Informações da Disciplina

Júpiter - Sistema de Gestão Acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação


Escola de Comunicações e Artes
 
Artes Cênicas
 
Disciplina: CAC0568 - Dramaturgia I
Dramaturgy I

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 2
Carga Horária Total: 120 h ( Práticas como Componentes Curriculares = 15 h )
Tipo: Semestral
Ativação: 15/07/2015 Desativação:

Objetivos
1. Trabalhar a dramaturgia, numa acepção extensa, articulando o(s) conceito(s) ação aos
constitutivos da cena.
2. Explorar territórios dramáticos, analisando os elementos fundamentais que os
configuram, buscando-se as especificidades, as bordas e as possíveis zonas de
intersecção.
3. Promover o desenvolvimento de um olhar acurado para o jogo com as diversas
textualidades cênicas e com outros campos artísticos.
4. Desenvolver práticas de leitura e de escrita em Língua Portuguesa.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
2104013 - Felisberto Sabino da Costa
 
Programa Resumido
A disciplina fundamenta-se em análises de matrizes dramatúrgicas de referência em que a explicitação de procedimentos atua como suporte para a elaboração de exercícios práticos.
 
 
 
Programa
A disciplina caracteriza-se como introdução à dramaturgia e fundamenta-se em análises
de estruturas dramatúrgicas de referência em que a explicitação de procedimentos atua
como lastro para a concepção de exercícios práticos – fatura de cenas curtas. Há a
possibilidade, por exemplo, de tecer relações entre os princípios que regem a atuação, no
que se refere à dramaturgia do ator, e as diversas camadas dramatúrgicas que constituem
a cena. Composto por dois blocos, o primeiro toma o drama como eixo e se estende dos
gregos até o período tido como a eclosão da sua crise. Não se propõe uma abordagem
cronológica, antes se buscam trilhas que se movem aos saltos, galvanizadas por algo que
nos move naquele instante, que pode ser um personagem, os silêncios, os diálogos, o
corpo, as rubricas etc. O outro bloco, cujo eixo norteador é o épico e abrange o mesmo
período, compõe-se de estruturas que provocam fissuras no modelo anterior em diversos
graus.

I - Drama e Artes Cênicas:
Aproximação ao texto dramático: matéria e forma.
Estruturas dramáticas: Fábula. Ação. Intriga. Progressão Dramática. Caracterização e
identidade do personagem dramático. Relações intersubjetivas. O espaço e o tempo
dramáticos. Procedimentos de composição dramatúrgica
O discurso dramático. Leitura, análise e escrita.

II - Tessituras Espetaculares. Dramaturgias da Imagem:
Estruturas Processionais. (Poética medieval)
Estruturas do Teatro Oriental. (Teatro Nô).
Estruturas atorais. (A commedia dell´arte)
Mestiçagem Estrutural. (Shakespeare, Século de Ouro Espanhol)
 
 
 
Avaliação
     
Método
Discussões e exercícios teóricos e práticos que abrangem os princípios constituintes dos temas propostos em aula.
Critério
Freqüência.
Participação nas aulas.
Realização de exercícios práticos.
À luz da bibliografia, ensaio com base no processo desenvolvido ao longo do curso.
Norma de Recuperação
Trabalho escrito teórico-prático.
 
Bibliografia
     
Bibliografia
ARISTÓTELES. A Poética. Trad. Eudoro de Souza. São Paulo: Abril Cultural, 1973.
ARISTÓTELES, HORÁCIO e LONGINO. A Poética Clássica. Introdução Roberto de
Oliveira Brandão. São Paulo: Cultrix, 1997.
ARTAUD, A. O Teatro e seu Duplo. S. Paulo: Martins Fontes, 2000.
BALL, David. Para Trás e Para Frente. S. Paulo: Perspectiva, 1999.
BACHELARD, Gaston. A Dialética da Duração. São Paulo: Ática, 1994.
BENJAMIN, Walter. O Narrador. In: Magia e Técnica, Arte e Política. São Paulo:
Brasiliense, 1986.
CARRIÈRE, Jean-Claude. A Linguagem Secreta do Cinema. Rio de Janeiro: Nova
Fronteira, 1995.
BARBA, Eugênio. Um amuleto feito de memória significado dos exercícios na
dramaturgia. In: Revista do Lume, n. 01 Campinas; LUME/Unicamp, 1998, p. 32-38.
BARBA, Eugênio e SAVARESE, Nicola. A Arte Secreta do Ator. Dicionário de Antropologia
Teatral. São Paulo/Campinas: Hucitec/Unicamp, 1995.
CANDIDO, AA.et alli. A Personagem de Ficção. São Paulo: Perspectiva, 2004.
FO, Dario. Manual Mínimo do Ator. São Paulo: Senac, 2004.
GREINER, Christine. O Teatro Nô e o Ocidente. São Paulo: Annablume/Fapesp, 2000.
HEGEL, W.F. Sistema das Artes. São Paulo: Martins Fontes, 1997.
KUSANO, Darci. O Teatro Bunraku e Kabuki: Uma Visada Barroca. S. Paulo: Perspectiva,
1993.
LEHMANN, Hans-Thies. Teatro pós-dramático. São Paulo: Cosac & Naify, 2008
MACHADO, Roberto (org.) Nietsche e a polêmica sobre “O nascimento da tragédia”. Rio
de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.
MARQUEZ, Gabriel Garcia. Como Contar um Conto. Niterói-RJ: Casa Jorge Editorial,
1997.
MÁRQUEZ, Gabriel Garcia. Me alugo para sonhar. Niterói (RJ): Casa Jorge Editorial,
2004.
NEVES, João das. A Análise do Texto Teatral. Rio de Janeiro: Minc/Inacen, 1987.
NIETZSCH, F.W. O Nascimento da Tragédia. São Paulo: Cia das Letras, 1996.
ORTIZ, Maria Elena e BOCHINNI, Maria Otília. Para escrever bem. São Paulo: Manole,
2002.
PALLOTTINI, Renata. Introdução à Dramaturgia. S. Paulo: Ática, 1988.
PALLOTTINI, Renata Dramaturgia: surdosConstrução do Personagem. S. Paulo; Ática,
1989.
PALLOTTINI, Renata. Dramaturgia de Televisão. São Paulo: Editora Moderna, 1998.
PAVIS, Patrice. A Análise dos Espetáculos. São Paulo: Perspectiva, 2003
RAMOS, Luiz Fernando. O Parto de Godot e Outras Encenações Imaginárias: a rubrica
como poética da cena. São Paulo: Hucitec/FAPESP, 1999.
ROSENFELD, Anatol. O Teatro Épico. São Paulo: Perspectiva, 1997.
RYKNER, Arnaud. O Reverso do Teatro. Dramaturgia do silêncio da idade clássica a
Maeterlinck. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2004.
RYNGAERT, Jean-Pierre. Introdução à Análise do Teatro. S. Paulo: Martins Fontes, 1995.
RYNGAERT, Jean-Pierre. Ler o Teatro Contemporâneo. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
SCALA, Flamínio. A Loucura de Isabella e outras Comédias da Commedia dell´arte.
Organização, tradução, introdução e notas de Roberta Barni. São Paulo: Iluminuras, 2003.
SANCHEZ, J. A. – Dramaturgias de la Imagen. Cuenca: Ediciones de la Univesidad de
Castilla/La Mancha, 2002.
SCHOPENHAUER, A. A arte de escrever. Porto Alegre: L&PM, 2008.
SINISTERRA, José Sanchis. Dramaturgia de Textos Narrativos. Ciudad Real (España):
Ñaque Editora, 2003.
STAIGER, Emil. Conceitos Fundame surdosntais da Poética. Rio de Janeiro: Tempo
Brasileiro, 1993.
SUZUKI, Eico. Nô, Teatro Clássico Japonês. São Paulo: Ed. Escritor, 1977. (Coleção
Ensaios, v. 8)
SZONDI, Peter. Ensaio sobre o Trágico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.
UBERSFELD, Anne. A representação dos clássicos: re-escritura ou museu. In: Folhetim.
Rio de Janeiro: Teatro do Pequeno Gesto, n. 13, abr.-jun 2002, p. 13-27.
UBERSFELD, Anne. Ler o Teatro. São Paulo: Perspectiva, 2007.
UBERSFELD, Anne. El Diálogo Teatral. Buenos Aires: Galerna, 2004.
ZEAMI. Fushikaden. Tratado sobre la Práctica del Teatro No y Cuatro Dramas No. Madrid:
Trotta, 1999.
 

Clique para consultar os requisitos para CAC0568

Clique para consultar o oferecimento para CAC0568

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2020 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP