Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 
Júpiter - Sistema de Graduação

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
 
História
 
Disciplina: FLH0106 - História Antiga II
Ancient History II

Créditos Aula: 5
Créditos Trabalho: 1
Carga Horária Total: 105 h ( Práticas como Componentes Curriculares = 20 h )
Tipo: Semestral
Ativação: 15/07/2018 Desativação:

Objetivos
OBJETIVOS: A História e historiografia sobre o mundo romano. O curso pretende apresentar aos alunos os problemas teóricos envolvidos no estudo da História Antiga, em geral, e da História Romana, em particular, bem como familiarizá-los com a análise dos diversos tipos de documentos disponíveis. Os alunos serão também convidados a refletir sobre os principais problemas abordados pelos historiadores e a formar seus próprios julgamentos a partir do estudo de fontes primárias, tanto textuais como arqueológicas. Pretende-se que, ao longo deste curso, os alunos: (1) sejam capazes de desenvolver uma visão crítica dos discursos contemporâneos sobre a Roma antiga; (2) tenham contato com os problemas discutidos pela historiografia nacional e internacional sobre o mundo romano; (3) desenvolvam uma compreensão das estruturas e transformações econômicas, sociais, políticas e culturais de Roma e das sociedades incorporadas ao seu Império, das origens da cidade à Antiguidade Tardia; (4) familiarizem-se com os métodos da análise documental e com a diversidade de fontes sobre o período e (5) reflitam sobre as possibilidades analíticas, os temas de trabalho e as estratégias de ensino da História Romana na sala de aula. O curso compreenderá atividades de organização e de apresentação de seminário, atividades de análise de livros didáticos e revisão dos conteúdos do ensino médio, conforme referências curriculares. OBJETIVOS B: A Cidade Antiga: Sociedade e Poder (Grécia e Roma) mais do que proporcionar uma visão panorâmica da trajetória da cidade-estado na Antiguidade clássica, o curso pretende, a partir de um campo específico de reflexão (a articulação entre corpo social e poder), oferecer um aprimoramento dos instrumentos necessários ao ofício do historiador, da análise das fontes aos debates historiográficos. No curso expositivo, serão privilegiados dois processos de mutação estrutural na organização política das sociedades clássicas: de um lado, as transformações ocorridas na Grécia durante o período Arcaico e que prepararam o terreno para a emergência da democracia ateniense; de outro, as alterações por que passa a república romana, particularmente em seu processo de expansão, e que levam à crise do sistema e à transição para o império. Desta forma, o curso permitirá a discussão historicamente contextualizada de noções como aristocracia e democracia, crise, continuidade e ruptura, república e império, liberdade, participação popular, clientela, patronagem etc. Uma segunda parte será destinada a exercícios dirigidos de análise de fontes (escritas, iconográficas, cultura material), abordando temáticas variadas: mentalidades e cultura, religião e mitologia, estrutura social e vida material etc. Por fim, o curso procurará fornecer elementos – teóricos e instrumentais – para a inserção dos conteúdos de História Antiga no ensino fundamental e médio. OBJETIVOS C: Programa: TERRA, PROPRIEDADE E TRABALHO NO MUNDO ANTIGO. subsidiar a discussão sobre as diferentes formas de uso e de apropriação da terra (enfatizando as relações entre o poder central, os proprietrários, os camponeses, os colonistas e os escravos, no Oriente Próximo Asiático e no Mediterrâneo) e formar o aluno no trabalho de análise de documentos escritos e de cultura material, dentro da perspectiva da história antropológica. O curso compreende base para formação de pesquisadores e docentes, em todos os níveis de tais práticas.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
7820196 - Julio Cesar Magalhães de Oliveira
1316101 - Marcelo Aparecido Rede
80911 - Marlene Suano
85670 - Norberto Luiz Guarinello
 
Programa Resumido
A disciplina de História Antiga volta-se para o estudo das sociedades dos chamados "Antigo Oriente Próximo" e do "Mundo Clássico", empregando uma ampla gama de teorias e de recursos documentais (arqueologia, tradição escrita, numismática, etc), bem como de sua reapropriação pelas sociedades modernas, enquanto parte de uma Tradição Cultural. Lidando com um período de quatro milênios, os docentes buscam, através da crítica contemporânea, repensar os quadros da própria disciplina através de suas pesquisas específicas. Os docentes considerarão também a problemática do ensino da História Antiga na escola.
 
 
 
Programa
CONTEÚDO:A 1) Os fundamentos da História Antiga e o estudo da História Romana 2) O debate sobre as origens de Roma: lendas e arqueologia 3) Roma e o Mediterrâneo: guerra e imperialismo 4) Discussões recentes sobre a crise da república romana e a nova ordem imperial 5) Economia, sociedade e escravidão na Roma antiga 6) Unidade e diversidade culturais: a “romanização” em questão 7) Cidade, sociedade e cultura no Império Romano 8) O judaísmo e o cristianismo no Império Romano 9) O debate sobre a Antiguidade tardia 10) A História Romana na sala de aula: possibilidades e desafios CONTEÚDO:B Parte geral 1- Origem, tendências e problemas do estudo da Antiguidade 2- Fontes e historiografia: arqueologia, textos e imagens 3- A cidade antiga: conceitos, debates e perspectivas Grécia 4- Prelúdios: o mundo homérico, guerra e política 5- A Grécia Arcaica: crise, continuidades e mutações 6- A formação do quadro institucional: aristocracia e democracia 7- Relações sociais e relações de poder: cidadãos, escravos, estrangeiros 8- O discurso democrático e a ideologia cívica 9- A decadência do civismo e o fim da Atenas democrática Roma 10 – Roma: da realeza à república aristocrática 11 – Tensões sociais: as mutações da plebe 12 - Expansão e transformações da vida social e cultural romana (séc. III a I a.C.) 13 – As conquistas e o esgarçamento das instituições republicanas 14– A crise da república e o papel dos “grandes homens”: Júlio César e Augusto 15– O Principado: a transição da República à forma imperial de governo 16- A figura do imperador: aspectos simbólicos do poder pessoal e culto imperial Parte pedagógica 17- Abordagens da história antiga em sala de aula: conteúdos, interpretações e trabalho com fontes (escritas, materiais e iconográficas) 18- Elementos de utilização crítica de material didático e paradidático de ensino fundamental e médio. CONTEÚDO: C 1. Introdução ao tema e à conceituação básica exigida(cultura, tribo, chefia, estado, colônia, colonização). 2. A questão da terra, da propriedade e a formação do estado no mundo mediterrânico antigo 3. Vassalagens e Colônias 4. Terra e poder político 5. A questão da propriedade privada no Mediterrâneo Clássico. 6. O proprietário privado: o cidadão, o estado e o santuário. Os pequenos domínios gregos e os latifúndios romanos. 7. A máquina de expansão romana e a apropriação da terra e as crenças religiosas a seu serviço. 8. A reforma agrária de Solon e a reforma agrária dos Graco: camponeses, colonistas e o regime de pequenas propriedades. 9. O uso do "Ager Publicus" romano. 10. As rebeliões servis no mundo clássico: o sonho e a realidade.
 
 
 
Avaliação
     
Método
Métodos utilizados: A A cada semana, os tópicos serão objeto de uma aula expositiva e de um seminário ou oficina para discussão de fontes primárias e/ou textos modernos. Atividades complementares, como a leitura dramática de peças teatrais antigas, poderão também ser propostas e levadas em conta na avaliação da participação dos alunos. Métodos Utilizados: B aulas expositivas de caráter historiográfico e teórico; trabalhos dirigidos de análise documental. Métodos Utilizados: C aulas expositivas, exercícios de análise de documentos escritos e de cultura material, redação de ensaios temáticos. Os alunos são orientados em procedimentos básicos de pesquisa, com vistas à sua formação de pesquisadores; e são instados a comparações com os programas de História dO ensino fundamental e médio, bem como manuais e livros didáticos publicados no Brasil nos últimos 5 anos (PNLD e FNDE), notadamente em função de melhor explorá-los, inclusive pelo acréscimo de documentos dos períodos estudados, tanto textuais quanto de cultura material.
Critério
Critérios de Avaliação: A A avaliação levará em conta: (1) a presença e a participação dos alunos nos seminários, oficinas e demais atividades do curso (incluindo os fichamentos solicitados), (2) um trabalho escrito individual de 8 (oito) a 10 (dez) páginas, fonte Times New Roman 12, espaço 1,5, sobre qualquer tema debatido no curso e escolhido em comum acordo com o responsável pela disciplina, mas que envolva o uso de pelo menos uma fonte histórica primária e pelo menos quatro autores modernos na bibliografia e (3) uma prova ao final do curso sobre o conteúdo discutido. Cada um desses critérios corresponderá respectivamente a 20, 40 e 40% da nota final. Critérios de Avaliação: B Atividades discentes: participação nas aulas expositivas e nos trabalhos dirigidos de análise documental; leituras programadas. Critérios de avaliação: duas dissertações escritas individuais, consistindo na análise crítica de textos historiográficos e/ou fontes. Critérios de Avaliação: C Atividades discentes: leitura de bibliografia especializada, apresentação de exercício de análise de documento, redação de ensaio temático. Critérios de avaliação: média das notas dos exercícios de análise de documentos, do ensaio e prova final escrita. Pesos 0-10x3:3=M.
Norma de Recuperação
Norma de recuperação: A Avaliação escrita individual de caráter dissertativo sobre todo o conteúdo discutido no semestre (apenas para os alunos que obtiverem nota superior a 3,0 e inferior a 5,0 e ao menos 70% da presença). Norma de recuperação: B Comentário crítico de fonte ou texto historiográfico, articulando-o com os conteúdos do curso. Norma de recuperação: C refazer o ensaio ou a prova que tiver obtido nota inferior a 5,0(cinco) e superior a 3,0 (três).
 
Bibliografia
     
BIBLIOGRAFIA: A Autores antigos ACTAS DE LOS MÁRTIRES. Ed. Daniel Ruiz Bueno. Madrid: Editorial Católica, 1951. AGOSTINHO. Confissões. Trad. J. Oliveira Santos e Ambrósio Pina. 18. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002. APULEIO. O Asno de Ouro. Trad. Ruth Guimarães. Rio de Janeiro: Edições de Ouro, s.d. CÍCERO. Manual do candidato às eleições, Carta do bom administrador público, Pensamentos políticos selecionados. Tradução, introdução e notas Ricardo da Cunha Lima. São Paulo: Nova Alexandria, 2000. PETRÔNIO. Satíricon. Apresentação Raymond Queneau. Trad. e posfácio Cláudio Aquati. São Paulo: Cosacnaify, 2008. PLAUTO. Os Menecmos. Trad. e adaptação José Dejalma Dezotti. Araraquara-SP: FCL/UNESP, 2002. SALÚSTIO. A Conjuração de Catilina; A Guerra de Jugurta. Petrópolis: Vozes, 1998. SUETÔNIO; AUGUSTO. A Vida e os Feitos do Divino Augusto, textos de Suetônio e Augusto. Trad. Matheus Trevizam, Paulo Sérgio Vasconcellos e Antônio Martinez de Rezende. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007. SUETÔNIO; PLUTARCO. Vidas de César, por Suetônio e Plutarco. Trad. e notas Antonio da Silveira Mendonça e Ísis Borges Belchior da Fonseca. São Paulo: Estação Liberdade, 2007. TITO LÍVIO. História de Roma. Livro I: A Monarquia. Trad. Monica Costa Vitorino. Belo Horizonte: Crisálida, 2008. Coletânea de documentos antigos FUNARI, Pedro Paulo A. Antiguidade Clássica: A História e a Cultura a partir dos documentos. 2. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2003. Bibliografia moderna básica ALDROVANDI, C. E. V.; KORMIKIARI, M. C. N.; HIRATA, E. F. V. (Org.). Estudos sobre o Espaço na Antiguidade. São Paulo: Edusp/Fapesp, 2011. BITTENCOURT, Circe. Ensino de História: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2004. BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: História. Brasília: MEC, 1997. BROWN, Peter. O Fim do mundo clássico, de Marco Aurélio a Maomé. Trad. de António Gonçalves Mattoso. Lisboa: Verbo, 1972. CARRIÉ, Jean-Michel. Elitismo cultural e “democratização da cultura” no Império Romano Tardio. História (São Paulo)[on-line]. Franca, v. 29, n. 1, p. 456-474, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-90742010000100027. CARRIÉ, Jean-Michel; ROUSSELLE, Aline. L’Empire romain en mutation, des Sévères à Constantin (192-337). Paris: Éditions du Seuil, 1999. (Nouvelle histoire de l’Antiquité, 10). CHEVITARESE, André Leonardo; CORNELLI, Gabriele; SELVATICI, Monica (Orgs.). Jesus de Nazaré: Uma outra história. São Paulo: Annablume/Fapesp, 2006. CLEMENTE, Guido. Commento a Fabio Faversani. Mare Nostrum. São Paulo, v. 4, p. 139-145, 2013. http://leir.fflch.usp.br/sites/leir.fflch.usp.br/files/upload/paginas/marenostrum-ano4-vol4.pdf. CORNELL, Tim. The Beginnings of Rome: Italy and Rome from the Bronze Age to the Punic Wars (c. 1000-264 B.C.). Londres: Routledge, 1995. CORNELL, Tim; MATTHEWS, John. Roma: legado de um império. Madri: Edições del Prado, 1996. DUPLÀ, Antonio. Interpretaciones de la crisis tardorrepublicana: del conflicto social a la articulación del consenso. Studia Historica. Historia Antigua, Salamanca, v. 25, p. 185-201, 2007. FAVERSANI, Fabio. Entre a República e o Império: apontamentos sobre a amplitude desta fronteira. Mare Nostrum. São Paulo, v. 4, n. 4, p. 100-111, 2013. Disponível em: http://leir.fflch.usp.br/sites/leir.fflch.usp.br/files/upload/paginas/marenostrum-ano4-vol4.pdf. FEITOSA, Lourdes Conde. Paixão e desejo na sociedade romana: interpretações historiográficas. In: FUNARI, P. P. A.; SILVA, G. J.; MARTINS, A. L. (orgs.). História Antiga: contribuições brasileiras. São Paulo: Annablume/Fapesp, 2008, p. 79-92. FINLEY, Moses I. A Economia Antiga. Trad. de Luisa Feijó e Carlos Leite. 2ª ed. Porto: Afrontamento, 1986. _____. Escravidão antiga e ideologia moderna. Trad. de Norberto Luiz Guarinello. Rio de Janeiro: Graal, 1991. FUNARI, Pedro Paulo A. A cidadania entre os romanos. In: PINSKY, J.; PINSKY, C. B. (orgs.). História da cidadania. São Paulo: Contexto, 2003, p. 49-76. _____. A Vida Quotidiana na Roma Antiga. São Paulo: Annablume, 2003. _____. Grécia e Roma. São Paulo: Contexto, 2004. FUNARI, Pedro Paulo A.; FEITOSA, Lourdes Conde; SILVA, Glaydson José (orgs.). Amor, desejo e poder na Antiguidade: Relações de gênero e representações do feminino. 2a ed. São Paulo: Editora FAP-UNIFESP, 2014, p. 353-370. FUNARI, Pedro Paulo A.; GARRAFFONI, Renata Senna. História Antiga na Sala de Aula. Campinas: IFCH/UNICAMP, julho de 2004 (Textos Didáticos n. 51). _____. Historiografia: Salústio, Tito Lívio e Tácito. Campinas: Editora Unicamp, 2016. GARRAFFONI, Renata Senna. Gladiadores na Roma Antiga: dos combates às paixões cotidianas. São Paulo: Annablume, 2005. _____. Guerras Púnicas. In: MAGNOLI, D. (ed.). História das Guerras. São Paulo: Contexto, 2008, p. 47-76. GARRAFFONI, Renata Senna; SILVA, Lorena Pantaleão. O feminino adentra a arena: as mulheres e a relação com as lutas de gladiador na Roma Imperial. Revista Caminhos da História, Montes Claros-MG, v. 15, n. 1, p. 61-83, 2010. Disponível em: https://www.academia.edu/9817406/O_FEMININO_ADENTRA_A_ARENA_MULHERES_E_A_RELAÇÃO_COM_O_AS_LUTAS_DE_GLADIADOR_NA_ROMA_IMPERIAL GOODMAN, Martin. The Roman World, 44 BC-AD 180. Londres: Routledge, 1997. GRANDAZZI, Alexandre. As origens de Roma. Trad. de Christiane Gradvohl Colas. São Paulo: Editora UNESP, 2010. GUARINELLO, Norberto Luiz. Uma morfologia da História: as formas da História Antiga. Politeia: História e Sociedade. Vitória da Conquista, v. 3, n. 1, p. 41-61, 2003. _____. História Antiga. São Paulo: Contexto, 2013. HINGLEY, Richard. O Imperialismo Romano: Novas perspectivas a partir da Bretanha. Trad. de Luciano César Garcia Pinto. Organização de Renata Senna Garraffoni, Pedro Paulo A. Funari e Renato Pinto. São Paulo: Annablume, 2010. JOLY, Fábio Duarte. A escravidão na Roma antiga. Política, economia e cultura. São Paulo: Alameda, 2005. LEPELLEY, Claude. Os romanos na África ou a África romanizada? Arqueologia, colonização e nacionalismo na África do Norte. Heródoto, Guarulhos-SP, v. 1, n. 1, p. 418-437, 2016. Disponível em: http://herodoto.unifesp.br/index.php/herodoto/article/view/46 MACHADO, Carlos Augusto Ribeiro. A Antiguidade Tardia, a queda de Roma e o debate sobre o “fim do mundo antigo”. Revista de História. São Paulo, v. 173, p. 81-114, 2015. MAGALHÃES DE OLIVEIRA, J. C. A perseguição de Diocleciano na África e os autos da repressão à Igreja de Cirta: os Acta Munatii Felicis. Dimensões. Vitória-ES, v. 25, p. 18-31, 2010. MILLAR, Fergus. The Crowd in Rome in the Late Republic. Ann Arbor: The University of Michigan Press, 1998. PINTO, R. O impulso de romanizar. Revista de Estudos Filosóficos e Históricos da Antiguidade, Campinas, v. 22/23, p. 219-239, jul. 2006/jun. 2007. Disponível em: https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/cpa/article/view/764/589 RODRIGUES, André Figueiredo. Como Elaborar e Apresentar Monografias. São Paulo: Humanitas, 2005. ROSENSTEIN, Nathan; MORNSTEIN-MARX, Robert (Eds.). A Companion to the Roman Republic. Oxford: Blackwell, 2006. SILVA, Gilvan Ventura da; MENDES, Norma M. (Orgs.). Repensando o Império Romano: Perspectiva socioeconômica, política e cultural. Rio de Janeiro: Mauad; Vitória-ES: EDUFES, 2006. SILVA, Glaydson José da. História Antiga e Usos do Passado: Um estudo de apropriações da Antiguidade sob o Regime de Vichy (1940-1944). São Paulo: Annablume/Fapesp, 2007. _____. Os avanços da História Antiga no Brasil. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH, São Paulo, julho de 2011. Disponível em: http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/14/1300246828_ARQUIVO_OsavancosdaHistoriaAntiganoBrasil.pdf VEYNE, Paul (ed.). História da Vida Privada, I: Do Império Romano ao ano mil. São Paulo: Companhia das Letras, 1990. VEYNE, P. O Império Greco-Romano. Rio de Janeiro: Editora Campus, 2009. WARD-PERKINS, Bryan. A Queda de Roma e o Fim da Civilização. Trad. de Inês Castro. Lisboa: Alêtheia, 2005. ZANKER, Paul. The Power of Images in the Age of Augustus. Ann Arbor: The University of Michigan Press, 1988. BIBLIOGRAFIA: B Parte de conteúdo (Grécia e Roma) - P. Anderson – Passagens da antiguidade ao feudalismo. Porto, 1982. - J. P. Arnason.; K. A. Raaflaub & P. Wagner (eds.) – The Greek polis and the invention of democracy. Oxford: Wiley-Blackwell, 2013. - M. Beard & M. Crawford – Rome in the Late Republic. New York, 1985. - N. Belayche (ed.) – Rome, les Césars et la ville. Rennes, 2001. - R. Brock & S. Hodkinson (eds.) – Alternatives to Athens. Varieties of political organization and community in ancient Greece. Oxford, 2002. - W. Burkert – The orientalizing revolution. Near eastern influence on Greek culture in the early archaic age. Cambridge, 1992. - L. Canfora – Júlio César, o ditador democrático. São Paulo, 2002. - L. Canfora – O mundo de Atenas. São Paulo: Cia. das Letras, 2011. - E. Cizek – Mentalités et institutions politiques romaines. Paris, 1990. - J. A. Dabdab Trabulsi, – Essai sur la mobilisation politique dans la Grèce ancienne. Besançon, 1991. - E. Deniaux – Rome, de la cité-état à l’empire. Paris, 2001. - M. Detienne – Os mestres da verdade na Grécia antiga. Rio de Janeiro: Zahar, 1988. - C. Dougherty, & L. Kurke, (eds.) – Cultural poetics in archaic Greece: cult, performance, politics. Oxford, 1998. - A. M. Eckstein – Mediterranean anarchy, interstate war, and the rise of Rome. Berkeley, 2006. - N. Evans – Civic rites. Democracy and religion in ancient Athens. Berkeley. 2010. - C. Farrar – Origins of democratic thinking. The inventation of politics in classical Athens. Cambridge, 1988. - M. Finley – A política no mundo antigo. Rio de Janeiro, 1985. - M. Finley – Democracia antiga e moderna. Rio de Janeiro, 1988. - M. Finley, – Grécia primitiva: idade do bronze e idade arcaica. São Paulo: Martins Fontes, 1990. - H. I. Flower – Roman republics. Princeton, 2010. - K. Galinsky – Augustan Culture. Princeton, 1996. - P. Garnsey & C.R. Whittaker (eds.) – Imperialism in the ancient world. Cambridge, 1978. - E. S. Gruen – The last generation of the roman Republic. Berkeley: University of California Press, 1995. - N. L. Guarinello – Imperialismo greco-romano. São Paulo, 1989. - D. Hammer (ed.) - A companion to Greek democracy and the Roman republic. Malden: Wilet-Blackwell, 2015. - M. H. Hansen – La démocratie athénienne à l’époque de Démosthène. Paris, 1993. - M. H. Hansen – Polis et cité-état. Un concept antique et son équivalent moderne. Paris, 2001. - K.-J. Hölkeskamp – Reconstructing the Roman republic. An ancient political culture and modern research. Princeton, 2010. - F. Jacques & J. Scheid – Rome et l’Intégration de l’Empire (44 av. J.-C. – 260 ap. J.-C.). Paris, 1990. - M. A. Levi – Augusto e il suo Tempo. Milano, 1986. - J. Lewis, – Solon the thinker. Political thought in archaic Athens. London, 2006. - P. Lévêque, & P. Vidal-Naquet, – Clisthène, l’athénien. Besançon, 1964. - R. MacMullen - Corruption and the decline of Rome. Yale, 1988. - C. Meier – La naissance du politique. Paris, 1995. - C. Meier – Introduction à l’anthropologie politique de l’antiquité classique. Paris, 1984. - C. Meier – Caesar. A biography. New York, 1982. - F. Millar & E. Segal (eds.) – Caesar Augustus, Seven Aspects. Oxford, 1984. - L. G. Mitchell, & P. J. Rhodes, (eds.) - The development of the polis in archaic Greece. London, 1997. - C. Moatti – La Raison de Rome. Naissance de l’Esprit Critique à la fin de la République. Paris, 1997. - Cl. Mossé – A Grécia arcaica de Homero a Ésquilo. Lisboa, 1989. - O. Murray, – La Grèce à l’epoque archaïque. Toulouse, 1995. - C. Nicolet – Le métier de citoyen dans la Rome républicaine. Paris, 1976. - J. Ober – The Athenian revolution : essays on ancient Greek democracy and political theory. Princeton, 1996. - J. Ober – Mass and elite in democratico Athens. Rhetoric, ideology, and the power of the people. Princeton, 1989. - C. de Oliveira Gomes – La cité tyrannique. Histoire politique de la Grèce archaïque. Rennes, 2007. - R. Osborne – Athens and the Athenian democracy. Cambridge, 2010. - P. Petit – A Paz Romana. São Paulo, 1989. - K. A. Raaflaub, J. Ober & R. W. Wallace (eds.) – Origins of democracy in ancient greece. Berkeley, 2007. - K. A. Raaflaub & M. Toher (eds.) – Between republic and empire. Interpretations of Augusuts and his Principate. Berkeley, 1993. - J. Rich, & G. Shipley (eds.) – War and society in the Roman world. London, 1993. - J. Rich, & G. Shipley, (eds.) – War and Society in the Greek world. London, 1995. - N. Rouland – Roma, Democracia Impossível ? Brasília, 1997. -A. Schnapp-Gourbeillon – Aux origines de la Grèce. La genèse du politique. Paris, 2010. - D. Shotter – Augustus Caesar. London, 1991. - A. Snodgrass - Archaic Greece. The age of experiment. Berkeley, 1980. - R. Syme, – The roman revolution. Oxford, 1966. - J. A. D. Trabulsi – Ensaio sobre a mobilização política na Grécia antiga. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001. - J. A. D. Trabulsi – Participation directe et démocratie grecque. Franche-Comté: Presses Universitaires de Franche-Comté, 2006. - J.-P. Vernant – As origens do pensamento grego. São Paulo, 1972. - J.-P. Vernant – Entre mythe et politique. Paris, 1996. - P. Veyne – L’empire gréco-romain. Paris, 2005. - P. Vidal-Naquet – La démocratie grecque vue d’ailleurs. Paris: Flammarion, 1990. - K. Vlassopoulos – Unthinking the Greek polis. Ancient Greek history beyond eurocentrism. Cambridge, 2007. - Z. Yavetz – César et son Image. Des limites du charisme en politique. Paris, 1990. - Z. Yavetz – La plèbe et le prince. Foule et vie politique sous le haut-empire romain. Paris, 1984. - P. Zanker – The power of images in the age of Augustus. Ann Arbor, 1989. Parte Pedagógica Bittencourt, C. Ensino de História: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2004. Cardoso, C. F. & Vainfas, R. (orgs.) Domínios da história. São Paulo: Campus, 1997. Cardoso, C. F. & Vainfas, R. (orgs.) Novos domínios da história. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012. Meneses, U. T. B. Para que serve um museu histórico? In: Como explorar um museu histórico. São Paulo: Museu Paulista, USP, 1995. Morley, N. Theories, models and concepts in ancient history. London: Routledge, 2004. Pinsky, C. B. (org.) Fontes históricas. São Paulo: Contexto, 2005. Pinsky, C. B. & Luca, T. R. (orgs.). O historiador e suas fontes. São Paulo: Contexto, 2009. Silva, Z. L. (org.) Arquivos, patrimônio e memória. Trajetórias e perspectivas. São Paulo: Editora da Unesp, 1999. BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: História. Brasília: MEC, 1997. BIBLIOGRAFIA: C - Cambridge Ancient History (volumes sobre o mundo grego e mundo romano) --Civilizations of the Ancient Near East, ed. J.SASSON - J.G.Macqueen, 1986, The Hittites, Thames and Hudson, Londres. - F.Braudel, 1985, La Méditerranée, Flammarion, Paris. - C.Mossé, 1966, Le travail en Gréce et à Rome, Que sais-je, Paris. - C.F.Cardoso, E.Bouzon, C.M.M.Tunes, 1990, Modo de Produção Asiático: nova visita a um velho conceito, Ed.Campus, Rio de Janeiro. - M.Finley(org.), 1976, Studies in Roman Property, CUP, Cambridge. - M.Rostovtzeff, 1957, The Social and Economic History of the Roman Empire, Oxford. - K. Polanyi, 1968, Primitive, Archaic and modern economies, N.York. - C.F.Cardoso, 1984, Trabalho Compulsório na Antiguidade, Graal, R.J.
 

Clique para consultar os requisitos para FLH0106

Clique para consultar o oferecimento para FLH0106

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2018 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP