Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 

Júpiter - Sistema de Gestão Acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação


Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
 
Geografia
 
Disciplina: FLG0336 - Planejamento
The Planning Process

Créditos Aula: 4
Créditos Trabalho: 0
Carga Horária Total: 60 h ( Práticas como Componentes Curriculares = 18 h )
Tipo: Semestral
Ativação: 01/01/2022 Desativação:

Objetivos
1. Discutir a evolução dos conceitos e dos principais temas tratados pela geografia do planejamento
2. Trabalhar com as interfaces entre os diferentes tipos de planejamento (governamental, econômico e territorial) e sua aplicação para a geografia
3. Estudar experiências e exemplos de planejamento urbano e regional no Brasil, América Latina e Europa
4. Atualizar o conhecimento e as abordagens metodológicas para o ensino da temática do planejamento urbano e regional na educação básica e no ensino médio.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
2113271 - Isabel Aparecida Pinto Alvarez
 
Programa Resumido
Ementa (programa resumido)
 
 
 
Programa
1.	Planejamento e geografia: conceitos principais
2.	Planejamento urbano e regional: objetos e instrumentos
3.	Conflitos e contradições na elaboração e execução dos planos
4.	Regionalização e planejamento
5.	Planejando o subdesenvolvimento na América Latina
6.	A gênese do planejamento no Brasil: o Estado Novo e o IBGE
7.	O Planejamento democrático (1945-1964): desenvolvimentismo e integração nacional
8.	O Planejamento autoritário (1964-1985): segurança nacional e modernização conservadora
9.	É possível um planejamento urbano democrático e popular?


Além dos conteúdos explicitados, a disciplina conta com horas de PCC nas quais, através de realização de um trabalho teórico- prático sobre o Estatuto da Cidade, Planos Diretores Municipais e das Diretrizes Internacionais para Planejamento Urbano e Territorial (ONU/Habitat, 2015). Efetua-se também uma discussão e análise sobre como a problemática urbana e o planejamento urbano são apresentados em outros documentos, procurando estimular a necessidade de criação de atividades didáticas que problematizem estes conteúdos, de modo que as transformações curriculares acompanhem mais de perto os conhecimentos produzidos pelas pesquisas na universidade.
 
 
 
Avaliação
     
Método
Aulas expositivas e dialogadas
Critério
Participação em todas as atividades realizadas. Avaliação individual.
Norma de Recuperação
Norma de Recuperação
 
Bibliografia
     
Bibliografia básica
AB’SABER, A. N. Geografia e Planejamento. In Revista de História / USP. Vol 39 (80) 1969.
ALVAREZ, I. A. P. “As políticas espaciais contemporâneas e a reprodução do capital e do urbano”. Cidades Vol 9(16). 2011. 62-85.
ANDRADE, M. C. (1967). Espaço, polarização e desenvolvimento. A Teoria dos pólos de desenvolvimento e a realidade nordestina. São Paulo: Brasiliense (2ª. ed.). 1970.
ASCHER, F. Os Novos princípios do urbanismo. São Paulo: Romano Guerra. 2010.
BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017. 
COSTA, J. G. Planejamento governamental. A experiência brasileira. Rio de Janeiro: Ed. FGV. 1971. 
COSTA, W. M. (1988). O Estado e as políticas territoriais no Brasil. São Paulo: Ed. Contexto (9ª ed.). 2000. 
COUTO e SILVA, G. Planejamento estratégico. Brasília: EdUnB. 1981.
FAINSTEIN, S. New Directions in Planning Theory. Urban Affairs Review, March 2000 
__________. “Spatial Justice and Planning”. Justice spatiale | Spatial justice | n° 01 2009. pp. 1-13. Disponível em http://www.jssj.org
FRIEDMANN, J. Introdução ao planejamento democrático. Rio de Janeiro: Editora FGV. 1959. 
__________. Introdução ao planejamento regional (com referência especial à Região Amazônica). Rio de Janeiro: Editora FGV. 1960. 
GEORGE, P., R. Guglielmo, B. Kayser e Y. Lacoste. (1966). A Geografia ativa. São Paulo: Difel (6ª. ed.). 1980. 
GOMES. H. “Geografia e planejamento”. In Boletim Paulista de Geografia no. n. 61. 1984. pp. 119-132.
GOTTMANN, J. (ed.). L’Aménagement de l’espace. Planification régionale et géographie. Paris: Armand Colin. 1952.
HARVEY, David. A Justiça social e a cidade. São Paulo: Hucitec. 1980.
__________. Do gerenciamento ao empresariamento: a transformação da administração urbana no capitalismo tardio. São Paulo, Espaço e Debates, nº 39, 1996, p. 48-64
HILHORST, J. G. Planejamento regional. Enfoque sobre sistemas. Rio de Janeiro: Zahar Editores. 1973.
IANNI, O. (1971). Estado e planejamento econômico no Brasil (1930-1970). São Paulo: Ed. Civilização Brasileira. (3ª. ed). 1979. 
MABOGUNJE, Akin (comp). Planificación regional y desarrollo nacional en África. Buenos Aires: Ediciones SIAP. 1973.
MANDEL, E. “In defense of socialist planning”. In New Left Review No. 159. 1986. pp. 4-36. Disponível também em https://www.marxists.org/archive/mandel/1986/09/planning.html
MANNHEIM, K. (1951). Liberdade, poder e planificação democrática. São Paulo: Ed Mestre Jou. 1972.
MASSÉ, P. O Plano, Aventura Calculada. Lisboa: Editora Morais. 1967.
MIRAFTAB, F. “Insurgent planning: situating radical planning in the global South”. Planning Theory Vol.8 (1). 2009. pp.32-50.
NATAL, J. (org.) Território e Planejamento. Rio de Janeiro: IPPUR/Letra Capital. 2011. 
OLIVEIRA, F. L. P. e D. Werner. Perspectiva histórica do planejamento regional no Brasil. Santiago: ILPES/CEPAL, 2014. 32p. ONU/Habitat. Diretrizes Internacionais para Planejamento Urbano e Territorial. 2015. 40p. 
PENHA, Eli A. A Criação do IBGE no contexto da centralização política do Estado Novo. Rio de Janeiro: IBGE. 1993.
RAFFESTIN, Claude (1980). Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática. 1993.
RANDOLPH, R. “Subversão e planejamento como ‘praxis’. Uma reflexão sobre uma aparente impossibilidade”. Limonad, E. e E. Ramos (orgs.). Um novo planejamento para um novo Brasil? Rio de Janeiro: Letra Capita. 2014.
REZENDE, F. "Planejamento no Brasil: auge, declínio e caminhos para a reconstrução". Texto para discussão 1522. CEPAL/IPEA. 2010. 69p. 
RIBEIRO, A. C. T. “Regionalização: fato e ferramenta”. Limonad, E. et al (Org.). Brasil século XXI: por uma nova regionalização? São Paulo: Max Limonad, 2004. pp. 194-212. 
ROCHEFORT, M. “O problema da regionalização no Brasil”. IPEA/IBGE (mimeo). 1967. 
__________. Redes e sistemas. Ensinando sobre o urbano e a região. São Paulo: Hucitec. 1998.
SANTOS, M. Economia espacial: críticas e alternativas. São Paulo: Hucitec. 1979. 
__________. O Espaço Dividido. Os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. Rio de Janeiro: Francisco Alves. 1979. 
__________. Pensando o espaço do homem. São Paulo: Hucitec. 1982. 
__________. O Espaço do cidadão. São Paulo: Nobel. 1987. 
__________. Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: Hucitec. 1988.
SOUZA, M. L. de. Mudar a cidade: uma introdução crítica ao planejamento e a gestão urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 2002.
THEIS, I. M. “Desenvolvimento Desigual e Planejamento Regional no Brasil”. Revista Paranaense de Desenvolvimento Vol. 37 (131). 2016. pp.79-97.
WHITAKER FERREIRA, Francisco. Planejamento sim e não. São Paulo, Paz e Terra, 1983.

Bibliografia complementar

ARAÚJO, T. B. Tendências do desenvolvimento regional recente no Brasil". Brandão, C. e H. Siqueira (orgs.). Pacto federativo, integração nacional e desenvolvimento regional. São Paulo: Fundação Perseu Abramo. 2013. pp. 39-51.
BONFIM, P. A. “Conceitos e significados do planejamento na geografia brasileira e o IBGE”. Terra Brasilis (Nova Série) No. 5, 2015. pp. 1-22. 
BOUDEVILLE, J. Aménagement du territoire et polarisation. Paris: Éditions M.T. Génin. 1972. 
__________ (1961).Os Espaços econômicos. São Paulo: Difel. 1973.
BRITTO, L. N. de. Política e espaço regional. São Paulo: Nobel. 1986. 
BUNGE, W. (1962). Theoretical geography. Lund: Gleerup (2nd. Ed.). 1966.
FRIEDMANN, J. Insugencies: essays in planning theory. New York: Routledge. 2011.
GONÇALVES, Maria Flora et al (Orgs). Regiões e Cidades, Cidades nas Regiões: o desafio urbano-regional. São Paulo: EdUnesp/Anpur. 2003.
GOTTDIENER, M. (1985). A Produção social do espaço urbano. São Paulo: Edusp. 1997. 
GRAVIER, J. P. Paris et le désert français. Paris: Flammarion. 1958. 
HÄGERSTRAND, T. “¿Qué hay acerca de las personas en la Ciencia Regional?”. Serie Geográfica no. 1 (Geografías Personales). 1991. pp. 93-109. 
HARDOY, J. E. e G. Geisse (comps). Políticas de desarrollo urbano y regional en América Latina. Buenos Aires: Ediciones SIAP. 1972. 
HARVEY, David (1969). Teorías, leyes y modelos en geografía. Madrid: Alianza Universidad. 1983. 
HIGGINS, B. e D. Savoie. Regional development. Theories & their application. New Brunswick: Transaction Publishers. 1995. 
HISSA, C. E. V. “Geografia e planejamento: entre o puro e o aplicado”. Geonomos, 6 (2). 1998. pp. 33-43. 
ILPES. Planificación regional y urbana en América Latina. México D.F.: Siglo XXI Editores. 1974. 
JACOBS, J. (1961). Morte e vida de grandes cidades. São Paulo: Martins Fontes. 2009. 
KLINK, J. A Cidade-região. Regionalismo e reestruturação no grande ABC paulista. Rio de Janeiro: DP&A Editora. 2001. 
KON, A. “Quatro décadas de planejamento econômico no Brasil”. Revista de Administração de Empresas Vol. 34 (3), 1994. pp. 49-61. 
__________. (Org.). Planejamento no Brasil II. São Paulo: Perspectiva, 1999. 
KUKLINSKI, A. (ed.). Aspectos sociales de la politica y de la planeación regional. México D.F.: Fondo de Cultura. 1981. 
__________ (ed.). Desarrollo polarizado y politicas regionales. En homenaje a Jacques Boudeville. México D.F.: Fondo de Cultura. 1985. 
LABASSE, Jean. L’Organisation de lespace. Éléments de géographie volontaire. Paris: Hermann. 1966.
__________. Que Regiões para a Europa? Lisboa: Instituto Piaget. 1994. 
LACAZE, J.P. O Ordenamento do território. Lisboa: Instituto Piaget. 1998. 
LAFER, B. M. (ed.) Planejamento no Brasil. São Paulo: Editora Perspectiva. 1975. 
LANGE, O. (1967). Ensaios sobre planificação econômica. São Paulo: Nova Cultural. 1988. 
LE CORBUSIER. A carta de Atenas, separata maio, in Acrópole, São Paulo, Rodolpho Ortenbland Filho, 1947. 
LEFEBVRE, H. Le Droit à la ville (suivi de Espace et Politique). Paris: Anthropos. 1968/1972. 
__________. La Production de l’espace. Paris: Anthropos. 1974. 
__________ (1968) O Direito à cidade. São Paulo: Centauro Editora. 2006. 
LIMONAD, E. e E. Ramos (orgs.). Um novo planejamento para um novo Brasil? Rio de Janeiro: Letra Capita. 2014. 
LIPIETZ, A. O capital e seu espaço. São Paulo, Nobel, 1988.
LOJKINE, J. (1977). O Estado capitalista e a questão urbana. São Paulo: Martins Fontes. 1997. 
MABOGUNJE, Akin. The Development process. A Spatial perspective. New York: Holmes & Meier Publishers. 1981. 
MARICATO, E. “As ideias fora do lugar e o lugar fora das ideias. Planejamento urbano no Brasil”. Arantes, O. et al (eds). A cidade do pensamento único. Desmanchando consensos. Petrópolis: Vozes. 2013. pp. 121-192. 
MARTINS, L. O Estado capitalista e a burocracia no Brasil Pós-64. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1985. 
MATUS, Carlos. “O plano como aposta”. São Paulo em Perspectiva Vol. 5(4). 1991. pp. 28-42.
MIGLIOLI, J. “A Formação do sistema soviético de planejamento”. Novos Rumos no. 26(12). 1997. pp. 43-53. 
MONTE-MOR, R. “Planejamento Urbano no Brasil: Emergência e Consolidação”. ETC n° 1(4), vol. 1. 2007. pp. 71-96. 
MORAES, A. C. R. Contribuições para a gestão da Zona Costeira do Brasil. São Paulo: Hucitec. 1999. 
MYRDAL, G. (1957). Teoria econômica e regiões subdesenvolvidas. Rio de Janeiro: Instituto Superior de Estudos Brasileiros. 1960. 
NEKRASOV, N. Organización territorial de la economía de la URSS. Moscou: Ed. Progresso. 1975. 
O’CONNOR, J. (1973). USA: A Crise do Estado capitalista. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1977. 
OLIVEIRA, W. F. “Planificação econômica e planejamento regional”. Revista Brasileira de Geografia, Ano 25 (3). 1963. pp. 383-387. 
OLIVEIRA. F. de (1977). Elegia para uma re(li)gião. Sudene, Nordeste. Planejamento e conflito de classes. Rio de Janeiro: Paz e Terra (5ª ed). 1981. 
PEDRÃO, F. “Planejamento e crítica: a contribuição de Ignácio Rangel”. Revista de Desenvolvimento Econômico no. 3. 2000. pp. 6-12. 
PERROUX, F. A Economia do século XX. Lisboa: Livraria Morais Editora. 1967. 
__________. (1970). “O conceito de pólo de crescimento”. Faissol, S. (org.). Urbanização e regionalização. Relações com o desenv. econômico. Rio de Janeiro: IBGE. 1975. pp. 97-110. 
PHLIPPONNEAU, M. Géographie et action. Introduction à la géographie appliquée. Paris: Armand Colin. 1960.
TIBERGEN, J. (1967). Política econômica: princípios e planejamento. São Paulo: Nova Cultural. 1988. 
TRAGTENBERG, M. Planificação. Desafio do Século XX. São Paulo: Editora Senzala. 1967. 
VAINER, C. e M. Smolka. “Em tempos de liberalismo: tendências e desafios do planejamento urbano no Brasil”. Piquet, R. e A. C. T. Ribeiro (orgs.). Brasil: território da desigualdade. Rio de Janeiro: Zahar Editores. 1991. 19-32. 
VILLAÇA, Flávio. “Uma contribuição para a história do Planejamento Urbano no Brasil.”. Déak, C. e Schiffer, S. (Orgs.). O Processo de Urbanização no Brasil. São Paulo: Edusp 1999. pp. 169-243. 
VILLELA, A. V. “Os métodos de planejamento na URSS”. Revista Brasileira de Economia Vol. 18(4). pp. 7-110. 
VILLELA, A. V. e W. Suzigan. Política de governo e crescimento da economia brasileira (1889-1945). Rio de Janeiro: IPEA/INPES. 1973. 
WILLATS, E. C. “Geographical techniques in physical planning”. Chorley, R. e P. Haggett (eds.).(1965). Frontiers in geographical teaching. London: Methuen. 1970. pp. 266-293.
 

Clique para consultar os requisitos para FLG0336

Clique para consultar o oferecimento para FLG0336

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2022 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP