Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 

Júpiter - Sistema de Gestão Acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação


Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade
 
Contabilidade e Atuária
 
Disciplina: EAC0572 - História da Contabilidade
Accounting History

Créditos Aula: 2
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 30 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2022 Desativação:

Objetivos
APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA: O curso é desenhado para auxiliar estudantes com pouco ou nenhum conhecimento em História da Contabilidade, que tenham interesse em aprender sobre momentos importantes e cruciais na História da Contabilidade e seu papel na sociedade. Como metodologia de aprendizagem serão utilizados vídeos, leitura de textos, testes (quizzes) e, eventualmente, o jogo DEBORAH. Para aumentar o conhecimento na área, os participantes produzirão textos curtos e irão avaliar textos de seus pares. Quando terminar esse curso terá uma visão geral da História da Contabilidade para entender melhor como a Contabilidade se desenvolveu ao longo do tempo e como chegou aos dias de hoje. OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM: O objetivo é que o estudante experimente ambiente educacional apropriado para formação de opinião, com visão crítica, e aparelhamento técnico para atuar de forma mais apropriada na área de contabilidade. Com a conclusão exitosa do curso, os alunos serão capazes de • Desenvolver visão crítica sobre a relação entre a contabilidade e a sociedade ao longo do tempo. • Favorecer o aprendizado de como a Contabilidade se desenvolveu ao longo dos vários períodos históricos. • Apresentar a Contabilidade de forma estimulante, para além dos seus aspectos mecânicos, visando atrair mais pessoas talentosas para essa carreira profissional. • Oferecer um contexto para o conteúdo técnico que os estudantes costumam aprender em cursos de graduação, apresentando as situações em que se desenvolveram conceitos utilizados atualmente na Contabilidade. • Apresentar uma visão introdutória da História da Contabilidade, visto que há pouco material disponível na língua portuguesa a esse respeito.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
73235 - Edgard Bruno Cornacchione Junior
 
Programa Resumido
1. INTRODUÇÃO À HISTÓRIA DA CONTABILIDADE 2. SISTEMA DE CONTABILIZAÇÃO POR CARGA E DESCARGA 3. AS PARTIDAS DOBRADAS (PRÉ-PACIOLI) 4. LUCA PACIOLI E A SUMMA DE ARITHMETICA, GEOMETRIA PROPORTIONI ET PROPORNALITÀ 5. CONTABILIDADE CONTEMPORÂNEA
 
 
 
Programa
1. INTRODUÇÃO À HISTÓRIA DA CONTABILIDADE OBJETIVOS EDUCACIONAIS Ao concluir as atividades de forma exitosa o participante será capaz de: -Reconhecer os quatro períodos históricos da Contabilidade segundo Melis. -Relacionar o papel do escriba com o de um contador na antiguidade. -Compreender a Contabilidade antes da existência de sistemas numéricos atuais e da escrita atual com base em alfabeto. -Descrever um processo de registro de transações de negócios, milênios antes de Cristo. -Demonstrar atitude positiva em relação ao estudo da História da Contabilidade. Sumário: Participantes serão apoiados para construção de contexto com a ambientação na Mesopotâmia (lugar, cidades, contribuição e contabilidade). Discussão sobre práticas administrativas em Uruk (3500 e 2900 AC) será estabelecida pelo Prof. Grof (convidado), assim como algumas referências para questões ligadas ao conceito de Estoques, naquela época. Discussão sobre empréstimos à época será estabelecida. Aspectos de troca e moeda assim como escambo serão objeto de reflexão. Por fim, participantes poderão ser convidados a jogarem a primeira fase do DEBORAH, atuando como um escriba na Mesopotâmia, referente aos temas estudados. Na segunda parte desta sessão, estudantes serão levados a reflexão sobre os sete elementos de Littleton e relações com as partidas dobradas. Ainda nesta sessão, teremos a participação especial do Prof. Schmidt (autor de tese pioneira sobre História da Contabilidade aqui no Brasil). Materiais de apoio e leitura serão indicados para complementar estudos. 2. SISTEMA DE CONTABILIZAÇÃO POR CARGA E DESCARGA OBJETIVOS EDUCACIONAIS Ao concluir as atividades de forma exitosa o participantes será capaz de: -Reconhecer a existência do sistema de Carga e Descarga. -Discutir sobre a relação entre Contabilidade e Religião. -Listar 3 (três) características do sistema de contabilidade por carga e descarga. -Demonstrar atitude positiva em relação ao sistema de Carga e Descarga. Sumário: Será apresentado o método de carga e descarga, pouco conhecido entre os próprios contadores. As professoras Rodrigues e Gomes (de Portugal) farão participação especial compartilhando seus conhecimentos a respeito do tema, notadamente o sistema, suas características e regiões em que foi utilizado. Participantes poderão ser convidados a jogar outra fase do DEBORAH, com base em contabilidade por carga e descarga, que se passa em um monastério feminino português do final do século XVIII e início do XIX. O professor Oliveira participará como convidado destacando aspectos da ligação histórica entre Contabilidade e Organizações Religiosas Cristãs. Exemplos serão apresentados sobre este método. Materiais de apoio e leitura serão indicados para complementar estudos. 3. AS PARTIDAS DOBRADAS (PRÉ-PACIOLI) OBJETIVOS EDUCACIONAIS Ao concluir as atividades de forma exitosa o participantes será capaz de: -Reconhecer a existência de outros sistemas contábeis, anteriores às Partidas Dobradas. -Discutir os aspectos do desenvolvimento das Partidas Dobradas na Roma Antiga, no Antigo Egito e China. -Discutir sobre a contribuição dos Templários para a Contabilidade. -Listar os sete elementos conforme propostos por Littleton. -Demonstrar atitude positiva em relação aos sistemas alternativos às Partidas Dobradas. Sumário: Sistemas alternativos às partidas dobradas serão discutidos. Aspectos sobre o desenvolvimento das partidas dobradas na Roma Antiga e no Antigo Egito serão expostos. Também será abordado o seu desenvolvimento em outras regiões, como Itália no período renascentista, China, além de comentários sobre a Índia. Reflexão sobre os Templários será feita. Tendo por base o artigo de Littleton (1927) – The antecedents of double-entry – serão retomados os sete elementos necessários para o surgimento das partidas dobradas. Participantes poderão ser convidados a jogar a fase do DEBORAH ambientada em Florença do século XIV, em que o objetivo do jogador é explorar o cenário da época tentando localizar os sete elementos mencionados no texto de Littleton. Ao final da sessão serão abordados desenvolvimentos na Milão, Gênova e Florença, assim como referência a Luca Pacioli e a Summa de Arithmetica, Geometria proportioni et propornalità. Materiais de apoio e leitura serão indicados para complementar estudos. 4. LUCA PACIOLI E A SUMMA DE ARITHMETICA, GEOMETRIA PROPORTIONI ET PROPORNALITÀ Ao concluir as atividades de forma exitosa o participantes será capaz de: -Reconhecer o sistema de partidas dobradas como proposto por Pacioli. -Compreender o papel da da “Summa” para a Contabilidade. -Discutir a influência das Partidas Dobradas nos negócios. -Explicar a disseminação das Partidas Dobradas no Brasil, via Companhias Pombalinas. -Demonstrar atitude positiva em relação à contribuição de Luca Pacioli para a Contabilidade Moderna. Sumário: Atenção será dada a Luca Pacioli e a Summa de Arithmetica, Geometria proportioni et propornalità. Será estabelecida reflexão sobre como o registro da descrição do sistema contábil por partidas dobradas em um livro possibilitou a padronização de um modelo passível de ser reproduzido em vários países, colaborando para sua adoção por toda a Europa, até o século XIX. Será apresentado também tópico sobre as escolas de comércio em Portugal. A Professora Vasconcelos, doutoranda da FEA/USP, irá compartilhar o caso das Companhias Pombalinas e seu papel na disseminação das partidas dobradas no Brasil. Materiais de apoio e leitura serão indicados para complementar estudos. 5. CONTABILIDADE CONTEMPORÂNEA Ao concluir as atividades de forma exitosa o participantes será capaz de: -Reconhecer a relação entre Contabilidade e avanços sociais como escrita e sistemas numéricos. -Interpretar o papel da Contabilidade no tocante à sua responsabilidade social. -Compreender a influência da Contabilidade no Capitalismo. -Definir a Contabilidade como Linguagem dos Negócios e como Alicerce de Confiança. -Demonstrar atitude positiva em relação às oportunidades para os profissionais da Contabilidade. Sumário: Trataremos da Contabilidade no mundo contemporâneo. Reflexões sobre a evolução do papel da contabilidade na sociedade, com ênfase para informação contábil, decisões, regulação, auditoria, riscos e consequências desejadas e indesejadas do estágio atual de desenvolvimento. Poderá ser disponibilizada aos participantes a fase do jogo digital Deborah Game que aborda o papel do contador na sociedade, ambientada na Austrália, e desenvolvida com base no artigo de Hines (1988) – Financial accounting: In communicating reality, we construct reality. Materiais de apoio e leitura serão indicados para complementar estudos.
 
 
 
Avaliação
     
Método
METODOLOGIA: De acordo com o escopo da disciplina, oferecida na modalidade remota, adota-se abordagem conceitual (aulas expositivas ou vídeos com apresentação de conteúdo), além de exercícios de fixação. HABILIDADES E ATITUDES DESENVOLVIDAS: Com base nos métodos de ensino-aprendizagem descritos acima, descreva quais habilidades e atitudes espera-se que sejam desenvolvidas nos alunos ao longo da disciplina, como: comunicação oral, pensamento crítico, capacidade de trabalho em equipe, capacidade de julgamento para solução de problemas, etc.
Critério
Avaliação: Há várias formas de avaliação dos participantes, até mesmo para que se possa ter uma sinalização mais compreensiva a respeito do desempenho individual. Serão adotados: (a) questões de múltipla escolha ao longo dos vídeos (in-video quizzes, sem valor para nota final), (b) testes com questões de múltipla-escolha ao término de tema, e (c) preparação de textos ou resumos (com correção pelos pares). Serão atribuídos às atividades propostas os seguintes percentuais da nota final para cada participante: (a) Produção de textos ou resumos (avaliação por pares) 30% (penalidade por não avaliar textos de pares); (b) Testes (quizzes) e Participação em Forum 30%; (c) Provas sobre tópicos abordados 40%. Os critérios de avaliação são: a) O aluno será considerado aprovado na disciplina se obtiver nota média final maior ou igual a 5,0 (cinco) e frequência igual ou superior a 70% (setenta por cento). b) O aluno será considerado reprovado na disciplina se obtiver nota média final menor que 3,0 (três) e/ou frequência inferior a 70% (setenta por cento).
Norma de Recuperação
a) O aluno poderá participar do processo de reavaliação (recuperação) na disciplina caso obtenha nota média final maior ou igual a 3,0 (três) e menor que 5,0 (cinco) e frequência igual ou superior a 70%. b) A média para aprovação com reavaliação será obtida por meio da média aritmética simples da média final + nota obtida na reavaliação, que deverá ser igual ou superior a 5,0 (cinco).
 
Bibliografia
     
BIBLIOGRAFIA PRINCIPAL: TEMA 1: Contribuição ao estudo da história do pensamento contábil. Tese de Doutorado (FEA-USP). Autor: Paulo Schmidt. Orientador: Prof. Dr. Masayuki Nakagawa. São Paulo, 1996. Disponível para consulta na Biblioteca da FEA-USP. Livro: História do pensamento contábil. Autores: Paulo Schmidt; José Luiz dos Santos. São Paulo, Editora Atlas, 2006. Práticas administrativas em Uruk entre 3500 e 2900 a.C. Dissertação de Mestrado (FFLCH-USP). Autor: Gabriel Lohner Grof. Orientador: Prof. Dr. Marcelo Aparecido Rede. São Paulo, 2013. TEMA 2: Artigo: Accounting books and the use of accounting in the Monastery of Arouca, 1786-1825. Autores: José Miguel Oliveira e Maria Fátima Brandão. TEMA 3: Artigo: Littleton, A. C. (1927). The antecedents of double-entry. The Accounting Review 2 (2): 140-149. TEMA 4: A intervenção do Estado no ensino comercial: o caso da Aula de Comércio, 1759. Autores: Lúcia Lima Rodrigues, Russell Craig, Delfina Gomes. TOC 118 e 119, janeiro e fevereiro/2010. Disponível para download: Parte I e Parte II. Vídeo "Luca Pacioli: Father of Accounting" (27 minutos, em inglês) - The Albers School of Business - Seattle University Geijsbeek, J.B. (1914), Ancient Double-Entry Bookkeeping (Denver: John B. Geijsbeek). Disponível para download em: www.archive.org/details/ancientdoubleent00geijuoft TEMA 5: Vídeo "Bring it on - CPA Careers". 2004. Produção da California Society of Certified Public Accounants para motivar os estudantes a seguirem a carreira contábil. "Zero Price Accounting - A caminho de uma sociedade a preço zero". Entrevista do Prof. Dr. Edgard Cornacchione para a Revista Dedução. Dezembro/2014. O Nada que Existe - uma história natural do zero. Autor: Robert Kaplan. Editora Rocco. 2001. Mattessich, R. (1994). Accounting as a cultural force. The European Accounting Review, 3(2), 354-374. Chiapello, E. (2007) Accounting and the birth of the notion of capitalism, Critical Perspectives on Accounting, Vol. 18, pp. 263–296. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR: Alexander, J.R. (2002) History of Accounting. Association of Chartered Accountants in the United States: New York, NY. Anon (2005) History of Accounting Part 1, Accountable Asia, Issues 6, pp.1-4. Anon (2006) History of Accounting Part 2, Accountable Asia, Issues 7, pp.1-4. Arlinghaus, F.-J., (2004) Bookkeeping, Double-entry Bookkeeping, in: Medieval Italy: An Encyclopedia, edited by Christopher Kleinhenz, New York, pp. 147-150. Bailey, D. (1992) The attempt to establish the Russian accounting profession 1875-1931, Accounting, Business and Financial History, Volume 2, Number 1, pp. 1-23. Baldi, B. (1589) Friar Luca from Borgo San Sepolcro. Barber, M. 1994. The New Knighthood: A History of the Order of the Temple. Cambridge, U.K.: Cambridge University Press. Basu, S. and Waymire, G.B. (2006) Recordkeeping and Human Evolution, Accounting Horizons, Vol. 20, No. 3, pp. 201–229. Basu, S., Kirk, M., and Waymire, G.B. (2009) Memory, transaction records, and The Wealth of Nations, Accounting, Organizations and Society, Vol. 34, pp. 895–917. Bátiz-Lazo, B., Hernández Borreguero, J.J., Maixé-Altés, J.C., and Núñez Torrado, M. (2010) Adoption and diffusion of double entry book-keeping in Mexico and Spain: A related but under-investigated development, Paper presented at the 6th Accounting History International Conference, Wellington, New Zealand. Besta, F. (1909). La Ragioneria, 2nd Edition (In 3 Volumes), Facsimile Reprint, 2007, Rome: Rirea. Bisson, T. N. (1989). Medieval France and her Pyrenean Neighbours: Studies in Early Institutional History. London, U.K.: The Hambledon Press. Cajori, F. (1993). A history of mathematical notations. New York, NY: Dover Publications Inc. Carmona, S. and Ezzamel, M. (2007) Accounting and accountability in ancient civilizations: Mesopotamia and ancient Egypt, Accounting, Auditing & Accountability Journal, Vol. 20 No. 2, pp. 177-209. Carruthers, B.G. and Espland, W.N. (1991) Accounting for Rationality: Double-Entry Bookkeeping and the Rhetoric of Economic Rationality, American Journal of Sociology, Vol. 97, No. 1, pp. 31-69. Chiapello, E. (2007) Accounting and the birth of the notion of capitalism, Critical Perspectives on Accounting, Vol. 18, pp. 263–296. Ciambotti, M. (2009) La Storia della Ragioneria e la Storia Socio: Accounting History and Socio-Political History, De Computis (Revista Española de Historia de la Contabilidad: Spanish Journal of Accounting History), No. 10, June, pp. 131-156. (English version available at: www.decomputis.org/dc/articulos_doctrinales/ciambotti_ingles10.pdf) Coombes, H. M. and Edwards, J.R. (1994) Record keeping in municipal corporations: a triumph for double entry bookkeeping, Accounting, Business and Financial History, Volume 4, Number 1, 163-180. de Roover, R. (1937). Aux origines d'une technique intellectuelle: la formation et expansion de la comptabilité à partie double, Annales d'histoire économique et sociale IX: 171-93, 270-298. de Roover, R. (1938). Characteristics of bookkeeping before Paciolo. The Accounting Review 13 (2): 144-149. de Roover, R. (1941) A Florentine Firm of Cloth Manufacturers, Speculum, Vol. 16, No. 1, pp. 3-33. de Roover, R. (1955). New perspectives on the history of accounting. The Accounting Review 30 (3): 405-420. de Roover, R. (1956). The development of accounting prior to Luca Pacioli according to the account-books of mediaeval merchants. In Studies in the History of Accounting, edited by A. C. Littleton and B. S. Yamey, 114-174. London, U.K.: Sweet & Maxwell. de Roover, R. (1971). The Organisation of Trade. In The Cambridge Economic History of Europe from the Decline of the Roman Empire Volume 3: Economic Organisation and Policies in the Middle Ages, edited by M. M. Postan, E. E. Rich, and E. Miller, 42-118. Cambridge, U.K.: Cambridge University Press. Delisle, L. (1889). Mémoire sur les opérations financières des Templiers. Paris: Imprimerie Nationale. Donoso Anes, R. (2002) Accounting for the estates of deceased travellers: an example of early Spanish double entry bookkeeping, Accounting History, Vol. 7, No. 1, 79-99. Edler de Roover, F. (1941). Partnership Accounts in Twelfth Century Genoa, Bulletin of the Business Historical Society 15 (6): 87-92. Edwards, J. R. (2009) A business education for ‘the middling sort of people’ in mercantilist Britain, British Accounting Review, Vol. 41, 240–255. Edwards, J.R. and Anderson, M. (2011) Writing masters and accountants in England: A study of occupation, status and ambition in the early modern period, Accounting, Auditing & Accountability Journal, Vol. 24, No. 6, pp. 685-717. Edwards, J.R., Dean, G., and Clark, F. (2009) Merchants’ accounts, performance assessment and decision making in mercantilist Britain, Accounting, Organizations and Society, Vol. 34, pp. 551–570 Flori, L. (1636). Trattato del modo di tenere il libro doppio domestico col suo esemplare. Reprinted (1677), Roma: Lazzari Varese. Galassi, G. and R. Mattessich. 2004. Italian Accounting Research in the First Half of the 20th Century, Review of Accounting and Finance 3 (2): 62-83. Geijsbeek, J.B. (1914), Ancient Double-Entry Bookkeeping (Denver: John B. Geijsbeek). www.archive.org/details/ancientdoubleent00geijuoft Goldthwaite, R. A. 1985. Local Banking in Renaissance Florence, Journal of European Economic History 14 (1): 5-55. Goldthwaite, R. A. (2009). The Economy of Renaissance Florence. Baltimore, MA: The Johns Hopkins University Press. Gras, N.S.B. (1947) What is Capitalism in the Light of History? Bulletin of the Business Historical Society, Vol. 21, No. 4. Gras, N.S.B., De Roover, R. and Larson, H.M. (1942) Capitalism - Concepts and History, Bulletin of the Business Historical Society, Vol. 16, No. 2, pp. 21-42. Greif, A. Milgrom, P. and B. R. Weingast. (1994). Coordination, Commitment, and Enforcement: The Case of the Merchant Guild. Journal of Political Economy 102 (4): 745-776. Grendler, P.F. (1985) The organization of primary and secondary education in the Italian Renaissance, The Catholic Historical Review, Vol. 71, No. 2, pp. 185-205. Gurskaya, M. M., M. I. Kuter, A. E. Deliboltoayn, and E. S. Zinchenko. (2012). The ledgers of Datini company in Barcelona dated 1397-1399: the transition from double-entry system to double-entry bookkeeping. World Congress of Accounting Historians, Newcastle, U.K., July 17-19. Hall, M. W. (1935). Hall Early bankers in the Genoese notarial records. The Economic History Review 6 (1): 73-79. Hamid, S., Craig, R., and Clarke, F. (1995) Bookkeeping and accounting control systems in a tenth-century Muslim administrative office, Accounting, Business and Financial History, Volume 5, Number 3 , pp. 321-333. Hernández-Esteve, E. (1992) Benedetto Cotrugli, precursor de Pacloil en la exposición de lapartida doble, Cuadernos de Estudios Empresariales, No. 2, 87-99. Hernández-Esteve, E. (1994) Comments on some obscure or ambiguous points of the treatise De Computis et Scripturis by Luca Pacioli, The Accounting Historians Journal, Vol. 21, No. 1, pp. 17-80. Hernández-Esteve, E. (1996) Merchants' organizations and accounting regulation in eighteenth-century Spain: the ordinances of the Tribunal of Commerce of Bilbao, Accounting, Business and Financial History, Volume 6, Number 3, pp. 277-299. Jones, M.J. (2008) The Dialogus de Scaccario (c.1179): The First Western Book on Accounting? Abacus, Vol. 44, No. 4, pp. 443-474. Jouanique, P. (1996) Three medieval merchants: Francesco di Marco Datini, Jacques Coeur and Benedetto Cotrugli, Accounting, Business and Financial History, Vol. 6, No. 3, pp. 261-275. Kats, P. (1929). Early History of Bookkeeping by Double Entry. The Journal of Accountancy XLVII (March): 203-210; (April): 275-290. Kats P. (1930). A Surmise regarding the Origin of Bookkeeping by Double Entry. The Accounting Review 5 (4): 311-316. Kojima, T. (1954). The Japanese Abacus: its use and theory. Rutland, VT: C.E. Tuttle Co. Inc. Lall Nigam, B. M. (1986). Bahi-Khata: The Pre-Pacioli Indian Double-entry System of Bookkeeping, Abacus 22 (2): 148-161. Lane, F. C. and R.C . Mueller. (1985). Money and banking in Medieval and Renaissance Venice Volume 1: Coins and moneys of account. Baltimore, MA: The John Hopkins University Press. Lane, F.C. (1945) Venture accounting in Medieval Business Management, Bulletin of the Business Historical Society, Vol. 19, No. 5, pp. 161-173. Lee, G. A. (1972). The oldest European account book: a Florentine bank ledger of 1211, Nottingham Mediaeval Studies XVI: 28-60. Lee, G. A. (1973). The Florentine bank ledger fragments of 1211: some new insights. Journal of Accounting Research 11 (1): 47-61. Lee, G. A. (1973). The development of Italian bookkeeping 1211 to 1300, Abacus 9 (2): 137-155. Lee, G.A. (1977) The comlng of age of double entry: the Glovannl Farolfi ledger of 1299-1300, The Accounting Historians Journal, 4(2): 79-95. Lee, T. (1996) Identifying the founding fathers of public accountancy: the formation of The Society of Accountants in Edinburgh, Accounting, Business and Financial History, 6(3): 315-335. Lemarchand, Y. (1994) Double entry versus charge and discharge accounting in eighteenth- century France, Accounting, Business & Financial History, 4(1): 119-145 Littleton, A. C. (1926). Evolution of the ledger account, The Accounting Review 1 (4): 17-23. Littleton, A. C. (1927). The antecedents of double-entry. The Accounting Review 2 (2): 140-149. Littleton, A. C. (1931). Early transaction analysis, The Accounting Review 6 (3): 180-183. Littleton, A. C. (1933). Accounting evolution to 1900. New York, NY: American Institute Publishing Co. Lopez, R. S. (1976). The Commercial Revolution of the Middle Ages 950-1350. Cambridge, U.K.: Cambridge University Press. Lord, E. (2004). The Knights Templar in Britain. Abingdon, U.K.: Routledge. MacDonald, S. B. and A. L. Gastmann. 2009. A History of Credit & Power in the Western World. New Brunswick, NJ: Transaction Publishers. Macve, R. (2002) Insights to be gained from the study of ancient accounting history, The European Accounting Review 2002, Vol. 11, No. 2, pp. 453–471. Martinelli, A. (1974). The origination and evolution of double entry bookkeeping to 1440. Ph.D. Dissertation. North Texas State University. Martinelli, A. (1977a). Notes on the Origin of Double Entry Bookkeeping. Abacus 13(1): 3-27. Martinelli, A. (1977b). Business ventures in Genoa during the twelfth century (1156-1158). The Accounting Historians Journal 4 (1): 55-68. Martinelli, A. (1983. The Ledger of Cristianus Lomellinus and Dominicus De Garibaldo, Stewards of the City of Genoa (1340-41). Abacus 19 (2): 83-118. Mattessich, R. (1994). Accounting as a cultural force: past, present and future. The European Accounting Review 3(2): 354-374. Mattessich, R. (1998) Review and extension of Bhattacharyya's “Modern Accounting Concepts in Kautilya^s Arthasdstra”, Accounting, Business and Financial History, Vol. 8, No. 2, pp. 191-209. Mattessich, R. 1987. Prehistoric accounting and the problem of representation: on recent archeological evidence of the Middle East from 8,000 B.C. to 3,000 B.C. The Accounting Historians Journal 14 (2): 71-91. Melis, F. (1950). Storia della Ragioneria. Bologna: Cesare Zuffi. Melis, F. 1954. Ancora sulle origini della partita doppia (in risposta ad un articolo del Prof. R. L. Reynolds), Bollettino Ligustico per la Storia e la Cultura Regionale VI (Genniao-Giugno): 1-12. Metcalf, D. M. (1980). The Templars as bankers and monetary transfers between West and East in the twelfth century. In Coinage in the Latin East: The fourth Oxford Symposium on Coinage and Monetary History, edited by P.W. Edbury, and D. M. Metcalf, 1-17. Oxford, U.K.: B.A.R. (British Archaeological Reports). Mueller, R. C. (1979). The role of bank money in Venice 1300-1500. Studi Veneziani n.s. 3: 47-96. Nobes, C.W. (1987) The Pre-Pacioli Indian Double-entry System of Bookkeeping: A Comment, Abacus, Vol. 23, No. 2, pp. 182-184. Olsen, G. (1969). Italian merchants and the performance of Papal banking functions in the early thirteenth century. Explorations in Economic History 7 (1): 43-63. Orlandi, A., (2011). The affirmation of double-entry bookkeeping in the business accounts of Tuscan merchants in the Late Middle Ages. Presentation at The International Conference of Accounting Theory and History "View from the Past into the Future", St Petersburg, Russia, February 10-11. Pacioli, L. (1494). Particularis de Computis et Scripturis, In Summa de Arithmetica Geometria Proportioni et Proportionalita, ff. 197v-210v. Venice: Paganino de Paganini. Peacock, M. S. (2013). Accounting for money: The legal presuppositions of money and accounting in ancient Greece, Business History 55 (2): 280-301. Peacock, M. S. 2013. Introducing money. Abingdon, U.K.: Routledge. Peragallo, E. (1938). Origin and evolution of double entry bookkeeping. New York, NY: American Institute Publishing Company. Peragallo, E. (1956) Origin of the trial balance, The Accounting Review, Vol. 31, No. 3, pp. 389-394. Peragallo, E. (1969) Commentary on “History of Accounting and Accountants” by Richard Brown, The Accounting Review, Vol. 44, No. 4, pp. 854-856. Pietra, A. (1586). Indrizzo de gli Economi. Mantova: F. Osanna. Quattrone, P. (2009) Books to be practiced: Memory, the power of the visual, and the success of accounting, Accounting, Organizations and Society, Vol. 34, pp. 85–118. Rodrigues, L.L., & Craig, R. (2004) English mercantilist influences on the foundation of the Portuguese School of Commerce in 1759, Atlantic Economic Journal, Vol. 32, No. 4, pp. 329-345. Rodrigues, L.L., & Craig, R. (2009) “Teachers as servants of state ideology: Sousa and Sales, Portuguese School of Commerce, 1759-1784”, Critical Perspectives on Accounting, Vol. 20, No3, pp. 379-398. Rodrigues, L.L., Craig, R. & Gomes, D., (2004) “The Portuguese School of Commerce, 1759-1844: a reflection of the ‘Enlightenment’”. Accounting History, Vol. 9, No 3, pp. 53-71. Rodrigues, L.L., Gomes, D., & Craig, R. (2003) “Corporatism, liberalism and the accounting profession in Portugal since 1755”, The Accounting Historians Journal, Vol. 30 No. 1, pp. 95-128. Rodrigues, L.L., Gomes, D., & Craig, R. (2007) “State intervention in commercial education: the case of the Portuguese School of Commerce, 1759”, Accounting History, Vol. 12, No 1, pp. 55-85. Rodrigues, L.L., Ricardino, Á., & Martins (2009) “ 'Corporate governance regulations’: a new term for an ancient concern? The case of Grão Pará and Maranhão General Trading Company in Portugal (1754), Accounting History, Vol. 14, No.4, pp. 405–435. Rodrigues, L.L. and Sangster, A. (2012). Public–private partnerships: The Portuguese General Company of Pernambuco and Paraíba (1759), Business History, Vol. 54 (7): 1142-1165. Rodrigues, L.L. and Sangster, A. (2013). The role of the State in the development of accounting in the Portuguese-Brazilian Empire: 1750-1822, Accounting History Review, Vol. 23 (2): 161-184. Rodrigues, LL., Schmidt, P., Fonseca, P. & Santos, J. L. (2011) A research note on accounting in Brazil in the context of political, economic and social transformations, 1860 – 1964, Accounting History, Vol. 16, No. 1, pp. 111-123. Rossi, G. (1896). La Computisteria dei Romani e l'lnvenzione della Scrittura Doppia. Roma: Società Editrice Dante Alighieri. Sakamoto, S. I. (1999). The Cranmer Abacus: its use in teaching mathematics to students with visual impairments. Ph.D. Dissertation. University of Arizona. Sangster, A. (2011) Luca Pacioli, School Teacher and University Professor, in ‘Before and After Luca Pacioli’, Proceedings of ATTI II Incontro Internazionale 17/18/19 Giugno 2011 Sansepolcro-Perugia-Firenze, Aboca Edizioni, Sansepolcro, Hernández-Esteve, E. and Martelli, M. (eds.). Sangster, A., Stoner, G., Scataglini-Belghitar, G., De Lange, P., and B. O’Connell. 2014. Pacioli’s Example Entries – A Conundrum Resolved? Abacus 50 (1): 93-106. Sangster, A. (2012). The genesis of double entry bookkeeping. The Accounting Review, 91(1). Santini, P. (1887). Frammenti di um libro di banchieri fiorentini scritto in vulgare nel 1211. Giornale Storica della Letteratura Italiana X: 161-177. Sapori, A. (1955). L’interesse del denaro a Firenze del Trecento (dal testamento di un usario), Studi di Storia Economica (secoli XIII – XIV – XV) I: 223-243. Scorgie, M. E. (1994). Accounting Fragments stored in the Old Cairo Genizah, Accounting Business and Financial History 4 (1): 29-41. Scorgie, M.E. (1990) Indian Imitation or Invention of Cash-Book and Algebraic Double-Entry, Abacus, Vol. 26. No. 1, pp. 63-70. Smith, F. (2008). The influence of Amatino Manucci and Luca Pacioli. Presentation at Gresham College, London, U.K., April 25. Smith, F. (2008). The influence of Amatino Manucci and Luca Pacioli, BSM Bulletin 23: 143-156. Sosnowski, R. (2006. Origini Della Lingua Dell’Economia in Italia dal XIII al XVI secolo. Milano: Franco Angeli. Spufford, P. (1989). Money and its use in medieval Europe. Cambridge, U.K.: Cambridge University Press. Staley, E. 1906. The Guilds of Florence. London, U.K.: Methuen & Co. Struik, D. J. (1987). A concise history of mathematics, 4th edition. Mineola, NY: Dover Publications Inc. Sugden, K.F. (1993) Coinage as an instrument of financial control in the Roman world, Accounting, Business and Financial History, Volume 3, Number 2, pp. 225-238. Tagliente, A. (1525). Considerando ... diversi Mercanti et molti Artesani li quali sanno le sue mercantile ne le loro botege ... . Venetia: no publisher. Torrecchia, P. and Costa, M. (2011) More than a Technical Discipline: The Accounting Culture in Italy. A glance through the “schools”, Paper presented at the 1st Accounting History Review Conference, Cardiff. Udovitch, A. L. (1979). Bankers without Banks: Commerce, Banking, and Society in the Islamic World of the Middle Ages. In The Dawn of Modern Banking, edited by Center for Medieval and Renaissance Studies, UCLA, CA, 255-273. New Haven, CT: Yale University Press. Usher, A. P. (1914). The Origin of the Bill of Exchange, Journal of Political Economy 22 (6): 566-576. Usher, A. P. (1934). The Origins of Banking: the primitive bank of deposit, 1200-1600, The Economic History Review 4 (4): 399-428. Viganò, E. and R. Mattessich. 2007. Accounting research in Italy: second half of the 20th century, Review of Accounting and Finance 6 (1): 24-41. Yamey, B.S. (1947) Notes on the Origin of Double-Entry Bookkeeping, The Accounting Review, Vol. 22, No. 3, pp. 263-272. Yamey, B.S. (1994) Accounting in History, European Accounting Review, Vol. 3, No. 2, pp. 375-380. Yamey, B.S. (2004) Pacioli’s “De Scripturis” in the Context of the Spread of Double Entry Bookkeeping, De Computis, (Revista Española de Historia de la Contabilidad: Spanish Journal of Accounting History), No. 1, pp. 142-154. Yamey, B.S. (2005) The Historical Significance of Double-entry Bookkeeping: Some Non-Sombartian Claims, Accounting, Business & Financial History, Vol. 15, No. 1, pp. 77–88. Zerbi, T. 1952. Le Origini della partila doppia: Gestioni aziendali e situazioni di mercato nei secoli XIV e XV. Milan: Marzorati. Zervas, (1975) The Trattato dell'Abbac and Andrea Pisano's Design for the Florentine Baptistery Door, Renaissance Quarterly, Vol. 28, No. 4, pp. 483-503.
 

Clique para consultar os requisitos para EAC0572

Clique para consultar o oferecimento para EAC0572

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2022 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP