Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 

Júpiter - Sistema de Gestão Acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação


Escola de Educação Física e Esporte
 
Esporte
 
Disciplina: EFE0145 - Treinamento da Potência Aeróbia
Aerobic Power Training

Créditos Aula: 2
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 30 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2008 Desativação:

Objetivos
a. Geral do curso
i. Preparar profissionais para compreender o Esporte, capacitando-os para atuar nos diferentes segmentos das organizações e grupos esportivos.
b. Geral da disciplina
i. Oferecer aos alunos a oportunidade de aprofundar o conhecimento dos diversos aspectos da bioenergética e metabolismo celular relacionados ao treinamento esportivo, com ênfase na potência aeróbia.
c. Específicos da disciplina
i. Compreender e aplicar os conhecimentos de bioenergética e metabolismo celular na pratica da preparação física com atividades prolongadas
ii. Conhecer e entender os aspectos bioenergéticos e metabolismo celular que afetam o desempenho físico em atividades de longa duração
iii. Conhecer e entender os aspectos bioenergéticos e metabolismo celular alterados pelos diferentes procedimentos de treinamento da potência aeróbia
iv. Conhecer e entender as respostas específicas e inespecíficas do treinamento físico da potência aeróbia
v. Planejar e aplicar sessões de treinamento de acordo os princípios da bioenergética
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
473519 - Benedito Pereira
 
Programa Resumido
O treinamento físico tornou-se recentemente cientificamente baseado principalmente nas disciplinas biológicas, com a Bioquímica Aplicada à Atividade Física aparecendo com destaque. De fato, esta disciplina contribui para a compreensão do Treinamento Esportivo principalmente através de seus conhecimentos de metabolismo celular que, quando aplicados a esta área, esclarece uma série de problemas, como por exemplo, a organização de séries de treinamento e duração das pausas utilizadas. Estas e outras questões serão objeto de estudos neste curso. Outro motivo da proposição desta disciplina é porque inexistem cursos neste nível objetivando o ensino dos processos de energética celular alterados pelo treinamento esportivo, principalmente voltado para o treinamento da potência aeróbia.
 
 
 
Programa
a. Conceitos e Definições
i. Capacidade aeróbia
ii. Exercício físico prolongado
iii. Energia e informação nervosa
iv. Energia livre
v. Eficiência/rendimento metabólico
vi. Contração e ação musculares
vii. Supercompensação e estresse metabólico
viii. Força, trabalho e potência.
ix. Potência aeróbia & potência anaeróbia
x. Catabolismo e anabolismo
xi. Vias metabólicas
xii. Ajustes metabólicos
xiii. Efeitos agudos e crônicos
xiv. Qr & RER
xv. Definição de fadiga
b. Músculo e fibras musculares
i. Estrutura muscular
ii. Actina e miosina
iii. Excitação-contração muscular
iv. Componentes não-contráteis
v. Fibras musculares
vi. ATPases e atividade muscular
vii. Efeitos morfológicos do treinamento da potência aeróbia
viii. Eletrólitos e fadiga
ix. Fadiga e excitação-contração
c. Metabolismo anaeróbio aláctico
i. ATP, ADP, AMP e Pi.
ii. ATP e PCr
iii. Ciclo de degradação de purinas
iv. Isoenzimas da creatina quinase
v. Efeitos da isquemia tecidual
vi. NH3 e exercício físico
vii. Amônia, pi e Fadiga.
viii. Creatina e desempenho físico
ix. Metabolismo anaeróbio aláctico e aspectos raciais
x. Efeitos do treinamento da potência aeróbia
d. Metabolismo anaeróbio láctico
i. Carboidratos & lipídios
ii. Estrutura de glicogênio e glicose
iii. Quantidades corporais de CHO e lipídios
iv. Suprimento de ATP pela glicólise
v. Condições de ativação da glicólise
vi. Velocidade na ativação da glicólise e fosforilação oxidativa
vii. Glicólise anaeróbia e aeróbia
viii. Propriedades do glicogênio e enzimas envolvidas
ix. Glicogênio e exercício físico
x. Enzimas da glicólise
xi. Oxidação de piruvato
xii. Carboidratos no repouso e no exercício
xiii. Efeitos do treinamento da potência aeróbia
xiv. Glicogênio e fadiga
e. Lactato e exercício físico
i. Noções de pH e pK
ii. Diferenças entre ácido e base
iii. Ácido láctico e lactato
iv. Limiar de lactato e limiar anaeróbio
v. Fatores que propiciam aumento no lactato durante o exercício prolongado
vi. Lançadeira de lactato
vii. Transporte de lactato
viii. Metabolismo muscular de lactato
ix. Efeitos da altitude
x. Efeitos do exercício prolongado e treinamento
xi. Fadiga envolvendo lactato e H+
f. Glicose e exercício físico
i. Papel do fígado e músculo esquelético no metabolismo de glicose
ii. Transporte celular de glicose
iii. Efeitos do exercício no transporte de glicose
iv. Regulação do consumo tecidual de glicose
v. Biossíntese de glicogênio após e durante o exercício
vi. Efeitos da suplementação com carboidratos
vii. Efeitos do treinamento da potência aeróbia
viii. Glicose e fadiga
g. Lipídio e exercício físico
i. Vantagens e desvantagens na utilização de lipídios
ii. Nomenclatura
iii. Suprimento muscular de ácidos graxos
iv. Mecanismo regulador da lipólise
v. Transporte sanguíneo e muscular de ácidos graxos
vi. Oxidação muscular de ácidos graxos
vii. Efeitos do treinamento da potência aeróbia no metabolismo lipídico
viii. Ácidos graxos de cadeia média
ix. Emulsão oral e infusão de ácidos graxos
x. Consumo de cafeína
xi. Consumo de L-carnitina
xii. Dieta rica em lipídios
xiii. Consumo de lipídios durante o exercício prolongado
xiv. Lipídios intramusculares e exercício prolongado
xv. Regulação do catabolismo de lipídios no exercício prolongado
xvi. Efeito da intensidade do exercício prolongado
xvii. Lipídios e fadiga
h. Ciclo de krebs, cadeia respiratória e exercício físico
i. Mitocôndrias e exercício físico prolongado
ii. Organização estrutural mitocondrial
iii. Localização e tipos mitocondriais
iv. Conceito de vias anapleróticas
v. Concentração de intermediários do ciclo de krebs (CK) no músculo esquelético
vi. Reações anapleróticas no músculo esquelético
vii. Significado das reações anapleróticas durante o exercício prolongado
viii. Efeito Pasteur
ix. Papel oxidante do oxigênio
x. Transportadores intramitocondriais de elétrons
XI. Produção mitocondrial de EROs
xii. Produção citoplasmática de EROs
xiii. Metabolismo de ferro e cobre na produção de EROs
xiv. Peroxidação lipídica
xv. Efeitos do treinamento da potência aeróbia
i. Metabolismo do exercício contínuo e intermitente
i. Diferenças entre treinamento contínuo e intervalado
ii. Metabolismo energético e exercício Intermitente
iii. Substratos utilizados no exercício intermitente
iv. Desempeno físico no exercício Intermitente
v. Treinamento intervalado
vi. Efeitos do treinamento intermitente
vii. Dessensibilização metabólica pelo treinamento prolongado
 
 
 
Avaliação
     
Método
1. Métodos
a. Aulas teóricas

2. Atividades discentes
a. Participação nas aulas teóricas

3. Carga horária (30 horas)
a. Aulas teóricas (30 horas)
Critério
a. Duas provas escritas (80% cada)
b. Tarefas (20%)
Norma de Recuperação
a. Alunos não aprovados poderão se submeter a uma outra prova escrita logo após o conhecimento das médias.
 
Bibliografia
     
Billat, L.V. Interval training for performance: a scientific and empirical practice. Special recommendations for middle- and long-distance running. Part 1: aerobic interval training. Sports Medicine 31:13-31, 2001.
Billeter, R. & Hoppeler, H. Muscular basis of strength. In: Strength and Power in Sport. Edited by Komi, P. Oxford: Blackwell, 1992.
Bangsbo, J. Physiology of intermittent exercise. In: Exercise and Sport Science. Editors: William E. Garrett, Jr. & Donald T. Kirkendall. Philadelphia: Lippincott Williams & Wlkins, 2000.
Bonen, A. Lactate transporters (MCT proteins) in heart and skeletal muscule. Medicine and Science in Sports and Exercise 32:778-789, 2001.
Bonen, A. & McCullagh, K.J.A. Effects of exercise on lactate transport into mouse skeletal muscles. Canadian Journal of Applied Physiology 19:275-285, 1994.
Bonen, A.; McDermott, J.C. & Tan, M.H. Gycogenesis and glyconeogenesis in skeletal muscle: effects of pH and hormones. American Journal of Physiology 258 (endocrinology Metabolism 21):E693-E700, 1990.
Cavanagh, P.R. On “muscle action” vs. “muscle contraction”. Journal of Biomechanics 22, 69, 1988.
Connett, R.J & Sahlin, K. Control of glycolysis and glycogen metabolism. In: Exercise: Regulation and Integration of Multiple Systems. Handbook Of Physiology Section 12, 1996. Páginas 870-911.
Coyle, E.F. Physical activity as a metabolic stressor. American Journal of Clinical Nutrition. 72 (Supplement):512-520, 2000.
Fluck, M. Functional, structural and molecular plasticity of mamalian skeletal muscle in response to exercise stimuli. The J. Exp. Biol. 209:2239-48, 2004.
Gastin, P.B. Energy system interaction and relative contribution during maximal exercise. Sports Medicine 31:725-741, 2001.
Gleeson, M. Biochemistry of exercise. In: Nutrition in Sports. The Encyclopedia of Sports Medicine. Edited by Ronald J. Maughan. Oxford: Blackwell Science, 2000.
Graham, T.E. & Gibala, M. Anaplerosis of the tricarboxilic acid cycle in human skeletal metabolism during exercise: magnitude, sources and potential physiological significance. In: Skeletal Muscle Metabolism and Diabetes. Advances in experimental medicine and biology. New York: Plenum Press, 1998.
Hargreaves, M. Carbohydrate metabolism and exercise. In: Exercise and Sport Science. Editors: William E. Garrett, Jr. & Donald T. Kirkendall. Philadelphia: Lippincott Williams & Wlkins, 2000.
Hochachka, P.W. & Somero, G.N. Biochemical Adaptation. New Jersey: Princeton University Press, 1984.
Horowitz, J.F. Lipid metabolism during endurance exercise. American Journal of Clinical Nutrition. 72 (Supplement):558-563, 2000.
Hultman, E. & Greenhaff, P.L. Carbohydrate metabolism in exercise. In: Nutrition in Sports. The Encyclopaedia of Sports Medicine. Edited by Ronald J. Maughan. Blackwel Science, 2000.
Kearney, J.; Rundell, K. & Wilber, R. Measurement of work and power in sport. In: Exercise and Sport Science. Editors: William E. Garrett Jr. & Donald T. Kirkendall. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins, 2000.
Knuttgen, H.G. Basic exercise physiology. In: Nutrition in Sports. The Encyclopedia of Sports Medicine. Edited by Ronald J. Maughan. Oxford: Blackwell Science, 2000.
Knuttgen, H.G. Force, work, power and exercise. Medicine and Science in Sports 24:227-228, 1978.
Meyer, R.A. & Foley, J. Cellular processes integrating the metabolic response to exercise. In: Exercise: regulation and integration of multiple systems. Handbook of Physiology (section 12), 1996.
Newsholme, E.A. Basic aspects of metabolic regulation and their application to provision of energy in exercise. In: Principles of Biochemistry. Edited by J.R. Poortmans. Basel: Karger, 1993.
Noakes, T.D. Physiological models to understand exercise exercise fatigue and the adaptations that predict or enhance athletic performance. Scand J Med. Sport Sci. 10:123-45, 2000.
Pereira, B. & Souza Jr., T.P. Metabolismo Celular e Exercício Físico. São Paulo: Phorte, 2005.
Pereira, B. & Souza Jr., T.P. Dimensões Biológicas do Treinamento Físico. São Paulo: Phorte, 2002.
Nicholas, C.W. Sprinting. In: Nutrition in Sports. The Encyclopedia of Sports Medicine. Edited by Ronald J. Maughan. Blackwel Science, 2000.
Ross, A. & Leveritt, M. Long-term metabolic and skeletal muscle adaptations to short-sprint training. Sports Medicine 31:1063-1082, 2001.
Richter, E.A.; Kristiansen, S.; Wojtaszewski, J.; Daugaard, J.R.; Asp, S.; Hespel, P. & Kiens, B. Training effects on muscle glucose transport during exercise. In: Skeletal Muscle Metabolism and Diabetes. Advances in experimental medicine and biology. New York: Plenum Press, 1998.
Richter, E. Glucose utilization. In: Exercise: Regulation and Integration of Multiple Systems. Handbook Of Physiology Section 12, 1996.
Staron, S.R. & Hikida, A.C. Muscular responses to exercise and training. In: Exercise and Sport Science. Editors: William E. Garrett, Jr. & Donald T. Kirkendall. Philadelphia: Lippincott Williams & Wlkins, 2000.
Tesch, P.A. Short- and long- term histochemical and biochemical adaptations in muscle. In: Strength and Power in Sport. Edited by Paavo Komi. Oxford: Blackwell, 1992.
Tonkonagi, M. & Sahlin, K. Physical exercise and mitochondrial function in human skeletal muscle. Exercise Sport Science Review 30:129-137, 2002.
Weir, J.P. et al. Is fatigue all in your head? A critical review of the central governor model. 40:573-86, 2006
 

Clique para consultar os requisitos para EFE0145

Clique para consultar o oferecimento para EFE0145

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2021 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP