Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
 
Letras Clássicas e Vernáculas
 
Disciplina: FLC0602 - Literatura Portuguesa: Ensino-Aprendizagem
Portuguese Literature: Teaching-learning

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 60 h ( Práticas como Componentes Curriculares = 20 h )
Tipo: Semestral
Ativação: 15/07/2008 Desativação:

Objetivos
Contribuir para a formação do professor, enquanto agente de ensino na educação institucional, e capacitá-lo para a compreensão e a análise da natureza das produções sobre ensino da Literatura Portuguesa e sua relação com a orientação da prática pedagógica. Apresentar, ao professor em formação, as diferentes perspectivas de análise do binômio ensino-aprendizagem da Literatura Portuguesa e da relação professor/aluno e levá-lo a reflexão e discussão de questões da prática pedagógica no cotidiano escolar.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
4987263 - Aparecida de Fatima Bueno
3016271 - Caio Márcio Poletti Lui Gagliardi
94847 - Flavia Maria Ferraz Sampaio Corradin
2917062 - Francisco Maciel Silveira
3426139 - Paulo Fernando da Motta de Oliveira
 
Programa Resumido
A disciplina pretende contribuir para a formação do professor, enquanto agente de ensino na educação institucional, através de:- análise da natureza das produções sobre ensino da Literatura Portuguesa e sua relação com a orientação da prática pedagógica;- apresentação de diferentes perspectivas de análise do binômio ensino- aprendizagem da Literatura Portuguesa e da relação professor/aluno;- discussão de questões da prática pedagógica no cotidiano escolar
 
 
 
Programa
1.Revisão crítica dos textos didáticos do Ensino Fundamental que enfocam a Literatura Portuguesa; 2.Revisão crítica dos textos didáticos do Ensino Médio que enfocam a Literatura Portuguesa; 3.Manutenção da periodologia literária (Idade Média ao Modernismo); 4.Inversão da periodologia literária (Modernismo à Idade Média); 5.O ensino de Literatura Portuguesa através de técnicas teatrais; 6.O ensino de Literatura Portuguesa através de recursos áudio-visuais; 7.Técnicas para análise do texto poético; 8.Técnicas para análise do texto narrativo; 9.Técnicas para análise do texto dramático; 10.Historicidade da Literatura (Portuguesa) e do Leitor; 11.Ensino de Literatura Portuguesa e formação de leitores de obras da Literatura Portuguesa; 12.Relação Leitor-texto (leitor enquanto destinatário do texto literário e enquanto sujeito com "horizonte de expectativas" em relação à obra literária e ao ensino de Literatura Portuguesa).
 
 
 
Avaliação
     
Método
Aulas expositivas; Seminários; discussão em grupo.
Critério
Verificação da habilidade do discente em ministrar aulas de Literatura Portuguesa, em refletir sobre os procedimentos e materiais didáticos e em formar leitores críticos. Formas de avaliação:Avaliação individual; avaliação em grupo; Seminários; Provas; Trabalhos.
Norma de Recuperação
Dar-se-á segundo o modelo apresentado no item anterior e segundo o calendário acadêmico.
 
Bibliografia
     
ALVES, Ida Ferreira. Ausência/presença da literatura portuguesa. Voz Lusíada, São Paulo, n. 18 (O ensino de literatura portuguesa), p.33-43, 2002.BARTHES, Roland. O Rumor da língua. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1988 (especialmente “Escrever a leitura” e “Da Leitura”, páginas 40-52). BORDINI, Maria da Glória e AGUIAR, Vera Teixeira de. Literatura. A formação do leitor: alternativas metodológicas. 2a ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1993.CANDIDO, Antonio. “A literatura e a formação do homem” in Remate de Males – Antonio Candido, no. especial. Campinas: DTL-Unicamp, 1999.CAVALLO, Guglielmo CHARTIER, Roger (orgs.). História da leitura no mundo ocidental. São Paulo: Ed. Ática, 2002.COELHO, Nelly Novaes. A literatura brasileira e suas raízes portuguesas – a crise do ensino. Voz Lusíada, São Paulo, n. 18 (O ensino de literatura portuguesa), p.57-61, 2002.DIAS, Maria Heloísa Martins. A literatura portuguesa e o renascimento da Fênix. Voz Lusíada, São Paulo, n. 18 (O ensino de literatura portuguesa), p.20-6, 2002.FIGUEIREDO, Maria do Carmo Lanna. “Um percurso pedagógico no espaço literário”, in Gragoatá, Niterói, Número 2, 1o Semestre de 1997, pp. 199-208.FRANCHETTI, Paulo. O cânone em língua portuguesa – algumas reflexões sobre o ensino de literatura brasileira e portuguesa no Brasil. Voz Lusíada, São Paulo, n. 18 (O ensino de literatura portuguesa), p.71-8, 2002.FREIRE, Paulo. “A importância do ato de ler”, in Leituras no Brasil. Antologia Comemorativa pelo 10o COLE. ALB. Campinas / São Paulo: Mercado de Letras, 1995.GARCEZ, Maria Helena Nery. Histórias e mudanças curriculares: breves reflexões acerca do ensino da Literatura Portuguesa no Brasil. Voz Lusíada, São Paulo, n. 18 (O ensino de literatura portuguesa), p.9-16, 2002.GERALDI, João Wanderley. (org.). O texto na sala de aula. leitura e produção. 7a ed. Cascavel: Assoeste, 1984.GOBBI, Márcia Valéria Zamboni. Apontamentos para um diagnóstico sobre o ensino da literatura portuguesa. Voz Lusíada, São Paulo, n. 18 (O ensino de literatura portuguesa), p.44-56, 2002.ISER, Wolfgang. O ato da leitura. 2 vols. São Paulo: Editora 34, 1999.LAJOLO, Marisa. Literatura: leitores e leitura. São Paulo: Editora Moderna, 2001._____. A formação da leitura no Brasil. São Paulo: Ed. Ática, 1996._____. “Leitura-Literatura: mais do que uma rima, menos do que uma solução”. APUD ZILBERMAN, Regina e SILVA, Ezequiel Theodoro (org.). Leitura. Perspectivas interdisciplinares. São Paulo: Ed. Ática, 1988, pp. 87-99._____. “O texto não é pretexto”. APUD ZILBERMAN, Regina. Leitura em Crise na Escola: as Alternativas do Professor. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1982, pp. 51-62.MORAIS, Carlos Francisco. Literatura Portuguesa: para quem? Para quê?. Voz Lusíada, São Paulo, n. 18 (O ensino de literatura portuguesa), p.17-19, 2002.OSAKABE, Haquira. Por que literatura portuguesa?. Voz Lusíada, São Paulo, n. 18 (O ensino de literatura portuguesa), p.62-5, 2002.PINTO, Maria Márcia Mattos. Deve-se estudar literatura portuguesa no Brasil?. Voz Lusíada, São Paulo, n. 18 (O ensino de literatura portuguesa), p.27-32, 2002.ROCCO, Maria Thereza Fraga. Literatura / Ensino: uma problemática. 2a ed. São Paulo: Ed. Ática, 1992.SOARES, Magda Becker. "Comunicação e Expressão: o ensino da leitura", in Leituras no Brasil. Antologia Comemorativa pelo 10o COLE. ALB. Campinas / São Paulo: Mercado de Letras, 1995.YUNES, Eliana (coord.). A leitura e a formação do leitor. Questões culturais e pedagógicas. Ed. Antares.ZILBERMAN, Regina. "Leitura literária e outras leituras", in Gragoatá, Niterói, Número 2, 1o Semestre de 1997, pp. 143-157._____. A leitura e o ensino de literatura. 2a ed. São Paulo: Editora Contexto, 1991._____. (org.) Leitura em crise na escola: as alternativas do professor. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1982.ZILBERMAN, Regina, BORDINI, Maria da Glória e REMÉDIOS, Maria Luíza Ritzel. Crítica do tempo presente – estudo, difusão e ensino das literaturas de língua portuguesa. Porto Alegre: Instituto Estadual do Livro, 2005.ZILBERMAN, Regina e SILVA, Ezequiel Theodoro (org.). Leitura. Perspectivas interdiscipinares. São Paulo: Ed. Ática, 1988.Teoria da LiteraturaAGUIAR E SILVA, Vítor Manuel. Teoria da Literatura. Coimbra: Almedina. 1989.BERND, Zilá. Literatura e identidade nacional. Porto Alegre: Editora UFRGS, 1992.BLOOM, Harold. O cânone ocidental: os livros e a escola do tempo. Rio de Janeiro: Objetiva, 1994._____. Como e por que Ler. Rio de Janeiro: Ed. Objetiva. 2001.BOSI, Alfredo. Reflexões sobre a Arte. SP: Ática, 1995.CADEMARTORI, Lígia. Períodos literários. SP: Ática. 1986.CALVINO, Ítalo. Por que ler os clássicos. São Paulo: Cia. das Letras, 1993._____. Seis propostas para o novo milênio. São Paulo: Cia. das Letras, 1993.EAGLETON, Terry. Teoria da literatura: uma introdução. São Paulo: Martins Fontes, 1997.ELIOT, T.S. Ensaios. São Paulo: Art, 1989.FISH, Stanley. Is there a text in this class? The authority of interpretative communites. Cambridge: Harvard University Press, 1980. (Tradução de Rafael Eugenio Hoyos-Andrade publicada em Alfa, São Paulo, Número 36, pp. 189-206, 1992. HOYOS-ANDRADE, Rafael Eugenio. “‘Is there a text in this class?’ Comentário ao texto de Stanley Fish”, in Alfa, São Paulo, Número 36, 1992.ISER, Wolfgang. “A interação do texto com o leitor”. APUD LIMA, Luís Costa. A literatura e o leitor: textos de estética da recepção. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.KAYSER, Wolfgang. Análise e interpretação da obra literária. Coimbra: Aménio Amado. 1985.LAJOLO, Marisa. O que é literatura? São Paulo: Brasiliense, 1991.MAINGUENEAU, Dominique. O contexto da obra literária. São Paulo: Martins Fontes, 1995.MARTINS, Maria Helena. O que é leitura? SP: Brasiliense. 1992.MOURALIS, Bernard. As contraliteraturas. Coimbra: Almedina, 1982.NUNES, Benedito. Introdução à Filosofia da Arte. SP: Ática. 1991.PAIXÃO, Fernando. O que é Poesia. SP: Brasiliense. 1983.PAREYSON, Luigi. “Filosofia da Liberdade”, in Síntese (Nova Fase), Volume 23, Número 72, Janeiro-Março de 1996, pp. 75-90.PAZ, Octavio. Os filhos do barro: do romantismo à vanguarda. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.PERRONE-MOISÉS, Leyla. “A criação do texto literário” , in Flores na escrivaninha. São Paulo:_____. Texto, crítica e escritura. São Paulo: Ática, 1978.POUND, Ezra . ABC da literatura. São Paulo: Cultrix, 1990.PROENÇA FILHO, Domício. Estilos de Época na Literatura. SP: Ática. 1995._____. Linguagem Literária. SP: Ática. 1987.ROSENFELD, Anatol. “A teoria dos gêneros” , in O teatro épico. São Paulo: Perspectiva: 1985._____. Estrutura e problemas da obra literária. São Paulo: Perspectiva,1976.SANTIAGO, Silviano. Nas malhas da letra. São Paulo: Cia. das Letras, 1989.WELLEK, René; WARREN, Austin. Teoria da Literatura. Mem Martins: Europa-América, [sd].ZILBERMAN, Regina. Estética da recepção e história da literatura. São Paulo: Ática, 1989.


 

Clique para consultar os requisitos para FLC0602

Clique para consultar o oferecimento para FLC0602

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2019 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP