Informa??es da Disciplina

Júpiter - Sistema de Graduação

Escola de Comunicações e Artes
 
Música
 
Disciplina: CMU0760 - Fagote VI
Bassoon VI

Créditos Aula: 1
Créditos Trabalho: 6
Carga Horária Total: 195 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2017 Desativação:

Objetivos
Esta disciplina enfoca questões técnicas referentes ao domínio do instrumento, abordando aspectos históricos, estéticos, estilísticos e analíticos que propiciem uma performance profissional do repertório fagotístico. Tem como objetivo tornar o aluno de Bacharelado em Instrumento – Fagote apto a desenvolver atividades profissionais de solista, camerista, professor e/ou pesquisador, assim como habilitá-lo com ferramentas que permitam um contínuo aprimoramento e incremento do seu repertório, mesmo depois de graduado.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
1056582 - Fabio Cury
 
Programa Resumido
Cabe ao professor, face ao potencial de cada aluno, orientá-lo na escolha de um repertório de dificuldades técnicas e artísticas progressivas, visando a seu aprimoramento enquanto instrumentista. Ao final dos oito semestres previstos para o curso, o aluno deverá ter trabalhado uma variedade de obras que sejam representativas da diversidade de estilos de época, correntes estéticas, gêneros musicais e técnicas de execução e de composição que são característicos da literatura para fagote.
 
 
 
Programa
Ao final dos oito semestres, o aluno deverá ter cumprido um programa mínimo que deverá incluir, obrigatoriamente:

• A. VIVALDI – 3 dos 37 concertos para fagote e orquestra;
• J.S.BACH – Uma das 3 sonatas para viola da gamba, além de uma das 6 suítes para violoncello solo ou a partita para flauta solo;
• UMA sonata barroca francesa;
• G. P. TELEMANN - uma sonata de livre escolha
• W. A. MOZART – Sonata para fagote e violoncello, concerto para fagote e orquestra;
• C. M. von WEBER – Concerto para fagote e orquestra em fá maior, Andante e rondo ungarese;
• J. N. HUMMEL – Concerto para fagote e orquestra em fá maior;
• C. SAINT-SAËNS- Sonata para fagote e piano;
• TRÊS obras de compositores do século XX;
• H. VILLA-LOBOS- Ciranda das Sete Notas;
• F. MIGNONE- 16 Valsas para fagote solo, Concertino para fagote e orquestra;
• M. C. GUARNIERI – Choro para fagote, cordas, harpa e percussão;
• L. MILDE – Estudos de escala e arpejos;
• A. GIAMPIERI – Estudos
• E. BOZZA – Vinte estudos diários
• UMA peça do repertório contemporâneo que faça uso de técnica estendida (Ex.: Sequenza, de Luciano Berio; Monolog, de Isang Yun; Cantares para Aírton Barbosa, de Aylton Escobar)

METODOLOGIA:
O curso segue uma sequência de dificuldade progressiva.
Normalmente, nos dois primeiros semestres, há mais ênfase em questões técnicas. Iniciamos com fundamentos da performance no instrumento: postura, respiração, apoio e embocadura. Em um momento imediatamente posterior, tratamos de sonoridade, articulação, espectro dinâmico, afinação e vibrato. Para tanto, fazemos uso de vários exercícios baseados nas escalas e arpejos. Semanalmente o aluno deverá trabalhar na esfera de uma determinada tonalidade. Os exercícios dentro da tonalidade servem igualmente para tornar sólidos os fundamentos acima mencionados. Concomitantemente às variações com escalas, serão trabalhados os Estudos de Ludwig Milde e A. Giampieri.
O enfoque ao repertório que começa mais tímido e menos desafiador nos semestres iniciais do curso, ganha gradativamente maior ênfase a partir do terceiro semestre, quando as particularidades técnicas apresentam maior solidez.
O aluno não só deve vencer os desafios técnicos das peças, mas deve ser capaz de identificar as peculiaridades estilísticas que definem cada um dos períodos históricos. Nesse ponto, pode auxiliar a consulta a alguns dos títulos propostos na bibliografia ou a escuta crítica de algumas gravações.
Além do repertório internacional convencional, o aluno deve dar especial atenção à literatura nacional para o instrumento e, no fim do curso, iniciar-se também nas obras contemporâneas que exigem elementos da técnica estendida. Para peças datadas do século XX em diante, os métodos de E. Bozza, M. Bitsch e Bortolozzi-Penazzi serão de especial interesse.
 
 
 
Avaliação
     
Método
A avaliação será semestral e incluirá uma prova prática ao final de cada semestre com banca formada pelo professor de instrumento e mais um docente da instituição. Ao fim do quarto semestre, o aluno deverá prestar uma prova intermediária, que consistirá num recital de duração mínima de 30 minutos.
Critério
O critério adotado considerará no progresso realizado durante as aulas, a assiduidade, a dedicação ao estudo diário do instrumento e o desempenho na prova prática. Durante esta prova será avaliado seu potencial artístico, competência e evolução no domínio técnico do instrumento, adequação estilística, capacidade de concentração. Caberá ao aluno, em conjunto com seu professor, determinar quais obras do programa mínimo apresentará em cada semestre.
Norma de Recuperação
Não haverá recuperação.
 
Bibliografia
     
BACH, C. P. Essay on the true art of playing keyboard instruments. Nova Iorque: W. W. Norton, 1949. 449p. Versão inglesa de William J. Mitchell. Original alemão.

BAINES, A. Woodwind instruments and their history. 3.ed. London. Faber and Faber. 1977. 384p.

CURY, Fábio – Fundamentos para a performance no fagote barroco – Campinas, 1999. 342p. Dissertação (Mestrado em Artes). Universidade Estadual de Campinas.

DONINGTON, R. The interpretation of early music. 6.ed. London: Faber and Faber, 1990. 768p.

DONINGTON, R. Baroque music: style and performance. 3.ed. London: Faber Music, 1996, 206p.

FAGERLANDE, A. Bachianas brasileiras 6 – uma abordagem histórico-analítico-interpretativa. Rio de Janeiro, 1997. 145p. Dissertação (Mestrado em Música). Universidade Federal do Rio de Janeiro.

JOPPIG, G. Oboe & Fagott. 2.ed. Mainz: B. Schott’s Söhne, 1984. 196p.

JUSTI, V. P. O Fagote e as Valsas Solo de Francisco Mignone. São Paulo, 1995. 176p. Dissertação (Mestrado em Artes) - Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo.

LANGWILL, L. G. The bassoon and contrabassoon. 2.ed. Londres: Ernest Benn, 1971. 269p.

MASCARENHAS JÚNIOR, M. Música para fagote e piano no Brasil. Rio de Janeiro, 1999. 199p. Dissertação (Mestrado em Música). Universidade Federal do Rio de Janeiro.

MEDEIROS, Elione Alves. Uma abordagem técnica e interpretativa das 16 valsas para fagote solo de Francisco Mignone. Rio de Janeiro, 1995. Dissertação de Mestrado – Universidade Federal do Rio de Janeiro.

MOZART, L. A treatise on the fundamental principles of violin playing. 2. ed. Londres: Oxford University Press. 1985. 237p. Versão inglesa de E. Knocker. Original alemão.

PENAZZI, Sergio. Metodo per fagotto. In: BARTOLOZZI, Bruno. Nuova tecnica per strumenti a fiato di legno. Milão: Edizioni Suvini Zerboni.

QUANTZ, J. J. On playing the flute. 2.ed. Nova Iorque: Schirmer Books. 1985. 412p. Versão inglesa de Edward R. Reilly. Original alemão.

SACHS, C. The history of musical instruments. 2.ed. Nova Iorque: W. W. Norton, 1968. 505p.

SACHS, C. Handbuch der Musikinstrumentenkunde. 5.ed. Wiesbaden: Breitkopf und Härtel. 1990. 419p.

TARASTI, Eero. Heitor Villa-Lobos. The Life and Works, 1887-1959. North Carolina: McFarland & Company, 1995.
 

Clique para consultar os requisitos para CMU0760

Clique para consultar o oferecimento para CMU0760

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2019 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP