Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
 
História
 
Disciplina: FLH0105 - História Antiga I
Ancient History I

Créditos Aula: 5
Créditos Trabalho: 1
Carga Horária Total: 105 h ( Práticas como Componentes Curriculares = 20 h )
Tipo: Semestral
Ativação: 15/07/2018 Desativação:

Objetivos
I - Objetivos: A Mesopotâmia e Grécia: Poder e Sociedade O curso abordará dois casos representativos da história antiga próximo-oriental e clássica: a Mesopotâmia e a Grécia. Não se pretende apresentar uma história panorâmica, mas abordar problemáticas em função de seu potencial historiográfico, debatendo questões conceituais e contribuindo para a formação do historiador. O fio condutor do curso expositivo serão as relações de poder: as interpretações historiográficas e a especificidade dos dois casos serão apresentadas. Nos seminários, os demais domínios da história social, econômica e cultural serão explorados: trabalho e escravidão; vida material; organização familiar e parentesco; hierarquias sociais e construções de gênero; universo simbólico e identidades; mitologia e religião; pensamento e filosofia etc. Neste sentido, dar-se-á grande ênfase ao trabalho com as fontes (escritas; cultura material; iconografia) e aos instrumentos de análise documental. Por fim, o curso procurará fornecer elementos - teóricos e instrumentais - para a inserção dos conteúdos de História Antiga no ensino fundamental e médio. I - Objetivos: B História e historiografia sobre a Antiguidade (1). Este curso é uma introdução à História e à historiografia da Antiguidade, das primeiras civilizações do Oriente Próximo ao mundo helenístico. O curso pretende, em primeiro lugar, apresentar aos alunos os problemas teóricos da disciplina, bem como familiarizá-los com a análise dos diversos tipos de documentos disponíveis para o estudo do mundo antigo. Os alunos serão também convidados a refletir sobre os principais problemas abordados pelos historiadores do período e a formar seus próprios julgamentos a partir do estudo de fontes primárias, tanto textuais como arqueológicas. Pretende-se que, ao longo deste curso, os alunos: (1) sejam capazes de desenvolver uma visão crítica dos discursos contemporâneos sobre a Antiguidade; (2) tenham contato com os problemas discutidos pela historiografia nacional e internacional sobre o mundo antigo; (3) desenvolvam uma compreensão das estruturas econômicas, sociais, políticas e culturais das sociedades do Oriente Próximo antigo e dos mundos grego e helenístico, bem como de suas transformações ao longo do tempo; (4) familiarizem-se com os métodos da análise documental e com a diversidade de fontes sobre o período e (5) reflitam sobre as possibilidades analíticas, os temas de trabalho e as estratégias de ensino da História Antiga na sala de aula. O curso compreenderá atividades de organização e de apresentação de seminário, atividades de análise de livros didáticos e revisão dos conteúdos do ensino médio, conforme referências curriculares. I - Objetivos: C História do Mediterrâneo Antigo Subsidiar a discussão sobre as diferentes sociedades que se desenvolveram em torno do Mediterrâneo (sociedades mesopotâmicas, egípcia, hitita, grega, cartaginesa e romana) e formar o aluno no trabalho de análise de documentos escritos e de cultura material, dentro da perspectiva da história antropológica.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
7820196 - Julio Cesar Magalhães de Oliveira
1316101 - Marcelo Aparecido Rede
80911 - Marlene Suano
85670 - Norberto Luiz Guarinello
 
Programa Resumido
A disciplina de História Antiga volta-se para o estudo das sociedades dos chamados "Antigo Oriente Próximo" e do "Mundo Clássico", empregando uma ampla gama de teorias e de recursos documentais (arqueologia, tradição escrita, numismática, etc), bem como de sua reapropriação pelas sociedades modernas, enquanto parte de uma Tradição Cultural. Lidando com um período de quatro milênios, os docentes buscam, através da crítica contemporânea, repensar os quadros da própria disciplina através de suas pesquisas específicas. Os docentes considerarão também a problemática do ensino da História Antiga na escola.
 
 
 
Programa
II - Conteúdo:A Parte geral 1- Origem, tendências e problemas do estudo da Antiguidade 2- Fontes e historiografia: arqueologia, textos e imagens Mesopotâmia 3- A formação das sociedades complexas no IVº milênio 4- Da sociedade-templo suméria à cidade-reino 5- Articulações de poder: palácios, templos, tribos e comunidades locais 6- A Época de Amarna e a crise do sistema inter-regional do Período do Bronze Recente 7- A "Era dos Impérios" no Iº milênio: Assíria e Babilônia Grécia 8- A crise das sociedades palacianas e o "mundo de Homero" 9- Formação da polis no Período Arcaico: rupturas e continuidades 10- Atenas e Esparta: democracia, aristocracia e imperialismo 11- Decadência da vida cívica e a crise da democracia ateniense 12- Reencontros entre Ocidente e Oriente: cidades e realeza no mundo helenístico Parte pedagógica 13- Abordagens da história antiga em sala de aula: conteúdos, interpretações e trabalho com fontes (escritas, materiais e iconográficas) 14- Elementos de utilização crítica de material didático e paradidático de ensino fundamental e médio. II - Conteúdo:B 1) A construção do conhecimento em História Antiga 2) O surgimento das primeiras civilizações: Egito e Mesopotâmia 3) A dinâmica da complexidade: integração, conflito e economia na antiga Mesopotâmia 4) O sistema regional da Idade do Bronze: uma primeira integração mediterrânica? 5) O fim da Idade do Bronze na Palestina e o debate sobre a etnogênse "israelita" 6) Guerra e imperialismo na Idade do Ferro: Assíria e Babilônia 7) O fim da Idade do Bronze no Egeu e o debate sobre a formação e a natureza das póleis gregas 8) A dinâmica da vida políade na Grécia antiga: da época arcaica ao período clássico 9) Trabalho, escravidão e economia na Grécia antiga 10) Os gregos e os outros: identidade, alteridade e contatos culturais no período clássico 11) Cultura e identidade no mundo helenístico 12) A História Antiga na sala de aula: possibilidades e desafios. II - Conteúdo:C 1. Introdução ao tema e à conceituação básica exigida (cultura, tribo, chefia, estado, colônia, colonização). 2. A historiografia do mundo antigo e o Mediterrâneo: o peso das ideologias contemporâneas. 3. A terra, a propriedade e a formação do estado na Mesopotâmia; o Templo e a apropriação palaciana. 4. Vassalagens e Colônias no Oriente Próximo Asiático: o modelo Hitita e o modêlo assírio. 5. A base político-econômica dos grandes impérios da Idade do Bronze no Mediterraneo. 6. A crise do fim da Idade do Bronze entre mito, arqueologia e história. 7. A Grécia entre oriente e ocidente: em direção à Anatólia; a invasão persa e a invasão da Persia. 8. A máquina de expansão romana e a apropriação da terra. 9. Mediterrâneo confragrado: a disputa do Mediterrâneo ocidental 10. As rebeliões servis no mundo clássico e a repetição do modêlo patronal: o sonho e a realidade.
 
 
 
Avaliação
     
Método
Programa A Métodos: aulas expositivas de caráter historiográfico e teórico; trabalhos dirigidos de análise documental. Programa B MÉTODOS UTILIZADOS: A cada semana, os tópicos serão objeto de uma aula expositiva e de um seminário ou oficina para discussão de fontes primárias e/ou textos modernos. Atividades complementares, como a leitura dramática de peças teatrais antigas, poderão também ser propostas e levadas em conta na avaliação da participação dos alunos. Programa C Métodos utilizados: aulas expositivas, exercícios de análise de documentos escritos e de cultura material, redação de ensaios temáticos. Os alunos são orientados em procedimentos básicos de pesquisa, com vistas à sua formação de pesquisadores; e são instados a comparações com os programas de História de ensino fundamental e médio, bem como manuais e livros didáticos publicados no Brasil nos últimos 5 anos, notadamente em função de melhor explorá-los, inclusive pelo acréscimo de documentos dos períodos estudados, tanto textuais quanto de cultura material.
Critério
IV - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO:A Atividades discentes: leituras programadas; participação nas aulas expositivas e seminários. Avaliação: duas dissertações escritas individuais, consistindo na análise de textos de caráter historiográfico e/ou fontes documentais. Trabalhos dirigidos (Seminários) Consistirão de análises críticas de fontes, conduzidas pelo professor, pertinentes a problemas não privilegiados no curso expositivo. Os documentos de base (textos; cultura material; iconografia) serão distribuídos em sala por ocasião de cada estudo dirigido. IV - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO:B A avaliação levará em conta: (1) a presença e a participação dos alunos nos seminários, oficinas e demais atividades do curso (incluindo os fichamentos solicitados), (2) um trabalho escrito individual de 8 (oito) a 10 (dez) páginas, fonte Times New Roman 12, espaço 1,5, sobre qualquer tema debatido no curso e escolhido em comum acordo com o responsável pela disciplina, mas que envolva o uso de pelo menos uma fonte histórica primária e (3) uma prova ao final do curso sobre o conteúdo discutido. Cada um desses critérios corresponderá respectivamente a 20, 40 e 40% da nota final. IV - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO:C Atividades discentes: leitura de bibliografia especializada, apresentação de exercício de análise de documento. Critérios de avaliação: média das notas dos exercícios de análise de documentos e prova final escrita. Fontes: O exercício de leitura de texto faz uso de obras fundamentais, como Cartas de El Amarna, Homero, Hesíodo, Heródoto, Tucídides, Polibio, Tito Livio, Tácito, Pausanias.
Norma de Recuperação
VII - NORMA DE RECUPERAÇÃO:A Comentário crítico de fonte, articulando-o com os conteúdos do curso. VII - NORMA DE RECUPERAÇÃO:B Avaliação escrita individual de caráter dissertativo sobre todo o conteúdo discutido no semestre (apenas para os alunos que obtiverem nota superior a 3,0 e inferior a 5,0 e ao menos 75% da presença). VII - NORMA DE RECUPERAÇÃO:C Critérios de recuperação: refazer a atividade em que não tiver obtido nota mínima de aprovação.
 
Bibliografia
     
VIII - BIBLIOGRAFIA:- A Obs.: a bibliografia aqui fornecida tem caráter geral e refere-se, sobretudo, ao curso expositivo; títulos específicos serão indicados para cada um dos temas tratados e em função dos interesses dos alunos. Mesopotâmia Bang, P. F. & Scheidel, W. (eds.) – The Oxford Handbook of the State in the Ancient Near East and Mediterranean. Oxford: Oxford University Press, 2013. Bordreuil, P., Briquel-Chatonnet, F. & Michel, C. (eds.) – Les Débuts de l’Histoire. Le Proche-Orient, de l’invention de l’écriture à la naissance du monothéisme. Paris : Éditions de la Martinière, 2008. Bouzon, E. - Ensaios Babilônicos. Porto Alegre: EDPUCRS, 1998. Brisch, N. – Religion and Power. Divine kingship in the ancient world and beyond. Chicago: The Oriental Institute, 2008. Cardoso, C. F. C. - Sete Olhares sobre a Antigüidade. Brasília: Editora da UNB, 1994. Launderville, D. - Piety and politics. Grand Rapids: Eerdmans, 2003. Leick, G. – Mesopotâmia. A Invenção da Cidade. Rio de Janeiro, Imago, 2003. Liverani, M. - L'Antico Oriente - Storia, Società, Economia. Roma: Laterza, 1991 (há trad. bras. Edusp) Mieroop, M. Van De - The Ancient Mesopotamian City. Oxford: Oxford University Press, 1999. Sasson, J. (ed.) - Civilizations of the Ancient Near East. 4 volumes. New York : Scribners, 1995. Schemeil, Y. – La politique dans l’ancien orient. Paris : Presses de Sciences po, 1999. Snell, D. (ed.) - A Companion to the Ancient Near East. Oxford: Blackwell, 2005. Grécia Anderson, P. - Passagens da antiguidade ao feudalismo. Porto: Edições Afrontamento, 1982. Arnason, J. P.; Raaflaub, K. A. & Wagner, P. (eds.) – The Greek polis and the invention of democracy. Oxford: Wiley-Blackwell, 2013. Canfora, L. – O mundo de Atenas. São Paulo: Cia. das Letras, 2011. Finley, M. I. – A política no mundo antigo. Rio de Janeiro: Zahar, 1985. Finley, M.I. – Democracia antiga e moderna. Rio de Janeiro : Graal, 1988. Hansen, M. H. – Polis et cité-état. Paris: Les belles Lettres,2001. Meier, Ch. – La naissance du politique. Paris : Gallimard, 1995. Mossé, Cl. – Politique et société en Grèce ancienne. Paris : Flammarion, 1995. Oliveira Gomes, C. – La cité tyrannique. Histoire politique de La Grèce archaïque. Rennes : Presses Universitaires de Rennes, 2007. Osborne, R. – Athens and Athenian democracy. Cambridge: Cambridge University Press, 2010. Raaflaub, K. A. et alii (eds.) – Origins of democracy in ancient Greece. Berkeley: University of California Press, 2007. Trabulsi, J. A. D. – Participation directe et démocratie grecque. Franche-Comté: Presses Universitaires de Franche-Comté, 2006. Vernant, J.-P. (ed.) – O homem grego. Lisboa: Editorial Presença, 1991. Vernant, J.-P. – Entre mythe et politique. Paris: Seuil, 1996 (há trad. bras. Edusp). Vidal-Naquet, P. – La démocratie grecque vue d’ailleurs. Paris: Flammarion, 1990. Vlassopoulos, K. – Unthinking the Greek polis. Cambridge: Cambridge University Press, 2007. Parte Pedagógica Bittencourt, C. Ensino de História: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2004. Cardoso, C. F. & Vainfas, R. (orgs.) Domínios da história. São Paulo: Campus, 1997. Cardoso, C. F. & Vainfas, R. (orgs.) Novos domínios da história. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012. Meneses, U. T. B. Para que serve um museu histórico? In: Como explorar um museu histórico. São Paulo: Museu Paulista, USP, 1995. Morley, N. Theories, models and concepts in ancient history. London: Routledge, 2004. Pinsky, C. B. (org.) Fontes históricas. São Paulo: Contexto, 2005. Pinsky, C. B. & Luca, T. R. (orgs.). O historiador e suas fontes. São Paulo: Contexto, 2009. Silva, Z. L. (org.) Arquivos, patrimônio e memória. Trajetórias e perspectivas. São Paulo: Editora da Unesp, 1999. BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: História. Brasília: MEC, 1997. BIBLIOGRAFIA - B Fontes textuais ARISTÓTELES, A Constituição de Atenas. Tradução e comentários de Francisco Murari Pires. Edição bilíngue. São Paulo: Hucitec, 1995. CÓDIGO DE HAMMURABI. Introdução, tradução do texto cuneiforme e comentários de Emanuel Bouzon. Petrópolis: Vozes, 2001. EURÍPIDES. Bacas – o mito de Dioniso. Tradução e comentários Jaa Torrano. Edição bilíngue. São Paulo: Hucitec, 1995. HERÓDOTO. Histórias, Livro II – Euterpe. Trad. Maria Aparecida de Oliveira Silva. São Paulo: Edipro, 2016. HOMERO. Ilíada. Tradução de Haroldo de Campos. Introdução e organização Trajano Vieira. 2 vol. São Paulo: Arx, 2003. THE EPIC OF GILGAMESH. The Babylonian Epic Poem and Other Texts in Akkadian and Sumerian. Translated and with an introduction by Andrew George. London: Penguin Books, 1999. TUCÍDIDES. História da Guerra do Peloponeso, Livro I – Edição bilíngue. Tradução e apresentação Anna Lia Amaral de Almeida Prado; texto grego estabelecido por Jacqueline de Romilly. São Paulo: Martins Fontes, 2008. Coletâneas de documentos ARAÚJO, Emanuel. Escrito para a eternidade: A literatura no Egito faraônico. Brasília: Editora UnB; São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2000. BOUZON, Emanuel. Contratos pré-Hammurabianos do reino de Larsa. Porto Alegre: Edipucrs, 2000. CARDOSO, Ciro Flamarion. Trabalho compulsório na Antiguidade. Ensaio introdutório e coletânea de fontes primárias. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984. FOSTER, Benjamin R. Before the Muses: An Anthology of Akkadian Literature. 2nd ed. Bethesda, Maryland: CDL Press, 1996. FUNARI, Pedro Paulo A. Antiguidade Clássica: a história e a cultura a partir dos documentos. Campinas: Editora da Unicamp, 2003. Fontes arqueológicas LEVI, Peter. Grécia, berço do Ocidente. 2 vol. Trad. Ana Berhan da Costa. Madrid: Edições del Prado, 1996. ROAF, Michael. Mesopotâmia e o antigo Médio Oriente. 2 vol. Madrid: Edições del Prado, 1996. Bibliografia básica ANDRADE, Marta Mega de. A vida comum: espaço, cotidiano e cidade na Atenas Clássica. Rio de Janeiro: DP&A/Faperj, 2002. BERNAL, Martin. Black Athena: The Afro-asiatic Roots of Classical Civilization. Vol. 1: The Fabrication of Ancient Greece 1785-1985. New Brunswick, New Jersey: Rutgers University Press, 1987. ______. A imagem da Grécia antiga como uma ferramenta para o colonialismo e para a hegemonia europeia. In: FUNARI, P. P. A. (org.). Repensando o mundo antigo – Martin Bernal, Luciano Canfora e Laurent Olivier. Textos Didáticos, no 49. Campinas: IFCH/UNICAMP, 2005, p. 11-31. BITTENCOURT, Circe. Ensino de História: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2004. BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: História. Brasília: MEC, 1997. CARDOSO, Ciro Flamarion Santana. O Egito Antigo. São Paulo: Brasiliense, 1996. CARVALHO, Alexandre Galvão (Org.). A Economia Antiga: História e Historiografia. Vitória da Conquista – BA: Edições UESB, 2011. CHADWICK, John. El enigma micénico: El desciframiento de la Lineal B. Trad. Enrique Tierno Galván. Madrid: Taurus, 1973. COLLINS, John J. Culto e cultura: os limites da helenização na Judeia. In: NOGUEIRA, P. A. S.; FUNARI, P. P. A.; COLLINS, J. J. (Orgs.). Identidades fluídas no Judaísmo Antigo e no Cristianismo Primitivo. São Paulo: Annablume/Fapesp, 2010, p. 29-54. DABDAB TRABULSI, José Antonio. Ensaio sobre a mobilização política na Grécia antiga. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001. ______. Participation directe et démocratie grecque: Une histoire exemplaire? Besançon: Presses universitaires de Franche-Comté, 2006. ÉTIENNE, Roland; MÜLLER, Christel; PROST, Francis. Archéologie historique de la Grèce antique. Paris: Ellipses, 2000. FINLEY, Moses I. Economia e Sociedade na Grécia Antiga. Trad. Marylene Pinto Michael. São Paulo: Martins Fontes, 1989. FLORENZANO, Maria Beatriz B. Nascer, viver e morrer na Grécia Antiga. São Paulo: Atual, 1996. ______. Cidade e território na Grécia antiga. In: TACLA, A. B. et al. (Orgs.), Uma Trajetória na Grécia Antiga, Homenagem a Neyde Theml. Rio de Janeiro: Apicuri/Faperj, 2011, p. 237-261. FUNARI, Pedro Paulo A. Grécia e Roma. São Paulo: Contexto, 2004. FUNARI, Pedro Paulo A.; GARRAFFONI, Renata Senna. História Antiga na Sala de Aula. Campinas: IFCH/UNICAMP, julho de 2004 (Textos Didáticos n. 51). GOSDEN, Chris. Prehistory: A Very Short Introduction. Oxford: Oxford University Press, 2003. GUARINELLO, Norberto Luiz. Uma morfologia da História: as formas da História Antiga. Politeia: Hist. e Soc., Vitória da Conquista-BA, v. 3, n. 1, p. 41-61, 2003. HARTOG, François. O Espelho de Heródoto: Ensaio sobre a representação do outro. Trad. Jacyntho Lins Brandão. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999. KEMP, Barry. Ancient Egypt: Anatomy of a Civilization. 2nd ed. London and New York: Routledge, 2006. LEICK, Gwendolyn. Mesopotâmia, a invenção da cidade. Trad. Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Imago, 2003. LESSA, Fábio de Souza. O Feminino em Atenas. Rio de Janeiro: Mauad/Faperj, 2004. LIVERANI, Mario. El Antiguo Oriente. Historia, sociedad y economía. Trad. Juan Vivanco. Barcelona: Crítica, 1995. ______. Para além da Bíblia: História antiga de Israel. São Paulo: Paulus; Edições Loyola, 2008. MATTHEWS, Roger. The Archaeology of Mesopotamia: Theories and Approaches. London and New York: Routledge. MOMIGLIANO, Arnaldo. Os limites da helenização. Trad. Cláudia Martinelli Gama. Rio de Janeiro: Zahar, 1991. ______. As raízes clássicas da historiografia moderna. Trad. Maria Beatriz Borba Florenzano. Bauru – SP: Edusc, 2004. MORALES, Fábio Augusto. A Democracia ateniense pelo avesso. São Paulo: Edusp, 2014. POZZER, Kátia Maria Paim. Escritas e escribas: o cuneiforme no antigo Oriente Próximo. Classica, São Paulo, v. 11/12, n. 11/12, p. 61-80, 1998/1999. REDE, Marcelo. Complexidade social, sistemas comunicativos e gênese da escrita cuneiforme. Classica, São Paulo, v. 11/12, n. 11/12, p. 37-59, 1998/1999. ______. Da Sociedade-Templo à Cidade-Reino na Antiga Mesopotâmia: aspectos da transição. In: ALDROVANI, C. E. V.; KORMIKIARI, M. C. N.; HIRATA, E. F. (orgs.). Estudos sobre o Espaço na Antiguidade. São Paulo: Edusp/Fapesp, 2011, p. 89-103. RODRIGUES, André Figueiredo. Como Elaborar e Apresentar Monografias. São Paulo: Humanitas, 2005. SAND, Shlomo. A Invenção do Povo Judeu. São Paulo: Benvirá, 2011. TRIGGER, Bruce. Understanding Early Civilization: A Comparative Study. Cambridge: Cambridge University Press, 2003. VAN DE MIEROOP, Marc. The Ancient Mesopotamian City. Oxford: Oxford University Press, 1997. ______. Cuneiform Texts and the Writing of History. London: Routledge, 1999. ______. The Eastern Mediterranean in Early Antiquity. In: HARRIS, W. V. (Ed.). Rethinking the Mediterranean. Oxford: Oxford University Press, 2005, p. 117-140. VERNANT, Jean-Pierre. Mito e pensamento entre os gregos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990. VIDAL-NAQUET, Pierre. Os gregos, os historiadores, a democracia: O grande desvio. Trad. Jônatas Batista Neto. São Paulo: Companhia das Letras, 2002. VLASSOPOULOS, Kostas. Unthinking the Greek Polis: Ancient Greek History beyond Eurocentrism. Cambridge: Cambridge University Press, 2007. ______. The stories of the others: Storytelling and intercultural communication in the Herodotean Mediterranean. In: ALMAGOR, E.; SKINNER, J. (eds.). Ancient Ethnography: New Approaches. London, New Delhi, New York, Sidney: Bloomsbury, 2013, p. 49-75. WIESHEU FOSTER, Walburga M. Integración, conflicto y economía dual en el dinástico temprano. In: BERNARDI, C. (Org.). Cercano Oriente Antiguo: Nuevas miradas sobre viejos problemas. Cidade do México: Colegio de México, 2006, p. 29-46. Disponível em: http://ceaa.colmex.mx/aladaa/imagesmemoria/mesopotamiawalburga.pdf. WOOD, Ellen Meiksins. Democracia contra o capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2006. YOFFEE, Norman. Political Economy in Early Mesopotamian States. Annual Review of Anthropology, v. 24, p. 281-311, 1995. Sites recomendados The Ancient City of Athens: site criado por Kevin Glowacki da Indiana University, com muitas imagens e comentários sobre a Atenas antiga: www.stoa.org/athens ARTEFACTS: site de agência de design sediada em Berlim e dedicada à reconstituição visual de sítios arqueológicos, com boas visualizações da cidade antiga de Uruk, do palácio de Mari, das pinturas assírias de Til Barsib, entre outras: http://www.artefacts-berlin.de/en Athenian Agora Excavations: site da American School of Classical Studies in Athens, responsável há décadas pelas escavações da ágora ateniense: www.agathe.gr LABECA: site do Laboratório de Estudos sobre a Cidade Antiga da USP, com muitos textos sobre a cidade antiga traduzidos, vídeos, material educativo e uma base de dados (Nausitoo) sobre vários sítios arqueológicos urbanos antigos do Mediterrâneo: www.labeca.mae.usp.br Perseus Digital Library: fontes textuais antigas no original (grego e latim) e em traduções para o inglês, amplo acervo fotográfico, links para vários sites de interesse e muitas fontes secundárias: www.perseus.tufts.edu BIBLIOGRAFIA - C Cambridge Ancient History (volumes sobre o mundo grego e mundo romano) --Civilizations of the Ancient Near East, ed. J. SASSON - J.G.Macqueen, 1986, The Hittites, Thames and Hudson, Londres. - F.Braudel, 1985, La Méditerranée, Flammarion, Paris. - C.Mossé, 1966, Le travail en Gréce et à Rome, Que sais-je, Paris. - C.F.Cardoso, E.Bouzon, C.M.M.Tunes, 1990, Modo de Produção Asiático: nova visita a um velho conceito, Ed.Campus, Rio de Janeiro. - M.Finley(org.), 1976, Studies in Roman Property, CUP, Cambridge. - M.Rostovtzeff, 1957, The Social and Economic History of the Roman Empire, Oxford. - K. Polanyi, 1968, Primitive, Archaic and modern economies, N.York. - C.F.Cardoso, 1984, Trabalho Compulsório na Antiguidade, Graal, R.J.
 

Clique para consultar os requisitos para FLH0105

Clique para consultar o oferecimento para FLH0105

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2018 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP