Informações da Disciplina

 Preparar para impressão 

Júpiter - Sistema de Gestão Acadêmica da Pró-Reitoria de Graduação


Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
 
História
 
Disciplina: FLH0117 - História da Cultura IV
Cultural History IV

Créditos Aula: 5
Créditos Trabalho: 1
Carga Horária Total: 105 h ( Práticas como Componentes Curriculares = 20 h )
Tipo: Semestral
Ativação: 15/07/2016 Desativação:

Objetivos
Programa A (Docente responsável: Ana Paula Torres Megiani) História da Cultura IV: Arte, Memória e Cultura Escrita nas Cortes das Monarquias Ibéricas durante a Alta Idade Moderna (secs. XV a XVII). OBJETIVOS: A.Desenvolver um estudo das sociedades ibéricas no processo de consolidação das monarquias a partir do conhecimento dos seus mecanismos de construção da memória, por meio das artes e da cultura escrita, seja ela impressa ou manuscrita. B.Discutir, conhecer e problematizar os métodos e procedimentos da História Cultural, voltada para os estudos das sociedades ibéricas na Alta Idade Moderna. C.Desenvolver estratégias de leitura e investigação sobre o papel da arte em ambientes letrados e cortesãos da península ibérica. D.Aplicar novos métodos de análise acerca da História da Cultura Escrita nas sociedades ibéricas, seus mecanismos de registro impresso e manuscrito, bem como suportes e fixação. Programa B (Docente responsável: Júlio Cesar Pimentel Pinto Filho). História da Cultura IV: Ficção e história: dimensões do paradigma indiciário. As histórias policiais — surgidas no século XIX e bastante difundidas no XX — já foram identificadas de várias maneiras: como um diagnóstico das metrópoles e de seus ritmos frenéticos, como uma defesa da ordem na sociedade burguesa, como forma de crônica social, como exercício de crítica política. O historiador italiano Carlo Ginzburg, num texto célebre, notou seu caráter paradigmático de uma concepção de conhecimento que parte de pistas e busca a verdade, em procedimentos que se assemelham a métodos utilizados por historiadores e que envolvem análise e interpretação de indícios. Já o escritor argentino Ricardo Piglia afirmou que a literatura policial realiza a mais enfática crítica social de que a ficção é capaz.
 
 
 
Docente(s) Responsável(eis)
133259 - Ana Paula Torres Megiani
2110581 - Julio Cesar Pimentel Pinto Filho
 
Programa Resumido
Programa A O curso tem como elementos básicos o estudo de aspectos das monarquias ibéricas modernas, tais como: destacamento do poder real, consolidação da sociedade e cultura de corte, intensificação das redes de comunicação entre círculos das elites do poder, ampliação de ambientes letrados e artísticos e busca de conexões com os mais dinâmicos centros de artes e pensamento da Europa, tanto mediterrânica quanto setentrional. Nesse sentido,será fundamental analisar o papel da circulação e usos de obras de arte, bem como da cultura escrita pelas elites cortesãs ibéricas ao longo dos séculos XV, XVI e XVII, no intuito para entender os mecanismos de formação dos diversos centros de irradiação de poder e expressão dos câmbios pelos quais viveram estas sociedades no momento de consolidação dos seus impérios ultramarinos. Programa B A disciplina pretende explorar algumas dimensões desse “paradigma indiciário” e seu sentido crítico, percorrendo registros da literatura policial, as variações que assume e sua centralidade no debate sobre os diálogos e contrastes entre ficção e história.
 
 
 
Programa
Programa A Durante os três primeiros séculos da chamada Idade Moderna as monarquias católicas ibéricas, constituídas em seus dois principais pontos de aglutinação, Espanha e Portugal, protagonizaram processos e movimentos históricos comuns a toda Europa, tais como: destacamento do poder real, consolidação da sociedade e cultura de corte, intensificação das redes de comunicação entre círculos das elites do poder, ampliação de ambientes letrados e artísticos e busca de conexões com os mais dinâmicos centros de artes e pensamento da Europa, tanto mediterrânica quanto setentrional. Todos esses movimentos dão origem a um multifacetado conjunto de imagens plásticas e representações escritas que revelam as várias perspectivas dessas monarquias compósitas em seus múltiplos aspectos políticos e sociais, sobretudo nos ambientes cortesãos que ali se constituem. Neste curso, compreender o papel da circulação e usos de obras de arte, bem como da cultura escrita pelas elites cortesãs ibéricas ao longo desses três séculos, pretende ser um meio para interpretar os mecanismos de formação dos diversos centros de irradiação de poder e expressão dos câmbios pelos quais viveram estas sociedades no momento de consolidação dos seus impérios ultramarinos. Programa B 1. Origens: cenas da metrópole despersonalizada — o policial analítico e seu contexto 2. Matrizes: constituição do enigma e reconstituição do passado — dimensões epistemológicas — elementos e estrutura do policial 3. Estratégias: a crônica social e o registro do tempo presente — o hard boiled 4. Variações: maleabilidade, desregramento e paródia 5. Efeitos: denúncia e crítica social — um diagnóstico da imoralidade e da corrupção — regionalidade e desesperança 6. Verdade e método: paradigma indiciário e exercício da crítica
 
 
 
Avaliação
     
Método
Programa A. MÉTODOS UTILIZADOS: Aulas expositivas; leitura e análise de fontes escritas e visuais; reflexão historiográfica; seminários temáticos; filmes. Programa B. Prova escrita e resenha escrita.
Critério
Programa A. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO: Serão atribuídas notas a: realização de um trabalho de pesquisa temático, individual, desenvolvido pelo aluno com orientação periódica do professor, sobre tema a ser definido conjuntamente participação dos exercícios de interpretação de fontes visuais e escritas durante as aulas 2 provas escritas versando sobre o conteúdo das aulas expositivas e bibliografia Programa B. Frequência às aulas; leituras e participação nas discussões em sala; capacidade de leitura, análise e interpretação de texto.
Norma de Recuperação
Programa A. CRITÉRIOS DE RECUPERAÇÃO: prova escrita entrega de fichamentos de textos prova oral Programa B. Prova escrita ou resenha sobre obra discutida no curso.
 
Bibliografia
     
Programa A. Livros e Artigos: ANDERSON, Perry, Linhagens do Estado Absolutista, trad. João Roberto Martins Filho, São Paulo, Brasiliense, 1a reimpressão, 1998 BARBOSA Fo, Rubens, Tradição e Artifício. Iberismo e Barroco na formação americana. Rio de Janeiro/Belo Horizonte: IUPERJ/Ed. da UFMG, 2000 BÉLY, Lucien, La société dês princes. XVIe – XVIIIe siècle. Paris: Fayard, 1999 BERGER, Philippe et alli., Histoire du livre et de l'édition dans les pays iberiques. La dépendance, Collection de la Maison des Pays Ibériques, Bordeaux, no 26, Presses Universitaires de Bordeaux, 1986 BERNSTEIN, H. Pedro Craesbeck & Sons: 17th century publishers to Portugal and Brazil. Texto policopiado e distribuído por Adolf M. Hakkert, Amsterdan, 1987 BETHENCOURT, Francisco, História das Inquisições. Portugal, Espanha e Itália . Séculos XV-XIX, São Paulo, Cia das Letras, 2000 BIGALLI, David, Immagini del Príncipe. Richerche su politica e umanesimo nel Portogallo e nella Spagna del cinquecento. Milano: Franco Angeli, 1985 BOUZA-ÁLVAREZ, Fernando, Portugal no Tempo dos Filipes. Política, Cultura e Representações (1580-1668), trad., Lisboa, Edições Cosmos, 2000 ____, Imagen y propaganda: capítulos de historia cultural del reinado de Felipe II. Madrid: Tres Cantos, Akal, 1998 ____, "Para qué imprimir. De autores, público, impressores y manuscritos en el Siglo de Oro", Cuadernos de Historia Moderna, no 18, Universidad Complutense de Madrid, 1997, pp. 31-50 ____, (org. e notas) Cartas para Duas Infantas Meninas. Portugal na Correspondência de D.Felipe I para as Suas Filhas (1581-1583). Lisboa: Anais da Biblioteca de História/ Publicações D.Quixote, 1999 ____, Del Escribano a la Biblioteca. Madrid: Síntesis, 1992 ____, Comunicação, conhecimento e memória na Espanha dos séculos XVI e XVII. Trad. Lisboa: Centro de História da Cultura, 2002 ____, Corre Manuscrito. Una historia cultural del Siglo de Oro. Madrid: Macial Pons, 2001 ____, "Cultura escrita e história do livro: a circulação manuscrita nos séculos XVI e XVII" In. Leituras. Revista da Biblioteca Nacional de Lisboa, S.3, nos 9-10, outono 2001-primavera 2002, pp. 63-95 BOXER, Charles R., O Império Colonial Português (1415-1825). Trad. Lisboa: Edições 70, 1981 ____, "A tentative check-list of Indo-Portuguese imprints", In. Arquivos do Centro Cultural Português¸ Vol. IX, Paris, Fundação Calouste Gulbenkian, 1975, pp. 567-599 BRAGA, Isabel M.R. Mendes D., Um espaço, duas monarquias. Interrelações na Península Ibérica no tempo de Calor V. Lisboa: Centro de Estudos Históricos da Universidade Nova de Lisboa/ HUGIN, 2001 BRANDI, Karl, Carlo V. Trad. Turín: Einaudi, 2001 BRAUDEL, Fernand, El Mediterráneo y el mundo mediterráneo en la época de Felipe II Trad., Mexico: Fondo de Cultura Económica, 1997 ____, Civilização Material, Economia e Capitalismo. Séculos XV-XVIII, Vol 1: As Estruturas do Cotidiano. O possível e o Impossível. Trad., São Paulo: Martins Fontes, 1995 BUESCU, Ana Isabel, Imagens do Príncipe. Discurso normativo e representação (1525-49), Lisboa, Cosmos, 1996 _____, Memória e Poder. Ensaio de História Cultural (séculos XV-XVIII), Lisboa, Cosmos, 2000. CARDIM, Pedro, Cortes e Cultura Política no Portugal do Antigo Regime. Lisboa: Cosmos, 1998 ____, "Centralização Política e Estado na Recente Historiografia sobre o Portugal do Antigo Regime", Nação e Defesa, outubro de 1998, no 87, 2a série, 129-158 Caro Baroja, Julio, Paisajes y ciudades. Madrid: Taurus, 1984 CARRASCO, Raphaël et MILHOU, Alain, (coord), La "Monarchie Catholique" de Philippe II et les Espagnols. Paris: Editions du Temp, 1998 CASTILLO GÓMEZ, Antonio, Escrituras y Escribientes. Prácticas de la Cultura Escrita en una Ciudad del Renascimiento, Las Palmas, Fundación de Enseñanza Superior a Distancia de Las Palmas de Gran Canaria, 1997 ____, "Entre Public et Privé. Stratégies d l'écrit dans l'Espagne du Siècle d'Or”, Annales HSS, juillet-octobre 2001, no 4-5, pp.803-829 ____. Entre la Pluma y la Pared. Una Historia Social de la Escritura en los Siglos de Oro. Madrid: Akal, 2006 CASTRO, Américo, Aspectos del vivir hispánico: espiritualismo, mesianismo, actitud personal en los siglos XIV a XVI. Reimpr. Madrid: Alianza, 1987 CAVALLO, Guglielmo e CHARTIER, Roger (orgs.), História da Leitura no Mundo Ocidental - 2. Trad., São Paulo: Ática, 1999 CHAUNU, Pierre, La España de Calos V. Trad. Madrid: Ediciones Península, 1976, 2 vols. CHECA CREMADES, Fernando, Felipe II - Mecenas de las Artes. 2a ed., Madrid: Nerea, 1993 CHEVALIER, M. Lecturas y lectores en la España de los siglos XVI y XVII. Madrid: Turner, 1976 CURTO, Diogo Ramada, O discurso político em Portugal (1600-1650). Lisboa: Centro de Estudos de História e Cultura Portuguesa, 1988 ____, A Cultura Política em Portugal (1578-1642). Comportamentos, ritos e negócios, Tese de Doutoramento em Sociologia Histórica, Lisboa, Fac. de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, fotocópia, 1994 ____, "A história do livro em Portugal: uma agenda em aberto" In. Leituras. Revista da Biblioteca Nacional de Lisboa, S.3, nos 9-10, outono 2001-primavera 2002, pp. 13-61 DAVIS, Natalie Z., Culturas do Povo. Sociedade e cultura no início da França moderna, trad. Mariza Corrêa, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1990 DÍEZ DE Coral, Rosario Arquitectura y mecenazgo. La imagen de Toledo en el Renacimiento. Madrid: Alianza, 1987 EISENSTEIN, Elizabeth, A Revolução da Cultura Impressa: Os primórdios da Europa Moderna. Trad.Osvaldo Biato, São Paulo: Ática, 1998 "EL Libro antíguo español"- Actas del segundo Coloquio Internacional (Madrid), Salamanca, Ediciones de la Universidad de Salamanca, Biblioteca Nacional de Madrid, Sociedad Española de Historia del Libro, 1992 ELLIOTT, John, España y su mundo: 1500-1700. Trad. Angél Rivero Rodríguez, Madrid: Alianza Editorial, 1991 ____, La España Imperial: 1469-1716. 4a reimpressão, Trad. J. Marfany, Barcelona: Ed. Vicens-Vives, 1993 ELLIOTT, John, e BROCKLISS, Laurence (orgs.), El mundo de los validos. Trad. 2a ed. Madrid: Taurus, 2000 FEBVRE, Lucien e MARTIN, Henri-Jean, O aparecimento do livro. Trad. Henrique Tavares de Castro, Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2000 FERNANDES, Maria De Lurdes Correia, "Uma biblioteca ibérica?" In. Leituras. Revista da Biblioteca Nacional de Lisboa, S.3, nos 9-10, outono 2001-primavera 2002, pp. 123-176 FONSECA, Fernando Taveira, "A Imprensa da Universidade no período de 1537 a 1772" In. AAVV, Imprensa da Universidade de Coimbra. Uma história dentro da História. Coimbra, Imprensa da Universidade, 2001, pp. 7-52 FOUCAULT, As palavras e as coisas. Trad. São Paulo: Martins Fontes, 1995 FRANÇA, Eduardo d'Oliveira, Portugal na Época da Restauração, São Paulo, Hucitec, 1997 GAILLARD, Claude, Le Portugal sous Philippe III d’Espagne. L’action de Diego Silva y Mendoza. Grenoble: Ministère de l’Education Nationale, sd/ GARCÍA GARCÍA, Bernardo José, La Pax Hispanica: politica exterior del Duque de Lerma, Leuven, Leuven University Press, 1996 _____, Los regalos de Isabel Clara Eugenia y la Corte española. Intimidade, gusto y devoción In Reales Sítios, 143, 2000, pp16-27 GINZBURG, Carlo, Olhos de Madeira. Nove reflexões sobre a distância. Trad. São Paulo: Cia das Letras, 2001 GODINHO, Vitorino Magalhães, Ensaios II – Sobre a História de Portugal. Lisboa: Sá da Costa, 1968 GOMES, Rita Costa, A corte dos reis de Portugal no final da Idade Média. Lisboa: DIFEL, 1995 GRAVURA e Conhecimento do Mundo. O livro impresso ilustrado nas colecções da BN, Catálogo de Exposição. Lisboa: Biblioteca Nacional/Ministério da Cultura, 1998 GRUZINSKI, Serge, Les quatre parties du Monde. Histoire d´une mondializacion. Paris: Editions de La Martinière, 2004 _____,"Les mondes mêlés de la monarchie catholique et autres 'connected histories'". Annales HSS, janvier-février 2001, no 1, pp.85-117 HAZARD, Paul, Crise da consciência européia (1680-1715). Trad. Lisboa: Cosmos, 1948 HESPANHA, Antonio Manuel, "O governo dos Áustrias e a modernização da constituição política portuguesa", in. Penélope. Fazer e Desfazer a História, no 12, 1989 _____, Vésperas do Leviatã: Instituições e Poder Político em Portugal – séc. XVII. Coimbra: Almedina, 1994 _____, La Gracia del Derecho: economia de la cultura en la Edad Moderna, Cap.VI La Corte. Madrid: Centro de Estudios Constitucionales, 1993 ­­­­_____, (org) Poder e Instituições na Europa do Antigo Regime. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, s/d IMPEY, Oliver e MACGREGOR, Arthur, The origins of museums: the cabinet of curiosities in sixteenth and seventeenth century Europe. Oxford: Claredon Press, 1985 Iñiguez Almech, F., Casas Reales y Jardines de Felipe II. Madrid: 1952 LISÓN TOLOSANA, Carmelo, La imagen del rey. Monarquía, realeza y poder ritual en la Casa de los Austrias. Madrid: Espasa-Calpe, 1991 LYNCH, John, España bajo los Austrias/1 - Imperio y absolutismo (1516-1598). 7a ed., Madrid: Ediciones Península, 1993 LÚXAN MELÉNDEZ, Santiago de, Los funcionarios del Consejo de Portugal: 1580-1640, in. Cuadernos de Investigación Historica, no 12, 1989, pp.197-228 MACEDO, Jorge Borges de, "Livros impressos em Portugal no século XVI" In. Arquivos do Centro Cultural Português, IX, Paris: Fundação Calouste Gulbenkian, Paris, 1975, pp. 183-221 MARAVALL, José Antonio, Estado Moderno y Mentalidad Social (siglos XV a XVII). Madrid: Ediciones de la Revista de Occidente, 1972 MARQUILHAS, Rita. A Faculdade de Letras: leitura e escrita em Portugal no século XVII. Bragança Paulista: EDUSF, 2003 ____, "Que todas as pessoas façam rol de todos os livros que tiverem... Testemunhos seiscentistas de uma leitura privada em Portugal", Cultura: Revista de História e Teoria das Ideias, n. 9, 1997. ____, A tipografia quinhentista de expressão cultural portuguesa no Ocidente (India, China e Japão), Lisboa, Tese de doutoramento, 1997 MARTÍNEZ MILLÁN, José (dir.), La corte de Felipe II. Madrid: Alianza Editorial, 1994 MEGIANI, Ana Paula Torres, A escrita da festa: os panfletos das jornadas filipinas a Lisboa de 1581 e 1619, in. JANCSÓ, István e KANTOR, Iris, (orgs.) Festa: cultura & sociabilidade na América Portuguesa, São Paulo, Imprensa Oficial/ Hucitec/ Edusp/ Fapesp, 2001, vol. II, pp.639-653 ____,O Império em papel e tinta: impressores ibéricos na época da União das Coroas, Convergência Lusíada 19 - Relações Luso-Brasileiras, Real Gabinete Português de Leitura, Rio de Janeiro, 2002, pp. 47-58 ____, O Jovem Rei Encantado. Expectativas do messianismo régio em Portugal, séculos XIII a XVI. São Paulo: HUCITEC, 2003 ____, O Rei Ausente. Festa e cultura política nas visitas dos Filipes a Portugal (1581 e 1619). São Paulo: Alameda, 2004 ____, Política e Letras no Tempo dos Filipes: o Império português e as conexões de Manuel Severim de Faria e Luis Mendes de Vasconcelos. In. BICALHO, Maria Fernanda B. e FERLINI, Vera Lúcia A., Modos de Governar: Idéias e práticas políticas no Império Português – séculos XVI-XIX. São Paulo: Alameda, 2005, pp. 239-256. MELLO, Evaldo Cabral de, O Negócio do Brasil. Portugal, os Países Baixos e o Nordeste. 1641-1669, Rio de Janeiro, Topbooks, 2a ed., 1998 MESTRE, Antonio. "Francisco Manuel de Mena: la ascensión social de un mercader de libros provedor de la élite ilustrada." Libros, libreros y lectores: revista de historia moderna, anales de la Universidade de Alicante IV, p. 49-71, 1984. MORÁN TURINA, Miguel, Estúdios sobre Velázquez. Madrid: Akal, 2006 MORÁN, Miguel e CHECA, Fernando, El Coleccionismo em Espana. De la câmara de maravillas a la galeria de pinturas. Madrid: Cátedra, 1985 _____, Las Casas del Rey, Casas de Campo, Cazaderos y Jardines. Siglos XVI y XVII. Madrid: 1986 MUSI, Aurelio, L´Italia dei Viceré. Integrazione e resistenza nel sistema imperiale spagnolo. 2a ed. Roma: Avagliano, 2001 Nieto Alcaide, Víctor Manuel, Morales, Alfredo J., Checa, Fernando, Arquitectura del Renacimiento en España, 1488-1599. 2ª ed. Madrid: Cátedra, 1993 OLIVEIRA, António, "A Censura Historiográfica no Período Filipino. Uma nota para o seu estudo" Revista Portuguesa de História, Tomo XXII, Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 1985, pp. 172-184 _____, Poder e oposição política em Portugal no Período Filipino (1580-1640), Lisboa, DIFEL, 1991 POMIAN, Krzystof, Des saintes reliques à l’art moderne. Paris: Gallimard, 2003 PÉREZ SÁNCHEZ, Alfonso Emilio, Felipe IV y Velásquez. Madrid: Fundación Universitaria Española, 2006 PRIETO BERNABÉ, J. M., Espacios, formas y manifestaciones modernas de la cultura escrita: España y Portugal (siglos XVI-XIX). In. Hispania. Revista Española de Historia. Sept.-Diciem. Vol. LXV/3 – 221 (2005), pp. 809-812. _____, “Recibida y admitida de todos…” La lectura de la historia en la sociedad madrileña del Siglo de Oro. In. Hispania. Revista Española de Historia. Sept.-Diciem. Vol. LXV/3 – 221 (2005), pp. 877-938. REDONDO, Augustin, La Prophétie comme arme de guerre des pouvoirs (XVe-XVIIe siècles). Paris: Sorbonne. 2000 RODRÍGUEZ DE LA FLOR, Fernando, Emblemas. Lecturas de la imagen simbólica. Madrid: Alianza Editorial, 1995 SALAZAR, Adolfo, La Música de España. La música en la cultura española. Buenos Aires: Espasa-Calpe, 1953 SALVADOR, José Gonçalves, "A Lei de Imprensa e o Comércio de Livros de Filipe II, e seus reflexos na América Luso-Espanhola", In. Vozes da História São Paulo: Humanitas, 2001 SCHAUB, Jean-Frédéric, "La Penìnsola Iberica nei secoli XVI e XVII: la questione dello Stato", in. Studi Storici, anno 36, 1 (Jan-Mar. 1995) ______, Portugal na Monarquia Hispânica (1580-1640). Trad. Pedro Cardim: Lisboa, Livros Horizonte, 2001 _____, Le Portugal au temps du Comte-Duc D´Olivares (1521-1540). Le conflit de jurisditions comme exercice de la politique. Madrid: Casa de Velazquez, 2001 _______, Une histoire culturelle comme histoire politique (note critique). Annales, HSS, juillet-octobre, 2001, no 4-5, pp. 981-997 SERRÃO, Joaquim Veríssimo, Viagens em Portugal de Manuel Severim de Faria. 1604-1609-1625. Subsídios para a História Portuguesa, vol. 12, Lisboa: Academia Portuguesa de História, MCMLXXIV SKINNER, Quentin, As Fundações do Pensamento Político Moderno. 1a reimpressão, Trad. Renato Janine Ribeiro e Laura Teixeira Motta, São Paulo: Cia das Letras, 1999 SUBRAHMANYAN, Sanjay, Du tage au Gange au XVIe siècle: une conjoncture millénariste à l´èchelle eurasiatique. Annales HSS, janvier-février 2001, no 1, pp.51-84 TREVOR-ROPER, Hugh, Principes y Artistas. Mecenazgo e Ideología en cuatro Cortes de los Habsburgo 1517-1623. Madrid: Celeste Ediciones, 1992 Manuais Historiográficos: Bethencourt, Francisco, e ChaudhurI, Kirti (orgs.) História da Expansão Portuguesa. Lisboa: Círculo de Leitores, 1998. DELGADO CASADO, Juan, Diccionário de impresores españoles, siglos XV-XVII, Madrid, Arco y Libros, 1996 GALLARDO, D. Bartolomé José, Ensayo de una Biblioteca Española de Libros Raros Y Curiosos. Madrid: Imprenta y Estereotipia de M. Rivadeneyra, 1863 GARCÍA DE CORTÁZAR, Fernando e GONZÁLES VESGA, José Manuel, Breve Historia de España, Madrid, Alianza Editorial, 2000 HAEBLER, Konrad, Early printers of Spain and Portugal. London: Bibliographical Society at the Chiswick Press, 1896-1897 MATTOSO, José, História de Portugal. vols 3 e 4 Lisboa: Círculo de Leitores PEREZ, Domingo Garcia, Catalogo razonado de los autores portugueses que escrivieron en castellano, Madrid, Imprenta del Colegio Nacional de Sordo-Mudos y Ciegos, 1890 SILVA, Innocencio Francisco da, Diccionario Bibliographico Portuguez, Lisboa, Imprensa Nacional, 1859 VICENS VIVES, J. e ORTEGA, R. Historia Social y Economica de España y America, Barcelona, Editorial Vicens Vives, 1977. Programa B ALTAMIRANO, Carlos e SARLO, Beatriz. Literatura/sociedad. Buenos Aires, Hachette, 1983 ARASSE, Daniel. Le détail. Pour une histoire rapprochée de la peinture. Paris, Flammarion, 1996 BARBOSA, João Alexandre. A leitura do intervalo. São Paulo: Iluminuras, 1990 BOURDIER, Jean. Histoire du roman policier. Paris: Éditions de Fallois, 1996 CREMANTE, Renzo e RAMBELLI, Loris (orgs.). La trama del delitto. Teoria e analisi del racconto poliziesco. Parma: Pratiche Editrice, 1980 ECO, Umberto. Seis passeios pelos bosques da ficção. São Paulo, Companhia das Letras, 1994 ECO, Umberto. O nome da rosa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1983 ECO, Umberto. Pós-escrito a O nome da rosa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993 FIGUEIREDO, Vera Follain de. Os crimes do texto. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003 GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais. São Paulo, Companhia das Letras, 1989 GINZBURG, Carlo. “Apontar e citar. A verdade da história”, in Dossiê História-Narrativa. RH. Revista de História. n° 2, Campinas, IFCH-Unicamp, 1991, pp. 91-106 GINZBURG, Carlo. Nessuna isola è una isola. Quattro sguardi sulla letteratura inglese. Milão, Feltrinelli, 2000 GINZBURG, Carlo. Olhos de madeira. Nove reflexões sobre a distância. São Paulo, Companhia das Letras, 2001 GINZBURG, Carlo. Relações de força. São Paulo, Companhia das Letras, 2002 GRIMALDI, Laura. Il giallo e il nero. Scrivere suspense. Parma: Pratiche Editrice, 1996 IRWIN, John T.. The Mistery to a Solution. Poe, Borges and the Analytic Detective Story. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1994 KOSELLECK, Reinhart. Futuro pasado. Para una semántica de los tiempos históricos. Barcelona, Paidós, 1993 KRACAUER, Siegfried. Il romanzo poliziesco. Un trattato filosofico. Roma: Editori Riuniti, 1997 JAMESON, Fredric. The Political Unconscious. Narrative as a Socially Simbolic Act. Ithaca, Cornell University Press, 1981. LACAPRA, Dominick. History and Criticism. Ithaca, Cornell University Press, 1985 LIMA, Luiz Costa. Mimesis e modernidade. Formas das sombras. Rio de Janeiro, Graal, 1980 LIMA, Luiz Costa. Sociedade e discurso ficcional. Rio de Janeiro, Guanabara, 1986 LIMA, Luiz Costa. A aguarrás do tempo. Rio de Janeiro, Rocco, 1989 LIMA, Luiz Costa. Pensando nos trópicos. Rio de Janeiro, Rocco, 1991 LIMA, Luiz Costa. História, ficção, literatura. São Paulo: Companhia das Letras, 2006 LOWENTHAL, David. The Past is a Foreign Country. Cambridge, Cambridge University Press, 1985 PETRONIO, Giuseppe. Sulle trace del giallo. Roma: Gamberetti Editrice, 2000 PIETROPAOLI, Antonio. Ai confini del giallo. Teoria e analisi della narrativa gialla ed esogialla. Napoli: Edizioni Scientifiche Italiane, 1986 PIGLIA, Ricardo. Crítica y ficción. Buenos Aires: Ediciones Fausto, 1993 PIGLIA, Ricardo. O laboratório do escritor. São Paulo, Iluminuras, 1994 PIGLIA, Ricardo. Formas breves. São Paulo, Companhia das Letras, 2004 RAMBELLI, Loris. Storia del "giallo" italiano. Milão: Garzanti, 1979 REIMÃO, Sandra. Literatura policial brasileira. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005 SAER, Juan José. El concepto de ficción. Buenos Aires, Ariel, 1997 SOLOTOREVSKY, Mirna. Literatura-Paraliteratura. Puig, Borges, Donoso, Cortázar, Vargas Llosa. Gaithersburg: Hispamerica, 1988 STONE, Lawrence. “O ressurgimento da narrativa. Reflexões sobre uma velha história”, in Dossiê História-Narrativa. RH. Revista de História. n° 2, Campinas, IFCH-Unicamp, 1991, pp. 13-37 WATT, Ian. A ascensão do romance. São Paulo: Companhia das Letras, 1993 WHITE, Hayden. Trópicos do discurso: ensaios sobre a crítica da cultura. São Paulo, Edusp, 1994
 

Clique para consultar os requisitos para FLH0117

Clique para consultar o oferecimento para FLH0117

Créditos | Fale conosco
© 1999 - 2021 - Superintendência de Tecnologia da Informação/USP