Informa??es da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Escola de Comunicações e Artes
 
Informação e Cultura
 
Disciplina: CBD0294 - Introdução à Análise Documentária
Introduction to Documentary Analysis

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 60 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2019 Desativação:

Objetivos
1) Expor as principais teorias, conceitos e métodos da Análise documentária. 2) Apresentar as operações de análise, condensação e representação de textos, com base em teorias e métodos de leitura e produção textual. 3) Capacitar os alunos a elaborar representações diferentes tipos de resumos de textos para os fins da recuperação de informações.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
6722006 - Giovana Deliberali Maimone
 
Programa Resumido
Análise documentária: principais conceitos e procedimentos. Estudo de teorias de leitura e tipologia de textos. Condensação de textos. Produção de resumos documentários.
 
 
 
Programa
1. Análise documentária: panorama geral
2. Leitura: um panorama das abordagens teóricas contemporâneas
3. Condições da produção e recepção de textos: autor, texto e leitor
4. Leitura e limites da interpretação
5. A leitura no fluxo documentário
6. Leitura documentária: aspectos interdisciplinares
7. Leitura documentária e tipologias textuais
8. Leitura documentária: compreensão, interpretação e produção de sentido.
9. Leitura documentária e condensação de textos
10. Leitura documentária para produção de resumos
11. Resumos documentários: diretrizes e normas
12. Avaliação de resumos documentários
13. Leitura documentária e indexação
 
 
 
Avaliação
     
Método
Aulas expositivas; Discussão de textos; Aulas práticas (exercícios dirigidos); Avaliação individual (prova); Elaboração de trabalho final da disciplina.
Critério
1a. Avaliação: Exercícios dirigidos (1 a 10). Individual / 2a. Avaliação: Prova (1 a 10). Individual / 3ª. Avaliação: Trabalho Final (1 a 10). Coletivo. Média é = Nota da disciplina: 1ª. + 2ª. + 3ª. / 3.
Norma de Recuperação
Realização de prova escrita sobre o conteúdo da disciplina para os alunos reprovados que obtiveram mínimo regimental de presença e nota superior a três, segundo os prazos fixados pelo calendário de Atividades Acadêmicas.
 
Bibliografia
     
ADAM, J-M. A linguística textual: introdução à análise textual dos discursos. São: Cortez, 2008. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR 6028 – Informação e documentação – Resumo - Apresentação. Rio de Janeiro: ABNT, nov. 2003. BOURDIEU, Pierre; CHARTIER, Roger. A leitura: uma prática cultural. In: CHARTIER, Roger (org.). Práticas da leitura. São Paulo: Estação Liberdade, 2001. 2 ed. p. 231 - 253. BRONCKART, J. P. Atividade de linguagem, textos e discursos. Por um interacionismo sócio- discursivo. 2. ed. São Paulo: EDUC, 1999. BUCKLAND, Michael. 2018. “Document Theory”. InISKO Encyclopedia of Knowledge Organization, edited by Birger Hjørland. Available at:http://www.isko.org/cyclo/document (Later also to be published inKnowledge Organization). CAMPOS, M.L.de A. Linguagens documentárias: núcleo base de conhecimento para seu estudo. Revista da Escola de Biblioteconomia UFMG, Belo Horizonte, v.24, n.1, p.52-62, jan-jun. 1995. CHARTIER, R. (org.). Práticas de leitura. São Paulo: Estação Liberdade, 1996. [( Da leitura como produção de sentidos p. 107-116)]. CINTRA, A. M. M. Estratégias de leitura em documentação. In: SMIT, J. W. (Org). Análise documentária: a análise da síntese. 2. ed. Brasiília: IBICT,1989. CITELLI, A. Linguagem e persuasão. São Paulo: Ática, 2005. CORTINA, A. O príncipe de Maquiavel e seus leitores. Uma investigação sobre o processo de leitura. São Paulo, Editora UNESP, 2000. [(p. 19-76 – Determinações sobre o processo de leitura) / (p. 77 – 111 – Tipologia textual e leitura)]. ECO, U (org.). Interpretação e Superinterpretação. São Paulo: Martins Fontes, 1997. ECO, U. Lector in fabula. São Paulo: Perspectiva, 1986. ECO, U. Os limites da interpretação. São Paulo: Perspectiva, 2000. ENCYCLOPEDIA OF KNOWLEDGE ORGANIZATION. Core concepts in KO. Disponível em: <http://www.isko.org/cyclo/>. Acesso em: 05 jun. 2018. FARRADANE, Jason E. L. 1980. “Knowledge, Information, and Information Science”.Journal of Information Science 2, no. 2: 75-80. 3 FUJITA, Mariângela Spotti Lopes. A leitura documentária na perspectiva de suas variáveis: leitor- texto-contexto. Datagramazero, v.5, n.4, ago. 2004. FUJITA, Mariângela Spotti Lopes; RUBI, Milena Polsinelli. A orientação de leitura profissional em indexação com modelo de leitura documentária para textos científicos. Datagramazero, v.7, n.3, 2006.GOULEMONT, J. M. Da leitura como produção de sentidos. In: BORDIEU, P. et al. Práticas da leitura. São Paulo: Estação Liberdade, 1996, p. 107-116. GARCÍA GUTIÉRREZ, A. Aproximación al concepto y AL objeto de La información/documentación. In: GARCÍA GUTIÉRREZ, A. (org). Introducción a La documentación infomativa y periodística. Sevilla: Ed. MAD, 1999, p. 23-51 GUIMARÃES, E. Articulação do texto. São Paulo: Ática, 1990. [(O texto e suas modalidades, p. 14 - 78)]. GUINCHAT, Claire; MENOU, Michel. O resumo. In: GUINCHAT, Claire; MENOU, Michel. Introdução geral às ciências e técnicas da informação e documentação. Brasília: IBICT, 1994. p.189-195. KOBASHI, N. Y. Análise Documentária e Representação da Informação. Revista INFORMARE, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 5-27, 1996. KOBASHI, N.Y. Linguística textual e elaboração de informações documentárias: algumas reflexões. In: GASPAR, N. R.; ROMÃO, L. M. S. (Orgs.). Discurso e texto: multiplicidade de sentidos na Ciência da Informação. São Carlos: EduFscar, 2008. V.1, p. 47-66. LANCASTER, F.W. Indexação e resumos: teoria e prática. 2. ed. Brasília: Briquet de Lemos, 2004. [(Capitulo 7 – Resumos: tipos e funções, p.100-112; Capítulo 8 – A redação dos resumos: p.113- 134 ; Capítulo 9 – Aspectos da avaliação: p.135-157)]. MARCUSCHI, L. A. Leitura como processo inferencial num universo cultural-cognitivo. Leitura: Teoria e Prática, Ano 4, Nº 5, junho, 1985, p. 03-16. MILLS, C. Wright. Apêndice: Do artesanato intelectual. In: MILLS, C. Wright. A imaginação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 196-. p. 211 - 243. MOLINA, Maria Pinto. Hacia um modelo de representación documental: la técnica de resumir. Investigacion Bibliotecológica, n.10, p.17-28, 1991. MOREIRO GONZÁLEZ, José Antonio. Conceptualizacion del texto. In: MOREIRO GONZÁLEZ, José Antonio. Aplicación de las ciencias del texto al resumen documental. Madrid: Universidad Carlos III, 1993.NATIONAL INFORMATION STANDARDS ORGANIZATION. Guidelines for abstracts. Bethesda, MD: NISO, 1997. PNE 50-103 – ISO 214-1976 (E). Documentación. Preparación de resumenes. Revista Espanola de Documentacion Cientifica, v.13, n.3-4, p.901-912, 1990. PNE 50-121 – ISO 5963-1985. Documentación. Metodos para ele analisis de documentos, determinacion de su contenido y seleccion de los términos de indizacion. Revista Espanola de Documentacion Cientifica, v.14, n.1, p.57-63, 1991. VAN DJIK, T. Cognição, discurso e interação. São Paulo, Contexto, 1992.
 

Clique para consultar os requisitos para CBD0294

Clique para consultar o oferecimento para CBD0294

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2019 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP