. 3. Disponível em: www.rep.org.br/pdf/67-4.pdf.
Breuning, Marijke. (2007). Foreign Policy Analysis: a comparative introduction. New York: Palgrave Macmillan.
Caporaso, J.; Hermann, C.; Kegley, C.; Rosenau, J. and Zinnes, D. (1987), “The Comparative Study of Foreign Policy: Perspectives for the future”, International Studies Notes, 13(2): 32-46.
Cheibub, J.; Przeworski, A. and Saiegh, S. (2004), “Government Coalitions and Legislative Success Under Presidentialism and Parliamentarism”. British Journal and Political Science, 34: 565-587.
Coppedge, M. (1998), “The Dynamic Diversity of Latin American Party Systems”. Party Poltics, 4: 547-568.
Cox, W. and Morgenstern, S. (2002), Latin America's reactive assemblies and proactive presidents. In: MORGENSTERN, S.; NACIF, B. Legislative politics in Latin America. Cambridge: Cambridge University Press.
Hankla, C. (2006), “Party Strength and International Trade: A Cross National Analysis". Comparative Political Studies, 39(9): 1133-1156.
Hix, S. (2004), ‘Electoral Institutions and Legislative Behavior. Explaining Voting Defection in the European Parliament’, World Politics, 56(2): 194-223.
Landman, Todd. (2003). Issues and Methods in Comparative Politics: An Introduction, New York: Routledge.
Lektzian, D. and Souva, M. (2009), “A Comparative Theory Test of Democratic Peace Arguments, 1946–2000”, Journal of Peace Research, 46 (1): 17–37.
Lipset, S. M. (2007). “Algunos requisitos sociales de la democracia: desarrollo económico y legitimidad política”, en Albert Batlle, ed., Diez textos básicos de ciencia política, Barcelona: Ariel.
Lombaerde, P.; Soderbaum, F; Van Langenhove, L and Baert, F. (2009). “The Problem of Comparison in Comparative Regionalism”. Trabalho apresentado no Simpósio Regionalism and the European Union, Miami, Estados Unidos, 6 de Abril de 2009.
Moore, Barrington (2001). Los orígenes sociales de la dictadura y la democracia, Barcelona: Península.
Oneal, J. and Russet, B. (2001). Triangulating Peace: Democracy, Interdependence, and International Organizations. New York: The Norton Series in World Politics.
Palermo, Vicente. (1998), “Os caminhos da Reforma na Argentina e no Brasil”. Lua Nova, No. 45. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ln/n45/a06n45.pdf
Przeworski, A. (2003). Democracy and Economic Development. Columbus: Ohio University Press.
Przeworski, A.; Alvarez, M.; Cheibub, J. and Limongi, F. (1996), What Makes Democracies Endure? Chicago: The Johns Hopkins University Press.
Rihoux, B. and Ragin, C. (2009), Configurational Comparative Methods: Qualitative Comparative Analysis (QCA) and Related Techniques. New York: Sage Publications.
Sartori, Giovanni (1995). La política. Lógica y método en las ciencias sociales, México D.F.: Fondo de Cultura Económica. Capítulo IX “El método de la comparación y la política comparada”, págs. 261-302.
Schlosser, D. and Quenter, S. (1996), “Macro-Quantitative vs Macro-Qualitative Methods in Political Science – Advantages and Disadvantages of Comparative Procedures using the Welfare-State Theory as an example”, Historical Social Research, 21(1): 3-25.
Waltz, K. (1967). Foreign Policy and Democratic Politics: The American and British Experience. Boston: Little Brown.
Zimerman, A. (2008). Peguem aa foice e vamos à luta: determinantes agrários da guerra civil. São Paulo: Humanitas.
Zovatto, Daniel. (2005), “Financiamento dos partidos e campanhas eleitorais na América Latina: uma análise comparada”. Opinião Pública, vol.11, n.2, pp. 287-336. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/op/v11n2/26417.pdf.
 

Clique para consultar os requisitos para BRI0054

Clique para consultar o oferecimento para BRI0054

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2017 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP