Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 

Júpiter - Sistema de Gestão Acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação


Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
 
Antropologia
 
Disciplina: FLA0392 - A memória e suas artes: espaço-tempo, imagem-narrativa, corpo-ritual
Memory and its arts: space-time, image-narrative, body-ritual

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 1
Carga Horária Total: 90 h
Tipo: Semestral
Ativação: 15/07/2016 Desativação:

Objetivos
O curso pretende aproximar os alunos de uma literatura de feitio mais clássico e de outra mais recente voltada à discussão da memória. A literatura retirada de diferentes campos do conhecimento visa capturar a complexidade do problema a partir múltiplos casos e perspectivas de análise, evitando reduzir a memória a uma única definição ou abordagem. Ao optar por um percurso de leituras claramente interdisciplinar - ainda que com forte ancoragem na teoria antropológica - o curso visa também propor um exercício de reflexão teórico-metodológico a partir de uma temática precisa.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
2091991 - Fernanda Arêas Peixoto
 
Programa Resumido
De feitio teórico, o curso propõe uma reflexão ampliada sobre a memória, pensando-a em função da combinação de distintas perspectivas: antropológica (a memória como artefato e forma de pensamento); sociológica (os quadros sociais da memória); histórica (as artes da memória na tradição europeia); psicanalítica (memória psíquica e regressão); artística (a memória como tema e procedimento nas práticas artísticas) e arquitetônica ou espacial (a cidade como lócus da memória coletiva). Artes da memória, diz o título, porque se trata de refletir sobre os modos sinuosos e as astúcias da memória que, tomando a forma de inscrições espaciais, percursos temporais, expressões imagéticas e/ou narrativas, é forjada entre acúmulos e perdas, lembranças e esquecimentos. Artes da memória, ainda, porque se trata de pensar a memória como fabricação (fictio); por meio de práticas que mobilizam o corpo e o ritual, e através de construções cartográficas e sistemas classificatórios os mais diversos.
 
 
 
Programa
- Espaços da memória: arquitetura, cidade e outras topografias político-conflitivas. - Tempos da memória: história, biografia, experiência e rememoração. - Técnicas de Memória: conhecimento, retórica e impressões visuais. - Formas da memória: arquivo, repertório, montagem. - Memória, corpo, ritual e imagem. - Assombrações, sobrevivências: a memória voluntária e involuntária. - Atlas e cartografia: a biblioteca como encenação da memória. - Viagem: memória e narrativa.
 
 
 
Avaliação
     
Método
Aulas expositivas; seminários; filmes e materiais audiovisuais; leituras dirigidas.
Critério
Presença e participação em sala de aula; provas e trabalhos escritos; seminários individuais e coletivos.
Norma de Recuperação
Prova escrita a ser realizada de acordo com o calendário estabelecido.
 
Bibliografia
     
AGAMBEN, Giorgio. Image et Memoire, Paris: Éditions Hoëbeke, 1998. ASSMANN, Aleida. Espaços da recordação. Formas e transformações da memória cultural. Tradução: Paulo Soethe. Campinas, Editora da Unicamp, 2011. ASSMANN, Jan. “Collective memory and cultural identity”, New German Critique, n. 65, 1995, p. 125-133. ASSMANN, Jan. La mémoire culturelle. Écriture. Souvenir et imaginaire politique dans les civilisations antiques. Paris, Aubier, 2010. BASTIDE, Roger. “Mémoire collective et sociologie du bricolage”, Bastidiana, 7-8, 1994. BENJAMIN, Walter. “Sobre o conceito de história” In:_ Obras escolhidas. Magia e técnica, arte e política. Tradução: Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo, 1996, pp. 222-232. BURUCUA, J. Emílio. Historia, arte y cultura. De Aby Warburg a Carlo Ginzburg. Buenos Aires, Fondo de Cultura Economica, 2003. CALVINO, Ítalo “Coleção de areia”, “Como era o Novo Mundo” e “O viajante no mapa”, “O templo de madeira”, In:_ Coleção de areia. Tradução: Maurício Santana Dias. São Paulo, Companhia das Letras, 2010, pp. 11-39. CARERI, Giovanni. “Aby Warburg. Rituel, pathosformel et forme intermediaire”. L’Homme, 165/2003, 41-76. CARRUTHERS, Mary. A técnica do pensamento: meditação, retórica e a contrução de imagens (400-1200). Tradução: José Emílio Maiorino. Campinas: Editora Unicamp, 2011. DERRIDA, Jacques. Mal de Arquivo. Uma impressão freudiana. Tradução: Cláudia de Moraes Rego. Rio de Janeiro: Relume dumará, 2001. DI GIOVANNI, Julia R. Cadernos do outro mundo. São Paulo, Humanitas/ FAPESP, 2015. DIDI-HUBERMAN, G. "Pour une anthropologie des singularités formelles. Remarque sur l'invention warburgienne", Genèses, vol. 24, nº 1, 1996, pp. 145-163. DIDI-HUBERMAN, G. A imagem sobrevivente: história da arte e tempo dos fantasmas segundo Aby Warburg. Tradução: Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto/Museu de Arte do Rio, 2013. DIERS, M. "Warburg and the Warburgian Tradition of Cultural History", New German Critique, nº 65, 1995, pp. 59-73. FREUD, S. “Mal estar da civilização” [1930]. Edição brasileira: O mal estar na civilização. Tradução: José Octávio de Aguiar Abreu. Rio de Janeiro: Imago, 1997. FREUD, S. Huit études sur la mémoire et ses troubles. Traduction Denis Messier. Paris, Gallimard, 2010. FREUD, S. Obras Completas em 20 Volumes. Tradução: Paulo César de Souza (Coord.). São Paulo, Cia. Das Letras, 2011. GINZBURG, C. "De A. Warburg a E. H. Gombrich. Notas sobre um problema de método", Mitos, emblemas, sinais. Morfologia e história, São Paulo, Cia. das Letras, 2002, pp. 41-93 GOODY, J. “Mémoire et apprentissage dans les sociétés avec et sans écriture”; la transmission du Bagré, L’Homme, 1977. HALBWACHS, M. La mémoire collective [1950]. Édition critique établie par Gérard Namer. Paris, Albin Michel, 1997 (trad. bras. Editora Centauro, 2004) HALBWACHS, M. La topographie légendaire des évangiles en Terre Sainte [1941]. Paris, PUF, 2008 [édition préparée par Marie Jaisson]. HALBWACHS, M. Les cadres sociaux de la mémoire [1925]. Paris, Albin Michel, 1994 HARTOG, F. Memória de Ulisses. Narrativas sobre a fronteira na Grécia Antiga. Tradução Jacyntho Lins Brandão. Belo Horizonte, Editora da UFMG, 2004. HARTOG, F. O espelho de Heródoto. Ensaio sobre a representação do outro. Tradução Jayntho Lins Brandão. Belo Horizonte, Editora da UFMG, 1999. HERZFELD, M. Portrait of a greek imagination: an ethnographic biography of Andreas Nenedakis. Chicago, University of Chicago Press, 1995. INGOLD, T. ed. “1992 Debate. The Past is a Foreign Country", Key Debates in Anthropology, Londres, Routledge, 1996, pp. 161-200. L'HOMME, n. 165. Image et anthropologie. (http://www.persee.fr). LEIRIS, M. A África fantasma [1934]. Tradução André Pinto Pacheco. São Paulo, Cosac Naify, 2007. LEIRIS, M. Idade viril [1939]. Tradução Paulo Neves. São Paulo, Cosac Naify, 2003. LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes tropiques. Paris, Plon, 1955. LÉVI-STRAUSS, C. O cru e o cozido, Mitológicas 1. Tradução Beatriz Perrone-Moisés, São Paulo, Cosac Naify, 2004. LÉVI-STRAUSS, C. O Homem Nu Mitológicas 4. Tradução Beatriz Perrone-Moisés, São Paulo, Cosac Naify, 2011. LÉVI-STRAUSS, C. Regarder écouter lire, Paris, Plon, 1993. Edição brasileira: Olhar, Escutar, Ler. São Paulo, Companhia das Letras, 1997. LÉVI-STRAUSS, C. Antropologia estrutural I, Tradução Beatriz Perrone-Moisés, São Paulo, Cosac Naify, 2008. LOWENTHAL, David. The Past is a Foreign Country. Cambridge, Cambridge University Press, 1985. OKLEY, J. & CALLAWAY, H. Anthropology and autobiography. Routledge, 1992. OLNEY, James (org.) Autobiography: Essays Theoretical and Critical. Princeton, Princeton University Press, 1980 PEIXOTO, Fernanda A. A viagem como vocação. Itinerários, parcerias e formas de conhecimento. São Paulo, FAPESP/ EDUSP, 2015. PROUST, Marcel. PROUST, M. Em busca do tempo perdido. O tempo redescoberto (vol.5). Tradução Lucia Miguel Pereira, Porto Alegre, Editora Globo. RAMPLEY, Matthew. “The Absorption of the Expressive Values of the Past”. Introdução à tradução de Matthew Rampley para o inglês da Introdução de Warburg a Mnemosyne Atlas. Art In Translation 1.2 (July 2009): 273-283. RAMPLEY, Matthew. The Remembrance of Things Past. On Aby M. Warburg and Walter Benjamin, Wiesbaden: Harrassowitz, 2000. ROSSI, Aldo. A arquitetura da cidade [1966]. Tradução Eduardo Brandão. São Paulo, Martins Fontes, 2001. ROSSI, Paolo. A chave universal. Artes da memorização e lógica combinatória. Bauru, EDUSC, 2004. ROSSI, Paolo. O passado, a memória e o esquecimento. São Paulo, Editora da UNESP, 2010. SETTIS, Salvatore. Warburg Continuatus. Descriptión de uma biblioteca. Madrid, Ediciones de la Central, Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofia, 2010. SETTIS, Salvatore.“Aby Warburg, il demone della forma: antropologia, storia, memoria”, Engramma 100 – Pensare per immagini, 2012 SEVERI, Carlo. “Cosmologia, crise e paradoxo: da imagem de homens e mulheres brancos na tradição xamânica Kuna”, MANA. Estudos de Antropologia Social 6 (1), 2000. SEVERI, Carlo. Le principe de la chimère. Une anthropologie de la mémoire. Paris, Éditions de l’ENS/ Musée du Quai Branly, 2007. TAYLOR, Diana. O arquivo e o repertório. Performance e memória cultural nas Américas. Tradução Eliana Lourenço de Lima Reis. Belo Horizonte, Editora da UFMG, 2013. VERNANT, J-P. Mito e pensamento entre os gregos. Tradução Haiganuch Sarian. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 2008, 2a edição. WARBURG, Aby. Essais florentins. Paris, Klincksieck, 2003. WARBURG, Aby. Histórias de fantasmas para gente grande. Organização Leopoldo Waizbort. Tradução Lenin Bicudo Bárbara. São Paulo, Companhia das Letras, 2015. WARBURG, Aby. La naissance de Venus & Le printemps de Sandro Botticelli. Paris, Allia, 2007. WARBURG, Aby. Le rituel du serpent. Art & Anthropologie. Paris, Macula, 2003. WEIGEL, S. "Aby Warburg's Schlangenritual: Reading Culture and Reading Written Texts", New German Critique, nº 65, 1995, pp. 135-153. WEINRICH, Harald. Léthé. Art et critique de l’oubli. Traduction Diane Meur. Paris, Fayard, 1999. YATES, F. A arte da memória [1966]. Tradução Flávia Bancher. Campinas, Editora da Unicamp, 2008.
 

Clique para consultar os requisitos para FLA0392

Clique para consultar o oferecimento para FLA0392

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2020 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP