Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
 
Antropologia
 
Disciplina: FLA0389 - Antropologia, Mitologia e Narrativa

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 60 h
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2015 Desativação:

Objetivos
O curso pretende oferecer uma introdução aos estudos do mito e da mitologia a partir de uma perspectiva antropológica. Serão realizadas leituras de textos clássicos da antropologia e de áreas afins (estudos da religião, filosofia, sociologia, história, literatura, linguística) que contribuam para a problematização crítica das noções de “mito” e de “mitologia”, tendo em vista o estudo de regimes narrativos de pensamento fornecidos pela etnografia. Pretende-se abordar os aspectos centrais envolvidos na noção de mito (tais como a composição em performance, as tradições orais, o problema da tradução e da relação com a escrita, o contraste com a história e a filosofia, as relações estruturais e os modos de transformação), bem como selecionar determinados conjuntos de narrativas e de estudos etnográficos que tratem do assunto de maneira mais específica. Busca-se, assim, delinear os contornos possíveis de outros regimes de pensamento narrativo e de suas respectivas configurações ontológicas.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
2198502 - Pedro de Niemeyer Cesarino
 
Programa Resumido
 
 
 
Programa
1) Formação das noções de mito e mitologia; 2) tradições orais, poética e performance; 3) memória, conhecimento e transmissão; 4) tradução, escrita e autoria; 5) política, hierarquia e temporalidade; 6) estrutura e variação; 7) gênese, devir e transformação; 8) pessoa e multiplicidade; 9) estatuto do humano e do não-humano; 10) agência e ritual.
 
 
 
Avaliação
     
Método
Aulas expositivas, leitura e interpretação de textos.
Critério
Trabalho por escrito e prova.
Norma de Recuperação
Prova de recuperação a ser realizada no final do curso.
 
Bibliografia
     
Ávila, Francisco de. 2009. Dioses y hombres de Huarochirí. Lima, Universidad Antonio Ruiz de Montoya. (Trad. de José María Arguedas)
Benjamin, Walter. 1985. Obras escolhidas I: magia e técnica, arte e política. São Paulo, Brasiliense.
Bottero, Jean & Kramer, Samuel N. 1989. Lorsque les dieux faisaient l’homme – mythologie mésopotamienne. Paris, Gallimard.
Cadogan, León. 1997. Ayvu rapyta – textos míticos de los Mbyá-Guaraní del Guairá. Ceaduc-Cepag, Asunción.
Campos, Haroldo de. 2000. Bere’shith – a cena da origem. São Paulo, Perspectiva.
Capistrano de Abreu, João. 1941. Rãtxa huni kuin – a lingua dos caxinauás do rio Ibuaçú. Rio de Janeiro, Edição da Sociedade Capistrano de Abreu.
Carneiro da Cunha, Manuela. 1986. Antropologia do Brasil. São Paulo: Brasiliense/Edusp.
Carruthers, Mary. 1990. The book of memory – a study in memory in medieval culture. Cambridge, Cambridge University Press.
Cesarino, Pedro de Niemeyer. 2011. Oniska – poética do xamanismo na Amazônia. São Paulo, Perspectiva.
Cesarino, Pedro de Niemeyer (Org.). 2013. Quando a Terra deixou de falar – cantos da mitologia marubo. São Paulo, Editora 34.
Clastres, Pierre. 1974. Le grand parler – mythes et chantes sacrés des Indiens Guarani. Paris, Seuil. (Trad. Port. 1990. A fala sagrada – mitos e cantos dos índios guarani. Campinas, Papirus.)
Clifford, James. 1982. Person and myth. Berkeley, University of California Press.
De Civrieux, Marc. 1980. Watunna – an Orinoco creation cycle. San Francisco, North Point Press.
Deleuze, Gilles & Guattari, Félix. Mille plateaux. Paris, Les Éditions de Minuit. (Trad. port. Mil Platôs, São Paulo, Ed. 34)
Descola, Philippe. 2006. Par-delà nature et culture. Paris, Gallimard.
Detienne, Marcel. 1992. L’Invention de la mythologie. Paris, Gallimard. (Trad. port. A invenção da mitologia. Rio de Janeiro, Ed. José Olympio)
_________. 1967. Les maîtres de vérité dans la Grèce archaïque. Paris, Maspero.
Dumezil, Georges. 1968-1973. Mythe et épopée. Paris, Gallimard, 3 vols.
Galvão, Wenceslau Sampaio Torãmu Bayaru & Galvão, Raimundo Castro Guahari Ye Ñi. 2004. Livro dos antigos Desana – Guahari Diputiro Porã. São Gabriel da Cachoeira, FOIRN/ONIMRP.
Gell, Alfred. “Closure and multiplication: an essay on Polynesian cosmology and ritual”. In. Coppet, Daniel de & Iteanu, Andre. Cosmos and society in Oceania. Oxford, Berg, 1995, pp. 21-53
Goody, Jack. 1987. The interface between the written and the oral. Cambridge, Cambridge University Press.
Gow, Peter. 2001. An Amazonian myth and its history. Oxford, Oxford University Press.
Hartog, François. 1980. Le miroir d’Hérodote. Paris, Gallimard.
Heusch, Luc de. 1982. Rois nés d’un coeur de vache – mythes et rites bantous. Paris, Gallimard.
Hymes, Dell. 1981. In vain I tried to tell you – essays in native American ethnopoetics. Philadelphia, University of Pennsylvania Press.
Kopenawa, Davi & Abert, Bruce. 2010. La chute du ciel – paroles d’un chaman yanomami. Paris, Plon.
Kirk, G.S. 1970. Myth – its meaning and function in ancient and other cultures. Londres, Cambridge University Press.
Kirk, G. & Raven, J. & Schofield, M. 1983. The presocratic philosophers. Cambridge, Cambridge University Press.
Kumu, Umúsin Panlõn & Kenhíri, Tolamãn. 1980. Antes o mundo não existia – a mitologia heróica dos índios desâna. São Paulo, Livraria Cultura Editora.
Leenhardt, Maurice. 1971. Do kamo – la personne et le mythe dans le monde mélanésien. Paris, Gallimard.
Lévi-Strauss, Claude. 1958. Anthropologie structurale. Paris, Plon.
_________. 1964. Le cru et le cuit. Paris, Plon.
_________. 1966. Du miel aux cendres. Paris, Plon.
_________. 1968. L’origine des manières de table. Paris, Plon.
_________. 1971. L’Homme nu. Paris, Plon.
_________. 1973. Anthropologie structurale deux. Paris, Plon.
_________. 1985. La potière jalouse. Paris, Plon.
_________. 1991. Histoire de lynx. Paris, Plon.
Lord, Albert. 1970. The singer of tales. Nova York, Atheneum.
_________. 1991. Epic singers and oral tradition. Ithaca, Cornell University Press.
Medeiros, Sérgio (Org.). 2002. Makunaíma e Jurupari. São Paulo, Perspectiva.
Medeiros, Sérgio & Brotherston, Gordon (Orgs.). Popol vuh. São Paulo, Iluminuras.
Mussa, Alberto. 2009. Meu destino é ser onça – mito tupinambá restaurado. Rio de Janeiro, Record.
Nimuendaju, Curt Unkel. 1987. As lendas da criação e destruição do mundo como fundamentos da religião dos Apapocúva-Guarani. São Paulo, Hucitec/Edusp.
Ricoeur, Paul. 1983. Temps et récit. Paris, Seuil. (Trad. port. Tempo e narrativa. Martins Fontes, 3 vols.)
Saez, Oscar Calavia. 2000. “O inca pano – mitologia, história e modelos etnológicos”. Mana Vol. 6, No 2, pp.7-35.
Sá, Lucia. 2004. Rain Forest literatures – Amazonian texts and Latin-American culture. Minneapolis, The University of Minnesota Press. (Trad. Port. Literaturas da floresta, Ed. UERJ.)
Schrempp, Gregory. 1992. Magical arrows – the Maori, the Greeks and the folklore of the universe. Madison, The University of Winscosin Press.
Severi, Carlo. 2006. Le principe de la chimère – une anthropologie de la mémoire. Paris, Éditions Rue d’Ulm/ Musée du quai Branly.
Stradelli, Ermanno. 2009. Lendas e notas de viagem – A Amazônia de Ermanno Stradelli. São Paulo, Martins Fontes.
Strathern, Marilyn. 2004. Partial connections. Altamira Press.
Tambiah, S. 1968. “The magical power of words”. Man 3/2, pp. 175-208.
Tedlock, Dennis. 1983. The spoken word and the work of interpretation. Philadelphia, The University of Pennsylvania Press.
Tugny, Rosangela Pereira de (Org.). 2009. Cantos e histórias do morcego-espírito e do hemex. Rio de Janeiro, Azougue Editorial.
Vernant, Jean-Pierre. 1965. Mythe et pensée chez les Grecs. Paris, Maspero.
Vianna Baptista, Josely. 2011. Roça barroca. São Paulo, Cosac Naify.
Viveiros de Castro, Eduardo. 2002. A inconstância da alma selvagem. São Paulo, Cosac Naify.
__________ . 2006. “A floresta de cristal: notas sobre a ontologia dos espíritos amazônicos”. Cadernos de Campo, nº 14/15.
_________. 2009. Métaphysiques cannibales. Paris, P.U.F.
Yates, Frances. 1966. The art of memory. Londres, Faber. (Trad. Port. 2007. A arte da memória. Editora da Unicamp).
Zumthor, Paul. 1983. Introduction à la poésie orale. (Trad. Port. 1995. Introdução à poesia oral. São Paulo, Hucitec.)
 

Clique para consultar os requisitos para FLA0389

Clique para consultar o oferecimento para FLA0389

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2017 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP