Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Escola de Comunicações e Artes
 
Jornalismo e Editoração
 
Disciplina: CJE0395 - Cultura e Literatura Brasileira: Colônia
Brazilian Culture and Literature: Colony

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 2
Carga Horária Total: 120 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2017 Desativação:

Objetivos
Apresentação de elementos para a formação de um método crítico de avaliação do texto escrito, tanto literário como não-literário. Formação de uma atividade disciplinada e sistemática para ler, analisar, entender e interpretar o texto, com ênfase na apreciação do texto artístico. Exercícios de leitura voltados para a formulação de uma noção de valor da produção escrita, que possa orientar o julgamento e a avaliação de diversas espécies de textos. Desenvolvimento da idéia de que o crítico literário é aquele que ensina a ler; e da noção de que ler bem equivale a explorar as diversas camadas de significação de um texto, segundo a poética implícita dele próprio. Consolidar e desenvolver o pressuposto de que o texto escrito (literário ou não) é parte do discurso social de sua época, não necessariamente subordinado às coordenadas culturais do tempo, mas intercalado a um segmento maior de discurso, que será estudado como a poética cultural do período.
Fornecer elementos essenciais para o conhecimento da evolução da cultura literária produzida no Brasil Colônia, desde o século XVI até o século XVIII, com vistas a formar um leitor consciente e apto a se posicionar corretamente diante de textos de épocas diferentes de seu tempo e, também, diante de textos de sua própria época. Paralelamente, serão postos em destaque o modo de veiculação da cultura literária nos diferentes períodos da formação do sistema que possibilita tal veiculação, em contínuo paralelo com os diversos modos de impressão e divulgação de textos literários ao longo da história da cultura, entendida como parte de um discurso maior, que é o discurso sócio-cultural.
Ps. A produção do século XIX será examinada na disciplina Cultura e Literatura Brasileira II; a do século XX, nas disciplinas Língua Portuguesa I e II (Teoria e Prática do Texto).
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
1017463 - Jean Pierre Chauvin
1161792 - José de Paula Ramos Júnior
 
Programa Resumido
Noção de discurso social e discurso literário, interação entre ambos. Caracterização das particularidades estilísticas dos diversos períodos históricos do discurso literário, com destaque para sua função social nos respectivos períodos. Assim, será descrita a produção literária do século XVI, do XVII e do XVIII, com os respectivos nomes convencionais: Literatura de Informação e de Formação, Barroco e Arcadismo.
 
 
 
Programa
1. Conceito de literatura, a partir de Aristóteles (cap. I da Poética) e de Jonathan Culler (cap. II de Teoria Literária). Dualidade interpretativa: o método hermenêutico e o método retórico-poético ("Hermenêutica, Retórica e Poética nas Letras da América Portuguesa", Revista USP, Nº 50; Culler, cap. IV). Opção pela segunda hipótese. Leitura e discussão do ensaio "Literatura como Imaginário: Introdução ao Conceito de Poética Cultural" (Revista Brasileira, Academia Brasileira de Letras, Fase VI, out./nov./dez. 2003, Ano IX, Nº 37. Leitura "O Corvo", de Edgar Allan Poe, para discutir a noção de experiência com o texto literário.


2. Noção de teoria, como sistematização da dúvida e como o esforço de formulação de pressupostos que, partindo de determinada área do saber, possam ser aplicadas à outra. A distinção entre o natural e o cultural. A idéia do "natural" como dispositivo ideológico de legitimação do discurso que oculta seu verdadeiro interesse. Cap. I de Teoria Literária, de J. Culler.

3. O debate em torno da noção de identidade, de identificação e de sujeito. A literatura e a invenção da noção de indivíduo no final do século XVIII, por meio do romance inglês com personagens femininas. O eu empírico e o eu da literatura. Os processos culturais responsáveis pela criação do eu: o desejo e a identificação (Cap. VIII de J. Culler).

4. Estrutura do texto literário: diferença entre poesia e prosa. Poesia: noção de linguagem poética, ritmo, rima, verso, estrofe. Gêneros literários: épico, lírico, dramático. Prosa: noção de narrativa. Noção de estrutura e de seus componentes: enredo, personagens, espaço, tempo. Os três gêneros do discurso segundo Aristóteles: epidítico, judicial e deliberativo. Leitura do capítulo III do Livro I da Retórica de Aristóteles.

5. Como ler uma página? Diferença entre entendimento e interpretação; tema e assunto. Exercícios a partir de pequenos fragmentos de grandes textos da tradição cultural européia, extraídos de clássicos da História, da Política, da Teologia, da Filosofia e da Literatura.

6. Relações da cultura européia com a cultua americana. Existe uma cultura americana ou esta não passa de transposição de estruturaras européias para o ambiente local? Discussão sobre o local e o universal, o nacional e o global. O indivíduo pensa ou o sistema o faz por ele? Noção de estrutura aplicada ao texto como meio de comunicação social. Investigação das possíveis reações do indivíduo diante da estrutura do texto consagrado pela norma culta. A idéia de valor cultural ou artístico: o valor reside no objeto, no sujeito ou na relação entre sujeito e objeto? Quais as condições para que um texto adquira valor? Como aferir o valor de um texto?

7. Cronologia literária na América Portuguesa: séc. XVI, XVII e XVIII. Noção canônica de Barroco por meio de textos de Manuel Botelho de Oliveira (Música do Parnaso, 1705). Leitura comentada de textos: a orientação gongórica e a quevedista. Pequeno trecho de Pe. Antônio Vieira. O caso Gregório de Matos. Leitura de "O Engenhoso Fidalgo Manuel Botelho de Oliveira" (Revista USP, Nº 50). São Salvador da Bahia: primeira capital do Brasil. Quem escrevia e quem lia na sociedade dos grandes engenhos seiscentistas? Como o Brasil conseguiu formar uma sociedade letrada sem imprensa e sem faculdade? Como se veiculava a arte escrita na época do Açúcar? Qual a função do manuscrito da Bahia desse período?

8. O Iluminismo ou Ilustração como fim do Antigo Regime e início da Era Contemporânea. Há um Iluminismo democrático? Noções fundamentais do pensamento de Locke, Rousseau e Voltaire para a formação do repertório setecentista. A transferência da capital do Brasil da Bahia para o Rio de Janeiro. O ciclo do ouro e a poesia neoclássica. O letrado de Minas Gerais e suas relações com a Europa. O Brasil diante da Ilustração européia: as relações do Marquês de Pombal (1750-1777) com a literatura e com as artes de seu tempo. O Despotismo Esclarecido de orientação católica. Relações de Portugal com a Ilustração européia. Relações da independência norte-americana com o Iluminismo europeu. A posição de D. Maria I diante das reformas Pombalinas. Os poetas da Inconfidência Mineira.

9. Leitura comentada de um poema importante do século XVIII brasileiro: O Uraguay (1769), de José Basílio da Gama. Alusão aos demais poetas do período árcade ou neoclássico no Brasil: Cláudio Manuel da Costa, Tomás Antônio Gonzaga, Silva Alvarenga, entre outros.
 
 
 
Avaliação
     
Método
Exposição oral do professor, seguida de leituras de textos literários dos autores e de textos críticos consagrados sobre os mesmos. Discussão acerca do confronto entre a percepção do aluno e a visão do crítico escolhido como apoio para o questionamento da leitura.
Critério
a) Duas Provas: quatro questões dissertativas. Valor: 4,0 (quatro) pontos – cada atividade. b) Trabalho de aproveitamento: produção audiovisual (cartaz, leitura dramatizada, releitura de obra, paródia, podcasting etc) ou uma dissertação analítico-crítica sobre tema relacionado ao programa da disciplina (incluindo a aula ministrada pelo Professor Convidado). Valor: 2,0 (dois). c) Autoavaliação discente – Opcional. d) Efetiva participação em aula: 0,5 (meio) ponto extra acrescido à Média. e) Média = soma dos resultados obtidos [Duas Provas + Trabalho + Participação em Aula]. f) Frequência = calculada sob a forma de porcentagem.
Norma de Recuperação
Nova oportunidade de trabalho escrito, de prova teste ou de prova oral, mediante exposição de assunto previamente combinado.
 
Bibliografia
     
ASSUNÇÃO, Paulo de. Os jesuítas no período colonial: a vida no tempo da colônia. São Paulo: Atual, 2003. BOSI, Alfredo. História Concisa da Literatura Brasileira. 43a ed. São Paulo: Cultrix, 2006. _____. Dialética da colonização. 2a ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1993. BOXER, Charles R. A igreja militante e a expansão ibérica (1440 – 1770). Trad. Vera Maria Pereira. São Paulo: Companhia das Letras, 2007. CALMON, Pedro. História social do Brasil: Volume 1 - Espírito da sociedade colonial. São Paulo: Martins Fontes, 2002. CANDIDO, Antonio e CASTELLO, José Aderaldo. Presença da Literatura Brasileira. 10a ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997, vol. 1. _____. Formação da Literatura Brasileira. 11a ed. Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul, 2007. CASTELLO, José Aderaldo. Manifestações literárias do período colonial. 3a. ed. São Paulo: Cultrix, 1975. CHAUNU, Pierre. Conquista e exploração dos novos mundos: século XVI. Trad. Jordino Assis dos Santos Marques; Maurílio José de Oliveira Camello. São Paulo: Pioneira; Edusp, 1984. CHAUVIN, Jean Pierre. Juízo e perspectiva: a construção da imagem de Gregório de Matos e Guerra pela crítica literária no Brasil. Revista Todas as Musas, Ano 5, n. 2, 2014, pp. 135-145. _____. Retrato de Anarda ou A Lira Aguda de Manuel Botelho de Oliveira. In: Revista Opiniães, n. 6/7, DLCV, FFLCH-USP, 2015. _____. Antiateísmo. Revista de Estudos de Cultura, n. 2, Universidade Federal do Sergipe, 2015, pp. 43-50. _____. Anticolonialismo. Revista de Estudos de Cultura, n. 3, Universidade Federal do Sergipe, 2015, pp. 49-55. CORTESÃO, Jaime. A Carta de Pêro Vaz de Caminha. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1994. COSTIGAN, Lúcia Helena (Org). Diálogos da conversão. Campinas, Editora da Unicamp, 2005. DaMATTA, Roberto. Carnavais, Malandros e Heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. 6a. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1997. FAUSTO, Boris. História do Brasil. 4a ed. São Paulo: Edusp, 1996. FEUERBACH, Ludwig. A essência do cristianismo. Trad. José da Silva Brandão. Rio de Janeiro: Vozes, 2007. FRANÇA, Jean Marcel Carvalho. A construção do Brasil na literatura de viagens dos séculos XVI, XVII e XVIII. Rio de Janeiro: José Olympio; São Paulo: Editora da Unesp, 2012. FREYRE, Gilberto. Casa-Grande & Senzala. São Paulo: Global Editora, 2006. GALEANO, Eduardo. As veias abertas da América Latina. Trad. Sérgio Faraco. Porto Alegre: L&PM, 2010. GRUZINSKI, Serge. As quatro partes do mundo: história de uma mundialização. Trad. Cleonice Paes Barreto Mourão; Consuelo Fortes Santiago. Belo Horizonte: Editora UFMG; São Paulo: Edusp, 2014. HANSEN, João Adolfo. A Sátira e o Engenho. 2a ed. rev. Cotia (SP): Ateliê Editorial; Campinas: Editora da UNICAMP, 2004. _____. Manuel da Nóbrega. Brasília: MEC, 2010. _____. Instituição Retórica, Técnica Retórica, Discurso. Revista Matraga, v. 20, n. 33. Rio de Janeiro, 2013, pp. 11-46. HAUSER, Arnold. Historia Social de la Literatura y el Arte. Madri: Ediciones Guadarrama, 1969. 3 vol. HÖFFNER, Joseph. Colonização e evangelho: ética da colonização espanhola no século de ouro. Trad. José Wisniewisk Filho. 3a. ed. Rio de Janeiro: Presença, 1986. HOLANDA, Sérgio Buarque. (Dir.) História geral da civilização brasileira – I: a época colonial. 3a ed. São Paulo: Difel, 1968. _____. Raízes do Brasil. 26a ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. _____. Visão do Paraíso. São Paulo: Brasiliense, 1999. HUIZINGA, Johan. O outono da Idade Média: estudo sobre as formas de vida e de pensamento dos séculos XIV e XV na França e nos Países Baixos. Trad. Francis Petra Janssen. São Paulo: Cosac Naify, 2010. LEITE, Dante Moreira. O caráter nacional brasileiro. 3a ed. São Paulo: Pioneira, 1976. LÉRY, Jean de. História de uma Viagem à Terra do Brasil. Tradução ordenada literariamente por Monteiro Lobato. Belo Horizonte: Itatiaia, 2007. LÉVI-STRAUSS, Claude. “Raça e história”. In: Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1968, vol. L. LIMA, Francisco Ferreira de. O Brasil de Gabriel Soares de Sousa & outras viagens. Rio de Janeiro: 7Letras; Feira de Santana: UEFS Editora, 2009. MATOS, Gregório de. Poemas escolhidos. São Paulo: Companhia das Letras, 2010 [Sel. de José Miguel Wisnik] MELLO, Evaldo Cabral de. O Brasil holandês. São Paulo: Penguin, 2010. MONTAIGNE. “Dos canibais”. In: Ensaios. Trad. Sérgio Milliet. São Paulo: Abril Cultural, 1972, p. 104-110. Os Pensadores, vol. XI. MOUSNIER, Roland. História geral das civilizações: os séculos XVI e XVII: 1o volume – os progressos da civilização européia. Tradução: Vítor Ramos; Jacob Guinsburg. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1957. PÉCORA, Alcir. Máquina de Gêneros. São Paulo: Edusp, 2001. _____. As cartas de Vieira, segundo João Lúcio Azevedo. In: VIEIRA, Antônio. Cartas, volume I. São Paulo: Globo, 2008. PITA, Sebastião da Rocha. História da América Portutuguesa. Rio de Janeiro: Jackson Editores, 1964. _____. Tratado Político (1715). São Paulo: Edusp, 2014 [Estudo Introdutório, Transcrição, Índices, Notas e Estabelecimento do Texto por Eduardo Sinkevisque]. PIZARRO, Ana (Org.) América Latina: Palavra, Literatura e Cultura, V. 1: Situação Colonial. Trad. Sérgio R. da Silva. Campinas: Unicamp, 1993. PUNTONI, Pedro. O Estado do Brasil: poder e política na Bahia colonial – 1548-1700. São Paulo: Alameda, 2013. RIBEIRO, Darcy. O Povo Brasileiro. 2a ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. RICUPERO, Rubens. A formação da elite colonial. São Paulo: Alameda, 2009. SARAIVA, José Hermano. História Concisa de Portugal. 5a ed. Lisboa: Publicações Europa-América, 1979. SCHWARTZ, Suart B. Burocracia e sociedade no Brasil colonial. Trad. Berilo Vargas. São Paulo: Companhia das Letras, 2011. STADEN, Hans. Duas Viagens ao Brasil. São Paulo: Beca Produções Culturais, 2000. TEIXEIRA, Ivan Prado. Mecenato Pombalino e Poesia Neoclássica. São Paulo: Edusp, 1999. _____. (Org.) Épicos. São Paulo: Edusp; Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2008. TODOROV, Tzvetan. A conquista da América. Trad. Beatriz Perone Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 1993. VAINFAS, Ronaldo. (Dir.) Dicionário do Brasil colonial (1500-1808). Rio de Janeiro: Objetiva, 2000. WILLIAMS, Raymond. Palavras-chave: um vocabulário de cultura e sociedade. Tradução: Sandra Guardini Vasconcelos. São Paulo: Boitempo, 2007.
 

Clique para consultar os requisitos para CJE0395

Clique para consultar o oferecimento para CJE0395

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2019 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP