Informa??es da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Educação
 
Metodologia do Ensino e Ed Comparada
 
Disciplina: EDM0400 - Educação Especial, Educação de Surdos, Língua Brasileira de Sinais
Special Needs Education, Education for the Deaf and Brazilian Sign Language (Libras)

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 60 h
Tipo: Semestral
Ativação: 15/07/2015 Desativação:

Objetivos
Tendo como compromisso a formação de professores em diferentes áreas do conhecimento para atuar nos processos de ensino e de aprendizagem no ensino fundamental II e ensino médio, esta disciplina pretende:
• Oferecer subsídios teóricos e metodológicos para a compreensão dos processos educacionais que envolvem os alunos público alvo da educação especial;
• Compreender a educação de surdos, a partir da perspectiva histórico-cultural, levando em consideração a especificidade linguística deste aluno;
• Estudar a língua brasileira de sinais (Libras), visando, com isso, aproximar os futuros professores das possibilidades educacionais permitidas aos alunos surdos por intermédio desta língua.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
7723980 - Karina Soledad Maldonado Molina
 
Programa Resumido
- Discutir os conceitos de estigma e preconceito, diferença e deficiência, educação especial e educação inclusiva
- O público-alvo da educação especial
- Educação de surdos: contexto histórico e político
- Estudo prático da Libras
 
 
 
Programa
1. Princípios, conceitos e concepções que compõem o campo da educação especial.
2. Políticas educacionais, legislação, recomendações e declarações internacionais que disciplinam e orientam a educação especial brasileira.
3. Contextualização histórica e política da Educação de surdos.
4. Libras contexto histórico e legislação.
5. Ensino prático da Libras.
 
 
 
Avaliação
     
Método
As aulas serão desenvolvidas de forma expositiva dialogada; com orientação de seminários, trabalhos, resumos, fichamentos, resenhas e leituras de textos, parte integrante do processo de avaliação.
Critério
Síntese expressa numa escala numérica de 0 (zero) a 10 (dez), obtida em avaliação processual por meio da realização de produções escritas, da apresentação de seminários, da elaboração de trabalhos escritos e de outras atividades.
Norma de Recuperação
Obter nota igual ou acima de cinco, de acordo com as normas estabelecidas pela USP. As formas, os períodos e os conteúdos que farão parte do processo de recuperação serão determinados pelo docente da disciplina, de acordo com os procedimentos definidos pela universidade.
 
Bibliografia
     
BAPTISTA, C. R.; JESUS, D. M. de (Orgs). 2 ed. Avanços em políticas de inclusão: o contexto da educação especial no Brasil e em outros países. Porto Alegre: Editora Medição, 2011.
BAPTISTA, C. R. Ciclos de formação, educação especial e inclusão: frágeis conexões? In: MOLL, Jaqueline (Org). Ciclos na vida, tempos na escola: criando possibilidades. Porto Alegre, 2004.
BLANCO, R. A atenção à diversidade na sala de aula e as adaptações do currículo. In: COLL, C.; MARCHESI, A.; PALACIOS, J. (Orgs.). Desenvolvimento psicológico e educação: transtornos de desenvolvimento e necessidades educativas especiais. v. 3. Porto Alegre: Artmed. 2004.
FERNANDES, E. (Org.). Surdez e bilinguismo. Porto Alegre: Mediação, 2012.
GAVILAN, P. O trabalho cooperativo: uma alternativa eficaz para atender à diversidade. In: ALCÚDIA, R. Atenção à diversidade. Porto Alegre: Artmed, 2002.
GÓES, M. C. Linguagem, surdez e educação. Campinas: Autores Associados 2002
JANNUZZI, G. Algumas concepções de educação do deficiente. Rev. Bras. Cienc. Esporte, Campinas, v. 25, n. 3, p. 9-25, maio 2004.
MAZZOTTA, M. J. da S. Educação especial no Brasil: história e políticas públicas. São Paulo: Cortez, 1996.
MENDES, E. G. A radicalização do debate sobre inclusão escolar no Brasil. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, v. 11, n.º 33, set. / dez. 2006.
MOYSÉS, M. A. Institucionalização Invisível: crianças que não aprendem na escola. São Paulo: Mercado da Letras, 2001.
LACERDA, C.B. de F. Um pouco da história das diferentes abordagens na educação dos surdos. Cad. CEDES. Campinas, v. 19, n. 46. p. 68-80, set.1998.
LACERDA, C.B.F. de. A inclusão escolar de alunos surdos: o que dizem alunos, professores e intérpretes sobre esta experiência. Cad. CEDES, Campinas, v. 26, n. 69, p.163-184, maio/ago., 2006.
LODI, A.C.B. Plurilinguísmo e surdez: uma leitura bakhtiniana da história da educação dos surdos. Educ. Pesqui. São Paulo, v. 31, n. 3, p. 409-424, set./dez. 2005.
LODI, A.C.B. Educação bilíngue para surdos e inclusão na política de educação especial e no Decreto 5.626/05. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 39, n. 1, p. 49-63, jan./mar. 2013.
PEREIRA, M.C. et al. Libras: conhecimento além dos sinais. São Paulo: Pearson, 2011.
TORRES GONZÁLEZ, J. A. Educação e diversidade: bases didáticas e organizativas. Porto Alegre: ArtMed, 2002.
VEIGA-NETO, A. Incluir para excluir. In: LARROSA, J.; SKLIAR, C. (Orgs). Habitantes de Babel: políticas e poéticas da diferença. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

Legislação brasileira sobre educação especial.
Declarações internacionais sobre direito à educação.
 

Clique para consultar os requisitos para EDM0400

Clique para consultar o oferecimento para EDM0400

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2020 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP