Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 

Júpiter - Sistema de Gestão Acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação


Faculdade de Educação
 
Metodologia do Ensino e Ed Comparada
 
Disciplina: EDM0402 - Didática
Didatics

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 1
Carga Horária Total: 90 h ( Estágio: 30 h , Práticas como Componentes Curriculares = 20 h )
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2022 Desativação:

Objetivos
A disciplina Didática pretende contribuir para a formação do professor, como agente de ensino na educação institucional, mediante:
Análise das teorizações sobre o ensino e sua relação com a prática pedagógica;
Estudo de diferentes perspectivas de análise dos processos de  ensino e aprendizagem  e das relações do professor- aluno;
Discussão de questões contemporâneas da prática pedagógica no cotidiano escolar.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
167942 - Adriana Bauer
46273 - Belmira Amelia de Barros Oliveira Bueno
7067602 - Claudia Valentina Assumpção Galian
863900 - Jaime Francisco Parreira Cordeiro
7723980 - Karina Soledad Maldonado Molina
3140642 - Katiene Nogueira da Silva
1354702 - Maria Isabel de Almeida
1246802 - Monica Appezzato Pinazza
1645036 - Paula Perin Vicentini
1987070 - Rita de Cassia Gallego
1889824 - Vivian Batista da Silva
 
Programa Resumido
O Curso de Didática pretende contribuir para a formação do professor mediante o exame das especificidades do trabalho docente na instituição escolar. Para tanto, propõe o estudo de teorizações sobre o ensino, de práticas da sala de aula e de possibilidades de desenvolvimento do trabalho pedagógico frente às conjunturas sociais. Trata-se, portanto, de analisar as situações de sala de aula, buscando compreender a relação professor-aluno-conhecimento, de maneira a propiciar ao futuro professor condições para criar alternativas de atuação. Os estágios, com carga horária de 30 horas, poderão contemplar diferentes aspectos do processo de ensino e aprendizagem e envolver atividades de observação de aulas, entrevistas com os agentes da escola, desenvolvimento de projetos de pesquisa, regência e/ou análise de documentos da escola, dos professores ou dos alunos. Como Práticas como Componentes Curriculares (PCCs) essas terão a carga horária de 20 horas, devendo-se ser consideradas atividades voltadas à análise de situações do cotidiano escolar, seja por meio de estudo de casos, seja por meio de discussão de relatos/entrevistas de professores e alunos, análise e elaboração de materiais didáticos, assim como discussões acerca de situações do cotidiano que envolvam possibilidades de intervenção.
 
 
 
Programa
A Didática, o ensino e seu caráter na escola contemporânea.
1.1. Teorizações sobre o ensino na perspectiva histórica.

Organização do trabalho  docente na escola.
2.1. Projeto pedagógico, currículo e planejamento de ensino.
2.2. A natureza do trabalho docente e suas relações com o sistema de ensino e a sociedade.

3. Situações de ensino na sala de aula.
3.1. A relação pedagógica e a dinâmica professor-aluno-conhecimento.
3.2. Organização das atividades do professor e do aluno.
3.3. Recursos e tecnologias  para o ensino.

Questões críticas da didática: disciplina/indisciplina, ciclos escolares e avaliações.
 
 
 
Avaliação
     
Método
Organização das aulas A disciplina será desenvolvida por meio de discussões, análise de textos, trabalhos práticos e realizações de estágio de 30 horas. Utilizar-se-ão trabalhos individualizados e em grupos. O estágio obrigatório será cumprido preferencialmente em escola pública, no Ensino Fundamental ou Ensino Médio, podendo ser contemplada a modalidade Educação de Jovens e Adultos (EJA).
Critério
A avaliação levará em conta a participação do aluno nas atividades de classe e extra classe, as leituras realizadas, os trabalhos, as provas e o estágio. De acordo com as orientações do professor responsável pela disciplina, a avaliação do estágio poderá corresponder a relatório escrito ou outro gênero (como ensaio, artigo, cartas analíticas etc.), sendo as experiências socializadas com a turma por meio de apresentação de relatos das atividades desenvolvidas no estágio (de produção individual ou em grupo) e as análises das mesmas.
Norma de Recuperação
De acordo com orientações do docente da disciplina.
 
Bibliografia
     
ALMEIDA, Guido de O professor que não ensina. São Paulo: Summus, 1996. AZANHA, José Mario
Pires Uma reflexão sobre a Didática. 3º Seminário A Didática em questão. Atas, v.I, 1985, p.24-
32. BISSERET, Noëlle. A ideologia das aptidões naturais. DURAND, J. C. (org.). Educação e
hegemonia de classe. Rio de Janeiro: Zahar, 1979, p. 31-67. BOURDIEU, Pierre & SAINT-MARTIN,
Monique. As categorias do juízo professoral. CATANI, Afrânio & NOGUEIRA, Maria Alice (org.)
Escritos de Educação. Petrópolis: Vozes, 1998, p.185-216. BUENO, Belmira Oliveira; CATANI,
Denice Barbara & SOUSA, Cynthia Pereira de A vida e o ofício dos professores. São Paulo:
Escrituras, 1998. CASTRO, Amélia Domingues de & CARVALHO, Anna Maria Pessoa de (orgs.)
Ensinar a ensinar: didática para a escola fundamental e média. São Paulo: Pioneira/Thomson
Learning, 2001. CATANI, Denice Barbara; GALLEGO, Rita de Cassia. Avaliação. São Paulo: Ed.
UNESP, 2009. CATANI, Denice Barbara; BUENO, Belmira Oliveira; SOUSA, Cynthia Pereira de &
SOUZA, M. Cecília C. C. Docência, memória e gênero. São Paulo: Escrituras, 1997. CATANI,
Denice B. et.al.(orgs) . Docência, Memória e Gênero: estudos sobre formação. SP:
Escrituras.1997. CHARLOT, Bernard. A Criança no Singular. IN: Presença Pedagógica. vol.2. no.
10. Jul-Ago/96:5-15. CHARLOT, B. Da relação com o saber. Artmed, 2000. CHERVEL, André.
História das disciplinas Escolares: reflexões sobre o campo de pesquisa. IN: Teoria e Educação.
no.2. Porto Alegre: Ed. Pannomica.1990:177-229. DEMARTINI, Zeila de Brito Fabri Histórias de
vida na abordagem de problemas educacionais. In: VON SIMON, Olga Rodrigues (org.)
Experimentos com histórias de vida. Itália – Brasil. São Paulo: Vértice; Editora Revista dos
Tribunais, 1998, p. 44-71. DUBET, François Quando o sociólogo quer saber o que é ser professor.
Revista Brasileira de Educação, n. 5-6, maio-dez/1997, 222-231. FOUCAULT, Michel. Vigiar e
Punir. Petrópolis, Vozes, 1987, 9ª ed. GUIMARÃES, Carlos Eduardo A disciplina no processo
ensino-aprendizagem. Didática, São Paulo, 1982, 18: 33-39. GUSDORF, Georges Professores, para
quê? Para uma pedagogia da pedagogia. Lisboa: Livraria Morais Editora, 1967. HARGREAVES,
Andy. Os professores em tempos de mudança: o trabalho e a cultura dos professores na idade
pós-moderna. Lisboa: McGraw Hill, 1998. HOFFMANN, Jussara. Avaliação: Mito & Desafio. Porto
Alegre: Educação e Realidade. 10ª ed. 1993. HUBERMAN, Michaël O ciclo de vida profissional dos
professores. NÓVOA, A. (org.) Vidas de professores. Porto: Porto Editora, 1992, p. 31-61. LEITE,
Dante M. Educação e relações interpessoais. In: PATTO, M. H. S. (org.). Introdução à psicologia
escolar. São Paulo: T. A. Queiroz, 1985. MEIRIEU, Philippe Aprender .... sim, mas como? Porto
Alegre: Artmed, 1998. MORAIS, Regis (org.). Sala de aula. Que espaço é esse? Campinas:
Papirus, 1994. NAGLE, Jorge O Discurso Pedagógico. IN: NAGLE,J.(org). Educação e Linguagem.
SP: EDART. 1979. NOBLIT, George W. Poder e desvelo na sala de aula. Revista da FEUSP, São
Paulo, jul-dez/1995, v. 21, nº 2, p. 119-137. NÓVOA, António Formação de professores e trabalho
pedagógico. Lisboa: EDUCA, 2002. PATTO, Maria Helena de Souza. Introdução à Psicologia
Escolar. São Paulo: T. A. Queiroz Ed., 1991, p. 47-53. PATTO, Maria Helena Souza A produção do
fracasso escolar. São Paulo: T. A. Queiroz, 1991. PENIN, Sonia Profissão docente: pontos e
contrapontos. Sonia Penin; Miguel Martinez e Valéria Amorim Arantes (org.). São Paulo: Summus,
2009. PERRENOUD, Philippe Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens – entre duas
lógicas. Porto Alegre: Artmed, 1999. PERRENOUD,Philippe. Práticas Pedagógicas e Profissão
Docente. Lisboa/Pt:Publicações Dom Quixote. 1993. SACRISTÁN, J. Gimeno. Consciência e Ação
sobre a Prática como Libertação Profissional dos Professores. IN: NÓVOA, A.(org). Profissão
Professor. Porto/Pt: Porto Editora. 2ªed. 1995:63-92. SÃO PAULO. Conselho Estadual de
Educação – CEE/SP. Deliberação CEE 155/2017, de 28 de junho de 2017 e a Indicação
161/2017, de 05 de julho de 2017, que Dispõe sobre avaliação de alunos da Educação
Básica, nos níveis fundamental e médio, no Sistema Estadual de Ensino de São Paulo e
dá providências correlatas. Acesso em: 13 de julho de 2020. Disponível em:
http://iage.fclar.unesp.br/ceesp/textos/2017/673-88-Delib-155-17-Indic-161-17-alt-Del-161-
18.pdf. SÃO PAULO. Conselho Estadual de Educação – CEE/SP. Deliberação CEE
186/2020 - Fixa normas relativas ao Currículo Paulista do Ensino Médio, de acordo com a
Lei 13.415/2017, para a rede estadual, rede privada e redes municipais que possuem
instituições vinculadas ao Sistema de Ensino do Estado de São Paulo, e dá outras
providências. Disponível em: http://www.ceesp.sp.gov.br/ceesp/textos/2020/2020-00267-
Delib-186-20-Indic-198-20.pdf. SANTIAGO, Anna Rosa F.. Projeto Político-Pedagógico: escola
básica e a crise de paradigmas. IN: BRASIL, MEC. Anais de Conferência Nacional de Educação para
Todos. Brasília/DF. 1994: 597-604. SCHEFFLER, Israel. A linguagem da educação. (Tradução de

Baltazar Barboda Filho). São Paulo, EDUSP/Saraiva, 1974. TARDIF, Maurice Saberes profissionais
dos professores e conhecimentos universitários: elementos para uma epistemologia da prática
profissional dos professores e suas conseqüências com relação à formação do magistério. Revista
Brasileira de Educação, jan-mar/2000, nº 13, p. 5-24. THOMPSON, Paul A voz do passado: história
oral. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992. WOODS, Peter. Investigar a Arte de Ensinar. Porto/Pt:
Porto Editora, 1999, p 27-44.
 

Clique para consultar os requisitos para EDM0402

Clique para consultar o oferecimento para EDM0402

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2022 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP