Informações da Disciplina

Júpiter - Sistema de Gestão Acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação


Escola de Comunicações e Artes
 
Cinema, Rádio e Televisão
 
Disciplina: CTR0716 - Introdução a Iconomia
Introduction to Iconomy

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 60 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2007 Desativação:

Objetivos
Neste curso introdutório serão explorados indicadores como o IDH e outros (de terceira e quarta geração) associados à mensuração do desenvolvimento humano, à valoração de ativos intangíveis e de códigos estratégicos, como os softwares ditos “livres”, a genômica e as indústrias criativas. A Iconomia ou “economia de ícones” é entendida sobretudo como uma Economia Política da Sociedade do Conhecimento, um esforço que vá além da economia da informação combinando reflexões, projetos e indicadores da ciência econômica, dos sistemas audiovisuais e das tecnologias da inteligência por meio de redes digitais.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
1101255 - Gilson Liberato Schwartz
 
Programa Resumido
Parte 1: Economia da Informação
- Paradigmas da Economia
- Teoria do Valor e Teoria da Informação
- O Novo Espírito do Capitalismo
- Inovação e Arranjos Comunicativos
Parte 2: Ícones e Intangíveis
- Imagens, violência e poder
- Pós-estruturalismo
- Pós-modernismo
- Marcas, consumo, desejo e cultura
Parte 3: Tecnologias da Inteligência
- Inteligência Coletiva
- Inteligência Cívica
- Emancipação Digital
- Sociedade do Espetáculo
Parte 4: Campos de aplicação e casos concretos
- Softwares livres e economia P2P
- Genômica como Ícone Cultural
- Inteligência Competitiva
- Propriedade Intelectual
- Negociações Internacionais
- Indústrias Criativas
- Indicadores, Métricas e Metodologias
- Financiamento e Desenvolvimento
- Políticas Públicas e Hélice Tripla
- Temporalidades e Desmaterializações
 
 
 
Programa
Informação, valor e propriedade: esses três elementos definem a fronteira do desenvolvimento humano contemporâneo, num contexto de proliferação de novos paradigmas científicos e apologia da chamada sociedade do conhecimento. Na teoria econômica, Joseph Stiglitz defende como um novo paradigma a “economia da informação”, indicando processos de criação e distribuição de valor cujos fundamentos regulatórios redefinem os limites da propriedade, com ênfase para a emergência de novos modelos de propriedade intelectual, autoria, controle e identidade. A “iconomia” explora essa fronteira entre a economia da informação e a sociedade do espetáculo, tanto conceitual quanto empiricamente, designando como “ícones” as unidades de valor cuja característica fundamental é existirem como “ativos intangíveis” (imagens, marcas, patentes, códigos, mapas e genes). O surgimento de novas métricas oferece ao “iconomista” um inédito campo de pesquisa, desenvolvimento e inovação. Serão discutidos casos concretos de estratégias acadêmicas, empresariais, governamentais e não-governamentais de criação, desenvolvimento e regulação iconômica, ou seja, produção, distribuição, design e mensuração de ativos intangíveis em processos de desenvolvimento social, econômico, técnico e cultural.
 
 
 
Avaliação
     
Método
Aulas expositivas; projeção de obras audiovisuais, navegação em rede.
Critério
Participação nas aulas; realização de trabalhos práticos e/ou teóricos.
Norma de Recuperação
Entrega de trabalho escrito e/ou finalização de projeto, no prazo estipulado pelo calendário escolar.
 
Bibliografia
     
Boisot, M.H., 1995, Information Space, Routledge, Londres.
Boltanski, L., Chiapello, E., 2000, Le Nouvel Esprit du Capitalisme, Gallimard, Paris.
Bourdieu. P., Sobre a televisão, Jorge Zahar Editora, 1997.
Burton-Jones, A., Knowledge Capitalism, Oxford University Press, 1999.
Callon, M., The Laws of the Markets, Blackwell, 1998.
Canice Prendergast, Lars Stole, "Impetuous Youngsters and Jaded Old-Timers: Acquiring a Reputation for Learning", The Journal of Political Economy, Vol. 104, No. 6. (Dec., 1996), pp. 1105-1134.
Clark, P., 2000, Organisations in Action, Routledge, Londres.
Comissariat Géneral du Plan, L´infosphére: strategies des medias et role de l´État, 2000
Coyne, R., Designing Information Technology in the Postmodern Age, MIT Press, 1995.
Crawford, Vincent P., and Joel Sobel, 1982, "Strategic Information Transmission," Econometrica 50, 1431-1451.
Davenport, T.H., Beck, J.H., The Attention Economy, Harvard Business School Press, 2001
Davis, E., Techgnosis - myth, magic + mysticism in the age of information, Three Rivers Press, New York, 1998
Dewatripont, M., I. Jewitt and J. Tirole (2000), "Multi-task Problems: Focus and Task-clustering", European Economic Review, v. 44 (4-6), pp. 869-877.
Ferreira, D., and M. Rezende, "Corporate Strategy and Information Disclosure," working paper, November 2003.
Fitz-enz, J., The ROI of Human Capital, Amacom, 2000.
Freeman, C., Louçã, F., As Time Goes By - From the Industrial Revolutions to the Information Revolution, Oxford University Press, 2001.
Friebel, G. and M. Raith (2004), "Hierarchical Communication and Abuse of Authority", RAND Journal of Economics, v. 35 (2)
Garicano, Luis, and Esteban Rossi-Hansberg, 2003, "Organization and Inequality in a Knowledge Economy," working paper, Chicago and Stanford.
Giannotti, J. A., 2000, Uma Certa Herança Marxista, Cia. Das Letras, São Paulo.
Gibbons, Robert, "Incentives in Organizations", Journal of Economic Perspectives, Vol. 12, No. 4, Fall 1998
Goldberg, K. (ed.), The Robot in the Garden - telerobotics and telepistemology in the age of internet, MIT Press, 2000
Habermas, J., On the pragmatics of social interaction, MIT Press, 2001.
Hardt, M., Negri, A., 2000, Empire, Exils Éditeur, Paris.
Henderson, W. (et alii), Economics and Language, Routledge, 1993.
Hill, S., Lederer, C., The Infinite Asset, Harvard Business School Press, 2001.
Himmelstrand, U., Interfaces in Economic and Social Analysis, Routledge, 1992.
Holmstrom, B. and P. Milgrom (1991), "Multi-task Principal-Agent Analyses: Incentive Contracts, Asset Ownership, and Job Design", Journal of Law, Economics and Organization, v. 7, pp. 24-52.
Johnson, S., Cultura da Interface, Jorge Zahar Editor, 2001.
Kagami, M., Tsuji, M., Digital Divide or Digital Jump: Beyond "IT" Revolution, IDE-Jetro, 2002 e The "IT" Revolution and Developing Countries: Late Comer Advantage?, idem, 2001.
Kim, L., Nelson, R.N., Technology, Learning and Innovation - Experiences of Newly Industrializing Economies, Cambridge University Press, 2000.
Klein, N., No Logo e Windows and Fences, 2002.
Lessig, L., The Future of Ideas, Random House, 2001 e Code and other laws of cyberspace, Basic Books, 1999.
Liu, K. (et alii), Information, Organisation and Technology - Studies in Organisational Semiotics, Kluwer, 2001.
Manovich, L., The Language of New Media, MIT Press, 2001.
Raymond, E.S., The Cathedral and the Bazaar, O'Reilly, 1999.
Robins, K., Webster, F., Times of the technoculture, Routledge, 1999.
Sah, Raaj K., and Joseph Stiglitz, "The Architecture of Economic Systems: Hierarchies and Polyarchies", American Economic Review, 1986, 76, 716-27.
Schwartz, G., 2000, O Capital em Jogo, Ed. Campus, Rio de Janeiro.
Searle, J. R., The construction of social reality, Free Press, 1995
Sennett, R., A Cultura do Novo Capitalismo, Editora RCB, 2006.
Shapiro, C., Varian, H.R.1999, Information Rules - A Strategic Guide to the Network EconomyStiglitz, J., 2001, Harvard Business School Press.
Sherwood, R.M., Propriedade Intelectual e Desenvolvimento Econômico, Edusp, 1992.
Shy, O., 2001, The Economics of Network Industries, Cambridge University Press.
Stein, Jeremy C., 2002, "Information Production and Capital Allocation: Decentralized versus Hierarchical Firms," Journal of Finance 57, 1891-1921.
Stiglitz, J., 2001, Information and the Change in the Paradigm in Economics, Nobel Prize Lecture.
Terra, J.C., Gordon, C., Portais Corporativos - a Revolução na Gestão do Conhecimento, Negócio Editora, 2002.
 

Clique para consultar os requisitos para CTR0716

Clique para consultar o oferecimento para CTR0716

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2020 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP