Informa??es da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Escola de Comunicações e Artes
 
Jornalismo e Editoração
 
Disciplina: CJE0610 - Cultura e Literatura Brasileira: República
Brazilian Culture and Literature: Republic

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 2
Carga Horária Total: 120 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2017 Desativação:

Objetivos
Fornecer elementos essenciais para o conhecimento da evolução da cultura literária produzida no Brasil depois da Semana de Arte Moderna, a partir de 1922 até os anos 70, com o propósito de formar um leitor consciente e apto a se posicionar corretamente diante de textos de épocas diferentes de seu tempo e, também, diante de textos de sua própria época.
Paralelamente, serão postos em destaque os modos de veiculação da cultura literária nos diferentes períodos da formação do sistema que possibilita tal veiculação, em contínuo paralelo com os diversos estágios de impressão e divulgação de textos literários ao longo da história da cultura, entendida como parte de um discurso maior, que é o discurso sócio cultural. Nesse sentido, deverá ser examinada a importância dos jornais e das revistas modernistas, como Klaxon (1922) e Revista de Antropofagia (1928).
Exame do discurso literário em relação à norma culta da língua, tendo em vista a instauração das rupturas modernistas, que estabelecem um novo padrão de expressão artística no Brasil. Exame da noção de ruptura da norma para a obtenção do efeito artístico. A língua portuguesa será examinada em situação, isto é, mediante o uso efetivo que dela fizeram os clássicos da modernidade, sempre examinados em perspectiva retórico estilística, sem perder de vista a idéia de que o discurso literário deve ser entendido como prolongamento de um discurso mais amplo, o discurso sócio cultural.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
1017463 - Jean Pierre Chauvin
1161792 - José de Paula Ramos Júnior
 
Programa Resumido
Fornecer elementos essenciais para o conhecimento da evolução da cultura literária produzida no Brasil depois da Semana de Arte Moderna, a partir de 1922 até os anos 70, com o propósito de formar um leitor consciente e apto a se posicionar corretamente diante de textos de épocas diferentes de seu tempo e, também, diante de textos de sua própria época.
 
 
 
Programa
Noção de discurso social e discurso literário, interação entre ambos. Caracterização das particularidades estilísticas dos diversos períodos históricos do discurso literário, com destaque para sua função social nos respectivos períodos. Exame da comunicação literária segundo os componentes da retórica clássica revisitada pelos teóricos modernos, noção que envolve a idéia de escritor, público e situação em que o texto atua. Assim, será apresentada e descrita a produção literária do Século XX, em seus três principais momentos:
1º. Fase Heróica do Modernismo (1922 1930): Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Manuel Bandeira, Antônio de Alcântara Machado etc.
2º. Pós Modernismo ou Fase de Afirmação (1930 1945): Carlos Drummond de Andrade, Murilo Mendes, Vinícius de Moraes, Graciliano Ramos, José Lins do Rego, Jorge Amado etc.
3º. Neomodernismo (a partir de 1945): João Guimarães Rosa, Clarice Lispector, João Cabral de Melo Neto, Concretismo etc.
Nem todos os cursos serão panorâmicos. O professor pretende preservar a liberdade de trabalhar ora com um, ora com outro período. Pois a apresentação de todos os autores das três fases da literatura do século XX no Brasil pode tornar o curso muito horizontal e apenas informativo. A proposta é apresentar a noção do todo em uma ou duas aulas e, nas demais aulas, focalizar com especificidade um ou dois autores do momento escolhido. Haverá contínuo relacionamento da evolução do discurso literário com o andamento da histórica cultural do país. Por essa razão, haverá necessidade de apoio bibliográfico em livros de história do Brasil, e não apenas nas histórias literárias.
 
 
 
Avaliação
     
Método
Exposição oral do professor, seguida de leituras de textos literários dos autores e de textos críticos consagrados sobre os mesmos. Discussão acerca do confronto entre a percepção do aluno e a visão do crítico escolhido como apoio para o questionamento da leitura. Em todas as aulas, os alunos deverão contribuir com leitura expressiva (em voz alta) e com a exposição oral de sua percepção do texto lido. Os textos lidos pelos alunos deverão ser previamente anunciados, para que possam ser preparados em casa.
Critério
1. Duas Provas: quatro questões dissertativas. Valor: 4,0 (quatro) pontos, cada. 2. Trabalho de aproveitamento: atividade audiovisual (cartaz, leitura dramatizada, releitura de obra, paródia, podcasting etc) ou uma dissertação analítico-crítica sobre tema relacionado ao programa da disciplina (incluindo a aula ministrada por Professor Convidado) – Valor: 2,0 (dois) pontos. 3. Autoavaliação discente – Opcional. 4. Efetiva participação em aula: 0,5 (meio ponto) ponto extra acrescido à Média. 5. Média = soma dos resultados obtidos [Duas Provas + Trabalho + Participação em Aula].
Norma de Recuperação
Nova oportunidade de trabalho escrito, de prova teste ou de prova oral, mediante exposição de assunto previamente combinado.
 
Bibliografia
     
ANDRADE, Carlos Drummond de. José. São Paulo: Companhia das Letras, 2012. _____. Alguma Poesia. São Paulo: Companhia das Letras, 2013. ANDRADE, Mário de. Macunaíma, O Herói Sem Nenhum Caráter. Estabelecimento de texto: Telê Ancona Lopez e Tatiana Longo. Rio de Janeiro: Agir, 2008. _____. “O movimento modernista”. In: Aspectos da Literatura Brasileira. 5a ed. São Paulo: Martins, 1974, pp. 231-255. ANDRADE, Oswald de. Serafim Ponte Grande. São Paulo: Global, 1987. ARRIGUCCI Jr., Davi. Humildade, Paixão e Morte: A Poesia de Manuel Bandeira. São Paulo: Companhia das Letras, 1990. BARBOSA, João Alexandre. A Imitação da Forma: Uma Leitura de João Cabral de Melo Neto. São Paulo: Duas Cidades, 1975. BASBAUM, Leôncio. História sincera da Reública. 2o Vol: de 1889 a 1930. 3a ed. São Paulo: Alfa-Omega, 1968. BONASSI, Fernando. Subúrbio. São Paulo: Scritta, 1994. BOSI, Alfredo. História Concisa da Literatura Brasileira. 43a ed. São Paulo: Cultrix, 2006. BRITO, Mário da Silva. História do Modernismo Brasileiro: Antecedentes da Semana de Arte Moderna. 4a ed. Rio de Janeiro: 1974. BUENO, Luís. Uma História do Romance de 30. São Paulo: Edusp; Campinas (SP): Editora da Unicamp, 2004. CAMPOS, Augusto de, PIGNATARI, Décio e CAMPOS, Haroldo de. Teoria da Poesia Concreta. 2a ed. São Paulo: Duas Cidades, 1975. CANDIDO, Antonio. “Estouro e libertação” (pp. 33-50); “Digressão sentimental sobre Oswald de Andrade” (pp. 57-87); “Inquietudes na poesia de Drummond” (pp. 93-122); “No raiar de Clarice Lispector” (pp. 123-131). In: Vários Escritos. 2a ed. São Paulo: Duas Cidades, 1977. _____. “Literatura e cultura de 1900 a 1945” (pp. 109-138). In: Literatura e Sociedade. 3a ed. rev. São Paulo: Editora Nacional, 1973. _____. “Os bichos do subterrâneo” (pp. 95-118); “O homem dos avessos” (pp. 119-139). In: Tese e Antítese. 2a ed. rev. São Paulo: Editora Nacional, 1971. CARONE, Edgar. A República Velha (evolução política). 2a ed. São Paulo: Difel, 1974. CHAUVIN, Jean Pierre. “O regime da utopia em O Exército de um Homem Só”. Revista Todas as Letras, v. 9, n. 1, Universidade Mackenzie, 2007, pp. 119-126. _____. “Poética da Malandragem: Memórias de um Gigolô, de Marcos Rey”. Revista Brasileira de Literatura Comparada, n. 12, 2008, pp. 253-269. _____. “A Confissão de Lídia (Perto do Coração Selvagem, de Clarice Lispector)”. Revista Akropolis, Unipar, 2008, pp. 3-6. _____. “Vidas Secas: escassez em ritornello”. Revista FronteiraZ, n. 11, PUC-SP, 2013, pp. 38-49. _____. “Oswald de Andrade e a Subversão da Memória”. Revista Patrimônio e Memória, CEDAP-Unesp (Assis), v. 11, n. 1, 2015, pp. 184-202. _____. “Graciliano Ramos sob o Fio da Palavra Empenhada”. Revista Teresa, n. 16, FFLCH-USP, 2015, pp. 289-302. COSTA, Emília Viotti. Da Monarquia à República. 9a ed. São Paulo: Editora Unesp, 2009. EAGLETON, Terry. Teoria da Literatura: Uma Introdução. 6a ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006. FAUSTO, Boris. História do Brasil. 4a ed. São Paulo: Edusp, 1996. GARBUGLIO, José Carlos. O mundo movente de Guimarães Rosa. São Paulo: Ática, 1972. HANSEN, João Adolfo. O o: a ficção da literatura em Grande Sertão: Veredas. São Paulo: Hedra, 2000. IANNACE, Ricardo. A leitora Clarice Lispector. São Paulo: Edusp, 2001. IGLÉSIAS, Francisco. Trajetória política do Brasil: 1500-1964. São Paulo: Companhia das Letras, 2006. LINS, Osman. O Fiel e a Pedra. São Paulo: Summus, 1979. LINS, Paulo. Cidade de Deus. São Paulo: Companhia das Letras, 1997. LISPECTOR, Clarice. Água Viva. São Paulo: Círculo do Livro, 1976. _____. Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres. Rio de Janeiro: Rocco, 1998. MAGALHÃES JÚNIOR, Raymundo. Deodoro: a espada contra o Império. Vol. 1. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1957. MELLO E SOUZA, Gilda de. O Tupi e o Alaúde. 2a ed. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2003. MERQUIOR, José Guilherme. Verso Universo em Drummond. Tradução: Marly de Oliveira. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1975. MICELI, Sérgio. "A expansão do mercado do livro e a gênese de um grupo de romancistas profissionais". In: Intelectuais à Brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2001, pp. 141-194. MOTA, Carlos Guilherme. Ideologia da Cultura Brasileira (1933-1974). 3a ed. São Paulo: Editora 34, 2008. NUNES, Benedito. João Cabral de Melo Neto. 2a. ed. Petrópolis (RJ): Vozes, 1971. _____. Oswald Canibal. São Paulo: Perspectiva, 1979. _____. O drama da linguagem: uma leitura de Clarice Lispector. 2a. ed. São Paulo: Ática, 1995. PROENÇA, Manuel Cavalcanti. Augusto dos Anjos e outros ensaios. Rio de Janeiro: Grifo; Brasília: MEC, 1973. RAMOS, Graciliano. Vidas Secas. Rio de Janeiro: Record, 2006. _____. Conversas. Rio de Janeiro: Record, 2014 (Org. de Ieda Lebensztayn e Thiago Mio Salla). RAMOS JR., José de Paula. Leituras de Macunaíma: Primeira Onda (1928-1936). São Paulo: EDUSP-FAPESP, 2012. REBELO, Marques. Marafa. 4a. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2003. REY, Marcos. Memórias de um Gigolô. 15a. ed. São Paulo: Ática, 2001. RIBEIRO, João Ubaldo. Sargento Getúlio. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2005. ROSA, João Guimarães. Sagarana. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001. _____. Primeiras Estórias. 15a. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001. SÁ, Olga de. A escritura de Clarice Lispector. 3a ed. Petrópolis (RJ): Vozes, 1979. SALLA, Thiago Mio. “Literatura, política e legitimação institucional: o romance de 1930 e o modernismo de 1922 segundo a retórica estadonovista”. Revista Teresa, n. 16, FFLCH-USP, 2015, pp. 117-134. SCLIAR, Moacyr. O Exército de um Homem Só. Porto Alegre: L&PM, 1997. SECCHIN, Antonio Carlos. João Cabral de Melo Neto: uma fala só lâmina. São Paulo: Cosac Naify, 2014. SEVCENKO, Nicolau. Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na Primeira República. 1a reimpressão da 4a ed. São Paulo: Brasiliense, 1999. TELES, Gilberto Mendonça. Vanguarda Europeia e Modernismo Brasileiro. 2a ed. Petrópolis (RJ): Vozes, 1973. TORRE, Guillermo de. História das Literaturas de Vanguarda. Porto: Editorial Presença, s/d., 6 v. TREVISAN, Dalton. Cemitério de Elefantes. 11a. ed.Rio de Janeiro: Record, 1997. VERÍSSIMO, Érico. Incidente em Antares. São Paulo: Círculo do Livro, s/d. VILLAÇA, Alcides. Passos de Drummond. São Paulo: Cosac Naify, 2006.
 

Clique para consultar os requisitos para CJE0610

Clique para consultar o oferecimento para CJE0610

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2020 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP